O bando de testemunhas de defesa merece ser incluído entre as provas contra Palocci

Emudecido pela descoberta do milagre da multiplicação do patrimônio, que fez de um médico sanitarista o mais próspero especialista em operações sigilosas, Antonio Palocci completou oito dias de estrepitoso silêncio. Não precisou dar um pio para ser absolvido pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República. Bastaram explicações por escrito. Nem precisou telefonar para […]

Emudecido pela descoberta do milagre da multiplicação do patrimônio, que fez de um médico sanitarista o mais próspero especialista em operações sigilosas, Antonio Palocci completou oito dias de estrepitoso silêncio. Não precisou dar um pio para ser absolvido pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República. Bastaram explicações por escrito. Nem precisou telefonar para congressistas para conseguir a solidariedade da base alugada (e de oposicionistas com culpa no cartório). Bastou o recado do assessor Thomaz Traumann lembrando que o chefe  fez o que meio mundo faz.

A cada 15 anos, constatou o jornalista Ivan Lessa, o Brasil esquece o que aconteceu nos 15 anos anteriores. Esse prazo valia para o século passado. Neste, ficou bem mais curto, sobretudo por faltar espaço no noticiário jornalístico e na memória dos brasileiros para armazenar por muito tempo tantos escândalos, roubalheiras, pilantragens e sem-vergonhices envolvendo corruptos com salvo-conduto expedido pelo governo. Hoje, nos cálculos do Planalto, o país esquece a cada 15 dias o que aconteceu nos 15 dias anteriores.

Quinze dias foi o prazo estabelecido pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, para que o chefe da Casa Civil apresente as explicações solicitadas pelo DEM e pelo PPS, justificadamente  intrigados com o surto de enriquecimento que acometeu o ministro, e que se tornou especialmente agudo depois da vitória de Dilma Rousseff. Até aí, nada demais, apressou-se a esclarecer Gurgel antes mesmo de repassar a Palocci as interrogações formuladas pelos partidos.

“Exercício de consultoria não é crime”, pontificou. (Em princípio, não é crime exercer ofício nenhum, desde que o profissional não se valha dos  instrumentos de trabalho para cometer delinquências). “O procurador-geral só atua nas encrencas mesmo, só atua quando há crime”, enfatizou. “A prestação de consultoria pode ser reprovável em aspectos éticos, mas, em princípio, não constitui crime e, se não constitui crime, não justifica a atuação do Ministério Público”.

Não é conversa de quem só decidirá o que fazer, com a seriedade que se exige do chefe de uma das raras instituições ainda respeitáveis, depois de examinar com lupa as explicações de Palocci. É conversa de quem espera que passem com mais rapidez as duas semanas que precedem o esquecimento. A montanha de indícios veementes berra que Gurgel só não vê nada de estranho porque foi contaminado pela miopia conveniente que grassa no Planalto.

Em 2006, o governo enxergou uma “movimentação financeira atípica” nos R$ 35 mil depositados na conta do caseiro Francenildo Costa. Em novembro e dezembro de 2010, Palocci movimentou pelo menos R$ 10 milhões. A bolada é 285 vezes maior que o dinheiro recebido por Francenildo. Equivale a 18.348 salários mínimos, ou 416 carros populares.O que fez Palocci em troca dessas quantias de espantar banqueiro americano? As autoridades financeiras taparam as narinas para o fortíssimo odor de tráfico de influência. E o  procurador-geral não avistou nenhum sinal de “encrenca mesmo”.

Em países sérios, o Ministério Público nem precisaria dessas cifras estarrecedoras para entrar em ação. Bastaria a contemplação dos aliados que louvaram publicamente “a lisura”, “o excelente caráter” ou “a integridade” do suspeito ─ um bando que inclui figuras como Paulo Maluf, José Sarney, Romero Jucá, Renan Calheiros, Luiz Gushiken, Miriam Belchior, Ideli Salvatti, Gilberto Carvalho, Rui Falcão, Cândido Vaccarezza e Edison Lobão. Caso fossem arrolados como testemunhas de defesa e comparecessem juntos à mesma audiência, não escapariam de um processo por formação de quadrilha ou bando. Quem é absolvido por gente assim só pode ser culpado. E merece punição exemplar.

O governo acredita que faltam poucos dias para que expire o prazo de validade do escândalo. Pode descobrir que o país ficou menos desmemoriado, e que os descontentes são mais numerosos do que imagina. É improvável que Palocci consiga escapar pelo silêncio. Logo chegará a hora de explicar-se. Se for convincente, merece voltar ao Ministério da Fazenda: esse é o lugar de quem consegue fabricar dinheiro suficiente para ficar milionário em quatro anos com uma empresa de um homem só.

Se continuar mentindo, será devolvido à planície de onde nunca deveria ter saído.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Cws Multiradio

    Enquanto isso..A DITADURA ESTÁ CHEGANDO…e ela começa quando se tolhe a liberdade de imprensa…Salete Lemos,foi demitida…PORQUE FALOU A VERDADE..por que falou em palavras bonitas o que falamos em portugues não tão eruditas:O BRASIL ESTÁ SENDO GOVERNADO POR UMA FACÇÃO CRIMINOSA CHAMADA PT,por uma inutil,um poste no poder,manipulada pelo CANCER LUIZ INACIO LULA DA SILVA….Aqui o video de mais uma safadeza vinda de cima,sem dúvida nenhuma…divulguem..pois a moça foi corajosa,é por ser digna,,,,,perdeu o emprego..NOJENTO ….
    http://youtu.be/iP8jsqFlaQQ

    Curtir

  2. Comentado por:

    Antonio Bastos

    Augusto, concordo quase que plenamente com a matéria, pois, ao contrário de mandar essa turma para a cadeia por formação de quadrilha, se eu pudesse, os mandaria era para um pelotão de fuzilamento, pois quantas pessoas esses verdadeiros assassinos já mataram, ao desviarem o dinheiro da educação, saúde e infraestrutura.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Cws Multiradio

    vALE A PENA COMPARTILHAR…
    DILMA, LULA PALOCCI – BASTIDORES…(ch)
    por Ismenia Melo, sábado, 28 de maio de 2011 às 09:11
    28/05/2011
    Lula se irrita e manda ‘chutar a porta’ de Dilma
    No encontro com lideres governistas no Senado, o ex-presidente Lula se gabava da eleição de 47 das 54 vagas em disputa, quando Magno Malta (PR-ES) o interrompeu para falar da insatisfação geral: nenhum deles conseguia encaminhar nada no governo, nem a presidenta Dilma os recebia. Indagado, o líder do PT, Humberto Costa (PE), disse que nada podia fazer. Lula se irritou: “Chuta a porta dela, derruba, pô!”
    Risco de rebelião
    Magno Malta advertiu para o risco de os próprios aliados se rebelarem contra o ministro Antonio Palocci (Casa Civil), outro que não os atende.
    Nem te conheço
    Líder da bancada de cinco senadores do PR, Magno Malta reclamou a Lula que tem sido ignorado pela presidente e seus ministros.
    A reação de Lula
    Lula ouviu queixas dos lideres dos demais partidos aliados no Senado, e prometeu falar com Dilma. Fez mais: deu ordens.
    Quem manda
    O dano político local é grande e o externo começou ontem: o noticiário internacional destacou a ajuda de Lula a Dilma na crise de Palocci.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Veronica Maldonado

    Há precedentes! PC Farias, todos os sucedaneos ministros cheges do gabinete civil, à excessão de Dilma saíram por razoes obvias ligadas a corrupção ou trafico de influencias.
    Quanto ao noço PGR, é lamentável. Com o judiciario superior totalmente aparelhado, seria hilario, para nao dizer hironico, que ele é uma vítima. Na verdade um ENGAVETADOR de primeira!. Como punir um deputado? A CGU informa que um deputado não é agente público.
    Urge dicionarizar os cargos e competencias, para se cobrar responsabilidades e obrigações. Quem é o responsável por mensalao federal? distrital ? Municipal ?

    Curtir

  5. Comentado por:

    Felício Tolentino Caldeira Brant

    Carissimo August, por mais que tenha tomado a decisão d ser uma voz a menos para se fazer ouvir, sinto que não é possível conter-me quando a Nação volta a ser espoliada! Embora não tenha o poder de persuasão que tem a sua, meu dileto ídolo, peço licença para juntar minha voz a sua!E pergunto-me até quando o Brasil vai suportar a ação de quadrilheiros, que, usurpadores, fazem de nosso País um feudo? Estão obtendo suceso ao realizar lvagens cerebrais num povo que é maioria, e não se apercebe da realidade…Quão mais ignorante, mais fácil manter-lhe os arreios! Quão mmais iludido em sua miserabilidade, mais fácil fingir que estão extirpando o mal da pobreza…Já na antiga Roma, os governantes, corruptos ou não, mantinham o povo com rédeas curtas, com uma receita simpes: “panis et circus”!E é o que faz, objetivamente, com sucesso, o governo brasileiro…Lembrem-se, “diga-me com quem andas, e dirte-ei quem és”…

    Curtir

  6. Comentado por:

    Cws Multiradio

    um POSTE,uma MULA SEM VERGONHA,e um MORDOMO DO CONDE DRÁCULA…cena de terror que pode acabar com a curta carreira de DILMARIONETE>>>
    “Clima entre PT e PMDB é tenso e bem diferente do que anunciam Dilma Rousseff e Michel Temer
    Só para enganar – “A situação agora é tranquilíssima”. Assim o vice-presidente da República, Michel Temer, classificou o clima entre ele e o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci Filho, após áspera discussão provocada pelo comportamento do PMDB da Câmara dos Deputados durante a votação do projeto que cria o novo Código Florestal Brasileiro. Tal frase foi dita por Temer à presidente Dilma, que reclamou do fato de o entrevero entre Temer e Palocci ter vazado para a imprensa.
    Diferentemente do que afirma Michel Temer, o clima no Palácio do Planalto não é tão tranquilo e cordial. Sempre sedento por cargos na máquina federal, o PMDB continua aguardando algumas outras nomeações no segundo escalão do governo federal, algo que Dilma Rousseff continua postergando. A postura do PMDB durante a votação do Código Florestal foi apenas um rápido recado ao Palácio do Planalto, que ameaçou tirar do partido os ministérios que atualmente ocupa. Acontece que qualquer movimento nessa direção provocará uma sequência história de Dilma Rousseff no Congresso Nacional.
    Como se fosse pouco o mal estar provocado pelo caso do Código florestal, a defesa de Palocci Filho no Congresso não sairá de graça. E deve custar ainda mais caro, pois o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante Júnior, cobrou de Dilma Rousseff o imediato afastamento do chefe da Casa Civil durante as investigações, algo que acontece em países minimamente civilizados e democráticos.
    O grande problema da neopetista Dilma é que o PT da Câmara dos Deputados não tem economizado incompetência ao tratar de temas delicados, como foi o caso do Código Florestal. Fora isso, a saúde instável e pouco convincente da presidente reforçou o apetite dos peemedebistas, que não descartam uma licença médica da chefe do governo. Dilma viajou ao Uruguai na segunda-feira (30), onde participou de eventos oficiais ao lado do “companheiro” José Pepe Mujica, mas deve reunir-se a portas fechadas com Michel Temer nesta terça-feira.
    Se o PT palaciano continuar abusando da soberba e da impunidade, como fez durante os oito anos da era Lula, o PMDB pode promover a qualquer momento a implosão do governo de Dilma Vana Rousseff, operação que arrastaria para o centro da operação os parlamentares da base aliada. Dilma que se cuide, pois do contrário seu prazo de validade como presidente será encurtado com impressionante facilidade.

    Curtir