Para acabar com chiliques do ex-gerente do bordel, nada melhor que a leitura do que escreveu quando se fantasiava de vestal

Em 7 de outubro, o companheiro José Genoino viajou no chilique ao topar com um grupo de jornalistas nas imediações da seção eleitoral onde vota. A dois dias da condenação pelo Supremo Tribunal Federal, o presidente do PT do mensalão já decidira que iria dormir na cadeia não por deliberação do STF, mas por culpa […]

Em 7 de outubro, o companheiro José Genoino viajou no chilique ao topar com um grupo de jornalistas nas imediações da seção eleitoral onde vota. A dois dias da condenação pelo Supremo Tribunal Federal, o presidente do PT do mensalão já decidira que iria dormir na cadeia não por deliberação do STF, mas por culpa da mídia golpista. A caminho da gaiola por corrupção ativa e formação de quadrilha, o delinquente juramentado segue recitando que as tramoias e trapaças em que se meteu só existiram nas páginas da imprensa direitista, que obrigou o STF a enxergar larápios meliantes onde só existiu um coral de anjos patrocinado por servidores da pátria.

Na cena protagonizada no dia da eleição, Genoino exigiu aos berros que a Polícia Militar expulsasse do local todos os repórteres. E justificou a reivindicação com um discurso que o transformou em forte candidato a orador da turma do mensalão. “Vocês são urubus que torturam a alma humana”, caprichou na catilinária endereçada aos repórteres. “Não podem ficar aqui. Não falo com urubus. Vocês fazem igual aos torturadores da ditadura. Só que agora não tem pau de arara, tem a caneta”.

Quem confunde pau de arara com caneta (e caneta com computador) parece implorar por passeios no pátio do presídio vestindo uma camisa-de-força vermelha com uma estrelinha no peito. Mas de louco Genoíno não tem nada. Não perdeu o juízo. Perdeu a vergonha, sugere um texto escrito nos tempos em que José Dirceu dizia que “o PT não róba nem dêxa robá” sem se arriscar a ouvir de volta uma gargalhada nacional. Transcritos em negrito, os quatro parágrafos abaixo resumem a ópera composta pelo artigo “A corrupção e morte da cidadania”, publicado no Estadão de 29 de abril de 2000. Leiam sem pressa. Volto em seguida.

A corrupção representa uma violação das relações de convivência civil, social, econômica e política, fundadas na equidade, na justiça, na transparência e na legalidade. A corrupção fere de morte a cidadania. Num país tomado pela corrupção, como o Brasil, o cidadão se sente desmoralizado porque se sabe roubado e impotente. Sabe-se impotente porque não tem a quem recorrer. Descobre que os representantes traem a confiabilidade do seu voto, que as autoridades ou são corruptas ou omissas e indiferentes à corrupção, que os próprios políticos honestos são impotentes e que a estrutura do poder é inerentemente corruptora.

Dessa impotência se firmam as noções de que “nada adianta” e de que no fundo “são todos iguais”. A fixação desses sentimentos representa o fim da cidadania, pois ela se baseia na participação ativa do indivíduo na luta por direitos e na cobrança e fiscalização do poder. Quanto mais agonizante a cidadania, mais ativa se torna a corrupção. O corrupto sente-se à vontade para se justificar e até para solicitar o aval eleitoral para continuar na vida política.

O poder no Brasil protege os corruptos. A estrutura do poder público é corruptora. Em paralelo, a estrutura fiscalizadora favorece a impunidade. Mas se a corrupção, sua proteção e a impunidade se tornaram estruturais, há uma vontade explícita de manter intacta a estrutura corruptora. Essa vontade se manifesta de várias formas. A principal é a falta de iniciativa das autoridades constituídas. Outra ocorre pelo bloqueio das mudanças institucionais e legais que visam a ampliar e aperfeiçoar os instrumentos de combate à corrupção. No Congresso, medidas de combate à corrupção e mudanças moralizadoras da Lei Eleitoral foram sistematicamente derrotadas pela maioria governista, com o apoio de chefes dos poderes superiores.

A sociedade já percebeu que a corrupção estrutural está albergada na falta de vontade de mudar e de punir e na vontade explícita de proteger. A racionalidade do cidadão não consegue compreender o porquê e o como de tantos casos de corrupção não resultarem em nenhuma prisão dos principais envolvidos. E porque a razão não consegue compreender essa medonha impunidade, o cidadão sente-se desmoralizado. A corrupção assume a condição de normalidade da vida política do país. A degradação e a ineficiência do poder público atingiram tão elevado grau que não se pode mais acreditar que, apesar de lentas, as mudanças virão.

O confronto entre o Genoino que chamava o camburão e o que hoje desperta do pesadelo ao som de sirenes é penosamente pedagógico. Ilumina porões, sótãos e catacumbas cuja devassa permitirá ver com perturbadora nitidez o que foi o Brasil da era da mediocridade, do deboche, da cafajestagem no poder. Genoino já deveria estar purgando num catre os incontáveis pecados. Está em liberdade e acaba de ser premiado com um emprego de deputado federal. Horas antes de desferir mais essa bofetada no rosto do país que presta, recaiu num ataque de nervos por achar que um jornalista teimava em persegui-lo com “provocações”.

Até ganhar um número de prisioneiro e um catre, um prontuário estará liberado para brincar de representante do povo. Rodeado por colegas de ofício, vai sentir-se em casa. Os 300 picaretas contabilizados por Lula já devem ter passado de 500. Sem sequer aparecer no serviço, Genoino embolsará os salários e “benefícios” relativos a janeiro e fevereiro. Incluídas todas as safadezas legalizadas pela bandidagem com imunidade parlamentar, ganhará mais de R$ 100 mil por mês até que a sentença transitada em julgado encerre a afronta inverossímil. Talvez consiga em torno de 500 mil. Meio milhão de reais. É disso que Genoino gosta, é isso o que genoino quer: dinheiro.

Repórteres escalados para entrevistar político mortos-vivos deveriam ser dispensados de fazer perguntas.  O que Genoino merece é, sempre que ensaiar algum chilique, ouvir a leitura pelo coro da imprensa, aos berros, do artigo que publicou há quase 13 anos. O Brasil gostaria de saber como reagem messalinas vocacionais a palavrórios costurados nos tempos em que, fantasiadas de vestais, tentavam esconder a vontade de divertir-se no bordel.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Paulo Aldebarã

    O Genoíno vai precisar reaprender a andar. Movimentar-se na laja fria da prisão vai ser muito diferente do pisar macio no tapete verde da Câmara. Sem-vergonhice não tem remédio mesmo.

    Curtir

  2. Comentado por:

    João, do Sul

    Gostaria de chamar a atenção ao comentário do Ronaldo (11e46) na questão da delação do genoíno (minúsculo intencional dada a sua desfaçatez) de seus ´companheiros´. Já vi e li em outros comentários esta ´traição´ deste ´mequetrefe´ (para utilizar um termo atual) assim como de outros (zé dirceu, por exemplo) na hora da chapa esquentar (acovardaram-se, borraram-se e trataram de salvar o próprio couro deixando ´amigos´ à sua própria sorte para servir de bucha de canhão). Deve haver algum registro, alguma informação mais concreta para desmascarar aqueles que hoje posam (alguns diriam pousam) como grandes corajosos da época. Isto merece ser investigado (e deve estar nos arquivos).

    Curtir

  3. Comentado por:

    Hermenegildo Barroso

    Caro Augusto,
    É muito bom tê-lo de volta, ainda mais retornando com um texto tão cheio de vigor! Parabéns!
    Abraços.

    Curtir

  4. Comentado por:

    zm

    Genuinamente PilanTra e PicareTa !!!Dedo-duro, covarde e entreguista posando de honesto.Desse aí e de outros operadores a história cuida. Falta pegar o mais escroto de todos, o sem adjetivos, o ignorácio da silva, o molusco dedeta.

    Curtir

  5. Comentado por:

    JONY

    Seu Augusto retornando em grande estilo!!! Alias, como sempre.
    Sabendo hoje quem é o Genoino de sempre, nem causa surpresa ler esse texto de 2000, certamente escrito por algum estafeta, em um época que o MENSALEIRO ja estava com todos os planos em andamento.
    Não so os planos, como a execução de boa parte deles tambem!!! Basta ver que desde o final dos anos 90 a quadrilha ja angariava fortunas das prefeituras e outros orgãos, e poucos anos depois, ja estaria acionando seus capangas para darem cabo de Celso Daniel e Toninho.
    Na exata epoca desse tal texto, a cupula da SEITA ja estava armada e pronta para o ataque nas proximas eleições, ja amplamente apoiados por grande parte da imprensa, que aliás, nunca deixou esse tipo de gente desamparada.
    O que ainda me anima um pouco, é saber que o MENSALÃO ainda vai produzir desdobramentos impensáveis para nós, e as delações premiadas não tardarão a incriminar ainda mais os ja condenados, bem como o que resta da cupula dessa SEITA DO MAL.
    Aguardo esses dias com ansiedade como nunca!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Otávio Campos

    Caro Augusto, que bom que voltou afiado!
    .
    Assim, fica mais divertido desmascarar a farsa ambulante que ousa falar de que corrupção corrói a cidadania de pessoas de bem.
    .
    No fundo, no fundo, este Genoino não passa de um ladrão barato, que se traveste de político, assim como seus semelhantes de quadrilha PTralha, e que só quer dinheiro; mais nada.
    .
    Os outros, como o Dirceu, são iguais a ele: assaltantes de cofres públicos que nos roubam sem precisar sacar um revólver.
    .
    E, logo saberemos que o maior deles; ou melhor, o chefe invisível do Mensalão se revelará como uma alma gêmea do Genoino: outro ladrão barato que só quer roubar.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Eustaquio Barbosa

    Caro Augusto,
    Comentários mais extensos e variações sobre o mesmo tema em http://bit.ly/W0U4SS
    Excelente, amigo. abração.

    Curtir

  8. Comentado por:

    1498

    Soco no estômago dado pelo NYT, sobre o Rio.
    A metamorfose ambulante. Corta uma cabeça, surgem mais duas. A Hidra como todo mundo sabe é um animal fantástico e mitológico – ou não – Lula percebeu o momento crítico da parábola na Economia ( de ascendente para descendente) e não tendo mais as conexões com o Petit Trianon, resolveu voltar ao Palácio.
    Dilma por um tempo até pensou na sua reeleição , mas a América Latina do jeito que está , Lula pensa mesmo na música do Roberto – se algum dia saiu da presidência.
    O que está difícil é a escolha do vice junto ao PMDB, mas acho que Sérgio Cabral ficaria animado como presidente do Congresso. E o PSB ? Problema algum, a seca sempre foi muito seletiva no Nordeste e Renan mais articulador do que seu sucessor Sarney , terá uns 6 meses para firmar os acordos. Depois é só festa até o final de 14.
    Aécio como o de sempre, cansou . E na falta de um mercado que imponha às pessoas no Brasil a lutar por si próprias ,do pequeno junto ao INSS até um ministro qualquer, o que está em jogo são grupos ou lobbies que terão ajuda do Estado.
    A China começa a ter inflação, mas as pessoas tem que comer , então capitais no meio circulante o Brasil sempre os terá desde que honre com os títulos que deve o BNDES . A OMC começa a pressionar a Argentina que corre com a sacolinha da colheita na mão. Em Cuba tá rolando tanto dinheiro assim – um paradoxo chicobuarquiano – será Cuba uma Suíça ?
    A pergunta que fica, por que Lula continua mandando sem mandato. Qual é a movimentação contábil dentro do governo que ainda depende da presença de Lula e por que o grupo de Dilma e Foster não consegui se firmar nas escalas do poder burocrático.
    OK Dilma é o poste e as ações tiveram uma ajudinha do Bigode.
    Eu não tenho a mínima esperança nesse país.

    Curtir

  9. Comentado por:

    roberto d. lianda

    lembram ??? esse é um digno representante dos PeTralhas,seguindo os passos de seu mentor e idolo maior, o famoso nove dedos(com direito a auto mutilaçao), covarde, traíra, mentiroso e LADRÃO, tal e qual o chefão LULADRÃO, o cancro do brasil !!!!

    Curtir