O Roda Viva com Millôr: 90 minutos em companhia de uma mente brilhante

Com a generosa cumplicidade da minha amiga Cora Rónai ─ excelente jornalista, mulher admirável e anjo-da-guarda de Millôr Fernandes ─, consegui em 1989 que o maior pensador brasileiro concedesse uma entrevista ao Roda Viva,  na época apresentado por mim. O único depoimento de Millôr a uma emissora de TV foi reprisado pela Cultura neste sábado. Confira […]

Com a generosa cumplicidade da minha amiga Cora Rónai ─ excelente jornalista, mulher admirável e anjo-da-guarda de Millôr Fernandes ─, consegui em 1989 que o maior pensador brasileiro concedesse uma entrevista ao Roda Viva,  na época apresentado por mim. O único depoimento de Millôr a uma emissora de TV foi reprisado pela Cultura neste sábado. Confira os dois blocos do programa. Vale a pena passar uma hora e meia em companhia de uma mente brilhante. Confira:

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Carlos Alberto Medeiros

    Prezado Auggusto,
    Bons tempos aqueles. Éramos livres e não sabíamos. Podíamos dizer crioulo, tição, tiziu, macaco, urubu, e ninguém parecia se ofender. E nada de “deficente”, era aleijado mesmo. E retardado, mongolóide… Agora veio essa turma do “politicamente correto” para cercear a liberdade de expressão. Viva Millor, que sabia muito bem pôr os pingos nos is.

    Curtir