Blogs e Colunistas

01/12/2013

às 17:36 \ Opinião

‘Sinais alarmantes’, um artigo de Fernando Henrique Cardoso

Publicado no Estadão deste domingo

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Finalmente se fez justiça no caso do mensalão. Escrevo sem júbilo: é triste ver na cadeia gente que em outras épocas lutou com desprendimento. Eles estão presos ao lado de outros que se dedicaram a encher os bolsos ou a pagar suas campanhas à custa do dinheiro público. Mais melancólico ainda é ver pessoas que outrora se jogavam por ideais ─ mesmo que controversos ─ erguerem os punhos como se vivessem uma situação revolucionária, no mesmo instante em que juram fidelidade à Constituição. Onde está a revolução? Gesticulam como se fossem Lenines que receberam dinheiro sujo, mas o usaram para construir a “nova sociedade”. Nada disso: apenas ajudaram a cimentar um bloco de forças que vive da mercantilização da política e do uso do Estado para se perpetuar no poder. De pouco serve a encenação farsesca, a não ser para confortar quem a faz e enganar seus seguidores mais crédulos.

Basta de tanto engodo. A condenação pelos crimes do mensalão deu-se em plena vigência do Estado de Direito, num momento em que o Executivo é exercido pelo Partido dos Trabalhadores (PT), cujo governo indicou a maioria dos ministros do Supremo. Não houve desrespeito às garantias legais dos réus e ao devido processo legal. Então, por que a encenação? O significado é claro: eleições à vista. É preciso mentir, autoenganar-se e repetir o mantra. Não por acaso, a direção do PT amplifica a encenação e Lula diz que a melhor resposta à condenação dos mensaleiros é reeleger Dilma Rousseff… Tem sido sempre assim, desde a apropriação das políticas de proteção social até a ideia esdrúxula de que a estabilização da economia se deveu ao governo do PT. Esqueceram as palavras iradas que disseram contra o que hoje gabam e as múltiplas ações que moveram no Supremo para derrubar as medidas saneadoras. O que conta é a manutenção do poder.

Em toada semelhante, o mago do ilusionismo fez coro. Aliás, neste caso, quem sabe, um lapso verbal expressou sinceridade. “Estamos juntos”, disse Lula. Assumiu meio de raspão sua fatia de responsabilidade, ao menos em relação a companheiros a quem deve muito. E ao país, o que dizer?

Reitero, escrevo tudo isso com melancolia, não só porque não me apraz ver gente na cadeia, embora reconheça a legalidade e a necessidade da decisão, mas principalmente porque tanto as ações que levaram a tão infeliz desfecho como a cortina de mentiras que alimenta a aura de heroicidade fazem parte de amplo processo de alienação que envolve a sociedade brasileira. São muitos os responsáveis por ela, não só os petistas. Poucos têm tido a compreensão do alcance destruidor dos procedimentos que permitem reproduzir o bloco de poder hegemônico; são menos numerosos ainda os que têm tido a coragem de gritar contra essas práticas. É enorme o arco de alianças políticas no Congresso cujos membros se beneficiam por pertencerem à “base aliada” de apoio ao governo. Calam-se diante do mensalão e das demais transgressões, como se o “hegemonismo petista” que os mantém fosse compatível com a democracia. Que dizer, então, da parte da elite empresarial que se ceva dos empréstimos públicos e emudece diante dos malfeitos do petismo e de seus acólitos? Ou da outrora combativa liderança sindical, hoje acomodada nas benesses do poder?

Nada há de novo no que escrevo. Muitos sabem que o rei está nu e poucos bradam. Daí a descrença sobre a elite política reinante na opinião pública mais esclarecida. Quando alguém dá o nome aos bois, como, no caso, o ministro Joaquim Barbosa, que estruturou o processo e desnudou a corrupção, teme-se que, ao deixar a presidência do STF, a onda moralizante dê marcha à ré. É evidente, pois, a descrença nas instituições. A tal ponto que se crê mais nas pessoas, sem perceber que por esse caminho voltaremos aos salvadores da Pátria. São sinais alarmantes.

Os seguidores do lulopetismo, por serem crédulos, talvez sejam menos responsáveis pela situação a que chegamos do que os cínicos, os medrosos, os oportunistas, as elites interesseiras que fingem não ver o que está à vista de todos. Que dizer, então, das práticas políticas? Não dá mais! Estamos a ver as manobras preparatórias para mais uma campanha eleitoral sob o signo do embuste. A candidata oficial, pela posição que ocupa, tem cada ato multiplicado pelos meios de comunicação. Como o exercício do poder se confundiu, na prática, com a campanha eleitoral, entramos já em período de disputa. Disputa desigual, na qual só um lado fala e as oposições, mesmo que berrem, não encontram eco. E sejamos francos: estamos berrando pouco.

É preciso dizer com coragem, simplicidade e de modo direto, como fizeram alguns ministros do Supremo, que a democracia não se compagina com a corrupção nem com as distorções que levam ao favorecimento dos amigos. Não estamos diante de um quadro eleitoral normal. A hegemonia de um partido que não consegue deslindar-se de crenças salvacionistas e autoritárias, o acovardamento de outros e a impotência das oposições estão permitindo a montagem de um sistema de poder que, se duradouro, acarretará riscos de regressão irreversível. Escudado nos cofres públicos, o governo do PT abusa do crédito fácil que agrada não só aos consumidores, mas, em volume muito maior, aos audaciosos que montam suas estratégias empresariais nas facilidades dadas aos amigos do rei. A infiltração dos órgãos de Estado pela militância ávida e por oportunistas que querem beneficiar-se do Estado distorce as práticas republicanas.

Tudo isso é arquissabido. Falta dar um basta aos desmandos, processo que, numa democracia, só tem um caminho: as urnas. É preciso desfazer na consciência popular, com sinceridade e clareza, o manto de ilusões com que o lulopetismo vendeu seu peixe. Com a palavra as oposições e quem mais tenha consciência dos perigos que corremos.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

138 Comentários

  • Angelo Gilberto Dias

    -

    11/3/2014 às 14:10

    Parabéns FHC…enfim um pouco de lucidez e esperança para esse cenário sombrio. O que mais preocupa é a ausência de lideranças para promover uma reforma no cenário político brasileiro. Vejo em você a saída para essa alternância de poder…você deve isso ao Brasil…você sabe…pois deveria ter conduzido um candidato para a continuidade do seu governo e não o fez…faça agora…um grande abraço…Angelo

  • Lincoln Vieira Mesquita

    -

    5/12/2013 às 21:43

    Gosto do que escreve o sociólogo Fernando Henrique Cardoso..mas faltou neste artigo a omissão do PSDB..
    ante a tal descalabro..E o reverso da medalha..o “mensalinho”do seu Governo para a sua reeleição..
    não apurados..

  • oipanue

    -

    5/12/2013 às 12:05

    Admiro FHC e ao mesmo tempo condeno-o por ter se posicionado contra o impeachtman de lullarose, que hoje não perde a oportunidade de se revelar.Disse o apedeuta:SE JESUS VIVESSE NOS DIAS ATUAIS,TERIA FEITO ACORDO COM JUDAS.Precisa mais………

  • petista arrependido

    -

    4/12/2013 às 21:15

    Quando as pessoas não tiverem mais vergonha na cara,estaremos próximos do fim.
    Parece que o fim está próximo…

  • Heitor

    -

    4/12/2013 às 20:00

    O poema do idiota do advogado sitado pelo Sr. José Fernandes da Silva (04/12/13 às 17:58) cabe perfeitamente ao petistas e aos políticos que estão no poder hoje. Com certeza absoluta não cabe ao Ministro Joaquim Barbosa.
    “Na primeira noite, eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim: não dizemos nada. Na segunda, já não se escondem. Pisam as flores, matam o nosso cão e não dizemos nada. Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada”.
    Como pode um advogado falar tanta besteira? Só pode ser um dos ladrões que pilham este país.

  • Bernardes

    -

    4/12/2013 às 19:39

    Presidente,

    Seria bom demais tê-lo como opção na minha cédula eleitoral. Já que isso é impraticável, lavaria a alma vê-lo no horário do Aécio resumindo esse discurso à imensa e orfã classe média brasileira.

    Mais gente tem que ouvir isso, mais gente tem que “acordar”. Mas, francamente, eu e você sabemos que essa indignação é como a tal mosca sem asas de uma velha canção: “não ultrapassa a janela de nossas casas”

  • JOSÉ FERNANDES DA SILVA

    -

    4/12/2013 às 17:58

    Caro Augusto Nunes,
    Sugiro que Você leia, no site “Migalhas.com.br” o que escreveu o advogado Leonardo Isaac a respéito do ministro Joaquim Barbosa. Eu li e não acreditei. Veja que vale a pena!
    JOSÉ FERNANDES DA SILVA
    OAB/SP nº 62.327

  • Armando Cerqueira Gomes

    -

    4/12/2013 às 16:03

    Sim os sinais são alarmantes, mas a oposição brasileira está como um sino sem badalo.Inócua.

  • CARMEN

    -

    4/12/2013 às 14:43

    O artigo de nosso último estadista Fernando Henrique é perfeito, na medida certa! A oposição tem que ser mais corajosa para fazer OPOSIÇÃO a esse PT que está levando o país de nossos filhos e netos para o fundo do poço! ainda há tempo para reagir!

  • João Queiroz

    -

    4/12/2013 às 13:32

    Artigo tipico de um estadista inteligente, competente e digno. Eu não chuto quem caiu mas verdade seja dita, a petralhada deitou e rolou (se ainda não faz na moita…) e como não temos oposição, somente DEUS evitará mais tempo do PT no comando do Brasil.

  • Biagione Rangel de Araújo

    -

    4/12/2013 às 10:30

    Meu caro Augusto, o texto é perfeito e vai direto ao ponto, mas considero que o maior culpado dessa corja ter se aboletado no Planalto foi o Senhor que escreve este artigo tão pertinente. Então pergunto: por quê só agora? Bem, antes tarde do que nunca! Espero que ele encarne a oposição e lidere essa oposição ao confronto de idéias e projetos para reverter esse caminho tão tortuoso que o Brasil está trilhando rumo a um abismo de obscurantismo.

  • Renato

    -

    3/12/2013 às 22:14

    Ótimo texto. Muito inteligente e sincero. Deveria ser matéria de capa da Revista, porém uma observação: o que estão fazendo as oposições para esclarecer ao grande público das farsas montadas pelo PT? l

  • Jose Maria

    -

    3/12/2013 às 21:57

    A oposição tem como liderança efetiva o maior símbolo estadista desse país, FHC. Falta ímpeto de vencedores aos senhores oposicionista, falta coragem, disposição, para tanto. Liderança, têm.

  • Ronaldo Barra

    -

    3/12/2013 às 21:42

    Este artigo de FHC mostra o comportamento dúbio da oposição, em particular do PSDB, com o uso atroz dos panos mornos.”Escrevo sem júbilo: é triste ver na cadeia gente que em outras épocas lutou com desprendimento”.Isto parece piada. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deveria ter a responsabilidade de dizer com todas as letras que os políticos que estão na cadeia são corruptos com C maiúsculo. Uns por usarem de expediente nefasto de tentar dar um golpe de estado e estabelecer uma ditadura comunista no país, e os outros corrompidos passivos que se aliaram as pústulas comunistas visando somente o dinheiro e o enriquecimento ilícito e da família. O político FHC tem o dever cívico de atuar de forma clara e objetiva sem tergiversar e esclarecer aos brasileiros o perigo que nos ronda. Usar luvas de pelicas para atacar os adversários que tanto o injuriam e acusam ou é covardia ou irresponsabilidade. O Brasil precisa não de heróis, porém de homens de coragem e isto não encontramos na oposição. Dá-me náuseas e arrepios este comportamento tímido e sem temperança do principal político vivo no Brasil. O tempo não é de tergiversar nem de contemporizar: o Brasil está sob o perigo de se transformar numa Venezuela e duvido que o FHC diga que isto é mentira!

  • toninho Malvadeza

    -

    3/12/2013 às 20:08

    Esse texto,jamais sairía da ponta de um lápis na de Lula.

    ” Com a palavra as oposições e quem mais tenha consciência dos perigos que corremos”

  • GABRIEL

    -

    3/12/2013 às 17:06

    Este texto me fez lembrar com saudade dos pronunciamentos de Brizola.
    Ele era uma pedra no caminho do lulopetismo.
    Com clareza e metáforas fáceis de entender era
    uma voz ativa contra o sapo barbudo.
    Sua morte, para o lulopetismo, foi como soltar um bezerro no campo.

  • Jota Meira

    -

    3/12/2013 às 16:13

    Meu respeito e admiração pela sua figura política, Sr. FHC. Permita-me comentar quando diz: “escrevo sem júbilo”. Gostaria de acrescentar em sua colocação o que segue: eu, particularmente, nesses episódios , ao contrário de suas considerações, estou, no momento atual, me fartando de júbilo. Estou em pleno regozijo sobre os atuais acontecimentos. E quero mais! É só Sair dos grandes centros e ver a realidade. Mensaleiros em condições de semi aberto, trabalhando em locais de seus interesses. Qual é? E ainda vem o Datafolha mostrar que a Presidente Dilma, conseguiria ganhar, ainda, no primeiro turno. Se o caminho fosse as urnas, me desculpe mas, porque então, ainda estamos nessa, após esses anos todos.

  • GEROLDO ZANON

    -

    3/12/2013 às 15:50

    O FHC tinha uma mulher que lutava pelos pobres foi ela que instituiu o bolsa família que agora virou bolsa votos agora eu pergunto quem é a mulher da DILMA

  • Ronaldo Benvenga

    -

    3/12/2013 às 15:21

    Magistral artigo do ex-presidente Fernando Henrique.
    Ponderado e indo direto ao ponto nevrálgico.Cabe , agora à oposição,sair da letargia e botar a boca no trombone.Caso contrário, a petelhada continuará a reinar em berço esplêndido, via bolsa família.

  • Zizi Cat

    -

    3/12/2013 às 15:04

    Palavras! Palavras ! Palavras! De que adiantam se dirigidas a ouvidos moucos!!É preciso algo mais que todos pressentem . Só não ousam dizer… Duvidam o que estes embusteiros estão pedindo ?

  • Marcos

    -

    3/12/2013 às 14:58

    Somente a história poderá fazer justiça a um homem como Fernando Henrique Cardoso. Ele construiu o que os mensaleiros petistas estão a destruir.

  • janusbifon

    -

    3/12/2013 às 14:20

    Caro Augusto.
    E lamentável o roto falando do mal lavado, essa destruição da Pátria começou com esse senhor que escreve o editorial, com ele começou tudo inclusive dar dinheiro para anistiado o que o seguiu só ampliou a bandalheira.
    Existia um acordo entre os esquerdistas que aquele que primeiro chegasse ao poder, resgatasse os demais, só que ele esqueceu que o Pombo mor é mais esperto que ele, dai essa lambança do mensalão e outras roubalheira.
    São todos farinha do mesmo saco.
    No ano que vem vote Bem.

  • CID LOPES

    -

    3/12/2013 às 14:16

    Prezado presidente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, admiro e respeito a sua cultura e caráter, mas lamento a sua ausência na vida política. O seu “mea culpa” teria sido bom, não fora o atraso de sua manifestação e a pieguice com os mensaleros. Sem qualquer oposição, é óbvio que o lulopetismo ainda terá muitos anos de corrupção, para pesadelo de todos nós.

  • wendel cerutti

    -

    3/12/2013 às 13:34

    ao inves de defender a legalizaçao da manconha ,fhc deveria defender seu governo que iria colocar o pais no rumo certo ,o das naçoes desenvolvidas .

  • ana maria

    -

    3/12/2013 às 12:30

    Voto no PSDB porque ainda considero que tenha os melhores homens para governar o país.
    Entretanto, fico incomodada com o silêncio sobre
    as irregularidades do atual governo.
    Mesmo neste artigo há uma menção da luta desse mensaleiros. A meu ver, não são e nunca foram úteis ao país.
    São equivocados, corruptos e farsantes. É só assistir a alguns vídeos desde mesmo blog para comprovar.

  • Carlos - Rj.

    -

    3/12/2013 às 11:37

    Sábias palavras de nosso, infelizmente ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso. Os escândalo nestes dez anos do pt são constantes, repetidos eles compram as pessoas com a maior facilidade. Lamentável como não são patriotas, querem apenas viver o presente, o momento e se esquecem do futuro, de seus descendentes. Se o pt fosse oposição, não tenho nem ideia da tragédia que seria o país. Temos no Rio de Janeiro um exemplo máximo de como o povo prestigia certos políticos, me refiro ao Antony “garotinho”, um elemento comprovadamente corrupto conforme todos sabemos, anda livre e solto, prometendo como sempre o impossível, vivendo de liminares, aparecendo com destaque nas pesquisas. Se o patriotismo fosse praticado, seríamos sem dúvida o melhor país do mundo, porém, quem tem que nos dar o bom exemplo…

  • Antonio Alves Pereira

    -

    3/12/2013 às 11:15

    Ao SR.FHC, quero lembra-lo que o Sr, ficou oito anos no comando da presidência,teve tempo suficiente para fazer grandes mudanças no país, no entanto, o país paralisou e a pobreza multiplicou, sem contar com a perca indiscriminada, das vendas do patrimônio Brasileiro,como por exemplo,a Vale do rio doçe e outras.Ao meu ver a política Brasileira é totalmente egoísta, os grandes líderes usa a política do( quanto pior,melhor. )Neste momento que o país passa por uma grande avaliação a nível mundial,nós vemos a maioria dos políticos se encolherem, e ficar na torcida de um possível fracasso da atual presidente.Eu não vejo nem um político sugerir uma ideia brilhante e sim críticas exuberantes. Eu acredito que antes de se fazer sérias críticas tem que se pensar no Brasil.

  • Fernando

    -

    3/12/2013 às 10:03

    São pessoas como o Fernando Henrique que dão “gás” a essa turma de ladrões do pt. Dizer que se trata de “pessoas que lutaram com desprendimento noutras épocas”, razão pela qual seria triste vê-las encarceradas, é o tipo de concessão que não deveríamos fazer ou aceitar. Primeiro, porque essa “luta”, no passado, é uma lenda dos “vivos”. Segundo, em virtude do fato de que essas pessoas, Dirceu, Genoíno e caterva, sempre agiram com dolo, fosse mentindo sobre a própria trajetória de vida, fosse afanando dinheiro público tão escasso em um país miserável.
    Infelizmente, o Fernando Henrique está entre aqueles que gostar de cultivar a imagem de generosos.

  • Eufrazio

    -

    3/12/2013 às 6:53

    Parabéns, senhor Fernando Henrique Cardoso pelas palavras sábias, esclarecedoras e reconfortantes. Mas é pouco. Precisamos, cada um de nós, que pensamos no bem do Brasil, colocar seu texto bem adiante de todos e deixá-lo claro para muitos que estão ludibriados pelas facilidades oferecidas ao povo pelo lulopetismo, mas que são de boa fé. São apenas ingênuos. Precisamos fazer nossa parte.

  • vicente

    -

    3/12/2013 às 2:11

    Caro Nunes,
    Admiro o FHC, mas não podemos esquecer da “VAMOS SANGRA-LO ATÉ AS ELEIÇÕES¨” a covardia do maior partido de oposição deu nisso que esta ai e agora é tarde…Augusto voce e sua turma como sempre impecavel é o que nos resta a imprensa., parabéns o RODA muito bom.

  • Ira Santa

    -

    2/12/2013 às 21:12

    Sou fã de FHC.
    Ele fez o que pode e muito bem.
    Depois dos mandatos, não abandonou o PSDB.
    Foi abandonado pelo partido que fez questão de ‘esquecer’ todos os merecimentos deste grande estadista.

  • Tonio Cunha

    -

    2/12/2013 às 20:53

    Boa FHC, seja bem vindo. Pena que agiu tarde. Você ajudou a chocar o ovo da serpente.
    Veja: http://cidadaniadireta.com.br/wp/blog/2013/10/08/fhc-diz-que-o-stf-pode-livrar-mensaleiro-mas-esquece-que-ele-chocou-o-ovo-da-serpente/

  • Heitor

    -

    2/12/2013 às 20:35

    Os maiores culpados dessa situação Sr. Fernando Henrique Cardoso são os senhores mesmos. Que oposição fizeram a tudo isso? Nenhuma!!!
    Quando tiveram oportunidade de fazer o certo na ocasião do escândalo do mensalão calaram-se, acovardaram-se. E depois, em tantas oportunidades não tiveram competência nenhuma para apontar essas barbaridades que estão fazendo com o nosso país.
    A verdadeira vergonha são essas oposições chinfrins, incompetentes. Ou será que também estão comprometidos com esses estúpidos que estão no poder a 12 anos? É bem provável que a covardia tem uma explicação nesse sentido também.
    Chega, estamos cansados de tudo!!! Cansados…

  • FERNANDO MENDES

    -

    2/12/2013 às 19:32

    Se tivessem pedido o impeacheman do papudo em 2005 nada disso estaria acontecendo. Falta coragem a oposição de mostrar as mentiras do atual governo. Parece até que concordam com tudo. Estou até surpreso com este artigo. Será que agora acordaram ???

  • FERNANDO MENDES

    -

    2/12/2013 às 19:26

    FHC, está aí o resultado de terem pedido o impeacheman do papudo. Se tivessem pedido ele estaria na papuda.
    Enquanto a oposição vem a passos de tartaruga os ptralhas andam no aerolula.

  • erik

    -

    2/12/2013 às 19:20

    Fernando Henrique Cardoso,
    .
    As urnas eletrônicas brasileiras são fraudulentas!
    .
    Qualquer cretino de um país de primeiro mundo sabe disso!

  • LABOR

    -

    2/12/2013 às 18:47

    ” não agem por quê?”

  • LABOR

    -

    2/12/2013 às 18:45

    As maléficas simbioses políticos/empresários, cidadãos/traficantes , ideologia aplicada/imbecís úteis, sinecuras/aproeitadores, etc, exacerbadas nos últimos 10 anos fazem parte, ou são a síntese, do nó górdio que a sociedade brasileira tem que desatar se não quiser estender o atraso por mais algumas décadas. No geral, não há mais novidade. FHC sabe,os políticos sabem, nós sabemos. Resta a perplexidade: não agem por que? Será que a oposição está deixando o pulo do gato para o ano que vem? (kkk).

  • R.

    -

    2/12/2013 às 18:39

    Caso haja interesse da imprensa escrita e televisiva de alcance nacional, poderia se juntar e ajudar na preservação da constituição e dos ideais republicanos e democráticos do país, conforme solicitado nas palavras em anexo do ex-presidente Fernando Henrique :”Com a palavra as oposições e quem mais tenha consciência dos perigos que corremos”.

  • ivano

    -

    2/12/2013 às 17:58

    FHC, suas ponderações agora de nada valerão, os sinais alarmantes detectados já sidementaram-se no jogo político , agora é tarde, desfazer isso tudo levará décadas, o PT num teve opositores à altura, foram omissos.

  • CEKA

    -

    2/12/2013 às 17:46

    É isso aí, elegantérrimos, continuem indo de chinelo que êles estão vindo de metralhadora!

  • santos

    -

    2/12/2013 às 17:20

    que demora, FHC ,como dito e bem ja a luta sem escrupulos nao pode ser enfrentado com metodos de civilizados, aos trogloditas so um bambu na cabeça, e no ultimo paragrafo temos ironia? so um caminho,as urnas e uma referencia ao povo que nao sabe votar, e os esforços eticos e eruditos nao serao ouvidos? aos pobres as bolsas, aos medios baixos o credito enganador ,aos ricos o bolsa Bndes, aos banqueiros os juros estratosfericos, entao todos estao contentes, ao congresso e as raposa os mensaloes e a impunidade , vide Sarney e Renam , ai e dificil m/m presidente, o discurso tem que ser p/ os pagadores dessas regalias a real classe trabalhdora e quem financia tida essa mamata,que deu 40 milhoes de voto ao Psdb que nao os honra e mais milhoes de brancos e nulos que juntos derrubariam a dita PresidentEEEEE, entao cidadaos p/ votar tem se acharem um discurso e um projeto que valorize o trabalho e o merito e denuncie sem medo os riscos e imoralidades que o Sr tao bem descreveu

  • Leonardo X

    -

    2/12/2013 às 17:18

    Se discursos pedagógicos, professorais, e artigos que tais, vencessem uma eleição presidencial, o PSDB estaria há 18 anos ininterruptos no poder. Mas não é assim que a banda toca. É preciso falar às pessoas de todos os estratos sociais e se fazer entendido principalmente pelos menos esclarecidos, a grande maioria de nossa população. Mas certos tucanos de alta plumagem ainda fazem pior. Eles rendem homenagens aos feitos dos adversários, talvez pela militância comum no passado, e um deles chegou a cometer o sacrilégio de promover Lula a uma divindade acima do bem e do mal. Lembram? – foi aquele candidato imperdível
    (ninguém perde pra ele). E quem precisa “berrar” muito, e com força, é o conjunto dos senadores e deputados tucanos, fazendo um coro que daria sustentação à campanha do principal candidato do partido, sem o que tudo que este disser cairá no vazio solidão. Lula não foi a locomotiva que levou a composição de vagões do PT ao poder. Ao contrário, ele foi o santo do pau oco que a enorme procissão de “abnegados revolucionários” – professores, jornalistas, artistas e intelectuais da vanguarda do século XIX – levou no andor até entronizá-lo no palácio do Planalto.

  • Frede Silveira

    -

    2/12/2013 às 17:16

    Senhor Redator,

    Pode-se até em alguns tópicos discordar pontualmente do que nos diz de forma clara, dura até, mas, como sempre, elegante, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.Todavia pela obviedade consubstanciada nos fatos que desenham cotidianamente as capas de nossos principais jornais e revistas com assombrosos casos de desmandos políticos e administrativos não há como negar-lhe razão. Infelizmente.

  • maria-maria

    -

    2/12/2013 às 17:04

    Parece que o calendário do ilustgre sociólogo está com 12 anos de atraso se, só agora, ele detecta “sinais alarmantes”

  • Delcimar Bezerra

    -

    2/12/2013 às 16:47

    Com todo respeito, Presidente, isso é um mea culpa ? Espero que isso o que o senhor escreveu seja direcionado principalmente ao seu partido, que nada faz pra tirar o PT do poder. São muitos os culpados por essa alienação sim, mas as oposições tem obrigação de bater de frente com essa gente e não o faz. É a maior culpada. Outra coisa, me apraz muito ver essa bandidagem petista na cadeia sim. Me apraz muito.

  • Renato

    -

    2/12/2013 às 16:12

    Que falta nos faz osso presidente?

  • JC GODINHO

    -

    2/12/2013 às 16:08

    Sem ação coerente, o ponto de vista perde a significância, é apenas mais um.

    Caríssimo Augusto,
    Li com atenção “os sinais alarmantes”, peça bem construída, que procura sintetizar a conjuntura atual, entretanto uma atualidade remota, já que se deu início há algum tempo, conforme demonstrado pelo autor, no alto de sua sapiência. Não me cabe aqui julgá-lo na literalidade do verbo, não, entretanto, cabe-me questioná-lo, quanto às ações, principalmente sendo Presidente de Honra de um Partido de Oposição, e sabido ser o árbitro imprescindível para dirimir as querelas internas do partido. O noticiário de há muito vem nos informando sobre as desavenças internas que o autor, como árbitro equaciona, põe fim, harmoniza, portanto, tem voz ativa, tem comando, é lhe então de sobre maneira reconhecida a sabedoria, a experiência, e, por isso, tem a responsabilidade maior de trazer para si, o direcionamento correto para combater esse câncer que está debilitando a nação, o lulopetismo.

    Quando usa o eufemismo, lamentando as prisões, procura então na suavidade, a brandura do árbitro que é, sei muito bem que um árbitro não necessita ser grosseiro, entretanto, deve ser rigoroso nas empreitadas há que se coloca, e essa exemplificação de brandura, não condiz com a omissão que aponta, pois assim sendo, denunciasse tal qual omisso. Torna-se então necessário uma correção, a harmonização entre a palavra e a ação, em outras palavras coerência. Sabemos todos que o governo que aqui se instalou, prometendo ao povo nacional a fruta tenra, suculenta e doce, habilmente não informou qual fruta seria, e, por isso está a entregar jacas verdes, com cica, e, junto, entrega a sica (punhal romano) para abri-la e contaminarmo-nos com o visgo nela contida, ficando nele grudado, com a esperança de receber o azeite ungido para soltar-se, esse é o quadro dantesco que o autor visualizou, mas, somente informar o que vê, é apenas mais um de muitos embora não privilegiados com tamanha sapiência, também são capazes de ver, falta à ação de oposição eficaz, é o mínimo que se espera, dela, da oposição.

    A criticidade obriga a deveres, mormente quando se tem instrumentos adequados, é certo que a Democracia se faz pelas urnas, então é preciso saber, que tipo de urna se quer? Aquela manipulável? Ou aquela de última geração, em que os vícios já foram sanados? Por que os partidos de oposição ainda não se moveram ha esclarecer esses aspectos? Afinal, quanto menos possibilidade de manipulação de resultados vence a Democracia, esse é cerne da questão, a manipulação. Seguido da questão das urnas, temos outra questão mais perversa, quando “pesquisas” ditas de avaliação, transforma-se em indutor de preferencia, sejam elas espontâneas ou contratadas antes do período próprio, a quem interessa esse jogo mórbido?

    Pelos fatos, parece-me que a criticidade exercida tão somente no âmbito da exposição de pontos de vista, sem o devido acompanhamento de ações pertinentes, que visem a equacionar a questão, é apenas mais um texto, mas não impõe a significância devida, já que o cidadão comum só dispõe de uma arma que seria letal a esse imbróglio de poder instalado, se manipulável não o fosse, nas urnas, e, se os partidos de oposição tivessem o bom senso de juntos construírem uma opção mais vantajosa e visível para nação e para os nacionais. Os partidos de oposição com assento no parlamento, e, os políticos com mandato na esfera estadual e municipal são em conjunto os responsáveis pela construção de um novo viés de governo, afinal, se o que aí está não é certo, qual a outra opção? Porque essa outra opção é melhor? Como ela vai beneficiar a população? Porque essa divisão mesquinha em que o Vereador e o Deputado Estadual não terem voz no plano nacional? Juntos, podemos mais, juntos e coerentes podemos construir mais, juntos podemos acabar com essa “cubanização bolivarista”, esse estado híbrido, que rouba, aprisiona consciências, dando-lhes a impressão de estarem recebendo o fruto prometido.

    Por fim, cabe lembrar, quando o país teve uma oposição que sabia o seu lugar, o seu dever, e não tergiversava com ele, um presidente suicidou-se, o país ganhou a liberdade, sem armas letais, ah! Desculpem-me, foi com a arma mais letal que existe, a PALVRA DITA, com a VERVE bem produzida, e, agora se faz necessário, é hora da ação com vigor na oração, o eufemismo é para os brandos, pois nesse bando que aí está agasalhado no poder, de brandos nada tem. Sem vigor e o rigor necessário que a oposição deve ter, embora tardio, mas em tempo, nada mudará, então fico com a impressão que ela, a oposição, é só o nome da reserva estratégica desse poder nefasto.

  • bruna

    -

    2/12/2013 às 15:56

    Infelizmente, com toda essa gentileza Presidente a oposição não vai virar a mesa. Voces da oposição terão que ser mais duros nos seus métodos para retomar a situação.

  • jorge

    -

    2/12/2013 às 15:36

    Sempre nos restou isso: choro, às vezes muito trágicos.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados