Reynaldo Rocha: A obra-prima do mestre Guzzo sobre essa farsa chamada Brasil

REYNALDO ROCHA Tempos difíceis. Após ter a casa assaltada – com um cão morto a tiros – leio um texto histórico, eterno, uma obra-prima do mestre J. R. Guzzo. O que era um dia pesado ficou insuportável.

REYNALDO ROCHA

Tempos difíceis. Após ter a casa assaltada – com um cão morto a tiros – leio um texto histórico, eterno, uma obra-prima do mestre J. R. Guzzo. O que era um dia pesado ficou insuportável.

A imagem que Guzzo nos mostra, e que foi o estopim do texto que é uma perfeita expressão de verdade, dói. Por que deixamos o país chegar a este ponto? Onde estávamos que não impedimos a tragédia? Falar, alertar, gritar não foi suficiente.

Nós, que nos orgulhamos de ser somente decentes, temos uma imensa parcela de culpa. Vivemos num país destruído, arrasado. Não agimos. Não fizemos valer a força que acreditávamos ter. Nem sei se a temos. Esperamos sempre que outros façam por nós o que é nossa obrigação fazer.

Quantos de nós ficamos em nossas casas esperando o resultado das manifestações populares? Quantos esqueceram que bastava um voto para alterar o desastre e sepultar o terror?

Perdemos décadas para uma ditadura sangrenta, outras para os tigres asiáticos que em 20 anos avançaram investindo em educação. Depositamos nossas esperanças num presidente (em agonia no dia da posse) eleito indiretamente, para encerrarmos a longa noite da ditadura.

Escolhemos errado um caçador de marajás que sonhava tornar-se o único marajá. Conseguimos expulsá-lo a pontapés. Passamos a crer que podíamos muito. E então nasceu o câncer silencioso que se fez metástase. Comprando consciências, alugando entidades sociais, pregando farsas como verdades absolutas, perenizando a miséria como forma de facilitar a continuidade do mal, destruindo a cultura, menosprezando o conhecimento e a pesquisa.

O resultado está expresso no melhor texto que li em décadas – o do mestre Guzzo – sobre a farsa chamada Brasil. E numa foto que o motivou a escrever.
Somos todos pobres-diabos a carregar uma elite nas costas. Somos cavalgados por uma nova classe dominante.

Nossas lutas e vitórias foram ignoradas. Nosso passado está sendo reescrito. A ladroagem, vulgaridade, corrupção são dominantes. Hoje, são valores. Eles estão tendo sucesso agindo assim. Montados em todos nós. Cavalgaduras.

Resta a mim estar nas ruas no dia 13 de março. Talvez para chorar. Mas também para reafirmar que é até possível matar cavalos que nasceram livres. Cavalgá-los, nunca.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Oliveira

    Caro Reinaldo
    Nesse jogo não é o povo quem blefa.
    Quem está blefando o tempo todo são “eles” .
    God bless you my frien

    Curtir

  2. Comentado por:

    Alexandre FG

    Perfeito artigo ….

    Curtir

  3. Comentado por:

    Reynaldo Rocha

    Prezado Oliveira.
    De nada adianta se ter em mãos um royal straight flush se sempre os participantes da mesa abandonam o jogo e perdem as fichas….

    Curtir

  4. Comentado por:

    Christie K

    Ah gente, se nao bastasse a violencia contra a familia do Reynaldo, ele ainda resgata, cuida e proteje animais. OITO em casa. (12h13).
    E’ preciso mesmo muita forca de carater e perseveranca pra nao desistir e continuar a defender o Brasil e seus indefesos, com palavras e acoes.
    .
    Espero que o amor incondicional dos seus cachorros te ajude a continuar Reynaldo. Voce faz um bem danado, sem duvida aos pequenos que voce resgata, mas tambem da’ voz as minhas/nossas angustias e fortalece a resolucao de que vamos sim, vencer essa corja.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Dulce Regina

    Caro Reynaldo embora afastada dos comentários , leio sempre o blog do Augusto e sempre procuro saber de vc. Fico feliz qdo encontro textos ou comentários seus, pois através deles sei que que sua luta política e contra sua doença está firme, vc é um GUERREIRO . Hoje extremamente triste tomei conhecimento do seu Hulk- Lua deve estar bem triste – sei da história dos seus cães e Hulk não merecia este fim, morreu lutando como fez na sua vida inteira. Um HERÓI ! Foi se juntar ao Pêpe, e onde estiverem estão tramando saírem por debaixo do portão afim de lutarem por todos seus amigos. Pedirei ao Moacir um Réquiem para homenageá-lo. Abraços saudosos direto da ” estação “. Dulce Regina PS: um beijo para vc, Augusto e para o CAIO CASSARO.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Markito-PI

    De acordo, parabenizando Reinalddo. Guzzo foi definitivo:a patricinha cavalgando o mucamo é uma imagem tão truculenta
    e imoral quanto a grande imagem dos jardins de Paulo Maluf,recebendo a corja petista.O inédito da foto é notar
    que o capacho-bufão Rui Falcão teve , pela única vez na vida, um sorriso de satisfação.

    Curtir

  7. Comentado por:

    dudu

    Imaginem se a “patricinha” não fosse bolchevique a gritaria que seria feita pela corja que “ama os pobri”

    Curtir

  8. Comentado por:

    NIKA

    Caro Reynaldo, antes de tudo, cumprimentos pelo brilhante e emocionado texto!
    Agradeço ao Augusto Nunes, que nos brinda sempre com artigos ótimos, de estilo único e incomparável, por, generosamente, abrir esse excelente espaço a você, Valentina e Oliver – sempre me emociono ao lê-los.
    E hoje, a emoção foi mais profunda, triste e completamente solidária: minha família(marido e filhos)e eu somos também “protetores” de animais de rua e atualmente, temos 20 em casa, resgatados do abandono e maus tratos…
    Reitero que somos, minha família e eu, inteiramente solidários com a aflição, humilhação e a dor da perda de um amigo leal causadas por bandidos que, sob esse desgoverno comunista, são considerados “vítimas do sistema”.
    Grande abraço, Reynaldo !

    Curtir

  9. Comentado por:

    Nancy

    Se o texto do Guzzo, para mim foi impactante, o seu, Reynaldo, foi emocionante. Sinto pelo cão amigo assassinado por marginais, estamos todos sujeitos a isso, infelizmente. Dia 13 de março mais uma vez estarei na Praça da Liberdade e mesmo não nos conhecendo, estaremos juntos, com o mesmo objetivo. Receba meu abraço e minha admiração

    Curtir

  10. Comentado por:

    luciana

    Augusto, Ótima lembrança. Guzzo é MESTRE!!! Sim subestimamos os inimigos. Parece mentira que hoje possamos fazer esta meia culpa. Destruíram o país, a vida das pessoas, a esperança e os princípios, moral, a ética. O PT é uma praga, uma seita do mal. Quem diria que teríamos que usar expressões absurdas assim para defini-los.

    Curtir

  11. Comentado por:

    JRG

    Caro Reynaldo
    Muitíssimo obrigado pela generosidade dos seus comentários. Tudo de bom para você.
    Abração G.

    Curtir