Moreira Franco, o genro do genro, agora também é doutor em vigarice estatística

PUBLICADO EM 3 DE JUNHO DE 2012 Com a entrada em cena de Wellington Moreira Franco, o interminável espetáculo do cinismo descambou para o terreno da galhofa. Único integrante do primeiro escalão que jamais conseguiu uma conversa a dois com Dilma Rousseff, o (segundo o cartão de visitas) Ministro-Chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da […]

PUBLICADO EM 3 DE JUNHO DE 2012

Com a entrada em cena de Wellington Moreira Franco, o interminável espetáculo do cinismo descambou para o terreno da galhofa. Único integrante do primeiro escalão que jamais conseguiu uma conversa a dois com Dilma Rousseff, o (segundo o cartão de visitas) Ministro-Chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República resolveu chamar a atenção da chefe com uma vigarice estatística de deixar ruborizado até dono de instituto de pesquisa. Graças ao ministro do Nada, foram extintos os pobres que restavam no Brasil Maravilha.

Neste 29 de maio, Moreira Franco revelou que, a partir de agora, pertencem à classe média todos os brasileiros cujos rendimentos individuais alcancem de R$ 250 a R$ 850. São 48% ─ quase metade ─ da população. Como explicar a proeza assombrosa? O ministro se dispôs a decifrar o enigma em dilmês castiço: “A classe média foi delimitada ainda de acordo com o grau de vulnerabilidade, ou seja, a probabilidade de retorno à condição de pobreza, definido como o percentual de pessoas que vivem em locais cuja renda per capita caiu abaixo da linha de pobreza em algum momento em cinco anos”, complicou Moreira Franco.

Em 2007, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada pareceu ter alcançado o limite da audácia malandra ao descobrir como se faz para mudar de categoria sócio-econômica sem sair do lugar. De um dia para outro, as famílias cuja renda mensal superava a marca dos R$1.063 souberam que haviam sido transferidas para a classe média. O mundo deve ao governo Lula, portanto, a invenção do pobre que sobe na vida sem deixar a pobreza.

Ainda mais ousado que os alquimistas do IPEA, Moreira Franco também prometeu criar um “instrumento de pesquisa” chamado Vozes da Classe Média.  “Queremos saber quais são as aspirações e os desejos desse novo universo”, explicou o milagreiro de araque. A pesquisa é dispensável: 100% dos entrevistados dirão que tudo o que querem é viver como vive gente da classe média de verdade.

Estudos recentes atestam que os mendigos que esmolam nas esquinas de São Paulo ganham, em oito horas de expediente, entre R$35 e R$40 . Em 25 dias, embolsam de R$875 a R$1.000. Os pedintes das ruas, portanto, não têm nada a pedir ao governo Dilma Rousseff. Ganham mais que a classe média do Brasil Maravilha. São mendigos ricos, embora nem tanto quanto Moreira Franco, que começou a subir na vida quando se casou com Celina Vargas do Amaral Peixoto.

Celina era filha de Alzirinha Vargas e de Hernani do Amaral Peixoto, um almirante que virou chefão do PSD e governador do Rio depois de casar-se com a caçula de Getúlio. Apesar do talento político, Amaral Peixoto não escapou da ironia dos adversários: acusado de exercer o ofício de genro, ganhou o apelido de “Alzirão”. Moreira Franco superou o sogro. Foi ele quem inventou a profissão de genro do genro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    José Coelho

    Sendo assim, fui promovido a magnata.
    Adeus vida de pobre.
    Agora sou poderoso. Sou abonado.

    Curtir

  2. Comentado por:

    fpenin

    Em estado normal, mesmo bem sucedido, qualquer cara não se sente realizado. Eu, neste momento inspirado, fujo dessa lógica. No meio do caminho fui alçado a milionário e vivo num país de primeiro mundo, em que as pessoas têm assistência médica de qualidade, educação refinada, tudo o que almejei um dia e, não fora os governos petistas, jamais imaginei acontecer. Agradeço comovido a tamanho up grade em minha autoestima. Quando ao botoxado Moreira Franco, se não me falha a memória, foi personagem de Jô Soares, representado pelo bordão “O meu nome é trabalho”, fina ironia que dava ao telespectador toda a noção do que pretendia transmitir o humorista. Agora, depois de tantos anos, volta esse falso trabalhador para tentar engabelar-nos a todos. Só outra de Jô Soares…

    Curtir

  3. Comentado por:

    EXTREMA DIREITA

    MOREIRA FRANCO ENTÃO É O “CELINÃO”?

    Curtir

  4. Comentado por:

    HOMERO VIANNA

    Moreira Franco perdeu a eleição para prefeito de Niterói não porque fosse pior do que Godofredo Pinto. O páreo é duro, mas não foi por isso. Perdeu porque o PT lançou contra ele pechas inimagináveis. Aliás, são mestres nisso. Colocaram até, prática recorrente, sua masculinidade em dúvida. Derrotado, o que fez? Rumou para Brasília e… se jogou nos braços de seus detratores. Agradecido presta-lhes serviços. Qualquer serviço.

    Curtir

  5. Comentado por:

    ROBERTO

    Í JUNTO COM CABRAL FOI O PIOR GOVERNADOR QUE O ESTADO DO RIO JÁ TEVE. MAS ACHO QUE CABRAL É O PIOR QUE MOREIRA FRANCO, AINDA MAIS PORQUE FALTAM QUASE DOIS ANOS E CABRAL FALIU O ESTADO DO RIO RECEBENDO ROYALTIES E TUDO MAIS, E POR CAUSA DA COPA DO MUNDO E AS OLIMPÍADAS RECEBENDO BILHÕES DO GOVERNO FEDERAL AINDA ASSIM FALIU O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SEU SUCESSOR VAI PEGAR UM ABACAXI E AINDA SEM OS ROYALTIES. DEPOIS CABRAL ARRUMA UM EMPREGO EM BRASÍLIA IGUAL A MOREIRA FRANCO E O POVO CONTINUA LASCADO, E NÃO VÃO PRESO, E NEM DEVOLVEM O QUE ROUBOU COMO MALUF. ESTE É O BRASIL QUE NÃO MUDA.

    Curtir