#SanatórioGeral: Metamorfose ambulante (171)

Lula explica que Palocci deixou de ser um companheiro exemplar quando resolveu falar a verdade

“Eu ouvi atentamente o depoimento do Palocci. Uma coisa quase que cinematográfica, quase que feita por um roteirista da Globo. ‘Você vai dizer tal coisa, os lides são esses’. Prepararam alguns lides pra ele dizer e ele foi dizendo habitualmente, lendo alguma coisa. Eu conheço o Palocci bem. O Palocci se ele não fosse o ser humano ele seria um simulador. Ele é tão esperto que é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade. Palocci é médico, é calculista, é frio”. (Lula, no depoimento a Sergio Moro nesta quarta-feira, explicando que “o melhor ministro da Fazenda que o Brasil já teve” — como classificou seu ex-braço-direito quando Palocci foi obrigado a deixar o governo por ter estuprado a conta bancária do caseiro Francenildo — transformou-se num homem frio e calculista no momento em que resolveu contar a verdade sobre o ex-chefe)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Carla L.S. Lieberman

    “O poeta é um fingidor / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente.” Do poema Autopsicografia, de Fernando Pessoa.
    .
    Os versos antecipam em quase 90 anos a chegada de outro poeta, aparentemente genial, Lula da Silva, que descreve um “simulador (…) capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade” em seu alter-ego Antônio Palocci, uma invenção sua – um heterônimo, digamos. Quando poetas geniais escrevem, é difícil dizer até que ponto se referem a seus fantasmas interiores, ou a partir de quando desatam a desvendar a si mesmos.

    Curtir