Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por uma vida pior

ARTIGO PUBLICADO NO ESTADÃO DESTA TERÇA-FEIRA Dora Kramer O Ministério da Educação decidiu não tomar conhecimento da adoção em escolas públicas do livro Por uma Vida Melhor, que “ensina” a língua portuguesa com erros de português. Avalizou, quando autorizou a compra e a distribuição, e depois corroborou seu apoio àquela ode ao desacerto ao resolver […]

ARTIGO PUBLICADO NO ESTADÃO DESTA TERÇA-FEIRA

Dora Kramer

O Ministério da Educação decidiu não tomar conhecimento da adoção em escolas públicas do livro Por uma Vida Melhor, que “ensina” a língua portuguesa com erros de português. Avalizou, quando autorizou a compra e a distribuição, e depois corroborou seu apoio àquela ode ao desacerto ao resolver que a questão não lhe diz respeito.

Fica, portanto, estabelecido que o ministério encarregado dos assuntos educacionais no Brasil, além de desmoralizar os mecanismos de avaliação de desempenho escolar, não vê problemas em transmitir aos alunos o conceito de que as regras gramaticais são irrelevantes.

Pelo raciocínio, concordância é uma questão de escolha. Dizer “nós pega o peixe” ou “nós pegamos o peixe” dá no mesmo. “Os menino” ou “o menino”, na avaliação do MEC, são duas formas “adequadas” de expressão, conforme o conceito adotado pela autora, Heloísa Ramos, note-se, professora.

A opção pelo correto passa a ser considerada explicitação de “preconceito linguístico”.

De onde, “nós vai ao mercado todos os dias” pode ser um exemplo de construção gramatical plenamente aceitável em salas de aula e fora delas. “As notícia” também “poderá” ser “apresentada” todas as noites nos jornais de televisão sem que os apresentadores sejam importunados por isso.

Ironias à parte, o assunto é da maior seriedade. Graves e inacreditáveis tanto a tese defendida pela professora quanto a posição do ministério em prol da incultura que apenas dificulta o acesso a uma vida melhor.

Aceitar como correta a argumentação de que a linguagem oral se sobrepõe ao idioma escrito em quaisquer circunstâncias e que não existe mais o “certo” nem o “errado”, mas sim o “adequado” e o “inadequado” em face das deficiências educacionais, equivale a aceitar a revogação de todas as regras.

Não apenas do português, mas de todos os outros itens que compõem o currículo escolar. Com precisão, a escritora Ana Maria Machado exemplifica: “Seria como aceitar que dois mais dois são cinco”.

Ou consentir na adaptação da história e da geografia ao estágio do conhecimento de cada um.

Tal deformação tem origem na plena aceitação do uso impróprio do idioma por parte do ex-presidente Lula, cujos erros de português se tornaram inimputáveis, por supostamente simbolizarem a mobilidade social brasileira.

Corrigi-los ou cobrar o uso correto da língua pelo primeiro mandatário da nação viraram ato de preconceito.

Eis o resultado da celebração da ignorância, que, junto com a banalização do malfeito, vai se confirmando como uma das piores heranças do modo PT de governar.

Multiplicação

Amigos e correligionários manifestaram confiança na lisura e nas explicações do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, para o crescimento de seu patrimônio de R$ 375 mil para cerca de R$ 7,5 milhões em quatro anos.

Confiança essa da qual poderão desfrutar também o restante dos brasileiros assim que o ministro deixar de lado as evasivas a informar exatamente como amealhou o capital.

O governo tentará deixar por isso mesmo, mas cabe ao ministro notar que seu histórico e suas pretensões não permitem acúmulo desse tipo de passivo.

Blefe

Os produtores rurais têm pressa de aprovar o novo Código Florestal antes de expirar, em 11 de junho próximo, a validade do decreto que suspendeu temporariamente as punições a proprietários rurais que não tenham em suas terras o porcentual de mata nativa recomendado por legislação ambiental de 1998.

Mas o governo também tem muito interesse nisso porque, uma vez extinto o decreto, o poder público vai se deparar com a necessidade de dar uma solução para a quase totalidade dos produtores que amanheceriam o dia 12 de junho na ilegalidade.

Se não prorrogar o decreto, ver-se-á na desagradabilíssima contingência de se indispor com todo o setor agrícola. Sem falar no esforço que precisará empreender para fiscalizar e multar a nova gama de infratores.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    edson

    Tenho pena dos brasileiros que não tem a possibilidade de pagar um ensino de qualidade para seus filhos. Estão condenados à ignorância. O ensino público hoje é apenas uma mercadoria para promover o enriquecimento de alguns companheiros.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Luiz

    O que mais prescisa fazer de errado um ministro da educação (?) para ainda se manter no cargo?

    Curtir

  3. Comentado por:

    flavia

    Rosalba Escóssia Ciarlini Rosado (Mossoró, 26 de outubro de 1952) é uma médica e política brasileira. Filiada ao partido dos Democratas, é a atual governadora do estado do Rio Grande do Norte

    Curtir

  4. Comentado por:

    glauer

    Todoz us minstru foi escolido pur uma presidenta muita competenta !

    Curtir

  5. Comentado por:

    luiz antonio – rj

    Estão fazendo tudo certo. Formando uma legião de incultos e ignaros que votarão em massa no Dr.HC semianalfabeto, corrupto e bêbado de um partido que se mostrou o pior de tudo, em constante luta intestina pelo poder.QUE SE MATEM!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Stephanie Guerra

    Como é tamanha a estupidez humana!!! Quem foi que disse que para reconhecer (e respeitar) as especificidades do português brasileiro precisamos excluir das aulas o conhecimento da gramática normativa!?!? E digo mais senhora Kramer, o que dificulta o acesso a uma vida melhor não é somente a implementação deste ou outro livro didático. Faz-se necessário a tomada de uma série de decisões que viabilizem uma melhoria na educação, inclusive o de aumentar o salário precário dos professores, para que eles possam ter mais tempo hábil para se dedicar à pesquisa. Vocês jornalistas, que se julgam os detentores do conhecimento e da informação, deveriam deixar de ser tão superficiais e ludibriar o povo com suas ‘teses’sem fundamento.

    Curtir