Neurônio desértico

“Porque, para se reservar água, é necessário ter onde reservar água”. “Esse processo é um processo que ele é muito importante porque passa por uma compreensão diferenciada da situação. Isso que foi dito aqui: que não é necessário combater a seca, essa é uma visão errada, que nós todos concordávamos que nós temos que conviver […]

“Porque, para se reservar água, é necessário ter onde reservar água”.

“Esse processo é um processo que ele é muito importante porque passa por uma compreensão diferenciada da situação. Isso que foi dito aqui: que não é necessário combater a seca, essa é uma visão errada, que nós todos concordávamos que nós temos que conviver com ela, e conviver com ela significará domá-la. É, na verdade, isso: conseguir gerenciá-la, conseguir fazer com que a população não tenha as consequências danosas que a seca produz”.

Dilma Rousseff, internada por Celso Arnaldo depois de dois grandes momentos durante o anúncio do “Água para todos” ─ o primeiro programa contra a seca no Nordeste que não é contra a seca do Nordeste

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Silvio Jardim

    PUTZ! Tive que ler 3 vezes para entender…

    Curtir

  2. Comentado por:

    ZM

    Dona Redonda tem orgasmo múltiplos ao falar tais idiotices. Idiotices que nos remetem a quem elegeu essa coisa.

    Curtir

  3. Comentado por:

    cesar rosas

    Nesta nova abordagem da seca criada por João Santana, o ícone da estratégia será o programa “Mais Camelos”.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Celso Arnaldo

    Augusto, irmão
    Foram cinco enormes e primorosos discursos entre ontem e hoje. Só num dos três de hoje, em São Gonçalo, detectei, por alto, 98 sanatórios e uns 39 motivos para impeachment. Selecionei dois, com perdão dos demais não internados. Abrs
    Salve, irmão. Mais uma vez, gratíssimo. abração

    Curtir

  5. Comentado por:

    juscelino

    C.A, quem ainda vai para o sanatório um dia será tu.. quem quiguenta um trem desse….

    Curtir

  6. Comentado por:

    angelo

    Senhores,Assistimos a um verdadeiro descalabro em
    matéria de governo presidencialista neste País,não
    é possível que a cafajestagem política,podre,e
    intelectual,como falam,se deixem levar por tão
    mediocre criatura,a trôco de se manterem nas tetas
    do Brasil,em seus cargos de fantasia,qual será o
    futuro dsta pátria,a continuar com tamanha vergonha

    Curtir

  7. Comentado por:

    André

    Reservá água? Não é armazenar? …. Dona Dillma Rousséfalla, em mais uma discurseira destrambelhada e sem pé nem cabeça no Nordeste, comprovando que seu cérebro desertificado de neurônios é tão seco e esturricado que a secura do sertão nordestino…. Socorroooooooooooooooooooo!

    Curtir

  8. Comentado por:

    nice

    Minha nossa! Essa mulher me envergonha tanto. Eu quando vou escrever algum comentário, procuro sempre observar se há concordância e nexo na escrita. Essa mulher fala pior ou igual ao antecessor. Coisas sem pé nem cabeça!

    Curtir

  9. Comentado por:

    Patrícia de Sampa

    Claro que ela não vai resolver coisa nenhuma. Como todos os outros “planos” marqueteiros, esse também vai ser lançado, e ficará nisso. Logo depois, eles, os do governo, juntamente com o Santana – que é quem, na realidade, “planeja” – inventam outro nome pomposo; e o povo, que tem memória curta, embarca novamente na mesma canoa furada, com aplausos e esperança no coração, de que “agora, sim, a coisa vai!”. Mais vai, hein?

    Curtir