Blogs e Colunistas

20/03/2013

às 19:56 \ Feira Livre

‘As redações do Enem’, editorial do Estadão

PUBLICADO NO ESTADÃO DESTA QUARTA-FEIRA

Depois de examinar mais de 30 textos enviados por candidatos que atingiram a pontuação máxima no último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), acompanhados da confirmação, pelas universidades federais, de que foram aprovados no vestibular deste ano, o jornal O Globo constatou que muitas redações continham erros de grafia ─ como “rasoável”, “enchergar” e “trousse” ─ e graves erros também de concordância, acentuação e pontuação.

Embora tenham recebido a nota 1.000, no Enem de 2012, essas redações não atenderam às exigências da primeira das cinco competências avaliadas pelos corretores, que exige dos estudantes demonstração do “domínio da norma padrão na língua escrita”. Numa das redações ─ que não recebeu a pontuação máxima, mas obteve nota alta ─ o estudante despreza o tema ─ “movimentos imigratórios para o Brasil no século 21″ — e descreve como preparar um miojo.

Cada competência tem a pontuação máxima de 200 pontos. Como informa o Guia do Participante, distribuído pelo MEC, os 200 pontos relativos à primeira competência só podem ser concedidos aos alunos que apresentarem “poucos desvios gramaticais leves”. Segundo o guia, “desvios mais graves excluem a redação da pontuação mais alta”. Ele é taxativo ao apontar, entre os “desvios gramaticais mais graves”, erros de grafia, de acentuação e de pontuação, como os que foram cometidos nas provas conferidas pelo jornal.

Pelas regras do Enem, essas redações não poderiam receber a pontuação máxima. “A atribuição injusta do conceito máximo a quem não teve o mérito estimula a popularização do uso da língua portuguesa, impedindo os alunos de falar, ler e escrever reconhecendo suas variedades linguísticas. Além disso, provoca a formação de profissionais incapazes de se comunicar, em níveis profissional e pessoal, e de decodificar o próprio sistema da língua portuguesa”, diz Jerônimo Moraes Neto, professor de Linguística Aplicada na UFRJ e na Uerj. “Na vida real, redações como essas jamais tirariam nota máxima, pois contêm erros que a sociedade não aceita. Afinal, pareceres, relatórios, artigos científicos, livros e matérias de jornal que contiverem esses desvios colocarão em risco o emprego de revisores, pesquisadores e jornalistas”, afirma o titular de Língua Portuguesa do Instituto de Letras da Uerj, Cláudio Henriques.

Criticando os modismos pedagógicos, ele lembra que os corretores dos textos do Enem não utilizam a palavra erro, trocada por desvio ─ que seria mais politicamente correta. “A demagogia política anda de braço dado com a demagogia linguística”, adverte. Há dois anos, a imprensa noticiou que o MEC distribuía, por meio do Programa Nacional de Livros Didáticos, obras que toleram ─ e até justificam ─ erros gramaticais. O livro mais polêmico considerava correta, por exemplo, a frase “nós pega o peixe”.

Justificando a distribuição desse livro, as autoridades educacionais disseram, na época, que é preciso aceitar a fala que “o aluno traz de sua comunidade” e que “a cultura dele é tão válida quanto qualquer outra”. No caso dos textos do Enem que receberam pontuação máxima, apesar de estarem repletos de erros gramaticais, elas alegam que a correção de um texto é feita “como um todo”. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais afirma que “a tolerância deve-se à consideração de ser o participante do Enem, por definição, um egresso do ensino médio, ainda em processo de letramento na transição para o nível superior”. Segundo a nota, “um texto pode apresentar eventuais erros de grafia, mas pode ser rico em sua organização sintática, revelando um excelente domínio das estruturas da língua portuguesa”.

Esses argumentos são absurdos. Como admitir que vestibulandos ainda não saibam redigir um simples texto, por se encontrarem num “processo de letramento em transição”? E como aceitar que alguém que tenha “excelente domínio das estruturas da língua portuguesa” cometa erros gramaticais primários? As autoridades se esquecem de que, se continuarem sendo lenientes com deformações da língua portuguesa, o ensino formal não tem mais sentido. Se elas continuarem tolerando erros gramaticais primários, para que serve, então, a escola?

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

65 Comentários

  1. Abraão Moraes

    -

    24/03/2013 às 16:21

    Na Coréia, a criança começa os estudos com régua e tabuada, para aprender os fundamentos do conhecimento. Aqui começa com teóricos de “pedagogia” que não sabem fazer uma conta com números decimais, e se acham licenciados em conhecimento. Deixem engenheiros, economistas e outros profissionais que querem ensinar como se faz na vida real, e o Brasil melhora o ensino.

  2. nena

    -

    23/03/2013 às 18:00

    Certo que o mercanuncadantes é o ministro da inducação no Brasil. Está fazendo horrores, mas não podemos nos esquecer que elle não inventou o método, não tem competência para tal, é mero continuador da obra do pai do emburrecimento, que enganou tanto que hoje é o prefeito da capital mais culta do país. E tem gente que pensa que o Brasil ainda vai ser dominado. Acordem! Já está!!!

  3. Dário Medeiros

    -

    23/03/2013 às 12:55

    É o Brasil. país singular, de maioria deseducada e de governos que se preocupam mais em distribuir esmolas do que em ensinar o povo. A quem interessa isso? Povo deseducado é povo no cabresto!!!

  4. Luiz Eduardo R. de Carvalho

    -

    23/03/2013 às 12:53

    O MEC é hoje um Ministério de Avaliações. o ENEM é apenas a ponta do iceberg. Convem observar as outras “avaliações”. Não são apenas imbecis. São também autoritários e desonestas.

  5. Carlos

    -

    22/03/2013 às 18:25

    queijo de soja…

  6. Carlos

    -

    22/03/2013 às 18:24

    Porque lllluula é um letrando em transição mata-se a Língua e a dilmassassina embaixo…. tofu ou tamo fu lembra do tamiflu….

  7. Hellyétt F.

    -

    22/03/2013 às 18:16

    O triste de tudo isso além de constatar a avacalhação da língua portuguesa, é saber que estes pseudo profissionais estarão em um futuro próximo cometendo crimes por imperícia no exercício da profissão.

  8. Drakko

    -

    22/03/2013 às 17:33

    O que esses calhordas, esses miseráveis estão fazendo com a educação de nossos jovens é um crime!Os demagogos imundos estão destruindo toda uma geração de brasileiros e para isso, senhoras e senhores, não haverá conserto possível.
    Desisto!

  9. Eufrazio

    -

    22/03/2013 às 8:32

    O que esperar de analfabetos na direção política do Brasil? Este analfabetismo está tomado por sentimento de vingança, desprezo pela ética, pela moral e bons costumes, visando apenas a permanência no poder a qualquer custo. Enquanto não fizerem uma lei, apenas umazinha, proibindo a mentira e produção de dossiês fajutos, não vejo luz no fim do túnel para a sociedade brasileira. Estamos fadados ao retorno às cavernas da ignorância.

  10. Lula Chàves

    -

    22/03/2013 às 0:16

    Lula esperto, esta mudando a lingua portuguesa, para poder estar falando corretamente.

  11. conceicao

    -

    21/03/2013 às 23:10

    Quando leio umas barbaridades desta, fico pensando, como a oposição e o povo de SP tiveram á coragem de colocar nas mãos destes cretinos comunistas ditadores, enganadores, mentirosos arrogantes, mensaleiros, esta seita diabólica PT, que passam por cima da constituição das leis de DEUS, tudo pelo poder a qualquer custo, para perpetuar no poder com á colaboração desta base sem escrúpulos conivente e omissa tudo por cargos! Esta gentes estão levando o BRASIL para uma ditadura! Só não ver quem não quer. Temos que nos unirmos e tambem á posição pensar no Brasil, e ter unidade sem egoismos para denunciar tudo perante o povo esclarecer tudo que poderia ter feito e não fizeram! Agora é hora de unirmos com força e determinação, para derrubar estes ditadores comunistas que colecionaram todos tipos de gente asquerosas para espalharem ladrões em todos lugarer no Brasil estes dois últimos governos e esta base corrúptas, se acham invencíveis! Com coragem para valer sem medo de lutar, venceremos se DEUS quizer!! Augusto, ainda bem que temos pessoas como você, que luta para o bem do povo brasileiro!!Parabens por tudo! DEUS ilumine sua família!! Uma boa noite!

  12. candido de Paula Silva

    -

    21/03/2013 às 22:38

    Augusto: está fora do contexto deste post, mas é para informar que liguei o rádio segundos antes de terminar a “Hora do Brasil” quando o locutor informou:
    “…e neste programa especial prestamos homenagem ao comandante Hugo Chaves.” E o programa acabou.
    Pode isto? Homenagear o comandante Hugo Chaves na “Hora do Brasil?”

  13. Otávio Campos

    -

    21/03/2013 às 21:54

    É isso aí! Minha mãe foi professora, conheço vários professores, e já vi vários absurdos escritos por alunos, além de, também, ter ouvido, que abaixo descrevo:
    - O planeta Marte possui 120% de água – essa eu ouvi;
    - Marti (com i) é um dos planetas do Sistema Solar – essa eu li em uma prova;
    - Nóis vai, nóis pega, nóis foi – essas eu escuto todos os dias;
    - Nóis somos dimenor – essa eu costumo ouvir;
    - Nóis somos dimaior – essa eu já ouvi;
    - Nóis viu o que aconteceu – essa eu já ouvi;
    - Nóis vai pra casa – essa eu já ouvi;
    - Etc, etc, etc.
    Além disso, os alunos das atuais escolas de ensino fundamental e médio fazem contas rabiscando pauzinhos para descobrirem resultados de simples contas. Por exemplo: 5 x 7 = 35, mas já vi provas de alunos que rabiscaram 35 pauzinhos para chegarem ao resultado. A maioria dos alunos das atuais escolas públicas e, também, privadas não sabem sequer quais são as quatro operações básicas da Matemática, nem fazer contas pequenas porque não estudam tabuada. A Matemática Abstrata passa batida em qualquer escola, com exceção de algumas que ainda obrigam os alunos à entendê-la.
    Já em outro ponto, a Língua Portuguesa é, obviamente, muito mais complexa, do que, por exemplo, a Língua Inglesa, por causa das inúmeras formas gramaticais, além das palavras que possuem vários sentidos.
    Eu mesmo, aqui neste blog, de vez em quando, por pressa e desleixo, dou uns pontapés na língua culta.
    Mas, o que escuto diariamente me deixa convencido de que, no Brasil Maravilha de Lula, os estudantes devem estudar “pra burro” – para serem burros.
    É um absurdo que marmanjos, para ingressarem no ensino superior, ainda estejam em processo de letramento. Ora bolas: a primeira vez em que escrevi um texto de 20 linhas foi em uma aula de Redação – complemento da matéria de Língua Portuguesa -, na 3ª série primária, do antigo primeiro grau.
    Não troco, de jeito nenhum, todo o aprendizado que tive no antigo primeiro grau pelo aprendizado no ensino médio de hoje. Mais: tive de estudar tabuada, aprender a fazer contas, tanto no papel como de cabeça, escrever e copiar muitos textos, estudar verbos, etc. Hoje, nas atuais escolas não existe resquícios do, outrora, ensino tradicional. Só há o que é recomendado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, além das recomendações dos pedagogos que nunca lecionaram.
    A Educação, no Brasil, morreu faz tempo. Só não percebe quem não enxerga.
    A Sociedade Brasileira continua se tornando cada vez mais boçal, para alegria dos comunistas PTralhas e sua base de alugados no Carandiru sem Grades. É por isto que o rebanho de Lula forma a maioria do gado eleitoreiro.

  14. Bocage

    -

    21/03/2013 às 18:22

    “nós pega o peixe”. Erro absurdo. O correto, em dilmês é: “nois pega os peixe.”

  15. Alvaro

    -

    21/03/2013 às 17:13

    A conivência do MEC com esses arautos da ignorância, desses que se dizem professores mas na verdade são agentes de uma ideologização absurda e criminosa da educação vai levar esse país a uma situação surreal. Vamos ser grande nação povoada por advogados que não saberão falar e escrever e por engenheiros que não saberão resolver uma simples equação do segundo grau. Aliás, que competência tem o polivalente Sr. Mercadante para ser Ministro de pastas tão importantes como Ciência e Tecnologia e Educação? Sua nomeação para os cargos demonstra que o governo liderado por um semianalfabeto não leva a sério a educação. Todos esses programas de cotas e de construção de universidades não passam de propaganda à cata de votos.

  16. Sherlock

    -

    21/03/2013 às 16:56

    Sinceramente, Augusto, se tivesse filhos não os enviaria à escola – faria de tudo para ensiná-los em casa – com certeza aprenderiam mais, e não estariam sujeitos à doutrinação. Mas o MEC, tão preocupado com as estatísticas, não permite que os pais alfabetizem seus filhos, nem reconhece o ensino que não seja dado na escola – ainda que em nível precário.

  17. Sônia

    -

    21/03/2013 às 16:50

    Ai, Erasmo! Elogio da Loucura.
    E viva a ignorãncia, pois é dela que se alimentam os tiranos. Trata-se da única forma de segurar o poder.
    E o Ministro da Educação, como futuro Governador do Estado de São Paulo, vai encarregar-se com empenho desta tarefa: Bolsa Ignorância para todos.

  18. Oliver

    -

    21/03/2013 às 16:23

    A CARONA. DE PAU.
    Há uma coisa da qual eu discordo frontalmente e vejo que vou me colocar numa nova polêmica; alguns espaços editoriais aproveitam a verdadeira catástrofe vindo à tona com as correções descabidas nas provas do ENEM para pautar um “ou valorizam os professores ou estaremos num buraco sem fundo”, apontando o mascaramento da verddeira situação da educação brasileira. Que me desculpem os cretinos. Os professores não são os culpados por este estado de coisas. Primeiro que, os verdadeiros professores deste país, são heróis. Conseguem educar seus alunos APESAR de uma política tacanha e sindical, que nivela todo mundo pelo ralo da mortadela pública. Depois, porque o ensino deste país, como tudo o que tem a mão grande e boba do Estado serve a um projeto vagabundo de perpetuação do poder deste anacronismo vigarista. O maior problema da educação brasileira chama-se SINDICALISMO. Um antro de vagabundos, fartamente financiado com dinheiro público e que persegue e tenta inviabilizar toda e qualquer boa iniciativa na área educacional. Sei do que estou falando. Desenvolvi há dois anos um projeto pioneiro para educação em vídeo, baseado em cursos internacionais, para o ensino de computação gráfica em nível universitário. O projeto jamais saiu da tela do computador, por medíocres imposições sindicais e pelo patrulhamento que estes cretinos exercem sobre as faculdades interessadas nesta área do aprendizado. Como não sou sindicalizado, nem tenho licenciatura numa área onde a graduação simplesmente NÃO EXISTE no país, fica tudo por isso mesmo. Ninguém se mexe, para ver se a vontade de ensinar passa. Isto é o país em que vivemos e educamos nossos filhos. Um professor coreano chega a ganhar 40 mil dólares mensais num projeto como este. Aqui não. Aqui, se você quiser fazer bombons pra viver, terá que ter uma licença, que só é obtida fazendo-se um curso na área alimentícia. O problema é que estes cursos só são oferecidos para empresas estabelecidas e seus funcionários. Os você abre a empresa, aluga o ponto por uns seis meses e mantém a coisa toda fechada até obter o tal diploma, ou não há empreendedorismo neste país. E o governador daqui sancionando leis para tirar o capacete em público. Fala serio. Vai, Brasil. Vai indo que eu fico por aqui mesmo.

  19. CLAUDIUS

    -

    21/03/2013 às 15:20

    Os que somos bons, honrados e concientes não podemos admitir este assédio moral do pessoal do MEC contra os professores que corrigiram as redações do ENEM. Isto é atitude fascista, ignóbil, sicofanta, patife e estão destruindo todoas as gerações que foram e continuam sob esta atitude famigerada. Já não temos alunos do ensino médio preparados. Piorar, degradar, vilipendiar desta maneira não pode acabar bem. Tudo vem a reboque dos objetivos do PT. Ganhar o serviço público para retirar dele suas prebendas. Não tem programa e nem ideologia. É arremedo de aglomeração que se tem única. Neste entremeio criam o gaysismo, abortismo, negrismo, cotismo, bolsismo, taxas de sucesso, propinismo, contrabandismo, confiscos, exproprialismo e indústria de diárias. Tudo na cara dura como disse Dilma, o triunfo da vontade de Herr Lüladravaz/DELTA, nas eleições desde já vamos desrespeitar a Lei e fazer o diabo; ano passado o Gilberto Carvalho deu a senha: em 2013 o bicho vai pegar. Pois então; conheço forças conservadoras no Brasil que não terão clemência quando se levantarem.

  20. Silas Marciomero

    -

    21/03/2013 às 15:12

    Caro Ricardo, isso é um absurdo, mas parece mesmo que a intenção é tornar nossos jovens “meros repetidores” e autômatos facilmente ludibriados. A quem interessa a educação? Certamente não é àqueles que desejam manipular as massas. Tomo a liberdade de indicar o seguinte artigo da Revista Militar que versa sobre o assunto. http://sociedademilitar.com/index.php/todos/geopolitica-defesa-relinternacionais/748-a-aprovacao-de-dilma-e-o-fracasso-no-idh

  21. Elberto Biehl

    -

    21/03/2013 às 14:40

    No período de 8 a 11 março 2013 63% dos eleitores acima de 16 anos aprovaram o (des)governo da Dilma e 79% aprovaram a Dilma.
    O apedeuta no segundo mandato obteve 73% de aprovação do governo e 84% como o governante.
    Não sou político, dos meus relacionamentos nenhuma pessoa foi consultada para dar opinião. E essas pessoas também não conhecem ninguém que algum dia foram consultadas.E isso há muitos anos. É intrigante.
    COMO EXISTEM NO BRASIL VAQUINHAS DE PRESÉPIO!!!

  22. Newton

    -

    21/03/2013 às 14:37

    Querem saber o que é realmente doloroso?
    Eu fiz esta redação, não cometi esses barbarismos, e só tirei 750 pontos.

    É flórida!!

  23. Romeu Lima

    -

    21/03/2013 às 14:19

    Países como a Coréia do Sul e o Chile estão saindo da pobreza – de verdade, não só no discurso – graças à seriedade com que têm tratado a educação de seus jovens.

    Isso que estão fazendo aqui compromete irremediavelmente a vida de nossos filhoe e netos. Provavelmente, até bisnetos. Todos condenados a viver no eterno país do futuro, onde se diz ser de classe média um sujeito cuja renda familiar per capita é de uns trezentos e poucos reais.

    Se isso não é um crime contra o Brasil, o que seria? O Ministério Público não pode atuar neste caso?

  24. Paulo Ferreira da Silva

    -

    21/03/2013 às 14:09

    Onde está o sr Mercadante,intitulou-se dr sem o ser,professor, sem que nunca tenha dado aulas.Rolando Lero da política, incompetente e falso como uma nota de três reais.

  25. Roger

    -

    21/03/2013 às 13:20

    Nos últimos meses, vem crescendoa onda na mídia, de que, é necessário importar mão-de-obra estrangeira, pois, no mercado nacional não existem profissionais à altura das exigëncias do mercado.
    Tenho certeza que essas noticias são falsas e manipuladas paa a realidade de hoje e que existem outros interesses escusos envolvidos em tal movimento.
    Mas, a continuar essa palhaçada que se tornou o ENEM, com certeza o país terá que aceitar expatriados, pois em 10 ou 20 anos, aqui no País Maravilha só existiram debiloides, analfabetos e com certeza, militantes.
    Afinal de contas, trabalhar é duro, e nada melhor que militar em algum partido para arrumar uma boquinha nas tetas do Governo.
    ACORDA BRASIL…!!!!!!

  26. Cesar

    -

    21/03/2013 às 12:54

    Brasil!
    Meu Brasil brasileiro!
    Lá, lá, lá, lá.

  27. Francisco Rocha

    -

    21/03/2013 às 12:32

    Prezado Augusto:
    No Brasil da era petista ao invés de se elevar o padrão educacional, se faz a nítida opção pelo contrário, pela leniência cultural, advogando-se pró-mediocridade, tornando-se endêmica a mentira e a empulhação.
    Nunca antes na historia dessa nação, pode-se colher tanta imbecilidade por metro quadrado a favor de gente despreparada, a serviço de uma ideologia tacanha e retrógrada. Estamos perdendo 50 anos de evolução em 10 de administração petista e apaniguados.
    Ou a sociedade que pensa se movimenta e propõe preservar o justo, o correto, ou a bandidagem tomará conta e inverterá ainda mais valores pétreos, nivelando a educação do povo mais baixo do que já o faz.

  28. jose

    -

    21/03/2013 às 12:04

    “Para que serve a escola?”. Essa é fácil: para danificar cerebrozinhos ainda em fase de formação e transformar seus portadores em seres não pensantes, repercussivos de palavras e atos dos que vêem conhecimento como anátema e ignorância como algo santificado.

  29. LUIZ

    -

    21/03/2013 às 11:55

    Augusto desculpe a ousadia de tentar atualizar o seu texto de 26/02/2013…

    Depois do pobre que vira classe média sem sair da pobreza, o Brasil Maravilha inventou o ex-miserável que continua paupérrimo. Vai acabar inventando o mendigo magnata. E O UNIVERSITÁRIO ANALFABETO…

    BRASIL DO FUTURO???

  30. Júlio César

    -

    21/03/2013 às 11:53

    Mas, o nosso dignissímo e competente ministro da educação, onde esta? Em Roma, passeando com o erário, servindo de papagaio de pirata daquela anta, que só fala besteira. Acorda Brasil!!!

  31. Maria Soares

    -

    21/03/2013 às 11:47

    Augusto,
    Povo sem educação é povo dominado!
    É assim que os governantes gostam.
    Ora, se é prá aceitar o politicamente correto, o falar e escrever errado, as deficiências de raciocínio lógico, qual é o sentido de gastar fortunas com escolas?
    Em minha concepção elas existem para “ensinar” a ler, escrever, raciocinar, pensar, corrigir distorções e erros… Tudo isso é claro, se os professores forem bem preparados para a função.
    Mas para digitar o número do partido nas urnas eletrônicas não precisa formação, não é? Basta desenhar o dito cujo.

  32. leitora

    -

    21/03/2013 às 11:45

    Depois de tantas denúncias, a UFMG resolveu adotar apenas as notas do ENEM.

  33. Jurandir D'almeida

    -

    21/03/2013 às 11:44

    E POR ISSO QUE ELES QUEREM CALAR A IMPRENSA…

    Cadê os verdadeiros estudantes para protesta contra esse ensino vagabundo, HEIN???

    MEC MANDOU APROVAR ATÉ RECEITA DE BOLO NA REDAÇÃO DO ENEM PARA NÃO SOFRER AÇÕES JUDICIAIS. ORDEM FOI PARA AUMENTAR NOTA……..

    ARREPENDIDAS DE TEREM PARTICIPADO DAS CORREÇÕES DO ENEM, duas professoras gaúchas decidiram romper o contrato de sigilo para revelar bastidores da prova. Pedindo anonimato, uma delas detalhou nesta quarta-feira a ZH (jornal Zero Hora), por telefone, como TERIAM RECEBIDO ORIENTAÇÕES PARA FAZER “VISTA GROSSA” AOS ERROS ENCONTRADOS. Professora de língua portuguesa há 12 anos, diz QUE A ORDEM É PARA “APROVAR O MAIOR NÚMERO DE PESSOAS”:

    http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/03/somos-orientados-a-nao-sermos-rigorosos-na-correcao-diz-avaliadora-do-enem-4080658.html

  34. leitora

    -

    21/03/2013 às 11:36

    Estou ficando com medo. Às vezes acho que eu e meus filos estamos fazendo papel de trouxas. Eu pagando escola cara e eles morrendo de estudar.

  35. Cil

    -

    21/03/2013 às 11:14

    Sei não…. tá mais para cada INCOMPETÊNCIA ter 200 pontos. Pela qualidade dos alunos que chegam na sala de aula, onde você faz uma conta simples de somar e o aluno pergunta de onde veio o resultado, fica evidente que o ENEM é uma grande ENENganação. Qualquer professor de Universidade Federal hoje sabe disso.

  36. Lia/SP

    -

    21/03/2013 às 10:58

    Para mim, isso tudo não passa de uma maneira de, cada vez mais, dominar e aniquilar a busca da excelência intelectual da população de nosso país.
    Quanto mais ignorante e iletrada, melhor para os governantes que querem se perpetuar no poder à custa de propaganda enganosa e ações demagógicas, que poucos têm espírito crítico para avaliar.
    Estratégia pura e simples de dominação.
    Formar, educar, incentivar o espírito crítico, capacidade de debater, argumentar e perceber que a controvérsia é uma das maiores armas da democracia não interessa ao partido que se aboletou no poder com a conivência de políticos ultrapassados e fiéis a velhos ideiais de coronelismo. Povo, na acepção correta do termo, é ruim. Massa de manobra, ignorante e passiva, isso sim é bom. Por isso, educação de qualidade não interessa a quem governa.
    Triste Brasil!

  37. laura

    -

    21/03/2013 às 10:50

    Augusto,
    Essa correção de redação do ENEM tem que ser investigada, talvez seja uma fraude para previlegiar os filhos dos companheiros. Tem que investigar também os autores das redações e mais ainda quem está corrigindo.Onde está o MP? e a OAB?

  38. nena

    -

    21/03/2013 às 10:50

    Augusto, esta gente não tem a menor idéia da importância da escola na vida das pessoas e gravidade dos crimes que cometem. Eu nasci numa cidadezinha do interior de Minas, onde se fala errado, naquela linguagem de mineirim mesmo(eu, ocê, nóis…pega os peixi. Nóis via eis lé im cima). A isto se soma a descendência italiana, e falávamos em casa misturando termos em português e italiano. Foi na escola, naquele tempo em que professora era “a dona” e não “a tia fulana”, que a merenda era o que levávamos de casa, que os livros eram comprados pelo aluno, que havia disciplina e autoridade, que pude aprender que a escrita era diferente da linguagemm oral e que era preciso garimpar o termo e encontrar a concordância correta. Fosse no tempo de hoje poderia alegar que sofri buyling pela fala errada, mas naquele tempo não tinham inventado essas coisas, nem ficava traumas, e aprendi a escrever corretamente ao ponto de ser considerada boa redatora entre os colegas. Fui professora e os fundamentos que recebi me nortearam para cumprir a tarefa. Hoje, fico um tanto enrolada com as mudanças ortográficas(naquele tempo escrevia-se côco, com circunflexo. Não, não sou do tempo da pharmácia, com ph!). Sem a escola minha vida teria tido um rumo completamente diverso do que teve, não só profissionalmente, mas por todas as oportunidades de enfrentar desafios, ler toneladas de livros, me encantar, entendê-los, e desenvolver opiniões pessoais. Num outro exemplo, a diarista que trabalha aqui em casa é uma pessoa de bem e é analfabeta. É preciso acompanhar os seus relatos para entender a frustração que ela sente por isso e como ela luta, inclusive no lado financeiro, para que seus filhos possam estar na escola e acompanhar as exigências, para que estudem e tenham uma vida diferente da dela. Apesar de tanto esforço, o que estas crianças recebem em matéria de instrução e educação se tudo está falseado? É um massacre.
    Ouvia dizer que comunista comia criancinhas. Tentaram me convencer do contrário mas hoje entendo de que forma eles as comem. Cercam-na de medidas protecionistas e cortam-lhe todas as possibilidades de pensar e florescer.

  39. Tarciso

    -

    21/03/2013 às 10:18

    Desde que o PT assumiu o governo o que vemos é uma inversão total de valores. Agora menos é mais, o que é errado também está certo, o ensino vai bem por definição, etc. Quando são orgãos internacionais que nos avaliam, o fazem de maneira errada. Esta é a fórmula utilizada pelos que não competem pela meritocracia para demonstrar que o que não está bem é bom. Vale a máxima: está ruim mas está bom.

  40. geraldo

    -

    21/03/2013 às 9:54

    Falta interesse ao governo do PT em ter pessoas inteligentes no País , já que quando mais ignorante for uma pessoa mais facil é manobrala,

  41. JORGE WAGNER

    -

    21/03/2013 às 9:40

    E pensar que a situação ainda pode piorar muito, pois, tirar este governo do poder e que que pratica mal feitos e não “pilantragens” vai ser difícil. afinal, mais de 50 milhões de eleitores consideram “isto tudo que está aí” excelente.

  42. Gustavo Rodrigues

    -

    21/03/2013 às 9:12

    Bom, meus pais sempre diziam que o exemplo vem de cima… com Lula e Dilma na Presidência vocês pedem demais para que se tenha cobrança na forma de escrever e se expressar do povo brasileiro. Estamos perdidos!!! Fora Apedeutas!!!

  43. Vanderly

    -

    21/03/2013 às 9:10

    É a justificação do injustificável, sinto uma vergonha enorme por quem tenta explicar o inexplicável, já que eles não possuem este tipo de sentimento, como sou bondoso, e como diz lá no interior, morro de vergonha por eles, pelos estudantes e acima de tudo pelo nosso Brasil, que está repleto de canalhas disfarçados de intelectuais.

  44. Chico

    -

    21/03/2013 às 9:05

    Augusto Nunes, bom dia! Pergunto, onde esta a Academia Brasileira de Letras, a Associação Brasileira de Imprensa, o prefessor Pasquale, sinto que esta tudo dominado. O pt e o lulismo, vieram para esculhambar com a sociedade, jogando no esgoto todos os valores que eles julgam ser burgueses. Essa corja que reescrever a história a sua maneira, isto é FASCISMO.

  45. luizfernando

    -

    21/03/2013 às 9:04

    ml’s é de lascar…

  46. Just for fun

    -

    21/03/2013 às 9:01

    A prática do contorcionismo PTralha que substitui o erro por desvio é a mesma tática de querer justificar os crimes de o assalto ao erário com lorotas como “caixa dois”.
    Essa tática vesga para deturpar as regras gramaticais da linguá portuguesa é a mesma da tentativa usada por esta gangue para querer justificar as sequencias de estupros às regras institucionais.
    Pouparia os nossos impostos se extinguisse o ensino formal da língua e se deixasse o coloquial aos quatro ventos.

  47. Gustavo Palmieri

    -

    21/03/2013 às 8:57

    Creio que ao corrigir as redações dessa maneira o governo faz o nivelamento por baixo, diminuindo a distância entre as notas dos alunos de escola pública para os alunos de escola privada. Com certeza utilizarão esse “feito” ano que vem para propaganda eleitoral, enganando mais uma vez grande parte da população.

  48. Alexandre Lima

    -

    21/03/2013 às 8:46

    A novilíngua dos “educadores” petistas: “processo de letramento em transição” = estudante! Na opinião desses senhores (e senhoras – petistas “adoram” a flexão de gênero!)estudante não precisa saber português.

  49. ricardo

    -

    21/03/2013 às 8:41

    O quarto mundo está chegando,é logo ali.

  50. Sergio Costa

    -

    21/03/2013 às 8:40

    E quem foi que disse que o governo quer que os jovens aprendam alguma coisa? Afinal, as pesquisas mostram que a popularidade de Dilma é maior entre os menos instruídos.

  51. alan kevedo

    -

    21/03/2013 às 8:39

    0 que eh que voces esperam de uma geracao inteira que aceita nossas versoes biblicas enxertadas, alteradas como se fossem “A Palavra de Deus” e nao um legado de imperadores romanos. Outra coisa: professor precisa saber gramatica e nao pode se revelar tao simplorio a ponto de dizer que cre em todas aquelas fantasias do criacionismo biblico. E a nossa “maquinista”? estah tao desnorteada que dizem que ela agora estah ate rezando. E pode?

  52. Eduardo

    -

    21/03/2013 às 8:34

    O que se esperar de um governo metido em falcatruas até o pescoço?
    Aonde esse governo vai levar o país?

  53. Noivinha da Pavuna

    -

    21/03/2013 às 8:24

    Presidentes da Republica, analfabetos funcionais. Apologia da ignorancia.

    Dá nisso.

  54. Walter Déda

    -

    21/03/2013 às 8:16

    Há um fato, acredito, muito importante no último ENEM: quase todos os candidatos, considerando os 11 anos de ensino básico e médio, estudaram sob o comando do PT. Resultados e métodos não surpreendem, estao explicados na origem.

  55. PAPAGAIO

    -

    21/03/2013 às 8:02

    Lula instalou a bandidagem no gôverno. Apedeuta quer que a nação seja como ele.
    Nada mais certo admitir nas faculdades e universidades alunos idiotas e analfabetos como ELE !!!!
    E vem mais por aí, é ver para crer !!!!!!!

  56. Fernando

    -

    21/03/2013 às 7:59

    Prezado Augusto,
    Sinceramente, responda! Você acha que o Brasil ainda tem jeito?

    Vamos ganhar essa briga, caro Fernando. abração

  57. Luiz Alberto

    -

    21/03/2013 às 7:55

    Oh! Para que serve a escola? Para doutrinamentar os incautos “anarfa” com as “ideologias” do lulopetismo e sua falsa esquerda.

    El Gran Mollusco é um farsante!

  58. Antonio Augusto Carvalho

    -

    21/03/2013 às 7:29

    Se engana o Sr. Jerônimo. A sociedade aceita estes erros. Com 65 anos convivo com jovens profissionais diplomados em engenharia escrevendo textos totalmente incompreensíveis. Fora uns poucos mais velhos e experientes, ninguém se queixa.

  59. meier

    -

    21/03/2013 às 2:46

    O Brasil eh o pais do trampo, do rolo, da pilantragem, da jogada, do golpe…

  60. Cronos

    -

    21/03/2013 às 2:35

    Tudo é meticulosamente pensado no “país dos petralhas”.Quando se troca erro por desvio,troca-se,também,ladroeira,rapinagem,assalto,assassinato por “mal feito”.E assim vai.

  61. João Cândido

    -

    21/03/2013 às 2:08

    E o outro que escreveu o hino do Palmeiras e ainda assim tirou nota 500?
    Já pensou se fosse o hino do Galo? Era 1000 na certa!!! Mas, das duas uma, quem corrigiu a redação não leu nada e cometeu um furto pois ganhou uma grana sem trabalhar ou não sabe também escrever pois não viu erro em e ” trousse”, “enchergar” e outras barbaridades e aí também furtou e cometeu crime de falsidade ideológica. Deve também ser da turma de ” nós pega o peixe”. É o fim da picada e só pode ser coisa do PT. Daqui mais um tempo até o molusco vai falar certo com esta nova ortografia. Quem sabe tudo isso não é de propósito para nosso cachaceiro passe a falar “certo”?

  62. Brasigois Felicio

    -

    21/03/2013 às 2:04

    É assim a política de engenharia social posta em prática pelos associados ao Komitern neo-comunista de todo o mundo: subvertem os valores e os valores, amesquinham a educação de modo a emburrecer a juventude,liberam as drogas e legitimam o narcotráfico: assim preparam o terreno para o domínio absoluto.

  63. esther correa

    -

    21/03/2013 às 1:26

    Augusto querido
    Odeio o politicamente correto. Para vc ter uma ideia terminei uma amizde porque achei que a amiga era politicamente correta e portanto burra.e bota burrra nisto(parecia um jumento) O pior dos burros é aquele que se recusa a enxergar eela não queria. Já tive xs burros assim.

  64. FM

    -

    20/03/2013 às 22:21

    A vigarice do politicamente correto colocada em uso pelos governos petralhas atrai para o partido a simpatia daqueles pouco letrados e que não costumam se esforçar para atingir posição social melhor. Profissionais com essa mentalidade resultante do lixo do ensino oferecido cada vez mais no pais, terão dificuldade de trilhar uma carreira promissora. Nessa altura essa legião de mal formados verão muitas portas se fecharem e talvez nem se dêem conta que foram usados numa enganação política dada como correta. Enfim foram eles que escolheram seus caminhos mas nisso tudo que perde é o país que vive num faz de conta.

  65. Alexandre Lima

    -

    20/03/2013 às 20:52

    É a novilíngua do PT! O “duplipensar” é de uso constante pelos membros do governo.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados