Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na paisagem eleitoral, falta o porta-voz dos indignados com os fora da lei no poder

Dilma Rousseff perde o sono em dia de pesquisa e perde o controle dos nervos em noite de debate. É compreensível que se apavore ao imaginar-se conversando com um jornalista independente. Ao escapar do encontro com o excelente William Waack, a fugitiva do Jornal da Globo poupou o cérebro baldio do colapso que seria inevitavelmente […]

Dilma Rousseff perde o sono em dia de pesquisa e perde o controle dos nervos em noite de debate. É compreensível que se apavore ao imaginar-se conversando com um jornalista independente. Ao escapar do encontro com o excelente William Waack, a fugitiva do Jornal da Globo poupou o cérebro baldio do colapso que seria inevitavelmente consumado pelas perguntas que aguardavam a entrevistada. Confiram:

1. Os últimos índices oficiais de crescimento indicam que o país entrou em recessão técnica. A senhora ainda insiste em culpar a crise internacional, mesmo diante do fato de que muitos países comparáveis ao nosso estão crescendo mais?

2. A senhora continuará a represar os preços da gasolina e do diesel artificialmente para segurar a inflação, com prejuízo para a Petrobras?

3. A forma como é feita a contabilidade dos gastos públicos no Brasil, no seu governo, tem sido criticada por economistas, dentro e fora do país, e apontada como fator de quebra de confiança. Como a senhora responde a isso?

4. A senhora prometeu investir R$ 34 bilhões em saneamento básico e abastecimento de água até o fim do mandato. No fim do ano passado, tinha investido menos da metade, segundo o Ministério das Cidades. O que deu errado?

5. Em 2002, o então candidato Lula prometeu erradicar o analfabetismo, mas não conseguiu. Em 2010, foi a vez da senhora, em campanha, fazer a mesma promessa. Mas foi durante o seu mandato que o índice aumentou pela primeira vez, depois de quinze anos. Por quê?

6. A senhora considera correto dar dentes postiços para uma cidadã pobre, um pouco antes de ser feita com ela uma gravação do seu programa eleitoral de televisão?

O que há com Aécio Neves que até agora não formulou nenhuma dessas perguntas ─ claras, concisas e contundentes ─ em debates na TV ou no horário eleitoral? O que espera o terceiro colocado nas pesquisas (e em queda) para acrescentar à sequência de interrogações dezenas de outras amparadas no colosso de casos de polícia protagonizados pelo governo em decomposição? Por que não força a candidata à reeleição a afundar agarrada a respostas bisonhas e álibis mambembes?

Para continuar sonhando com o segundo turno, Aécio deve gastar muito mais chumbo com a presidente sem rumo do que com Marina Silva. Vai perder tempo e votos se  transformar a candidata do PSB em alvo preferencial. É Dilma a concorrente a ser batida. A onda cavalgada por Marina parece exibir força e fôlego suficientes para alcançar a praia do Planalto. É na onda antipetista, de dimensões igualmente impressionantes, que Aécio Neves talvez consiga surfar.

Aí reside a chance derradeira. O PT está cada vez mais grisalho e enrugado. Sumiu o Lula que instalava postes em qualquer gabinete. Quase todos os companheiros candidatos a governador estão mal no retrato. Alguns patinam ofegantes na zona do rebaixamento. Em São Paulo, por exemplo, Alexandre Padilha, nulidade produzida e dirigida pelo chefe supremo, nem chegou aos dois dígitos.

Até agora, os milhões de indignados com os fora da lei no poder não têm porta-voz na temporada de caça ao voto. Nenhum candidato à Presidência ou a governos estaduais traduz o que vai pela mente e pela alma dos humilhados e ofendidos por 12 anos de corrupção, descaramento, cinismo, inépcia, cafajestagem, arrogância, vigarice, cupidez, imoralidade, pouca vergonha, acasalamentos promíscuos com escroques internacionais, agressões à liberdade e ao Estado Democrático de Direito. Fora o resto.

Na paisagem eleitoral, falta o candidato da indignação. Talvez haja tempo para que Aécio Neves se transforme no que desde sempre deveria ter sido e não foi.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    jhunter

    Concluindo..
    È lamentável que o partido que formulou e administrou o Plano Real,não ofereça um “Plano Real” para dar um alento aos brasileiros vitimas dos vigaristas e oportunistas que hoje se ncontram instalados no poder.
    Numa campanha tucana clara e objetiva hoje o poste do lula estaria amargando um terceiro ou quarto lugar

    Curtir

  2. Comentado por:

    Rogério

    Perfeito, Augusto! Não entendo essa postura do Aécio também: está sendo abatido vergonhosamente pelas duas candidatas petistas sem propostas, sem a menor condição de governar o Brasil, que representam um partido que faz a Máfia parecer brincadeira de criança, que o atacam com estilingues e ele “light”, comportado, educado, mesmo tendo à disposição um arsenal infinito dos “malfeitos” da quadrilha para usar. Lamentável. Acho que só resta rezar. Acorda brasileiro!!! LEMBRE-SE: ERRAR É HUMANO, PERSISTIR NO ERRO É LULICE.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Oliver

    BILLY, THE KID
    Quem nasceu para Blliy Bonner nunca chega a Billy Waack, não é mesmo? É uma pena que o eleitor médio brasileiro não esteja acordado no horário deste outro para traçar as diferenças deste um. Mais uma vez como candidato a presidente, Aécio Neves saiu-se um excelente ministro da área econômica na entrevista concedida ao telejornal noturno. Seu discurso técnico e cheio de interpretações da realidade reinante é quase a antítese do telurismo de Marina. E Dona Dilma se esquivando de responder o questionário do ilustre jornalista não tem preço. Deve pensar que tem mais do que fazer do que dar explicações ao público que a elegeu. Mostra-se cansada e contrariada da rotina de ser presidente. Podíamos fazer um grande favor a ela em outubro e mandá-la para casa, se tratar. Com os cento e cinquenta paus guardados no colchão palaciano ela poderia montar uma bela loja de quinquilharias e seguir sua vocação de muambeira. Ela sempre poderá contar com uma bolsa miséria qualquer para estofar seus rendimentos. Já na seara das pesquisas ontem divulgadas, certas coisas ficam tão evidentes que deveriam dar cadeia. Temos o I-BOPE, ou a “tropa de celite”, chegada a lamber um vaso sanitário presidencial e o Data Moscas, do jornal cheio de moscas, um tanto mais envergonhado que o parceiro em escancarar claramente que “vende sua margem de erro” em troca de uns caraminguás estatais. Quem consegue me explicar que, com essa excepcional atuação no ramo da comédia e fugindo dos embates e das entrevistas, a candidata da situação lastimável ostente agora 38% das intenções de voto e subindo? Reparem que os quatro pontos a mais a ela conferidos no primeiro instituto torturador de números foram subtraídos nada menos que de Aécio Neves, o que indicaria que ela estaria roubando pontos do candidato e não de Marina. Não é um mimo? A intenção de apressar a desidratação do candidato deve ser apreciada com muita moderação, meus caros. Ela mostra que os petralhas ainda acreditam que o sonho de uma tirania de esquerdas por aqui ainda pode ser negociado com a candidata cara de biorana. Eu tiraria meu horse to the rain, hehehe. Minha ingenuidade política continua a me fazer afirmar que a fatura estaria liquidada se as oposições se unissem em torno de um projeto de salvação nacional. Como preferem brandir suas camisas de times de segunda divisão, vão impondo ao país esse medo, essa desconfiança e essa imensa decepção do eleitor com a política, essa santa da forma geral. Venho insistindo aqui que o fenômeno estético que vamos observando no horário eleitoral gratuito já está fora de controle, com candidatos titicas apresentando o número de sua candidatura no traseiro das cachorras. Hoje a mensagem parece irônica e inofensiva, mas amanhã ela pode ser a regra da política nacional, se os poucos políticos serios que ainda restam no país não se unirem num projeto pela decência. Aécio se furta a dizer que toda a sua correta análise econômica discorrida em sua entrevista ontem tem como pano de fundo um bolivarianismo rombudo que assusta o eleitor, mas que ele não demonstra o necessário desprendimento para trazer ao tabuleiro dos debates com clareza e desassombro. Então ficamos assim, nadando na superfície, reduzindo o embate a um simples ajuste econômico no país. É com isso que eles querem ganhar minha confiança. Vão tê-la para votar, mas nunca para investir por aqui. Este é o ponto. Vai indo que eu não vou.
    Perfeito, grande Oliver. abração

    Curtir

  4. Comentado por:

    Antonio

    A Aécio Neves está faltando mais indignação e contundência tanto nos debates como nos programas eleitorais. Acho o mais preparado para a difícil tarefa de governar o Brasil, porém como candidato, não está falando a língua dos brasileiros indignados com os escândalos, a roubalheira, o desmando e o desgoverno que existe em nosso país.

    Curtir

  5. Comentado por:

    miguel

    Sabe o que penso, caro Augusto? O Aécio é como aquele jogador de futebol que tem qualidades técnicas, mas, sempre fica com medo dos sagueiros adversários. Quer dizer: ele sempre corre para não chegar ao gol com medo das pancadas. Enfim, ele não gosta de “divididas” com o adversário.

    Curtir