Fernando Gabeira: A anestesia na saliva

Publicado no Estadão Em algum momento da semana, 2016 deve ter começado. Tempo de lembrar que o governo não só está em decomposição, mas enfrenta um desafio, com alguns contornos desconhecidos, que seria temível mesmo para um presidente popular: o zika vírus.

Publicado no Estadão

Em algum momento da semana, 2016 deve ter começado. Tempo de lembrar que o governo não só está em decomposição, mas enfrenta um desafio, com alguns contornos desconhecidos, que seria temível mesmo para um presidente popular: o zika vírus.

Dilma foi à TV falar exclusivamente dele, na esperança de construir uma unidade nacional e escapar da pressão que os escândalos potencializaram. Por enquanto, o mosquito não nos une, porque mesmo na luta contra ele falta credibilidade. Como achar que Dilma está à altura do momento, se ela ainda se dedica a achar um ministro da Saúde no PMDB? Uma proposta séria, de início, mandaria o PMDB às favas e apresentaria ao país um ministro independente de partidos para, simultaneamente, tocar nossa combalida estrutura de saúde, prepará-la para a epidemia e articular apoio internacional, pois dele também vamos precisar.

Pelo menos, Dilma conseguiu mandar o antiamericanismo às favas e discutir com Obama um esforço conjunto para produzir a vacina contra o zika. Mais célere, o presidente dos EUA já pediu uma verba de US$ 1,8 bilhão, parte para a pesquisa, parte para socorrer os países mais atingidos, como é o caso do Brasil.

Ela pedalou na folga de carnaval e certamente se divertiu com a imprensa voltada para temas mais amenos – quem beijou quem nos camarotes, essa festa maravilhosa, etc. Mas a realidade está comendo por baixo.

Passei o carnaval visitando algumas das 55 cidades do Ceará onde não houve carnaval por causa da crise, do zika e da seca. Algumas, como Acopiara, apenas por causa da seca, pois não há água parada nem água correndo para o Aedes aegypti se reproduzir com facilidade. Em Ribeirão Preto (SP) só num dia foram atendidas 450 pessoas com sintomas de dengue ou zika.

Do lado da ciência, as notícias são preocupantes: o zika pode ser transmitido pela urina ou saliva, constataram os pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz; o zika pode se propagar cinco vezes mais rápido que a dengue, afirma outra pesquisa.

Uma revista estrangeira disse que os brasileiros festejam diante do abismo. Diante do abismo estamos todos, mas nem todos dançaram no carnaval.

No mundo do marketing, as coisas resolvem-se com um discurso na TV. Dizem os pesquisadores que o Aedes transmite o zika pela saliva e que ela contém ainda substâncias anestésicas: a picada é indolor. Discursos podem ser a saliva que esconde a dor da picada. Mas não nos protegem do vírus.

Não desejo que o mosquito derrube Dilma, muito menos que a segure. Sinto falta de uma unidade nacional e, ao mesmo tempo, não vejo no governo capacidade para conduzi-la. O desafio é tão grande que talvez o país tenha de produzir essa unidade fora do governo, a partir de um núcleo de cientistas, comunicadores, enfim, de todos os que possam contribuir para combater o vírus.

O presidente do Quênia disse que não mandaria os atletas paras a Olimpíada enquanto o Brasil não mostrar que pode deter o avanço da doença. Quanto ao Quênia, é irretocável sua afirmação. Quanto ao Brasil, é preciso esclarecer que o zika não é um problema só do país, mas também do mundo interligado como nunca pela globalização. O vírus possivelmente chegou aqui numa regata que envolveu atletas da Polinésia. No intenso intercâmbio moderno, ele já apareceu nos EUA, na Itália e a suspeita é de que, originalmente, tenha partido de Uganda para a Polinésia Francesa. A própria ONU, ao declarar emergência internacional, colocou o problema na sua real dimensão.

Precisamos do mundo. E o mundo também precisa de nós. Além do esforço da vacina, um campo que merece ajuda internacional é o da coleta e processamento das informações. Já temos uma dívida com a história da descoberta do vírus zika e da sua relação com a microcefalia. O New York Times contou parte dessa história: as reações e a perplexidade dos médicos ao observaram um crescimento espantoso de bebês com o problema. Mas não é na história que reside a urgência, e sim no conhecimento das várias pesquisas, dos relatos de cada cidade. Como ter acesso aos dados, como acompanhar a evolução de todas as crianças atingidas? Claro que a palavra decisiva virá da ciência. Mas a tecnologia da informação pode ser um auxiliar valioso dos próprios cientistas.

Se não é possível unidade com um governo mistificador, em alguns casos será preciso dialogar, sem que isso represente qualquer atenuante para os crimes de corrupção. Quando os chineses disseram que os anos interessantes equivaliam aos anos terríveis, pontuados de tragédias, ainda não conheciam o PT. Todos os que se dedicam a nos chamar de velhos, reacionários, vendidos ou alugados deveriam dedicar uma parte do seu tempo a examinar os anos interessantes que nos propiciaram. E, se houver tempo, contemplar o interessante de sua própria situação: acuados pela polícia, rejeitados pela maioria da população, no auge de uma grave crise econômica, um mosquito pousa na sua mesa e, com ele, uma epidemia que preocupa a humanidade.

Não quero nem ver o estado em que vão sair dessa. A ideia de chamar o marqueteiro é só um reflexo condicionado daqueles generais que acham que a próxima batalha é igual à anterior. Se as coisas evoluem da forma sinistra que parecem tomar, o governo poderá ter saudade da oposição e achar que os tucanos são rapazes até bem-intencionados.

Os casos da doença de Guillain-Barré em portadores do vírus zika, no Rio, são preocupantes. Os médicos não estão preparados para o diagnóstico. Uma paciente viajou por três cidades para encontrar um leito de hospital em Petrópolis. Assim mesmo, a subsecretaria de Saúde disse aos familiares que reclamavam da demora no atendimento: “Vai catar coquinho. Vocês vieram de Magé”.

Um das sugestões do romance de Camus é a solidariedade na peste. Ela precisa acontecer entre as pessoas, sem o governo, apesar do governo e até contra o governo. Os tempos do nunca antes neste país são tempos interessantes na acepção chinesa. Em bom português, são lamentáveis.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    grito

    Dilma com essa cara parece que doeu.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Oliver

    SENÃO VEJAMOS
    Também comungo da opinião logo abaixo, do “Serviço patriótico – 19:13″, que esta coluna se supera mesmo quando se confronta. E é ilustrativo da boa argumentação, do livre pensar, do mandonismo e da imbecilidade reinantes – todos concorrentes e integrantes dessa corrente de “pensamento” chamada Brasil – o que se estampa nestas paragens. Só acho que respondi essa pergunta hoje mesmo, feita pelo “serviço”, ao falar com alguns amigos de meu filho. A esquerda bolorenta – representada por todas essa Bethânias que querem ressuscitar da cova para o samba sem escalas na legitimidade – insiste em esconder três boas matérias que poderiam deslindar parte do que estamos vivendo: Macri na Argentina, o êxodo de empresários brasileiros para o Paraguai e os 3000 casos de grávidas com Zika na Colômbia que não desenvolveram microcefalia. Afirmo isso para dizer que não é “o povo brasileiro que está irremediavelmente perdido”. É a esquerda feladaputcha que insiste em tapar o solão que nos alumeia com essa peneirinha vagabunda da ideologia calhorda que eles professam cacarejando. O que foi fazer um cara que parece não entender nada de pandemias, mosquitos, infecções, infestações, visitando 55 álibis para não entender nada do que se trata o que ele “cobriu”? Porque não chamaram ainda o Gilberto Gil, o Wagner Moura e o Neymar para o conselhão? É tudo uma farsa, meu amigo. O problema é que pensam esses esquerdistas polidos que o “silêncio dos indecentes” bastará para que o povinho manco esqueça de onde eles são oriundos e votem em todos eles na próxima eleição superfaturada que se aproxima. Ledo engano. A verdade escarrada na cara de cada um aqui é tenebrosa: se FHC fosse candidato, ele teria o meu voto, mas não se elegeria. Sabem porquê? Porque camiseta de time não ganha jogo. Porque o jogo, para ser vencido, primeiro precisa ser JOGADO. Quem se recusa a jogar, com essa carinha de paisagem que foi visitar a hecatombe e voltou de lá com duas poesias, um rap e duas cantigas só pode ser talhada para o fracasso. Entendam como quiserem, mas nunca perdi uma eleição que participei. Não porque fosse importante ou diferencial na disputa; longe de mim achar isso. Simplesmente porque eu jogava no time que me contratou porque quem me contratou jogava no meu time; deu pra perceber? A peça certa, na engrenagem correta. Dá pra entender ou tá difícil? Quando você é a peça certa na engrenagem correta, o universo conspira a seu favor, meus caros. Quando você é o Gabeira no Ceará, tudo o que você vê é mosquito. É isso aí.

    Curtir

  3. Comentado por:

    joão alves

    Dilma cuidado com a mandioca saliva não adianta,olhe sua cara

    Curtir

  4. Comentado por:

    Serafim

    É o caos definitivamente instalado na saúde pública. No Espírito Santo por exemplo, no pequeno município de Rio Novo do Sul, pessoas contaminadas com dengue nem entram mais nas estatísticas. Como conter essa epidemia se nem se sabe o número exato de vítimas? Eu fui vítima lá e não fui oficialmente incluso na lista de pessoas infectadas. E aí então, como combater o mal se as estastísticas não estão corretas? E infelizmente pelo que sei, não existe nenhuma mobilização de impacto mesmo, de combate ao mosquito naquela região, nem por parte do município, nem pelo estado e muito menos por parte da união. Vê-se aquí e alí tímidos cartazes e faixas alertando a população. Isso virou moda Brasil afora. Pra muitos até deve servir pra faturar um extra em campanhas publicitárias super faturadas. E enquanto isso em Brasília a pauta governamental é CPMF. Pobre país doente, que Deus nos ajude, se é que merecemos.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Oswaldo

    Obrigado, Oliver, por desnudar as matreirices no texto do Gabeira. E já que os americanos estão na moda, (a nos ensinar como nos comportar com educação na mesa), God bless you, Oliver, take care!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Sérgio

    Enquanto o povo achar que vale a pena aguentar calado e sentadinho enquanto um Estado vampiro nos trata como se fosse ele, o Estado, nosso senhor feudal, e nós, seus servos… enquanto for assim, o país será sempre o que é agora. Senhores feudais de todas as ideologias se alternam no poder, curtem a vida em suas mansões, com nosso dinheiro, e nós pagamos 4 meses por ano de impostos para sustentar essa farra, enquanto o Estado tudo nos toma e nada nos devolve. Ponto. Mas na hora da passeata, as pessoas preferem ficar em casa vendo TV, com a boca aberta, babando. O nosso povo mostra ano após ano que tem o governo que merece. Vota mal porque não tem alternativa. Isso eu entendo. Mas não ir na passeata, isso eu não vou entender nunca. O mosquito é a praga de agora. Muitas vieram antes, muitas virão depois.

    Curtir

  7. Comentado por:

    samuel campos

    Em podendo, mosquita !
    Eis que surgue, Ziko !

    Curtir

  8. Comentado por:

    Rue des Sablons

    Há algumas semanas, a Grande Administradora lamentou o descaso da saúde pública. Até nas suas críticas ela é estúpida: esquece-se que eles, os incompetentes corruptos petistas, estão no poder há 13 anos!
    Simplesmente não dá mais. Não podemos mais aceitar a sua permanência no poder.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Andrea

    Excelente lembrança do livro do Albert Camus, A Peste. Leitura fortemente recomendável, nesse momento de pandemia desnorteada.

    Curtir

  10. Comentado por:

    Artur

    Dilma e este PT perderam o senso do ridiculo apoiar Picciani um menino que se acha que nada sabe que quem manda e papai.Que vergonha tornou este congresso.Ainda mais esta Zica e ministro sendo autorizadona se ausentar.Deu Zica total,sai dai Dona Dilma senao vai pegar Zica tambem .Como um mal governo tudo se perde.Picciani ficou riquissimo apos virarem para os lados do PT abram as contas de papai e irmaos.Parec que o STF tem tanto trabalho mais nao quer trabalhar ate crimes comprovados os roubos mesmo como o do DNIt de MS que povo faz questao de lembrar todo tempo e nao deixa o a justiça esquecer quer o tal na cadeia e com a Prisao de Bumlai,voltou a tona o roubo do DNIT de Mato Grosso do Sul e ate Dilma exonero por CORRUPÇAO.E AI STF?Acredito que prende lo fara bem a voces poderia mostrar que nao sao tao cegos assim nem tao omissos,acho que o STF se preocupa com quem nada vale e assim se tornando cada dia mais desacreditado e se acabando com estes que nada interessa a nao ser para Estado que rouboh,e povo acansado denuncia a todo instabtes o roubo e com provas ate do MP,MpF,TCU,CGU,e pode complicar com ele soltompara Dilma pois ele ja saiu as ruas contra Dilma e Lula de camisate e tudo roubo o governo que era cargo de confiança e goza este mesmk governo assim Lula e Dilma se desmoralizam mais e mais e a treva.Quando povo quer uma coisa ninquem aquebta pareve que pegam de castigo de birra.E a tido momento com ele solto Dilma e lembrada de sua falta de autonomia,Delcido de ter roubado junto no DNIT nem foi eleito por isto tal e a antipatia,e Bumlai e filhos por ter participaçao no rombo e por ter indicado Marcelo Soares para cargo sabendo que era Corrupto ou por isto mesmo,assim e goveno Dilma e Lula e do PT nao medem as consequencias dos seus atos mais la na frente saoa cusadosmpois os crimes aparecem e em grande escala.Olha este Ministro ela assinar para ele ir votar para Picciani kkkkkk E grave pois estamos com a saude um caos total,quantos bebes teremos lesados ,e o povo e a saude e com saude dona Dilma nao se brinca,ja brincou com mores nas estradas agora com saude.

    Curtir

  11. Comentado por:

    Lucas M.

    Manchete no Estadão: “Um mosquito não pode derrotar 204 milhões de pessoas”, disse a nossa sábia presidente. E que tal 204 milhões de mosquitos, excelência?

    Curtir

  12. Comentado por:

    Santos

    Um mosquito realmente não pode derrotar uma nação mas o PT e seu “projeto” de governo não só pode como o fez. Quero ver dia 13-03-2016 os revoltados de plantão o que vão fazer. Ficarão em casa pois é chato protestar? Acorda Brasil.

    Curtir

  13. Comentado por:

    sergio

    Será que ZWI ,preso hoje, é como é conhecido o Zica WIrus?

    Curtir

  14. Comentado por:

    joão alves

    Dilma e agora com seu amigo João Santana aparecendo.Você ainda esta bonitinha na foto,quero ver agora

    Curtir

  15. Comentado por:

    Hilton

    A culpa é da Marisa.

    Curtir