Leandro Narloch O caçador de mitos

O caçador de mitos

Uma visão politicamente incorreta da história, ciência e economia

sobre

Jornalista, foi editor da revista Superinteressante e repórter de ciência de Veja. Escreveu o bestseller Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, entre outros. É mestre em filosofia pela Universidade de Londres.

Ataques em Paris: já estão culpando a vítima

Por: Leandro Narloch

 

10926406_10152533275827823_3900747446125337858_n

O ataque contra os jornalistas franceses do Charlie Hebdo mal acabou e já tem intelectual culpando as próprias vítimas pelo episódio.

Como sempre acontece nesses casos, a opinião vem neste formato: “Não estou defendendo o estuprador, mas a mulher não deveria sair por aí com uma saia tão curta. Não estou defendendo o assaltante, mas isso que dá ostentar um Rolex”.

“Esse jornal deveria compreender que isso não se faz, é atrair problema”, disse, ao vivo na Globonews, a professora Arlene Clemesha, da USP. “É claro que não estou defendendo os ataques, mas não se deve fazer humor com o outro.” A professora ainda chamou a revista de sensacionalista. O Charlie Hebdo não é sensacionalista – é uma revista satírica parecida com O Pasquim, que a professora deve adorar.

Pouco antes, o professor Williams Gonçalves, da UERJ, foi mais constrangedor. Culpou os próprios jornalistas pelos ataques, disse que as charges foram um ato de irresponsabilidade e perguntou qual é a graça de se fazer charges com Maomé. “Quem faz uma provocação dessa não poderia esperar coisa muito diferente”, diz ele.

Ora, é claro que o humor sobre religiões tem sua graça. O Porta dos Fundos zomba de religiosos quase toda semana – entre eles, os muçulmanos. O musical The Book of Mormons tem duas horas de pura ridicularização da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Maomé foi um entre tantos religiosos que o Charlie Hebdo satiriza.

Mas o importante é que os jornalistas franceses não cometeram nenhum crime. A charge sobre Maomé é inofensiva – não se pode acusar a revista de discriminação. A liberdade de expressão não só é garantida pela lei local – também é um dos grandes valores da cultura francesa.

 

Voltar para a home

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

479 comentários
  1. Magda

    Na realidade, entendo que, embora não se justifique tanta violência, a França (e eu tenho sangue francês) tem culpa sim. Começou proibindo o uso dos véu por meninas islâmicas nas escolas. Por favor, qual a diferença entre usar ou não o véu? Para nós, nenhuma, para eles (os muçulmanos) tudo! Por que esta provocação sem sentido? Depois as charges. Parece-me que respeito não foi a palavra-chave. Se tivessem respeitados os muçulmanos nada disso teria acontecido. As vítimas são eles: da falta de respeito de pessoas que desconhecem e querem julgar. Cada um na sua! Liberdade de imprensa é uma coisa, agressão ao considerado sagrado é outra bem diferente. A França pediu com as duas mãos!Senao sabe morder, não lata! Simples assim!

  2. Paulo

    Meu Deus! Eu estou pasmo com essa repentina ira contra os professores públicos universitários. Vocês poderiam colocar aí no comentário de vocês onde e qual área de formação de cada um, para falar tanta sandice. Aposto que muitos estudaram em universidades públicas,mas acredito que muitos nem colocaram os pés em uma.

  3. Paulo

    Meu Deus! Eu estou pasmo com essa repentina ira contra os professores universitários. Vocês poderiam colocar aí no comentário de vocês onde e qual área de formação

  4. Wagner Jorge

    O Charlie Hebdo era um jornal de sátira religiosa. O Paquistão fazia sátira política.
    Neste episódio todos são vítimas.

  5. Denis Souza

    Muita hipocrisia em Paris estão confundindo liberdade com “liberdade de fazer chacota com a religião alheia”.Vi algumas charges e desenhos imundos e nojentos desse jornal . Uma verdadeira inversão de valores humanos e desrespeitos ao próximo . Esse jornal não tem ética alguma pra falar de direito humano algum. É repugnante!

  6. Fábio

    Os muçulmanos que se explodam, se matem ou o que queiram, mas bem longe do Ocidente. Eles são intolerantes e acham que o resto da humanidade deve morrer.

  7. adam levine

    direitista

  8. Neuer

    Corroboro o pensamento citado acima. Quem mandou mexer com a religião dos outros? Cada um no seu quadrado! Tomara que as pessoas entendam o que é respeito, pois senão vai continuar acontecendo. Na verdade, vai piorar.

  9. Cri

    O que esperar desses professores das universidades públicas!

  10. Paulo Jorge

    QUEM CRIA A ‘COBRA QUE PICA'(Opinião feita na Comunidade Européia) : “… este é o momento de confrontar a União Europeia, a NATO e o governo francês em particular com as suas imensas e determinantes responsabilidades no crescimento de uma nova “jihad” que agora (e uma vez mais) lhes rebenta nas mãos…”
    ” … é tempo de lembrar que em Abril de 2013 a União Europeia decidiu comprar às claras petróleo aos “rebeldes” que haviam tomado para si – e para o financiamento da sua “jihad” – poços de petróleo que pertencem na verdade ao povo sírio …” http://manifesto74.blogspot.com.br/2015/01/nao-nao-somos-todos-charlie-hebdo.html

  11. Paulista

    O Estado Democrático de Direito reserve aos cidadãos ofendidos o direito de ir buscar na Justiça o combate às ofensas, calúnias e difamação, portanto, não é preciso fuzilar ninguém para conseguir abrir um processo.

    A verdade é mesmo que o brasileiro, de maneira geral, torce para o bandido, criminaliza sempre a vítima em prol do malfeitor. É por isso que o país está infestado de criminosos, de todas as espécias, categorias e tendências.

    PAÍS SEM POBREZA É PAÍS EM PT.

  12. Alessandra

    Bom dia!
    Moral da história, vamos ter mais cuidado com nossas atitudes! Vamos pôr mais amor, compaixão em nosso direito de liberdade! Violência verbal ou física nunca levará a um bom lugar!

  13. Rafael

    O multiculturalismo é a bandeira sempre empunhada pela esquerda, com a consequente e inevitável anulação axiológica entre diferentes culturas e o surgimento do relativismo. Bem, se assim é, então devemos concluir que não podemos de forma alguma condenar este ataque sangrento ao jornal. Afinal, se pela nossa ótica isso é um crime bárbaro, inadmissível, intolerável, por outro lado é um ato do mais alto valor para os integrantes da cultura que cometeram o ato. Se para um ocidental isto é barbárie, para um integrante da cultura que cometeu os homicídios isto é altamente honroso e meritório. Quem defende o multiculturalismo e o relativismo não pode atacar este raciocínio.

  14. Luis

    então tá Leandro Narloch quando voce aterrisar no planeta Terra me avise tá?

  15. victor

    a estetica corrompeu a etica.. Eh incrivel ver como muita gente se horrorizou com as charges (meras ideias avulsas), e nao com os assassinatos!

  16. Intelectual de choperia

    Como intelectual de choperia jubilado numa universidade pública brasileira onde estudava História e militava em partideco de esquerdo, vejo-me perplexo por não ter sido convidado para uma rodada de debates na Globonews. Como meus colegas, eu sempre me dispus a participar dessa política de redução de custos do canal, que contrata jornalistas do calcanhar sujo para fazer troca-troca ideológico com intelectuais de buteco como eu, que só cobro o chope à guisa de cachê. Para o Brasil, está bom até demais.

  17. Vania Aires

    Triste…

  18. olbe

    Podem até dizer que provocaram, mas diante de qualquer provocação você tem o DIREITO DE MATAR??????
    O Holocausto foi a maior tragédia da Humanidade mas você tem conhecimento de algum judeu que se explodiu para vingar seus mortos? O direito a vida ninguém pode tirar, só D’US!!!!!E matar com suas próprias mãos, degolar inocentes frente as câmeras, obrigar as pessoas a negar sua religião..só os muçulmanos fazem…

  19. Belém Comenta !!!!!

    Acho muito difícil de entender como toca a orquestra sobre esse assunto ,acho que muitas pessoas que possam racionar sobre o caso de como a policia francesa horas depois tinha os nomes dos (suspeitos) de praticarem o horror !!! sem duvida a informação deturpada do acontecimento cria ou detona a total ausência de empatia sobre a população islâmica mundial !!! seria então algum orquestrado, maestria sionista que busca abertamente através da mídia mundial a disseminação da causa sionista não somente entre religiosos judeus mais de todo o mundo civilizado, basta lembrar que as armas que fundamentalistas utilizam na guerra civil da Síria e Iraque tem chancela OBAMA com claro motivo de derrubar o governo daquele país, enfim fica a opinião !!!

  20. João Bosco de Castro

    Leandro. Discordo de você quando diz que o jornal francês não cometeu nenhum crime. Cometeu crime de escarnecer publicamente por motivo de crença ou função religiosa. Assim como os vagabundos da: “Porta dos fundos” também cometeram e devem ser punidos na lei. Eu sei que como esquerdista você não deve entender então eu vou fazer uma analogia aqui “desenhando” para você poder compreender. Se este jornaleco da França fizesse uma charge com a sua mulher ou sua mãe ou ainda a sua filha dando o rabo para uma fila uns 50 homens, você não ia chamar isso de livre expressão ou direito a liberdade não é mesmo ?

  21. Pafúncio

    Eduardo – 09/01/2015 às 12:51
    O conjunto desses comentários não deixa de ser um “termômetro” da mentalidade medieval de muitas pessoas em nosso país… quem defende qualquer atitude violenta e fanática é, na melhor das hipóteses, burro; na pior, psicopata. A base do humor é e estereotipar sim — religiosos, gays, loiras, portugueses etc. E o CH faz piada com tudo (sim, conheço; morei lá). Esse ataque vai além do triste fato de ter ceifado vidas: é um ataque ao princípio da liberdade de expressão. Se psicopatas muçulmanos (que migram aos milhões para a França e usam e abusam de programas sociais do Estado) não têm sutileza para o humor, por que simplesmente não retornam para seus buracos cheios de fome, repressão e bombas no norte da África e na Ásia?

    Eduardo, assino embaixo.

  22. Pafúncio

    Lugar de mulçumano é fora do ocidente. Eles nos odeiam, e não escondem isso!!!!!

  23. Arthur V S

    Sinto pena da cegueira que acomete alguns indivíduos. Mas como diz Chomsky, é necessário que boa parte da eleite intelectual engula a ideologia propagada pelo grupo dominante para que este se perpetue. Não foram frágeis lápis defensores da liberdade de expressão que foram atacados no atentado recente. Aidna que de forma alguma concorde com a atitude tomada pelos assassinos, creio ser necessário deixar a superfície do óbvio. O que faziam os cartunistas era criar um ódio contra todo um povo, ridicularizando suas crenças e fortalecendo o estereótipo do árabe terrorista. O desfecho foi infeliz, isso é um truísmo. No entanto é errado imaginar que os criminosos se opuseram à liberdade de expressão. Tal direito possui limites, e esses limites residem na uanidade e nos direitos do outro.

  24. Andre

    Consideremos duas premissas:
    1. É idealmente esperado por todos nós que um estado laico seja aquele que pregue, por meio dos seus dispositivos inerentes a um estado de direito garantidor da liberdade de expressão, o respeito mútuo independente de credo religioso, raça,
    gênero,etc. preferências, etc.
    2. O homem é um primata orgulhoso, vaidoso e ambivalente, que se caracteriza por hábitos tribais e por um elevado nível de ódio reprimido, sustentando -se em recursivos dispositivos de violência e pacificação.

    A questão é: a premissa 1 é mais fundamental que a premissa 2 ?

    Se sim, então a França enquanto estado laico não teria que se a a sujeitar as regras muçulmanas

    Se não, ou seja a tribalidade primata é o verdadeiro fundamento, então temos que ter tomar cuidado quando nos referimos a outras tribos primatas.

    Questão de visão de mundo acerca do homem

  25. Fabio Pessoa

    ‘Intelectuais’ da USP & UFF, esperar o quê? São da mesma cepa das Marilena’s Chaui’s “da vida”. Triste.

  26. Ronaldo Carvalho

    Condcordo completamente com a professora Arlene Clemesha. A questão muçulmana na França é muito mais séria do que a mídia nos traz. Nada justifica assassinato, morte, violencia. Mas se o senhor começar a escrever artigos ridicularizando os jiu jitsu da Barra da tijuca, cedo ou tarde um dos animais vai sim te descer porrada. São radicais. O pasquim, sabia e foi criado pra isso, que ridicularizar os militares em meio a ditadura ia dar em merda, deu. Prisão e porrada nos cartunistas. Esta religião em questão, é ulta radical, todo mundo sabe, e não admite em hipotese nenhuma que se retrate a figura de Maomé. Quanto mais, de quatro e com estrela no cu. Entra num boteco no interior do pernambuco e grita “pernambucano é tudo corno!” terás 3 minutos de vida. Liberdade de expressão , todos tem ou tem que ter, mas tem que saber usá-la.

  27. Carlos Souza

    Liberdade de expressão e um direito. dentre outros tantos direitos. o primeiro direito entro todos é, o respeito ao próximo. quando ofendemos, denegrimos ou difamamos a imagem de outro homem, de sua família, suas cresças ou seu lar, estamos interferindo em seu direito de não querer ser ofendido, de respeitar e ser respeitado. e quando nos damos o direito a não respeitar o outro, perdemos o direito digno de nossa própria liberdade.

  28. Paulo dos Santos

    Você Leandro Narloch, crítica quem tem opinião diferente da sua e desapego ao seu corporativismo, mas e o respeito a liberdade de expressão que Vc tanto deveria defender, onde está!??

  29. Débora

    O Islão deve parecer uma religião paradoxal para os não-muçulmanos. Se, por um lado, ele é constantemente retratado como a religião da paz, por outro lado, seus adeptos são responsáveis ​​pela maioria dos ataques terroristas ao redor do mundo. Apologistas do Islão gostam de enfatizar que o Islão é uma fé construída sobre padrões éticos elevados; outros salientam que é uma religião da lei. A noção dualista do Islão com respeito a verdade e falsidade ressalta ainda mais esta sua natureza paradoxal: enquanto que o Alcorão é contra os crentes enganando outros crentes – pois “certamente Alá não guia aquele que é pródigo e mentiroso” [1] – uma fraude dirigida a não-muçulmanos, geralmente conhecida em árabe como taqiyya, também tem apoio do Alcorão e se enquadra na categoria legal de coisas que são permitidas para os muçulmanos.
    De acordo com a Shari’a – o corpo de normas jurídicas que define como um muçulmano deve se comportar em todas as circunstâncias – o ato de enganar não é apenas permitido em determinadas situações, mas pode ser considerado obrigatório em outras. Contrariamente à tradição cristã, por exemplo, os muçulmanos que foram forçados a escolher entre deixar o Islão ou sofrer perseguição foram autorizados a mentir e fingir apostasia. Outros juristas decretaram que os muçulmanos são obrigados a mentir a fim de preservar-se [2], baseado em versos do Alcorão proibindo os muçulmanos de serem os instrumentos de suas próprias mortes. [3]

    http://infielatento.blogspot.com.br/2012/07/de-que-modo-taqiyya-altera-as-regras-de.html

  30. Paulo Souza

    Minha mulher me traiu com meu vizinho. Eu rompo o casamento, me afasto, sofro e depois dou a volta por cima.

    Minha mulher me traiu com meu vizinho. Eu vou lá e dou um tiro na cara de cada um dos dois.

    Tem gente aqui que acha que a segunda conduta é justificável…

  31. Diego Brito

    Na minha humilde opinião, a questão é a seguinte.
    A religião islâmica valoriza sua própria fé infinitas vezes mais do que a sociedade em que estamos inseridos.
    Por essa razão, satirizar o islamismo é tão “afrontante”.
    Se você pensar como ocidental não vai entender os motivos que movem os muçulmanos.
    Isso é uma ignorância enorme.
    Partindo desse pré-suposto, o charlie hebdo foi muito além do aceitável…

  32. Fabiano

    Jonas
    Lamento, mas mais do mesmo.
    Você coloca:
    “Falar que não se deve responder uma charge com violência é simplesmente negar a realidade de um grupo cultural diferente do seu.”
    Não sei que “grupo cultural” se presta a realizar uma chacina por conta de charges, este “grupo cultural” deve ter uma realidade bem deturpada.
    Quanto ao “dogma” que você se refere, neste caso seria uma verdade admitida pela religião, que não pode ser discutida, não possui possibilidade de contraditório, ou seja, o Islã não aceita insultos e os vinga com sangue, é o que se pode concluir.
    Acho que você colocou os muçulmanos e terroristas e o Islamismo em um lugar comum e chamou o seu orgulho de “Dogma”.
    Não concordo e em momento nenhum critiquei os muçulmanos, nunca generalizei, quem chamo de criminosos e marginais são os autores dos assassinatos estes sim possuem uma ideia distorcida de religião e sociedade.
    Fazer o que fizeram por causa de charges? Para mim este é um motivo fútil, que é o que você chama de “dogma”, quem quer que fique ofendido que procure a lei, não se justifica matar alguém por isso, muito embora este tenha sido apenas um pretexto para o atentado, se eles tivessem atirado em pessoas a esmo na rua, a questão da liberdade de expressão nem teria sido lembrada.

  33. Weslei Júlio

    O Charlie Hebdo é intolerante, desrespeitoso, blasfemo. Suas charges, cartuns não são inteligentes e nenhum pouco originais. Faze parte de time de ignorantes atacantes da Igreja e de qualquer outra fé.

  34. leo

    A turma do: “MAS”… já está justificando o atentado.
    Passa o tempo e o texto do link abaixo segue atualíssimo. Confira: http://www.olivronanuvem.com.br/site/uma-mulher.html

  35. Margareth Morgado

    Querida, deixe de hipocrisia e expresse o seu verdadeiro sentimento, que é em favor de fanáticos assassinos, que formam o EI, que é apenas mais uma facção criminosa, cujo único objeto de existência é a perseguição é o ódio dedicado à Israel e aos EUA.

    Querida, je suis Veja, que está sozinha no combate aos crimes cometidos pelo governo, pelos militante e asseclas lulopetistas.

    Essa gente só se mantém viva enquanto o ódio existir em suas almas, são como vermes lombriguentos, que morrem ao saírem das fezes.

    Se acha que o mundo deles é melhor, tente a sorte, quem sabe será mais feliz sendo escrava, sem nenhum direito básico, dedicada ao ensinamentos (kkkk) do maomerda.

    MATARAM OS IRMÃOS IDIOTAS E MAIS COMPARSAS…DIA FELIZ!!!
    Que Alah tenha piedade da suas almas suja.

  36. Celso

    Acabei de ouvir as análises deste professor é quase vomitei…Tá difícil!!!

  37. […] comentaristas que considero sérios (aqui ou aqui, por exemplo) não deixaram de noticiar o nível de indigência de nossos intelectuais que […]

  38. Nicole Loss

    O atentado é desumano, desleal e triste. Nada que vou dizer tem a intenção de discordar disso. Porém, não se pode ignorar o fato de que o Charie Hebbo perseguia o EI. O jornal passou dos limites com a fé islâmica, não é uma ou duas capas que ridicularizam a fé desse grupo, são muuitas e humor deve ter limite, SIM! Principalmente quando veiculado junto a conteúdo jornalístico, apesar de jornalistas de VEJA não saberem o que é imparcialidade, ela deveria ser requisito básico de todos os comunicadores, inclusive chargistas.
    Além disso, o EI já tinha tido surtos com publicações de charges na Dinamarca em 2005 quando 50 pessoas morreram, então pra que continuar com piadinhas toscas? Pra ver o que acontece quando se zoa um grupo extremista e terrorista? Parece até piada.

  39. Eduardo

    O conjunto desses comentários não deixa de ser um “termômetro” da mentalidade medieval de muitas pessoas em nosso país… quem defende qualquer atitude violenta e fanática é, na melhor das hipóteses, burro; na pior, psicopata. A base do humor é e estereotipar sim — religiosos, gays, loiras, portugueses etc. E o CH faz piada com tudo (sim, conheço; morei lá). Esse ataque vai além do triste fato de ter ceifado vidas: é um ataque ao princípio da liberdade de expressão. Se psicopatas muçulmanos (que migram aos milhões para a França e usam e abusam de programas sociais do Estado) não têm sutileza para o humor, por que simplesmente não retornam para seus buracos cheios de fome, repressão e bombas no norte da África e na Ásia?

  40. Ronn

    Esses dois atiradores nascidos e criados na França!
    Obedecem sua religião e matam cidadãos franceses
    inocentes contrarios a sua crença !
    Esse é o poder de lavagem cerebral que certas religiões
    ortodoxas podem produzir e induzir a matar em nome de “Ala ,Deus”
    em um mundo cada vez mais sem ideais e objetivos sobrou a religião…

  41. F.H.

    Não assisto Globonews para me prevenir de azia ao ouvir seus convidados.
    A França virou a casa da mãe Joana, cheia de psicopatas radicais, gente que a civilidade acolheu para melhorar suas vidas, e está pagando caro por isso.

  42. Sissi

    In-crível! Não-crível ver esses ‘doutos’ falarem asnera assim e alguém ainda prestar atenção. De onde tiram essa de culpar a vítima? Perderam a vergonha intelectual.

  43. Tuido Neste

    Professores da USP e UERJ? São as pessoas que formam nossos “pensadores”. Isso explica a razão da lógica invertida AINDA ser tão difundida no Brasil.

  44. Lívia

    Interessante… Quando do lançamento do filme “A última tentação de Cristo”, vários países o proibiram. Na América do Sul, continente de maioria Cristã, destaco o Chile. Lá, o filme permaneceu a sete chaves por 14 anos até que fosse liberado. Então pergunto: Onde estava naquele momento, a cobrança da liberdade de expressão? Pouquíssimos movimentos puderam ser vistos em prol da mesma. Ora, não vou cair aqui no comum, ou seja: “não concordo com um ato tão violento, mas…”, porém penso que “Quando não sabemos brincar, não devemos descer para o play” porque há brincadeiras onde o resultado pode ser desastroso. Por exemplo: Brincar de descer uma escada, rápido e de costas. Na realidade, e com todo o respeito que tenho a escolha de cada um no que tange a Fé, gostaria de deixar dois objetos para reflexão: 1- Porque a religião é fonte de tanta violência na história da humanidade? 2- “Porque os países MENOS religiosos são MENOS violentos? A meu ver a questão “religião” deixou à sua própria margem a sua verdadeira mensagem, e em troca não teve força para banir de seu exercício, a “discriminação”; a “política” e o “Poder”.

  45. Genaro

    Por favor, apoiemos esta campanha civil abaixo. Gentileza divulgar entre os blogueiros católicos, protestantes, espíritas e toda a gente de bem. É preciso que os cidadãos do mundo digam claramente à Dona ONU: “Você não manda em nossas consciências, sua fedorenta!” “Você não tem o monopólio da linguagem e da semântica e muito menos da verdade, para nos enfiar goela abaixo os teus conceitos de “preconceito”, “intolerância”, “avanço social”, “direitos humanos (da criança, da mulher, dos homossexuais”).” “Quer queira quer não, você dona ONU, tem que aceitar que sua OPINIÃO é apenas uma entre tantas. O mundo (ainda) é plural e nós não aceitamos tuas imposições totalitárias. Chega dessa manipulação que começa lá nas creches e invade a mídia impondo um Pensamento Único e por conseguinte uma POLICIA do PENSAMENTO.”
    Por favor assinemos esse corajoso protesto contra o autoritarismo ideológico da famigerada ONU-UNICEF: http://www.citizengo.org/es/15109-unicef-ninos-necesitan-un-padre-y-una-madre

  46. Lívia

    Interessante… Quando do lançamento do filme “A última tentação de Cristo”, vários países o proibiram. Na América do Sul, continente de maioria Cristã, destaco o Chile. Lá, o filme permaneceu a sete chaves por 14 anos até que fosse liberado. Então pergunto: Onde estava naquele momento, a cobrança da liberdade de expressão? Pouquíssimos movimentos puderam ser vistos em prol da mesma. Ora, não vou cair aqui no comum, ou seja: “não concordo com um ato tão violento, mas…”, porém penso que “Quando não sabemos brincar, não devemos descer para o play” porque há brincadeiras onde o resultado pode ser desastroso. Por exemplo: Brincar de descer uma escada, rápido e de costas. Na realidade, e com todo o respeito que tenho a escolha de cada um no que tange a Fé, gostaria de deixar dois objetos para reflexão: 1- Porque a religião é fonte de tanta violência na história da humanidade? 2- “Porque os países MENOS religiosos são MENOS violentos? A meu ver a questão “religião” deixou, à sua própria margem, sua verdadeira mensagem porque não teve força para banir de seu exercício, a “discriminação”, a “política” e o “Poder”.

  47. Nelson Piffer Jr.

    Quer apostar que esses professores são petistas ? Tudo que acontece de terrorismo é culpa do ocidente ( EUA, Alemanha, França, Reino Unido…)
    Sugestão aos docentes acima, larguem o emprego aqui e se mudem p/ a Síria, Irã, Iêmen, Afeganistão…Vão lecionar sua aulas por lá.

  48. JoãoNinguém

    A charge é inofensiva aos olhos de quem a faz e a aqueles que aceitam a ridicularização, a islamofobia e o esteriótipo de terrorista que é colocado em todos os que seguem o islã. Je ne suis pas Charlie.

  49. Edu Posição

    Achei alguém que compartilha comigo a mesma idéia.Minha foto no perfil do face é um quadrado branco.

  50. Adversity

    Se Maomé é tão “superior”, por que se importaria com coisa tão banal? A radicalização da religião está ligada diretamente com a falta de educação, do ensino de princípios básicos de convivência, filosofia, razão.Não é a toa que os radicais detestam escola.