Neurônio datado

“Todos nós aqui sabemos que cada um de nós escolhe ─ a vida faz a gente escolher ─ alguma das datas em que a gente nunca vai esquecer dessa data”. Dilma Rousseff, na entrega de unidades do Minha Casa, Minha Vida em São Paulo, internada por Celso Arnaldo ao garantir que, no dia de seu […]

“Todos nós aqui sabemos que cada um de nós escolhe ─ a vida faz a gente escolher ─ alguma das datas em que a gente nunca vai esquecer dessa data”.

Dilma Rousseff, na entrega de unidades do Minha Casa, Minha Vida em São Paulo, internada por Celso Arnaldo ao garantir que, no dia de seu aniversário, lembra que é dia de seu aniversário.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Si

    Mas vocês são muito implicantes. Acham que uma pessoa limitada como a Dilma consegue aprender e reter muita coisa na memória? Tenham paciência, é um passo por vez. Hoje ela decora uma palavra nova, amanhã aprende o significado e depois de amanhã aprende a colocar a palavra em uma frase. É assim que funciona!

    Curtir

  2. Comentado por:

    Cil

    Uai! Até a vida manda na governanta!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Mark Brasil

    Neurônio Futurista
    Hoje (02/04) a presidente foi às lágrimas em seu discurso no Galeão ao supor que o maestro Antônio Carlos Jobim compôs o Samba do Avião em homenagem ao retorno ao Brasil dos anistiados da ditadura militar. Se isto fosse verdade, realmente teria sido uma boa inspiração , não fossem as quase duas décadas que se passaram entre um fato e outro.
    Se não fosse a Dilma, a história seria inacreditável, caro Mark. abração

    Curtir