O carnaval temporão do PT e a segunda Quarta-Feira de Cinzas dos corruptos

O carnaval temporão do PT, concebido para permitir que os devotos da seita tirassem do baú  fantasias usadas nos 80, começou numa quinta-feira com um palavrório de José Dirceu e terminou no domingo, com a divulgação do documento que agrupa as conclusões do congresso do partido realizado em em Brasília.  De 1° a 4 de […]

O carnaval temporão do PT, concebido para permitir que os devotos da seita tirassem do baú  fantasias usadas nos 80, começou numa quinta-feira com um palavrório de José Dirceu e terminou no domingo, com a divulgação do documento que agrupa as conclusões do congresso do partido realizado em em Brasília.  De 1° a 4 de setembro, os companheiros puderam reviver os tempos em que o chefe da quadrilha do mensalão podia berrar que “o PT não róba nem dêxa robá” sem se arriscar a ouvir de volta uma vaia de Maracanã em tarde de Fla-Flu.

Merecidamente escalado para abrir os festejos, Dirceu apareceu na TV fantasiado de especialista na recuperação de larápios compulsivos. “O congresso do PT vai reafirmar nossa luta contra a corrupção”, avisou horas antes do início da quermesse dos pecadores sem remorso. Há quase 50 anos colecionando anotações no prontuário, há cinco sentado no banco dos réus do Supremo Tribunal Federal, o guerrilheiro de festim à espera de julgamento por formação de quadrilha e corrupção ativa descobriu que a cura para gatunos juramentados não está no velho Código Penal, mas numa nova lei eleitoral.

“Voto em lista e financiamento público são a bandeira do PT para eliminar o poder econômico, a corrupção, o caixa dois e democratizar o sistema eleitoral”, receitou o doutor em bandalheiras. “A reforma política é um dos principais antídotos contra a corrupção”. No dia seguinte, depois de trocar o paletó sempre curto demais pela guayabera de cubano honorário, Rui Falcão não hesitou em trucidar a verdade e a língua portuguesa para juntar-se a Dirceu na luta em defesa da moral e dos bons costumes.

“Apoiamos incondicionalmente o combate sem tréguas da corrupção”, recitou o presidente do PT para a plateia de quase 2 mil militantes. Todos já sabiam, graças a um documento com as propostas da tendência majoritária, que o partido havia retomado o monopólio da ética, confiscado há seis anos pelo escândalo do mensalão. Como nos velhos tempos, o comando da sigla voltou a decidir, sem fazer consultas nem admitir palpites, quem é ou quem não é corrupto, quem já foi, quem deixou de ser e quem será.

“A oposição, apoiada – ou dirigida – pela conspiração midiática que tentou sem êxito derrubar o presidente Lula, apresenta-se agora liderando uma campanha de ‘apoio’ à presidente Dilma, para que esta faça uma ‘faxina’ no governo”, adverte um trecho do documento, que logo adiante acusa os governadores do PSDB de “omissão no combate à corrupção em seus próprios Estados”. No sábado, um orador lembrou que ninguém tem mais ojeriza que Lula a parlamentares picaretas, sejam eles 300 ou 3 mil. No domingo, o documento com as decisões aprovadas na quermesse fechou com tambores e clarins o carnaval fora de hora.

“Mais que um desafio, combater sem tréguas a corrupção é um compromisso inarredável do PT e do nosso governo, que há de ser honrado sem esvaziar a política ou demonizar os partidos, sem transferir acriticamente, para setores da mídia que se erigem em juízes da moralidade cívica, uma responsabilidade que é pública”, alertou a sopa de letras. Tradução: o combate à roubalheira é coisa séria demais para ser tratada pela imprensa ou por partidos de oposição.

Ou por jovens brasileiros inconformados com a ladroagem em escala industrial, emendaram as velhas vestais despudoradas quando o carnaval acabou. Se o falatório dos dias anteriores fosse sincero, os foliões ficariam entusiasmados com o movimento contra a corrupção. Acabaram traídos pela irritação causada pelos atos de protesto programados para o dia 7. Todos enxergaram, por trás do alvo abrangente, uma estrela vermelha. A reação colérica só serviu para confirmar que, aos olhos dos próprios companheiros, PT e corrupção são hoje coisas indissociáveis.

O abraço de afogado foi exposto nas manifestações da quarta-feira. Multiplicados por fotos, inscrições em faixas ou cartazes e palavras de ordem, os nomes e os rostos de um casal de celebridades foram lidos e ouvidos em todas as manifestações. Ela é a deputada Jaqueline Roriz, que aproveitou uma meiga troca de sussurros com Cândido Vaccarezza, líder do governo no Congresso, para agradecer a ajuda do PT e da base alugada no plano montado para livrá-la da cassação e da cadeia. Ele é o inevitável José Dirceu.

Os corruptos que brilharam no carnaval temporão viveram neste Sete de Setembro uma segunda Quarta-Feira de Cinzas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Marinho

    É fato comprovado que a política do cachaceiro é de embuste,observem o lançamento do 1º petroleiro fabricado em Pernambuco que era só casco,não teve nenhuma foto da parte interna do mesmo.Estão lembrado da inauguração da Universidade do Sertão? Hoje não temos ninguém digno de nota na oposição,temos uns modelos de coronéis rosa choque: ACM Neto,e outras catraias que nem citar seus nomes é necessário, que temem o governo do PT.Ás maiores armas usadas hoje neste país são:mentiras e hipocrisias.Democracia é povo no poder e não quadrilha no poder.O brasileiro ainda vai sofrer muito até aprender a votar.Eu particularmente tenho vergonha de ser brasileiro e vc?.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Antonio Carlos de Curitiba

    Augusto Nunes, eu acabei de mandar a mensagem abaixo aos dois brigões Vaccarezza e Bolsonaro:
    Senhores, sinto-me enojado, como sei que todo o Brasil que ainda raciocina também o está. Enojado, cansado de ver o triste espetáculo que os senhores deputados estão patrocinando à nação.
    Sinto-me enojado de ver o sr. Bolsonaro, um militar, batendo boca com o sr. Vaccarezza, um médico, ambos oriundos de profissões onde o que prima é a ética acima de tudo. O sr. Bolsonaro, entretanto, pertence ao partido de Paulo Maluf; o sr. Vaccarezza, por sua vez, defende na Câmara um partido cujo chefe é Lula. Um roto falando de um remendado.
    Tenho nojo de ter de manter com meus impostos esse sistema corrompido. Nenhum dos senhores está aí para defender quem os elegeu; estão defendendo apenas seus próprios interesses, e isso me enoja.
    O partidinho do sr. Vaccarezza, o PT, conseguiu eleger Lula presidente por ter tido um grande garoto-propaganda, o FHC. Foi graças ao péssimo segundo mandato de FHC que vocês emplacaram na presidência a maior desgraça que esta nação já conheceu, o homem que abriu a caixa de pandora e soltou de uma vez todos os demônios que os militares haviam conseguido prender. De uma só vez Lula conseguiu comprar – com o meu suado dinheirinho – a Câmara, o Senado, o Judiciário e a Imprensa. Comprou de quebra também a cúpula militar, que se contenta em ser humilhada todos os dias e que hoje também me enoja. Eu consigo até aceitar que o PT, PMDB, PP, PSBD e outros partidos estejam inchados de homens covardes e ladrões; não posso, entretanto, aceitar que a cúpula militar esteja nas mãos de homens desfibrados e sem caráter, que aceitem ser mandados e urinados todos os dias por Dilmas e Idelis.
    E deixem-me lembrá-los, senhores, que seus dois partidos estão coligados! Bolas, então que raios de briga é essa?
    A tal Comissão da Verdade é uma grande mentira. Se os militares cometeram excessos, deviam ter sido punidos há tempos; no outro lado, o lado vermelho: gastar 3 bilhões de indenizações a terroristas vagabundos; soltar um assassino italiano; aceitar que o filho de Lula embolsasse 10 milhões impunemente (cadê a Receita?) sem demonstrar a mínima competência para tal; defender crápulas como Dirceu, Palocci, Lula, Ideli, Collor etc. Enfim, a Comissão da Verdade nasce morta. Não haverá como punir mais ainda os militares do que a constante humilhação que sofre a classe todos os dias. Nem haverá punição para terroristas pois teriamos de mandar prender a própria presidente Dilma.
    O Brasil merece coisa muito melhor que os senhores, caros deputados. Briguinhas na frente das câmeras de tevê, patrocinadas pelo meu dinheirinho, causam-me nojo.
    Se os senhores tivessem um mínimo de vergonha na cara, estariam neste momento era procurando descobrir ao menos uma parte do dinheiro que é roubado todo santo dia nessa casa por caras como seus líderes Lula e Maluf, e com essas descobertas mostrassem à presidente Dilma onde é que ela deveria ir buscar o dinheiro que falta à Saúde. Com certeza daria para pagar todas as despesas com médicos e hospitais, e com o que sobrasse conseguiríamos fazer duas copas do mundo. Bem, essa é outra roubalheira que me causa também muito nojo.
    Não pretendo receber resposta dos senhores, pois com certeza os senhores também têm nojo do povo. Caso haja alguma resposta, digam-me se também não estariam enojados depois de trabalharem como eu por 43 anos, e agora na fase final da vida não possuírem nada além de um terreno e um carrinho Fiat Palio financiado, E DE TER DE PAGAR DE IMPOSTO DE RENDA TODOS OS ANOS UM CARRO ZERO AO GOVERNO FEDERAL!

    Curtir

  3. Comentado por:

    luis renato

    O financiamento público de campanha será mais uma fonte de renda para os larápios. Ou vocês acham que o caixa dois não vai continuar por baixo dos panos?

    Curtir