Leandro Narloch, jornalista e autor do livro Guia politicamente incorreto da história do Brasil

Publicado em 3 de fevereiro Zumbi tinha escravos. A origem da feijoada é européia. Santos Dumont não inventou o avião. As três afirmações parecem provocação de argentino. São apenas verdades incômodas, por rasgarem fantasias enraizadas no imaginário nacional.  E resumem exemplarmente o conteúdo do Guia politicamente incorreto da História do Brasil, do jornalista Leandro Narloch. Escrito com o […]

Publicado em 3 de fevereiro

Zumbi tinha escravos.
A origem da feijoada é européia.
Santos Dumont não inventou o avião.

As três afirmações parecem provocação de argentino. São apenas verdades incômodas, por rasgarem fantasias enraizadas no imaginário nacional.  E resumem exemplarmente o conteúdo do Guia politicamente incorreto da História do Brasil, do jornalista Leandro Narloch. Escrito com o objetivo principal de “irritar o maior número de pessoas”,  o livro desmonta versões encampadas pela história oficial. Nesta entrevista dividida em três partes, Narloch, que se amparou em consultas a cerca de 120 livros e dissertações acadêmicas, revela outras histórias já programadas para o segundo volume do Guia.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Danilo .M.F.

    Bom, eu fiz um estudo sobre a Guerra do Paraguai e comparei essa capítulo que ele fala sobre com alguns outras obras clássicas do tema. No tocante à esse assunto, posso afirmar que suas fontes são Maldita Guerra (Doratioto) e um texto chamado O imperialismo britânico e a Guerra do Paraguai (Bettel). É interessante, mas ele não contribui com nada de muito novo e só simplifica algumas ideias do Doratioto e do Leslei. De qualquer forma, essas são as fontes principais dele para tratar da Guerra do Paraguai. Acho que o pessoal ligado ao marxismo tem de levar em consideração que muitos trabalhos feitos pelos mesmo carecem de fontes, vide o clássico Genocídio Americano (Chiavenatto), “copiado” de A Guerra do Paraguai: Grande Tragédia rioplatense (Pomer), que também carece de fontes. Em resumo, como sempre aquela velha briga entre esquerda x direita que já conhecemos bem.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Dimas

    As guerras entre índios não é segredo, uma obra que deixa isso bem claro é Iracema de José de Alencar.

    Curtir

  3. Comentado por:

    vania carvalho

    Na minha opinião, uma das disciplinas que mais “manipula” os alunos é a História. Portanto, ter contato com visões diferentes, questionar os pressupostos aceitos é extremamente válido. Pelo menos nos ajuda a pensar outros aspectos sobre determinados momentos históricos. Talvez seja uma questão de disputa direita x esquerda, como alguns citaram abaixo. O fato, todavia, é que a academia brasileira está tão abarrotada com marxismo, que quando se lançam outros olhares, o estranhamento é grande. Por isso, gosto de escritores que nos ajudam a pensar fora da caixa.

    Curtir

  4. Comentado por:

    André Villa

    Só assisti ao segundo vídeo pois samba é uma coisa que estudo há pelo menos 25 anos e depois de ver isto, haja tempo à perder para assistir aos outros dois vídeos.
    Interrompa por um tempo o curso de samba e estude um pouco de português.

    Curtir

  5. Comentado por:

    gilberto

    quem disse pra ele que os irmãos wright fizeram voo motorizado, o governo americano jamais abonou que eles tenham sido vistos voando entre 1903 e 1906, nenhum cartorio de dayton recebeu declarações do zeloso povo americano dizendo que eles viram os dois em voo, havia uma estação ferroviaria a 30 metros deles e um quartel a poucos quilometros dali jamais declararam nada em favor destes dois nos livros diarios do periodo, a fisica mostra que mesmo em aeronaves modernas as condições de peso e motor deles entre 1903 e 1905 a aeronave não sai do chão, mas uma replica de DUMONT voa sempre, e as replicas dos flyers que ficam todas no chão se não forem modernizadas, ou seja tinham mesmmo era planadores, coisa velha naquela epoca, quando eles realmente apareceram voando, 1908 1 ano e meio depois de DUMONT e depois de terem acesso 1907 a planta do 14 bis.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Eduardo Reis

    Pelo visto, Narloch está alcaçando seu objetivo! Irritar o maior numero de “doutrinadinhos” pelo Mequi. 🙂

    Curtir