Blogs e Colunistas

quadrilha

11/03/2014

às 18:11 \ Homem sem Visão

Rui Falcão não enxerga os quadrilheiros do mensalão, Marco Aurélio Garcia manda um toptoptop para a oposição venezuelana e Luís Roberto Barroso já marcou hora no salão de beleza para o dia da vitória

images-e-b5-eb50a4924e26220c9d38e2ca9886afd2b3e1d89d

“O chefe deixou muito claro que os companheiros não podem ser chamados de quadrilheiros, só de corruptos, ladrões, gatunos, larápios e outros pecados veniais”, revelou um militante fantasiado de Che Guevara durante o lançamento da candidatura de Rui Falcão ao título de Homem sem Visão de Março. O presidente do Partido dos Trabalhadores, que foge de qualquer tipo de emprego regular há mais de 30 anos, entrou na briga por não conseguir enxergar uma quadrilha na quadrilha do mensalão.

» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

22/02/2014

às 7:14 \ Sanatório Geral

Raciocínio lógico

“Dizer que no núcleo de poder havia uma quadrilha é um escancarado absurdo e o povo brasileiro já refutou isso. Aliás, pesquisa dá como certa a reeleição da presidente Dilma no primeiro turno”.

Luiz Fernando Pacheco, advogado de José Genoíno, durante o julgamento dos embargos infringentes pelo STF, garantindo que apoiar Dilma Rousseff é a mesma coisa que votar nos quadrilheiros engaiolados na Papuda.

21/01/2013

às 14:40 \ Feira Livre

Reynaldo-BH: A tentativa de fraudar a votação do Algemas de Ouro mostra que a bandidagem está disposta a tudo

REYNALDO ROCHA

Dois fatos causam estranheza na eleição do Algemas de Ouro-2012. A baixa votação do ganhador (somente 66%), acostumado a índices acima de 100% em mais uma inovação “jabuticabiana” do Brasil de fantasia, e a exposição clara e transparente da prática adotada por esta corja que pretende alterar até o passado.

Não bastasse a tentativa de alteração da história, os métodos de intimidação das oposições oficiais, a mentira repetida como um mantra, a corrupção como critério para a ocupação de cargos públicos e a censura que se tenta ─ sempre! ─ implantar para controlar o incontrolável, temos a prova (para quem precisava dela) da existência de uma tropa de suínos oficiais decididos a deturpar o nosso território livre da internet.

Jogada audaciosa, covarde e típica da bandidagem. Quem ousa tentar alterar uma pesquisa WEB pode ─ e deseja ─ alterar resultados de eleições que utilizam urnas eletrônicas.

Pouco importa o meio. O objetivo final é a continuidade do país de faz-de-conta.

A eles basta ter um engine para ter um argumento: passam a reivindicar como verdadeiro o resultado falso, fraudado.

Do mesmo modo que insistem em ignorar (e desprezar) a condenação do STF.

São faces da mesma moeda. Ambas graves. Uma tenta destruir a credibilidade do Poder Judiciário. A outra, nossas opiniões.

A mesma práxis: se o fato não está de acordo com os delírios dos bonapartes milicianos, que se tenha uma versão. Por mais ridícula que seja.

Alterar o resultado de uma pesquisa livre da WEB ─ ou tentar modificá-lo ─ equivale a desrespeitar TODOS os internautas (Olá, internautas!”).

Os idiotas que se julgam ocultos e sem rastros não sabem que ─ assim como os porcos ─ basta seguir o fedor que exalam para descobrir a pocilga que habitam.

O espaço da WEB é mais resistente que as frágeis tentativas de manipulação que nascem do desejo espúrio, da opção pela canalhice. A patrulha é amadorística, despreparada, venal, incompetente e burra. Ou seja: é formada por petistas.

De todo modo, é importante que estejamos atentos a esta invasão por parte de quem jamais admitirá o confronto de ideias. Se já chegaram a este ponto, certamente estão tentando reincidir no crime em outros espaços na WEB.

Não se trata mais de um caso a resolver com surras de rabo de tatu. Merece cadeia, mesmo! É tão grave quanto o envio de cartas anônimas ou bilhetes com ameaças.

Como colaboração deste espaço (NOSSO, DESINFETADO e IMUNE a ratos!) podemos afiançar que, para cada covarde escondido que venha a se juntar aos chefes da quadrilha em alguma cadeia, podemos ofertar um jegue de presente.

Só precisamos averiguar se não se trata de maus tratos a animais. Os jegues, evidentemente.

07/01/2013

às 6:00 \ Sanatório Geral

Servidora da pátria

PUBLICADO EM 25 DE NOVEMBRO

“Há indícios de que, pelo menos, no período entre 2009 e 2012, Rosemary Nóvoa Noronha solicitou e recebeu, direta ou indiretamente, diversas vantagens para si, para amigos, familiares, tais como: viagem de navio, emprego para terceiros, serviços para terceiros, ajuda jurídica pessoal, pagamento de boletos”.

Trecho do relatório da Polícia Federal, descrevendo algumas atividades de Rosemary Nóvoa de Noronha (“Rose”, para os íntimos e os integrantes da quadrilha), nomeada por Lula (e mantida por Dilma Rousseff) para servir aos interesses da pátria na chefia do escritório da Presidência da República em São Paulo.

06/01/2013

às 6:00 \ Sanatório Geral

Coisa de ditadura

PUBLICADO EM 3 DE NOVEMBRO

“O Supremo ameaça a democracia ao me punir”.

José Dirceu, nesta segunda-feira, ensinando que achar que a lei vale para todos é coisa de ditadura.

09/12/2012

às 19:16 \ Direto ao Ponto

Documentos obtidos por VEJA detalham o funcionamento da quadrilha administrada por Rosemary e seus bebês larápios

Reportagem de VEJA mostra como agiam os corruptos infiltrados no escritório da Presidência da República em São Paulo, em agências reguladoras e na Advocacia Geral da União. Confira na seção O País quer Saber.

 

09/12/2012

às 19:01 \ Sanatório Geral

Não pode parar

“É importante a gente salvar o projeto, tocar para a frente e passar o bastão para os outros companheiros”.

João Paulo Cunha, mensaleiro condenado pelo STF em trânsito do Congresso para a cadeia, num encontro do PT em Embu das Artes, lembrando que, como a São Paulo dos anos 50, a quadrilha não pode parar.

25/10/2012

às 11:53 \ Feira Livre

‘Urna não é lavanderia’, por Dora Kramer

PUBLICADO NO ESTADÃO DESTA QUARTA-FEIRA


DORA KRAMER

A última sessão de votação sobre o mérito da denúncia do mensalão proporcionou um desfecho de precisão magistral contida na constatação do ministro Celso de Mello: “Estamos a condenar não atores ou agentes políticos, mas agentes de crimes”.

Não foi um mero resultado de 6 a 4 pela condenação dos réus nem só a confirmação de que uma quadrilha tomou de assalto o aparelho de Estado atuando por dois anos e meio sob as vistas do então presidente Luiz Inácio da Silva.

Foi bem mais que isso: deu-se a indispensável separação entre a atividade política e o exercício da ilegalidade continuada. Por ora uma dissociação teórica, mas que servirá à melhoria das práticas pelo que encerra de exemplar.

O decano da Corte expressou-se mais uma vez didático. Deu às coisas os nomes que elas realmente têm. O processo que agora se encerra tratou de delinquência pura e simples, não julgou o exercício da política.

Se esta foi contaminada por aquela, mais que depressa é preciso sanear o ambiente. Em primeiro lugar não confundindo as duas, muito menos se justificando uma (a política) com a outra (a ilegalidade) como se houvesse aí uma relação de indissociável dependência.

Em outras palavras, não precisa ser assim, não deve ser assim e, se houver quem ainda insista que assim seja está consignado pelo Supremo Tribunal Federal: seus autores não esperem ser tratados como políticos, pois serão vistos como os meliantes que efetivamente são.

Criminosos comuns, passíveis de cumprir pena de prisão, comparados a mafiosos e a bandidos de facções que infestam as grandes cidades.

Pessoas que, daqui em diante, não terão como recorrer ao discurso de que as urnas os absolvem, pois, como disse o ministro Celso de Mello, “votações expressivas, embora significativas, não constituem causas para a extinção da punibilidade”.

Na sessão do “fecho” do processo, destacaram-se também os ministros Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Ayres Britto na exposição detalhada do caráter social e legalmente pernicioso da atuação desse tipo de quadrilha.

Celso de Mello, porém, foi ao ponto que ainda não havia sido esmiuçado ao dizer que urna não é lavanderia de ilícitos, voto não é indulto e eleição não torna ninguém imune às exigências do devido processo legal.

Prestação de contas
Sem pretender discutir o mérito da convicção de cada um, é de se registrar uma acentuada diferença entre os votos que absolveram e os que condenaram os réus por formação de quadrilha.

As absolvições foram rápidas ─ à velocidade de um relâmpago no caso do ministro Dias Toffoli ─ sem grandes argumentações, enquanto as condenações se escoraram em longas fundamentações doutrinárias, jurídicas, sociais e morais.

Tiveram, assim, maior peso no tocante à explicação ao público sobre os motivos que levaram à formação do voto.

Nem me fale
O ministro Marco Aurélio Mello contou no voto final do processo um “bastidor” de 2006, quando avisou ao presidente do Senado que seria melhor o presidente Lula não ir à posse dele na presidência do Tribunal Superior Eleitoral porque no discurso daria um forte “recado”.

A mensagem ficou inscrita entre peças memoráveis e falava da “rotina de desfaçatez” que havia tomado conta da República. Marco Aurélio dava ali a indicação de que o clima preponderante no STF era de tolerância zero e pela primeira vez desmascarava as entranhas do escândalo.

Pois bem. Mesmo sem saber do conteúdo do discurso, Lula ─ que voltava de uma viagem ao Chile e já havia posto a posse de Marco Aurélio na agenda ─ achou melhor não ouvir e desistiu de ir.

08/09/2012

às 3:05 \ Sanatório Geral

Correção errada

“Enquanto vocês aproveitam o desfile na Esplanada, assistem às acrobacias da ‘Quadrilha da Fumaça’ ou celebram a ocasião em uma das inúmeras outras festas pelo Brasil, saibam que os Estados Unidos são um parceiro e um amigo”.

Hillary Clinton, na primeira versão da mensagem de cumprimentos pelo 7 de Setembro, depois retocada com uma mudança equivocada: em vez de substituir “Quadrilha” por “Esquadrilha”, a secretária de Estado dos EUA deveria trocar “da Fumaça” por “do Mensalão”, para identificar com clareza o bando fora-da-lei que anda divertindo o Brasil decente com as acrobacias executadas para escapar da cadeia.

08/08/2012

às 7:30 \ Sanatório Geral

Quadrilha

”É uma quadrilha entre os quadrilheiros que não se conhecem, nunca se reuniram, jamais se juntaram para decidir algo como ‘o que vamos fazer para praticar os crimes?”.

José Carlos Dias, advogado de Kátia Rabello, nesta terça-feira, durante a sessão do STF, garantindo que sua cliente, embora tenha revelado em 2005 que o então chefe da Casa Civil agia como “facilitador de negócios”, não conhece José Dirceu, que nunca foi apresentado a Delúbio Soares, que jamais conversou com José Genoíno, que não faz ideia de quem é Marcos Valério, que nunca ouviu falar em Lula, que nem imagina quem é Kátia Rabello, que conhece José Carlos Dias só de vista.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados