Blogs e Colunistas

19/11/2012

às 19:00 \ Feira Livre

Esclarecimento público do jurista alemão Claus Roxin atesta que a Folha manipulou entrevista e o envolveu numa notícia falsa sobre os condenados pelo Supremo

PUBLICADO NO SITE CONSULTOR JURÍDICO NESTA SEGUNDA-FEIRA

LUÍS GRECO, ALAOR LEITE e AUGUSTO ASSIS

É de conhecimento geral que o professor Claus Roxin esteve no Rio de Janeiro para receber um título de doutor honoris causa da Universidade Gama Filho e para participar do Seminário Internacional de Direito Penal e Criminologia ocorrido na Escola da Magistratura entre os dias 30 de outubro e 1o de novembro, em convite formulado por intermédio do professor Juarez Tavares. Por ocasião dessa visita, alguns meios de comunicação pediram a concessão de entrevistas, o que foi feito de bom grado. Em nome do professor Roxin e a pedido dele, na condição de seus alunos, gostaríamos de repassar ao público brasileiro os esclarecimentos feitos pelo professor em relação a alguns fatos divulgados nos últimos dias:

O professor manifesta, em primeiro lugar, o seu desgosto ao observar que a entrevista dada ao jornal Folha de São Paulo, concedida em 29 de outubro de 2012 e publicada em 11 de novembro de 2012, ocasionou grande repercussão, mas em sentido errôneo. As palavras do professor, que se referiam apenas a aspectos gerais da teoria por ele formulada, foram, segundo ele, transformadas, por conta exclusiva do referido veículo, em uma manifestação concreta sobre a aplicação da teoria ao caso conhecido como “mensalão”. O professor declara, ademais, sua mais absoluta surpresa ao ler, no dia 18 de novembro de 2012, notícia do mesmo jornal, em que consta que ele teria manifestado “interesse em assessorar defesa de Dirceu”. O professor afirma tratar-se de uma inverdade.

A redação final dada pela Folha de S.Paulo à referida entrevista publicada em 11 de novembro de 2012 é imprecisa, segundo o professor. As respostas não seriam mais do que repetições das opiniões gerais que ele já defende desde 1963, data em que publicou a monografia sobre “Autoria e domínio do fato” (Täterschaft und Tatherrschaft). A imprecisão deve-se ao título ambíguo conferido à matéria, que faz supor que houvesse uma manifestação sobre o caso ora em curso no Supremo Tribunal Federal brasileiro: “Participação no comando do mensalão tem de ser provada, diz jurista”. O professor não disse a seguinte frase a ele atribuída: “Roxin diz que essa decisão precisa ser provada, não basta que haja indícios de que ela possa ter ocorrido”, que é inclusive juridicamente duvidosa. A entrevista foi concluída com uma declaração posta fora de contexto, a respeito da necessária independência do juiz em face da opinião pública. Essa pergunta foi a ele dirigida não pela Folha de S.Paulo, e sim pelo magistrado aposentado Luiz Gustavo Grandinetti, na presença do professor Juarez Tavares, de Luís Greco e de Alaor Leite, estes dois últimos seus alunos. A Folha já havia terminado suas perguntas quando Grandinetti, em razão de uma palestra em uma escola para juízes (a EMERJ) que Roxin proferiria, indagou se havia alguma mensagem para futuros juízes, que, muitas vezes, sofrem sob a pressão da opinião pública. O professor respondeu a obviedade de que o dever do juiz é com a lei e o direito, não com a opinião pública.

A Folha, contudo, ao retirar essa declaração de seu contexto, criou, segundo o professor, a aparência de que ele estaria colocando em dúvida a própria isenção e integridade do Supremo Tribunal Federal brasileiro no julgamento do referido caso. A notícia do dia 18 de novembro vai além, afirmando: “O jurista alemão disse à Folha que os magistrados que julgam o mensalão ‘não tem (sic) que ficar ao lado da opinião pública, mesmo que haja o clamor da opinião pública por condenações severas’”. O professor recorda que nenhuma dessas ambiguidades existe na entrevista publicada pela Tribuna do Advogado do mês de novembro, entrevista essa concedida, inclusive, na mesma ocasião, à mesma mesa redonda, que a entrevista concedida à Folha.

O professor declara tampouco ter interesse em participar na defesa de qualquer dos réus. Segundo ele, não só não houve, até o presente momento, nenhum contato de nenhum dos réus ou de qualquer pessoa a eles próxima; ainda que houvesse, o professor comunica que se recusaria a emitir parecer sobre o caso. Em primeiro lugar, o professor desconhece o caso quase por completo. Em segundo lugar, afirma que, pelo pouco que ouviu, o caso não desperta o seu interesse científico. O professor recorda que interesses políticos ou financeiros lhe são alheios, e que não foi sobre tais alicerces que ele construiu sua vida, sua obra e sua reputação. Por fim, o professor declara que não se manifestou sobre o resultado da decisão e que não tem a intenção de fazê-lo. Além disso, não está em condições de afirmar se os fundamentos da decisão são ou não corretos, sendo esta uma tarefa que incumbe, primariamente, à ciência do Direito Penal brasileira.

Estes são os esclarecimentos que o professor Claus Roxin gostaria de fazer ao público brasileiro, na esperança de que, com a presente nota, possa pôr um fim a essas desagradáveis especulações.

Munique, Alemanha, 18/11/2012.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

19 Comentários

  1. johndoe

    -

    23/11/2012 às 23:28

    Augusto
    Não espere meu amigo de luta contra os petralhas retratação da Folha de São Paulo. Na verdade já algum tempo que se pode dizer que este veículo foi cooptado pelo universo petralha. Basta ver a cobertura que este jornal deu a campanha eleitoral de São Paulo e sua desconstrução diária e sistemática da campanha de Jose Serra, através de artigos de seus diversos “articulistas isentos”. Outro exemplo de bons serviços ao PT pela Folha foi aquele vergonhoso Editorial publicado poucos dias após a condenação da cúpula petista no Julgamento do Mensalão onde a Folha defendeu “penas alternativas” aos crimes de colarinho branco… sob medida ao PT não? Ou ainda esta manipulação vergonhosa da entrevista com o jurista alemão de modo a por uma névoa sobre a condenação do chefe da quadrilha….. outro exemplo: Eliane Cantanhede, “articulista isenta” da Folha… publica que a criminalidade em São Paulo é pasme: fadiga de material do governo tucano……. claro são todos isentos… isentos pró-petralhas ….. Enfim Augusto volto a minha tese que já defendi em outro comentário aqui em seu blog: os petralhas em vez de tentarem o “controle social da mídia”, eufemismo barato de censura, eles deveriam simplesmente, ESTATIZAR, os veículos ainda independentes neste país: Estadão, Veja, Jornal o Globo (RJ)… o resto amigo está tomado…. e cada vez mais nos aproximamos da “venezuelização” do Brasil…….

  2. Angelo

    -

    21/11/2012 às 16:09

    Senhores,Esse fato nos mostra mais uma vergonha
    Internacional dado pela FOLHA,que optou pela frase
    “erramos” que não convence quem é assinante.

  3. marilena safadle

    -

    21/11/2012 às 9:59

    Imagine se não tivesse outras pessoas na mesma entrevista…A Falha de SunPaulo não iria publicar o” ERRAMOS”,que na verdade não foi bem um erro,né não? Há muito se foi o tempo em que a” Folha de SP” era” um jornal à serviço da notícia”,passou a ser um jornal à serviço dos petralhas.

  4. alex

    -

    20/11/2012 às 20:35

    ERRAMOS. Mas vendemos e lucramos com isso!

  5. Pimenta

    -

    20/11/2012 às 18:30

    A Folha se limitou a um protocolar erramos.

  6. Roberto

    -

    20/11/2012 às 17:50

    Essa passagem da matéria diz tudo:

    “O professor recorda que nenhuma dessas ambiguidades existe na entrevista publicada pela Tribuna do Advogado do mês de novembro, entrevista essa concedida, inclusive, na mesma ocasião, à mesma mesa redonda, que a entrevista concedida à Folha.”

    Agora a Folha está recolhendo suas notícias,
    informando seus leitores que ERRARAM.
    Todos sabem que não houve erro algum.
    O que houve foi sacanagem.

    FOLHA!
    MOSTRA A TUA CARA.
    Quero ver quem paga
    Pra gente ficar assim

  7. João Francisco

    -

    20/11/2012 às 17:50

    Caro augusto, a Folha já teve dias melhores, como no caso das diretas já, em que foi o primeiro órgão de imprensa a noticiar o movimento. É muito triste constatar o que ocorre hoje. Os sabujos do jornalismo tomaram conta de suas redações e acreditam piamente que o Professor Claus Roxin foi intimidado pelo Ministro Joaquim Barbosa. Até erro de português tem (este sim no singular) na entrevista. É lamentável.

  8. Maria

    -

    20/11/2012 às 17:45

    Augusto,

    recentemente li que o advogado do Dirceu estava voando para a Alemanhã para conversar com o jurista alemão. Ao que tudo indica, o advogado do Dirceu foi para a Octoberfest tomar algumas cervejas. Bando de ladrões e mentirosos.

  9. Nelson Simas

    -

    20/11/2012 às 17:38

    Interessante que quando li a matéria da Folha tive a nítida impressão que a coisa estava destorcida e descontextualizada, matéria adrede preparada por simpatizantes da causa mensaleira. Um jurista alemão de nomeada não iria meter mão em cumbuca, só petralhas e jornalistas mequetrefes têm tal capacidade. É a Folha em verdadeira grandeza.

  10. Luis R N Ferreira

    -

    20/11/2012 às 14:01

    Este primor de reportagem tendenciosa desmente a recorrente queixa petista contra o que eles chamam de “mídia golpista ao se referirem à grande imprensa”. Outra desculpa absurda que eles usam e abusam é que os juízes julgaram sobre pressão condenatória da opinião pública no caso do mensalão. Antes do julgamento o que havia era um sentimento de descrença da população de que políticos poderosos seriam punidos. Tenho certeza absoluta que se o resultado do julgamento se resumisse a punição do Marcos Valério, por exemplo, e que se alegasse falta de provas para a condenação do Dirceu, não haveria nenhuma comoção popular.

  11. Gaguinho

    -

    20/11/2012 às 11:28

    ôÕÕ, acorda ai õ! Jurista alemão dando colher de cha
    para mensaleiro brasileiro? Isso non Ecziste, diria o pa-
    dre Quevedo. São tão caras de pau, que chegam a ima-
    ginar semelhante coisa. Jurista alemão é serio, ja-
    mais daria um parecer que envolvesse coisas do qual
    não tem conhecimento. Deturparam tudo na ansia de
    defender mensaleiro. Mas o jurista alemão repos as
    coisas no devido lugar.
    Essa tal de folha, ja teve sua utilidade, no tempo
    das latrinas de tiro direto.

  12. Mauro Pereira

    -

    20/11/2012 às 1:50

    Caro Augusto Nunes.
    A folha (com minúscula) levou algumas décadas para reconhecer que havia colaborado com o regime militar. Pousando de democratas redimidos seus diretores pediram desculpas à sociedade brasileira.
    Quanto tempo eles irão demorar para desculpar-se com os seus leitores?
    Acontecimentos lamentáveis de um jornal que sempre fez do oportunismo o seu modo de sobreviver. Talvez a índole oportunista o tenha aproximado do PT.
    Mais do que se completar, ambos se merecem.

  13. J.B.CRUZ

    -

    19/11/2012 às 23:47

    Mais uma vez cai o viéz petista da FOLHA..

  14. FM

    -

    19/11/2012 às 22:36

    Coisa de cafageste fizeram com o Prof. Claus Roxin. Quem arma uma tremenda pilantragem dessa apenas mostra que quer defender esses petralhas condenados até sob o peso da desmoralizar.

  15. Antonio

    -

    19/11/2012 às 22:26

    Folha e UOL de rabo preso o PT! E bota rabo nisso!

  16. toninho malvadeza

    -

    19/11/2012 às 22:07

    O tio Reinaldo vive dando lição de jornalismo pra certos “escrivinhadores” ,mas eles só tem PT na cabeça.Vai levar uns 247 anos pra se retratarem.

  17. ROBERTO

    -

    19/11/2012 às 21:21

    O reporter da folha no minimo deveria fazer uma retratacao aos leitores do Jornal e um pedido de desculpas formais ao Jurista. Estamos lutando dia-a dia para nos tornar um a Pais Democratico onde as leis sao o norte e nao uma Republica das Bananas.

    VERGONHA

  18. Arnaldo Bittencourt Filho

    -

    19/11/2012 às 20:37

    Tenho a firme convicção de que a “ingenuidade”, no sentido lato da palavra, não se coaduna com indivíduos de bom nível cultural e, num caráter mais geral, em certas atividades profissionais, como no caso, o jornalismo.
    O que pretende A Folha quando distorce as palavras do professor Claus Roxin ?
    Defender uma idéia com argumentação sólida é uma coisa; fazer jogo de palavras, mudando o sentido do que foi dito, fere gravemente a credibilidade do jornal.
    Golpe baixo ! Lamentável !

  19. maria-maria

    -

    19/11/2012 às 19:35

    A republiqueta está contaminada pela imoralidade de seus governantes, feita à imagem e semelhança dos eleitores deles. Quero um passaporte paraguaio; deve ter mais credibilidade internacional que o desta sbórnia cucaracha.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados