Os caminhoneiros e a irrelevância dos sindicatos

Ivar Schmidt, líder do movimento que tem organizado a greve dos caminhoneiros, disse ontem ao site de VEJA que “abomina sindicato, associação, federação, confederação. Esses segmentos tentaram nos representar nas últimas décadas e nunca resolveram nossos problemas”.

Veja só que curioso. Poucos sindicatos do mundo são tão protegidos quanto os brasileiros. A lei estabelece uma contribuição obrigatória dos trabalhadores – são R$ 3 bilhões que vão todos os anos para a conta de sindicatos, confederações e centrais sindicais. Os sindicatos tampouco precisam se preocupar com concorrentes, pois o governo reconhece apenas uma organização oficial por categoria.

E, apesar de todos os privilégios, os sindicatos não conseguem representar os trabalhadores. Os caminhoneiros, uma das categorias com maior massa de trabalhadores no país, consegue parar o Brasil a despeito do sindicato para o qual contribuem.

Eu disse acima “apesar de todos os privilégios”, mas talvez o correto seja “justamente por causa desses privilégios”. Nos países com liberdade sindical, onde o trabalhador pode escolher a associação que prefere e decidir se quer e quanto quer contribuir, os sindicatos precisam suar para conquistar associados. Organizam convênios, oferecem descontos em universidades e empréstimos a juros menores, têm piscinas, clubes, academias, anunciam na TV e representam os trabalhadores. A falta de dinheiro torna os sindicatos ativos e relevantes.

No Brasil, é contrário: com dinheiro garantido por lei (a lei inspirada na Carta del Lavoro, de Mussolini), o sindicato é tomado pela preguiça e pela irrelevância. O diretor sabe que seu caixa estará cheio mesmo se ignorar os associados. É difícil achar um trabalhador brasileiro que veja retorno no dinheiro que o governo lhe obrigou a pagar à entidade.A lei criada para proteger os sindicatos acabou por sabotá-los.

Irrelevantes, sobra aos sindicatos apenas a função cartorial da rescisão de contrato e a luta partidária, a favor daqueles que lhes garantem tantos privilégios. Foi o caso da patético ato em defesa da Petrobrás organizado esta semana pelo PT, com apoio da CUT e do Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo. Participantes do ato agrediram justamente os trabalhadores que deveriam representar.

Sindicalistas costumam desprezar o funcionamento do mercado e criticam quem acredita demais na mão invisível. Mal sabem que eles próprios estão sujeitos às forças do mercado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Miguel

    Sindicato no Brasil sempre foi um antro de bandidos, enganadores, corruptos… – a lista vai longe – e aí está a prova, Lula-drão, o bandido do século, juntamente com sua cria no poder. Ele veio desta escola.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Norton Villas

    basta ser um grupelho para ter direito inclusive a leis de benefício, seja lá que grupelho for, travestís, menores assassinos,velhotes assassinos, bloqueadores de estrada, sem terras no Murumbi, e ai vai, a lista cresce

    Curtir

  3. Comentado por:

    Renato

    Mais uma herança maldita do fascista Getúlio (entulho), idolatrado pela esquerda.
    Fascismo e socialismo são apenas facetas da mesma ideologia autoritária.

    Curtir

  4. Comentado por:

    SideShow Bob

    Off topic—————————-
    A PRF desce a lenha nos caminhoneiros, queria ver se fossem do MST ou índios.
    Os agentes da PRF estariam levando alimentos, cerveja e televisores para os “ativistas sociais”.

    Curtir

  5. Comentado por:

    alberto santo andre

    na realidade ,sem nenhuma dissidencia ,todos os sindicatos sao as casas das maes joanas,onde os vagabundos e espertos ,viram os gigolos dos trabalhadores ,que labutam para sobreviver e acabam sendo contribuintes compulsorios da boa vida dos sindicalistas e seus familiares ,que expropriam os trabalhadores inclusive de seus empregos com acordos expurios na calada da noite.como tem acontecido sistematicamente desde a segunda metade da decada de setenta.

    Curtir

  6. Comentado por:

    alvaro

    Sindicatos representando trabalhador? Piada pronta. Quer mais? Vcs devem se recordar que o cancer da nacao, tb chamado de Lula, quando era presidente, duro acreditar que o elegeeam mas…, sancionou uma lei que dosobriga o sindicato a prestar contas do que e arrecadado, bem como ha impedimentos a fiscalizacoes.
    Vc acha que sindicalista vive bem pq? Ninguem larga o osso.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Ciro Lauschner

    No Brasil sindicato é sinônimo de bate pau do PT.Não representa ninguém, só o PT e se dá ao desfrute de defender roubalheiras.Não há um unico sindicato que se opõe aos assaltos aos cofres públicos.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Kerob Labs

    Por que a classe trabalhadora precisa de sindicatos para os representarem se o partido no poder chama Partido dos Trabalhadores? Esse Partido dos Trabalhadores não é capaz de cuidar dos trabalhadores diretamente? Precisa ser via representantes?? REPRESENTANTES PAGOS PELOS PRÓPRIOS TRABALHADORES??? Será que ninguém vê isso???

    Curtir