Coluna Augusto Nunes

Augusto Nunes

Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido.

sobre

Colunista de VEJA.com, colaborador da edição impressa e apresentador do Roda Viva. Foi redator-chefe de VEJA e diretor de redação das revistas Época e Forbes e dos jornais O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e Zero Hora. Autor do livro 'Minha Razão de Viver - Memórias de Samuel Wainer'.

  • Palmério Dória, jornalista e escritor

    Por: Augusto Nunes

    Esta semana a coluna republica a entrevista com o jornalista Palmério Dória.

    Autor de cinco livros, entre eles A Guerrilha do Araguaia e A candidata que virou picolé, o jornalista Palmério Dória acaba de publicar Honoráveis Bandidos ─ Um Retrato do Brasil na Era Sarney, livro-reportagem que conta a saga fora-da-lei da família maranhense. O relato sobre o nascimento e a ascensão do clã que transformou o Maranhão em capitania hereditária ficou 19 semanas na lista dos mais vendidos de VEJA ─ e ampliou as dores de cabeça de Madre Superiora e sua gente. Palmério Doria enfrentou, além de processos judiciais, aprendizes de jagunço que invadiram o local do lançamento do livro em São Luiz.

    Parte 1

    Parte 2

    Parte 3

    Voltar para a home
    TAGs:

    Comentários

    Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

    Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

    *

    1. Pedro

      O livro de Palmério Dória sobre a Roseana Sarney foi excelente. Um retrato terrível do Brasil profundo. Com base nele dá para imaginar o que seria o país hoje se o caso Lunus não tivesse ocorrido e Roseana tivesse vencido a eleição de 2002. A diferença com o Brasil atual seria talvez que Roseana não seria capaz de tantas pretensões messiânicas.

    2. Esta entrevista é boa demais! Papos assim poderiam rolar noite e eu daria muito, só pra ficar do lado, ouvindo. Pense bem Augusto, que programa legal na TV. Nada de entrevista. Papo. Muito papo inteligente. Você deve conhecer o Bernard Pivot que fazia o Bouillon de Culture na TV francesa. Mesmo sem conhecer muitos dos entrevistados eu ficava me nutrindo de tanta conversa boa. Mas, tem que ter uns banquinhos pra gente assistir de perto. Vai! Faz um programa assim! Juro, que arrancaria daqui de BH pra assistir. E prometo ficar caladinha…rs
      bjos meu querido
      eidia
      http://www.oquevivipelomundo.blogspot.com

      Minha querida Eidia: você acabou de fazer uma sugestão irresistível. Gostei demais. Em muitos casos a conversa fica muito melhor que uma entrevista. Vou tratar disso imediatamente. um beijo

    3. Thuya/MG

      Essa vale a pena rever sempre. Principalmente hoje que o Ribarmar tomou conta da coluna. Excelente entrevista.
      Incrível que essa múmia falante e escrevente, Jose Ribamar,também conhecido como Madre Superiora enconte espaço num jornal para escrever suas insanidades. Seus delírios metalinguísticos. É um imortal imorrível e incorrigívelmente cínico.
      Abraço, adorei a entrevista.

    4. Hellyett Façanha Mamede

      Eu comprei este livro e tive que lê-lo por etapas, de tanta raiva desta famiglia…

    5. sidney

      Nao podes imaginar com que atencao e prazer assisti a sua entrevista com o Palmerio !!!
      Ja devorei o -livro- o que nos explica o do porque de varrias coisas – nunca dantes nesse pais – !!!
      Recomendo a leitura Brasileiros !!!!
      Um grande abraco e ; PARABENS
      DIVULGAREI A SUA ENTREVISTA SIM !!!!!

    6. fpenin

      Augusto
      O jornalista e escritor presta um serviço inestimável à informação no Brasil.É um trabalho de fôlego, que você lê sem perceber que o tempo passa. É essa liberdade de contar os fatos escabrosos que os poderosos protagonizam que açula o tesão que os do governo têm para garrotear o fluxo de informações. Parabéns ao grande Palmério Dória !