Quem é incapaz de dizer o que pensa não sabe pensar. Nem pode governar um país

“E não podia estarmos no melhor lugar”, diz Dilma Rousseff nos primeiros segundos do discurso que abriu oficialmente a campanha em São Paulo. “A poucos metros daqui São Paulo cumeçô. E num cumeçô em torno de um lugar qualquer, cumeçô em torno de um colégio”. Na continuação do falatório, a oradora aprendiz vai criticar o […]

“E não podia estarmos no melhor lugar”, diz Dilma Rousseff nos primeiros segundos do discurso que abriu oficialmente a campanha em São Paulo. “A poucos metros daqui São Paulo cumeçô. E num cumeçô em torno de um lugar qualquer, cumeçô em torno de um colégio”. Na continuação do falatório, a oradora aprendiz vai criticar o governo José Serra “porque trata mal os professores”. Pela expressão longinqua, nem notou que acabou de assassinar o sistema de ensino.

“Podia estarmos”, disse Dilma. Parece mentira, mas é isso mesmo. Ao internar no Sanatório Geral a fala da sucessora que Lula inventou, o jornalista Celso Arnaldo foi direto ao ponto: “É construção para ser embargada até por um fiscal analfabeto e entra, imediatamente, para a galeria dos piores momentos da pior candidata da história da República”. É coisa suficientemente desastrosa para que Dilma seja interditada por todos os eleitores que não perderam de vez o juízo, acrescento.

O cérebro não é dividido em compartimentos estanques. Quem é incapaz de dizer o que pensa não sabe pensar. E quem não tem a cabeça em ordem não pode governar um país. O doutorado que não houve, hoje, é uma questão irrelevante. Para quem não é idiota por destino ou opção, está claro que Dilma Rousseff, se o sistema educacional funcionasse, não teria completado o curso secundário. Não teria diplomas a pendurar na parede. Mas se apresenta como economista formada em faculdade. De que forma se operou tal milagre?

Os diretores das escolas em que Dilma estudou se recusam a exibir à imprensa os boletins da aluna, as notas que a contemplaram, a demonstração de um teorema, mesmo uma composição à vista de uma gravura. Tal comportamento não depõe a favor da aluna. Por que alguém ocultaria a prova de que participou da formação escolar da superexecutiva nascida para aperfeiçoar o Brasil reconstruído por Lula? Pois tratemos de obter por conta própria o que os cúmplices escondem.

Os leitores e comentaristas da coluna, sobretudo os integrantes do poderoso batalhão acantonado em Minas Gerais, devem transformar-se imediatamente em repórteres incumbidos da reconstituição da misteriosa trajetória da estudante.  Fontes é que não faltam. Não são poucos os ex-professores, ex-colegas de turma ou companheiros de festa de formatura dispostos a contar a verdade. Que sejam todos confrontados, por exemplo, com dois atentados recentes promovidos pela mulher que ameaça virar presidente do Brasil.

Primeiro: “Os meus adversários, principalmente o adversário, eles sistematicamente erram. Fizeram coisas assim que… Por exemplo… Eu não vou dar exemplo porque não é da minha responsabilidade falar sobre ele”. O que quis dizer a declarante? Segunda: “Eu não olhei porque achei que era aquele programa não achei que iam colocar outro programa”. De novo: o que quis dizer a declarante?

Os que fazem cara de paisagem quando ouvem coisas assim, diria a própria Dilma, “não podia serem” mais idiotas. Ou mais espertamente míopes. Ou mais criminosamente cínicos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    marisa cruz

    ^Não há plástica, botox, mudança de guarda-roupa que faça OS NEURÔNIOS DE DILMA FUNCIONAREM EM HARMONIA. DESCONECTADA, DESCONEXA. É O AVESSO DA COMPETÊNCIA. MIOPIA POLÍTICA SÓ PARA OS APADRINHADOS DESTE GOVERNO.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Rogério

    Pena que a VEJA não é lida por todos em nosso País, e matérias com essa não são veiculadas na mídia no geral.
    Mas o que podemos fazer se o povo não quer aprender a pescar para comer o peixe; e sim, somente comê-lo: “DÁ-LHES OS BOLSAS… VOTO DE CABRESTO.”

    Curtir

  3. Comentado por:

    azul honduras

    superxecutiva? não houve um pequeno typo aí?com certeza quis escrever “superexecutiva”…
    Erro corrigido, amigo. grato. abração

    Curtir

  4. Comentado por:

    ailson

    Porque para algumas pessoas é difícil compreender o que de fato é certo ou errado, o que faz a pessoa não perceber que o espeço dela termina quando o da outra começa, aonde sera que esta o problema?
    Aonde sera que esta o problema desta sociedade,?
    Parece que o nosso Brasil esta acabando por terra!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Valentina de Botas

    O US Open está na reta final em Nova York, o evento fatura anualmente U$250 milhões, com lucro líquido de 40%. Não é por acaso que os americanos estão no topo do mundo. Merecem. Há alguns anos assisti à partida entre Federer e Tsonga. O suíço ganhava por 2 a 0, quando o francês se machucou. Visivelmente jogando no sacrifício, Tsonga desconsertou de maneira inexplicável o então primeiro do ranking e ganhou o jogo de virada. Não é justo desprezar nenhum dos recursos legítimos para uma vitória. Isso pode ser o que basta para perder de alguém menos gabaritado. Vale para nações, atletas ou políticos. A coluna mostra Dilma como Dilma é desde que ela era apenas uma das más ideias de Lula. Com a ajuda inestimável do grande Celso Arnaldo, você, querido Augusto, mostrou os erros miseráveis de português, a lógica bêbada, a cultura de almanaque, a trôpega sintaxe do pensamento, a cintura dura para o jogo político, o incômodo com a democracia, a pronta vassalagem ao padrinho-caudilho no lugar da pronta dedicação ao país, o apego à mentira, a moralidade rasteira, fora o resto, e tudo formatado pela arrogância típica do imbecil alheio a si mesmo. Serra, incomparavelmente melhor, não soube ganhar de quem não sabe pensar. Depois de alguns anos num emprego, numa discussão com o chefe, uma amiga minha muito especial soube que fora escolhida entre excelentes candidatos porque, além de ter as mesmas qualidades, era a mais bonita. Enganou-se ao pensar que ela se intimidaria com a revelação. Como eu, ela está entre os que acham que beleza e charme pessoal não invalidam a inteligência e a competência. Se tiver de escolher entre dois ótimos empregadores, vou preferir o mais bonito. O que beleza tem a ver com Dilma e Serra? Nada, apenas exemplifico como uma coisa positiva não pode ser punida. A era da mediocridade se perpetua com essa aberração e, assim, acabamos governados por Dilma Rousseff. Um beijo
    Um beijo, Valentina.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Aos leitores

    Seus eleitores tolos, criticam, porém nao tem nem capacidade de prover solução
    São tao ineptos que nem mesmo vossa pequena vontade de retirar a presidenta nao se concretiza

    Curtir