Coluna Augusto Nunes

Augusto Nunes

Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido.

sobre

Colunista de VEJA.com, colaborador da edição impressa e apresentador do Roda Viva. Foi redator-chefe de VEJA e diretor de redação das revistas Época e Forbes e dos jornais O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e Zero Hora. Autor do livro 'Minha Razão de Viver - Memórias de Samuel Wainer'.

Paulo Rabello de Castro: O congelamento de Dilma

Por: Augusto Nunes

Publicado no Globo

Não é o que alguns podem pensar. A proposta não é congelar Dilma, e sim falar do congelamento por ela praticado sobre nós. Mas qual? Até a própria autora da façanha pode não ter se dado conta do congelamento de preços por ela ordenado entre 2013 e 2014, quando Dilma repetiu o Sarney de 1986, com seu Plano Cruzado. Mas o Plano Dilma se diferenciou do de Sarney num ponto fundamental: o controle dos preços foi indireto, nunca decretado em âmbito geral.

O congelamento de Dilma foi específico para os fins políticos a que se destinava. E isso foi conseguido. Começou segurando as tarifas e outros preços sob controle do Planalto. Num anúncio bombástico, ainda em 2013, Dilma rebaixou as tarifas de energia em 18%. Em paralelo, sem anúncio formal, o Planalto ia travando o repasse do custo do barril de petróleo sobre os combustíveis vendidos no mercado interno. Resultado bem conhecido: a energia “barata” arrebentou as finanças das empresas distribuidoras e sufocou investimentos no setor; a Petrobras, pobre dela e, sobretudo, seus miseráveis acionistas, foram vilipendiados pelo “suicídio” imposto à empresa, com direito a corda, banquinho e empurrão.

Existe outro aspecto do congelamento de Dilma que passou desapercebido: o papel do câmbio, manobrado por supostas “razões técnicas” pelo Banco Central, que assinou contratos de entrega futura de dólares a preços ruinosos a fim de conter a queda do real. A conta chegou com a desvalorização pós-eleitoral, gerando (até agora) R$ 100 bilhões em prejuízos aos pagadores de impostos, decorrentes dos contratos liquidados. Mas onde estaria, afinal, a vantagem política do congelamento seletivo de Dilma? A inflação amordaçada. O custo das fontes de energia foi contido, deixando a conta amarga para 2015. Os chamados “preços administrados” ficaram congelados em 1,6% de variação em 2013, passando a 5% no pós-eleição, para explodir em 17,9% no fim do ano passado. Aí os efeitos danosos da manobra se multiplicaram. E os preços afetados pelo câmbio, que batem no custo de vida dos eleitores, tiveram sua curva inflacionária contida em 1% (IPA-FGV) até outubro de 2014, para saltarem a 10,7%, nos 12 meses seguintes. No período, o câmbio foi de R$ 2,45 por dólar para R$ 3,87.

Dilma e sua equipe, sem desconfiar da própria esperteza, aperfeiçoaram o artifício de um congelamento sarneyzista de preços, salários e câmbio. Com Sarney, a medida era geral e ostensiva. Com Dilma, a manobra foi astuta e seletiva. Os preços livres continuaram liberados, principalmente os salários, garantindo a felicidade momentânea dos eleitores. Os preços sensíveis aos custos de energia e ao câmbio ficaram aprisionados. A indústria não podia exportar com o câmbio controlado; mas encarou uma espiral de salários, embalada pelos então flamejantes setores de serviços e da construção civil, impulsionados por gastos públicos e crédito a todo o vapor. Foi, portanto, um congelamento dissimulado e segmentado, mas muito eficaz, de resultado cirúrgico sobre o placar eleitoral.

Economistas debaterão anos a fio sobre aspectos curiosos do congelamento dilmista como, por exemplo, o fato de a medida não haver incidido sobre os salários e a despesa pública. O que seria visto como catástrofe pelo lado técnico, foi “genial” pelo aspecto eleitoral. Só que o rescaldo de um congelamento seletivo é sempre mais grave. Pagaremos mais caro para sair dessa do que o freezer da era Sarney. O desemprego, a recessão, a redução do poder aquisitivo, a destruição de riqueza, tudo será mais agudo e penoso. Isso explica a surpresa — para muitos — da intensidade do recuo da economia em 2015. E seu trágico prolongamento neste ano e no próximo, na ausência de uma reação à altura da tragédia instalada.

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

41 comentários
  1. Beto

    Aproveite o feriadão, Beto. Tente o calçadão do Jockey.

  2. ricardo

    Em breve veremos um desfile inédito pelas principais ruas das capitais desta grande nação. Todos os políticos sangue-sugas desta nação, parentes e amigos, amarrados em fila, atrelados a uma carroçá com duas gaiolinhas que será por eles puxada. Em uma delas estará o poderoso Lula e na outra a poderosa Dilma. É melhor que estas gaiolas fiquem bem dispostas para que todos vejam bem os dois arquitetos da grande latrina em que transformaram a nação. E o povo é claro, estarão em ambos os lados da rua prestando suas homenagens.

  3. Mario Baptista

    Esta manipulação descaradamente eleitoreira, enganosa e dissimulada, cujos efeitos nefastos foram represados até após as eleições, tem um título: estelionato eleitoral.

  4. Kalil Boanova

    Augusto,a grande obra de Dilma saiu, soltou o barro com vontade.Lula mandando em tudo até nos esporos de Dilma.

  5. MARCOS

    Você está enganado, caro Marcos. abração

  6. Elementar!

    Esse flagrante é genial! Embutido nessa salsicha, que Dilma e Lula nos obrigam a comer, está a responsabilidade de ambos com a roubalheira. Perder a eleição seria abrir a porta da cadeia e não sair de lá por um bom tempo.

  7. Kalil Boanova

    Calma Dilma com essa cara sai já já mais uma grande obra.

  8. Kalil Boanova

    Augusto.bastou chegar ao Brasil que o conselheiro real e magico João Santana mandou Dilma tomar doril no Chile,mudou ministro, advogado da união e mudando a politica econômica do Pais usando suas reservas internacionais,afinal campanha politica não faltaram( 2016 e 2018) tem que fazer caixa

  9. flavioz

    Ai ai ai! Não duvido muito se alguns energúmenos petistas, sempre ressentidos com o FHC, não cogitaram ou cogitam em mudar o nome da moeda, de Real para Lula: L$ 1 lula, L$ 2 lulas etc, e por que não, L$ 3 lulas (?). Especialistas, que são em rebaixar economias, (a Moral, a Decência…) tudo a ver, né não?

  10. vagabundos

    Não há nenhuma surpresa, com um mínimo de tirocínio se sabia, ainda em 2014, o rombo que iria ser… Faltou adicionar a ROUBALHEIRA de deputados, senadores, e o ladravaz estorquindo a todo vapor toda a riqueza do país. que est´no brejo, afundando rápido demais. a única coisa demorada é o prisão dos delinquentes, todos. Nnao vai acontecer, vai? ste, ste, aparelhados, justiça aparelhada, “ministro” da “Justiça” nomeado pela presidenta. Não vai acontecer mais nada, só vai piorar muito mais do que imaginam ou prevêem…

  11. Luiz de Almeida

    Sabiam o que estavam fazendo. Eles, se tiverem que levar a sociedade ao lixo, levarão! Estamos a caminho!

  12. Diamante de Sangue

    Afinal quem são os diretores do Banco Central?Quais são são critérios de nomeação? E TEM MAIS ESSA:A PF sabe se defender.A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal divulgou uma nota sobre a saída de José Eduardo Cardozo:”Os Delegados da Polícia Federal receberam com extrema preocupação a notícia da iminente saída do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em razões de pressões políticas para que controle os trabalhos da Polícia Federal. Os Delegados Federais reiteram que defenderão a independência funcional para a livre condução da investigação criminal e adotarão todas as medidas para preservar a pouca, mas importante, autonomia que a instituição Polícia Federal conquistou”.
    A PF sabe quem faz pressão: Lula. nota do Antagonista

  13. Kalil Boanova

    O PT está escanteando a companheira Dilma que por sinal,ha uma reciproca,ficou no Chile no aniversario do PARTIDO LITERALMENTE PARTIDO. Dilma cai fora desta corja, de mentirosos veja se encontra um partido que acho difícil.Se quiser sobreviver e não ser traída, cai fora logo e fica por ai no Chile

  14. JulioK

    O jornal diário Zero Hora(RS) tem uma seção que traz as “capas diárias” de 30/40/50 anos atrás.

    É impressionante como as “capas” de FEV1986 são iguais as de FEV2016 no que tange a economia.

    É assustador, pois em FEV1986 veio o Plano Cruzado para garantir a eleição do PMDB em OUT1986 e depois explodiu tudo!!!

  15. RICARDO MAGNO

    MESTRE AUGUSTO.
    É de sentir arrepiar os cabelos ler um texto de tal profundidade. Por meio dele, mesmo para pessoas sem formação na esfera econômica, poderão ler, sim e entender, a gestão desastrosa do lulopetismo. SE TEM UMA MATÉRIA QUE O LULOPETISMO ENTENDE BEM, É O ESTABELECER RELAÇÕES CORRUPTAS COM EMPREITEIRAS. Fora isso, não sabem se é dia ou se é noite. O texto, Meste, aponta exatamente quais foram os desmandos conducentes ao desastre econômico na grande Brasil.

  16. Gertrudes Vogel

    Augusto.
    Na opinião de pessoas entendidas no assunto, o plano real foi uma jogada corajosa, que poderia ter certo ou errado.Felizmente deu certo. Debelada a inflação, experimentamos uma fase de prosperidade.cedemos ao cato sereia do populismo e,via consequência, entregamos a condução da economia para o partido do crime organizado.hoje perguntamos como PT destruiu o real.A resposta ai está.E por esta razão que blog do Mestre Augusto, seja um dos lidos no Brasil.
    AUGUSTO. DESEJO EXTERNAR-LHE O MEU AGRADECIMENTO POR ESTA REFLEXAO. TRATA-SE UMA AULA MAGNA. PRETENDO,AUGUSTO VOLTAR,TANTAS VEZES QUANTO PUDER A ME EMBEBER NA FONTE DE TAL SABEDORIA.

    Fique por aqui, cara Gertrudes. O prazer é todo meu. Um abraço

  17. RedFox

    Texto perfeito. Falta apenas salientar que, de agosto de 2011 até julho de 2013, a Selic demasiadamente baixa (abaixo da própria inflação) foi o verdadeiro motor dessa mágica multiplicadora de consumo, obrigando a classe média a torrar imediatamente as suas poucas reservas que definhavam nos fundos e nas poupanças. Naquela época, essa transferência de renda da classe média B para as classes C e D passava praticamente despercebida. A poupança da classe B, que se tornava consumo obrigatório imediato, gerou para ela certa sensação de prosperidade, e, de quebra, encomendou empregos de baixa remuneração para produzir o que se comprava a rodo. Hoje, porém, a história é outra. Esses empregos para as classes C e D nem existem mais, devolvendo-as ao mesmo patamar econômico em que se encontravam antes dessa mágica acontecer. O resultado é que, a longo prazo, a estratégia, seja ela intencional ou não, serviu para empobrecer todo mundo. A classe média B está endividada pela gastança de 2~3 anos atrás, e sua poupança hoje é curta, até porque a Selic a 14,25% aa não remunera positivamente o dinheiro no banco (desconte-se dela o IR que o governo cobra, as taxas dos bancos e a própria inflação, e vejam o que sobra para quem poupa). As classe C e D perderam seus empregos, encontram-se endividadas pelo crédito que foram incentivadas a consumir, e mesmo a informalidade já não adianta muita coisa, pois também tem encolhido ao longo dos últimos meses de crise persistente. Em suma: só Dilma e o PT ganharam. Ganharam para nos afundar de vez! Puseram no ar a tal campanha de João Santana mostrando a mesa vazia e garantindo que eleger Aécio ou Marina daria naquilo. Crime eleitoral dos piores. A autonomia do BC era a discussão da peça publicitária, e hoje, depois que Dilma mandou, e Tombini aceitou, manter os juros amarrados, a inflação continua aí, forte como nunca; nosso poder de compra encolhe todo dia e o país afunda em todos os fundamentos da economia. Se pelo menos o BC funcionasse sem a interferência de Dilma e do PT, pelo menos a inflação poderia ser um pouquinho menor. Mas, enfim, inflação é inflação, tema tabu para as esquerdas, e tem muita gente por aí que adora uma inflaçãozinha pra fazer de conta que isso gera desenvolvimento. É só abrir os olhos, olhar bem o cenário em volta, e a gente vê na hora o que isso gera…
    Salvem os desenvolvimentistas do PT!
    Essa turma merece.

  18. Louisc

    Parabéns. Explicação perfeita do estelionato eleitoral da Dilmanta.

  19. Antonio Henriques

    Mas é engano achar que agiram sob equívocos administrativos.

    Quem possui uma mentalidade revolucionária, marxista de longa data, age exatamente assim, porque na mentalidade dessa gente, após o caos instalado virá o comunismo e o Estado autoritário para nos “salvar” e assim “equalizar” a todos num mesmo nível de pobreza, ineficiência e extorsão do trabalho alheio. Essa é a Mais Valia marxista: O povo é escravo e só serve para produzir riqueza aos dirigentes do partidão.

    O povo nos hospitais morrendo, sem educação decente e falta de perspectivas? Quem é o “povo” pra essa gente, a não ser o que sempre foi em todos os regimes “igualitários”, nada mais do que gado!

  20. O acionista

    Distinto Augusto,
    Não tem como negar a verdade de que o povo brasileiro sempre foi espoliado por todos os governantes que passaram pelo palácio do planalto, a maior prova disso é que o povo pagou indevidamente na conta de luz 7 BILHÕES a mais conforme reportagem da globo ( http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/08/relatorio-pede-devolucao-de-r-7-bilhoes-cobrados-em-conta-de-luz.html ). Meu palpite é bem simples, como o grupo de acionistas beneficiados por esse ” equívoco ” não faziam contribuições para campanhas petistas, a presidente resolveu institucionalmente diminuir a rentabilidade da empresa pública pois, os índices não foram alcançados por mais produtividade mas sim, por abuso comercial por parte do monopólio do governo, assim como acontece com a conta de água onde se paga pelo tratamento do esgoto mas, os rios continuam poluídos, como acontece com a estatal da gasolina, onde nosso dinheiro financia ditadores comunistas pelo mundo, com a construção de obras públicas, que financiam apartamentos na beira da praia e chácaras com lago e piscina para ex governantes, o problema principal na administração pública é que ela sempre se valeu de prerrogativas governamentais para se apropriar do bem particular do cidadão, no caso do pt, essa apropriação foi privatizada com a leniência do congresso nacional, que é sedento por cargos importantes!
    Está mais do que na cara que sem uma reforma administrativa ampla em todos os níveis do estado não avançaremos! Não existe condição de colocar os partidos políticos na linha, se a estrutura de administração do estado prevê diversas brechas para que ocorra o desvio de parte dos 2 trilhões de impostos arrecadados anualmente!
    Eu quero Dilma fora, o pt fora, o pmdb fora também, mas, quero sobretudo eleições gerais para todos os cargos, para quebrar esse ciclo vicioso perverso que tomou conta do Brasil!
    Onde muita gente pode perder privilégios e regalias é o lugar onde nunca a verdade será discutida, discutir as reformas que tanto o Brasil precisa é fundamental !
    Quem quer perder privilégios, em nome do progresso da nação brasileira?, levante a sua mão!
    Pois é !
    O Brasil se tornou o país dos privilégios OBRIGATÓRIOS ? Como pode ?

  21. Augusto

    Grande Paulo. Sou fã das tuas ácidas conclusões. O remédio bom é o que arde. Talvez na recuperação econômica que haverá de acontecer, também recuperamos a ética e o respeito a Nação.

  22. Eustaquio Barbosa

    Pois é. Estamos tecnicamente quebrados e o PT quer insistir na mesma fórmula que já nos levou a essa situação dramática. O que será necessário para essa gente aprender? Ver http://bit.ly/1QF1yX7

  23. Roberto Vieira Cavalcanti

    Parabéns.

  24. analu

    Excelente análise. O que impressiona é constatar a quantidade de pessoas que se deixou enganar pelas manobras trágicas (para o país) destes “espertos”.

  25. Silva

    Fora pt. Este pais nao aguenta mais mentira. Ignorancia. Corrupçao. Fantasia e atraso. Isto nao e uma loja de 1,99. Adeus demagogia.

  26. Valentina de Botas

    Texto excelente, tradução clara da nossa catástrofe.

  27. ivo-sc

    Tocou na quilo q eu sempre pensei e nao consigo escrever, parabens pelo texto.ótimo

  28. Ricardo M

    Caro Antonio (9:33).
    A maxi desvalorização mais nociva de que tenho lembrança ocorreu em maio de 1982,com a economia sob a tutela do trio Langoni,Pastore e Galveas. Foram 35% desmentidos em cadeia nacional pelo Galveas na terça e anunciados na quarta-feira.
    O mundo ainda estava polarizado e os fundamentos da economia mundial nada tinham de heterodoxos e ainda assim,o que se verificou foi um verdadeiro desastre,com empresas endividadas em dólar (resolução 63 bacen).
    Até hoje ainda arcamos com o peso daquela maxi.Um pequeno universo de empresas foi inviabilizado em detrimento de alguns “campeões nacionais”.
    Exportadores de commodities começaram sua escalada.
    A Cia de Níquel Tocantins que iniciava suas atividades com um fôlego turbinado agora em final de janeiro suspendeu suas atividades. Que tempos esses hein?
    A indústria voltada para o mercado interno,herança da política protecionista foi lentamente indo pro ralo.
    Com a atual espiral descendente dos preços de commodities essa maxi não terá efeitos significativos sobre os “campeões”.É quando muito um paliativo.
    As conseqüências para a indústria nacional,em particular as endividadas,essas sim são extremamente danosas. Vem aí mais um circo de horrores..

  29. Oswaldo

    Excelente artigo e excelentes comentários! Antonio (28/02/2016; 09:33) chama a atenção para o curioso “pudor” dos “comentaristas econômicos” que evitam o termo ‘MAXI-DESVALORIZACÃO’ de nossa moeda… Devem ser as tais “almas delicadas” de que fala o Gabeira… náo querem chatear a Dilma… Ela, quando fica nervosa, dizem, faz grosserias! Lembram como o Mantega chorava? Já o Paulão (28/02/2016;09: 58), conclui muito bem. Dilma e Lula estavam se lixando para o pais. O planoplano deles para a reeleição era ” perfeito”. Na hipótese (remota) de perderem a eleição presidencial, o Aécio iria receber a “herança maldita”, a ‘bomba atômica’ descrita acima, e que se viu em 2015, e então seria O culpado de todas as ‘desgraças’ , sendo assediado e infernizado (assim como todos nós …) “diuturna e noturnamente” pelos “Movimentos Sociais” náo conseguindo governar, ate ser, finalmente, defenestrado…

  30. siará grande

    Excelente artigo. E a conta do desastre dos PT vai levar uns 13 anos para ser pago, e isto se os próximos governos tiverem a coragem de tomar medidas altamente impopulares.

  31. cristina

    QUINZE ANOS JOGADOS NO ESGOTO!!!!!!!

  32. Hermes

    Texto Genial:
    —————————————–
    http://gabeira.com.br/e-o-fim-do-caminho/
    ———————————————-

  33. Prof. Pinheiro

    É o que dá brincar de economista…
    Se a intenção da manobra foi eleitoral – e foi -, o resultado pode ser o apeamento do poder assim conquistado.
    “Em longo prazo, todos estaremos mortos”, diria Keynes. Então, “aprè mois, le deluge”, dirá Dilma.

  34. Ridendo castigat mores

    “Na ausência de uma reação à altura da tragédia instalada.”
    Povo miscigenado não tem orgulho próprio e é ótimo para manipulação eleitoral,pelos canalhas no poder.

  35. desiludido

    Disse Lula a Dilma: “..até tu Brutus ?…”.

  36. Zezé

    Procure-se em Dilma Rousseff qualidades de estadista, e encontrar-se-á simplesmente tudo ao inverso. O que ela fez com a Petrobrás, Eletrobrás, estatais outras e, enfim, com a economia brasileira, em favor unicamente de sua eleição – é simplesmente criminoso.
    A analista do Banco Santander, Sinara Polycarpo, em julho de 2014, alertava os correntistas – e de resto, os demais brasileiros – que a eventual eleição de Dilma suscitaria graves consequências nas finanças do Brasil.
    Dada a farra que se fazia com o dinheiro dos contribuintes nas gastanças governamentais – sem falar na libertina gatunanagem pura e simples – nem precisava ser especialista como a bancária ou ter diploma de economista como a presidente diz ter – para se fazer a soturna previsão.
    Os brasileiros comuns já sabiam disso. A pergunta que cabe a essas alturas é como, mesmo assim, Dilma obteve 54 milhões de votos. Mais estranho ainda é saber que um economista do quilate de Delfim Neto vivia a bater palmas à desastrosa política financeira lulopetista. Saltou fora do barco recentemente, dando toscas e vazias explicações – como se fosse possível.

  37. Adeus Real?

    O PT vai acabar com o Real e vai dizer: “tá vendo, não foi a toa que fomos contra o Plano Real, era medida eleitoreira”… Quem não quiser conhecer a hiperinflação, tire essa turma de lá, 13 está chegando.

  38. O mesmo modus operandi da CPMF !

    Atento Augusto

    A Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social (COFINS) foi instituída pela Lei Complementar n° 70, de 30 de dezembro de 1991, destinada a financiar as despesas das áreas de Saúde, Previdência e Assistência Social.
    A reforma da previdência, evidencia mais um desvio de função da arrecadação na conta de luz! Como na cpmf, o cidadão brasileiro é repetidamente tapeado num espetáculo fisiologista de quinta categoria!
    Até quando?

  39. Marcílio

    Na mosca!Na mosca!Na mosca!Artigo luminoso!

  40. P A U L Ã O

    AUGUSTO,
    Elucidativo o texto. Matérias com tal conteúdo deveria ser lida em todas as escolas, para que possamos aprender e apreender, como o interesse político, ou seja, o projeto de poder lulopetista sobrepuja os interesses da nação. Lula e Dilma destruíram o plano real. Destruíram a ética, destruíram nossas esperanças e a par de tudo isso sacramentaram a corrupção como sendo método de governo.
    Parabéns Augusto. Aquele abraço.

  41. Antonio

    Eu não vi, até agora, nenhum comentarista econômico se utilizar do palavrão MAXI-DESVALORIZAÇÃO, tão usada nos tempos passados. A MAXI-DESVALORIZAÇÃO de agora foi de 40% em um ano, certamente uma das maiores já ocorridas na história do Brasil. O problema é que ainda no ano anterior, já havia sido superior a isso. Ou seja, nos aproximamos de 100% em dois anos.