Eliziário Goulart Rocha: O advogado tem a cara do cliente

A estratégia de provocar o magistrado, além de velha, invariavelmente acaba por configurar mais uma evidência de culpa

Advogado de defesa do ex-presidente senhor Luís Inácio, Cristiano Zanin roubou a cena durante o depoimento da viva alma mais honesta do país ao juiz que conduz os processos da Operação Lava Jato. Se pretendia aparecer mais do que Lula e Sérgio Moro, Zanin atingiu seu objetivo. Ocorre que, para o bem e para o mal, advogados não podem ofuscar os clientes, não importa do que eles sejam acusados. Quando isso acontece, o cliente deveria abrir o olho. Cada interrupção arrogante do verborrágico causídico contribuiu apenas para o acusado parecer ainda mais culpado do que já é.

A estratégia de provocar o magistrado, além de velha, inócua e sob todos os aspectos inadequada, antes de ajudar nos procedimentos da defesa, invariavelmente acaba por configurar mais uma evidência de culpa. Moro por certo tem seus inúmeros defeitos, como qualquer um de nós, mas, também por certo, tem entre suas principais virtudes a paciência, predicado indispensável para juízes em geral, embora nem sempre esteja presente nos integrantes do Supremo Tribunal Federal, costumeiros protagonistas de descontroles, bate-bocas, bravatas e proselitismos de toda ordem.

Consta que amigos têm aconselhado Lula a se livrar de Zanin, mas é improvável que isso se concretize, porque a arrogância do advogado combina perfeitamente com a soberba do cliente. Neste aspecto, foram feitos um para o outro. Identificam-se e se merecem. Portanto, tendem a morrer abraçados.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Chrisoula Papadimitriou

    Brilhante conclusão!!!!

    Curtir

  2. O “genro” do maior amigo do “Amigo”, já dançou…

    Curtir

  3. Decio Werneck

    É verdade, e o pior são as defecções dos advogados deLLe***, não só por discordar das atuações e interferências desastrosas, que só confirmam as acusações como provam o medo que tem da prisão, pois talvez não recebam honorários “post mortem”. Apelando pra um colega de faculdade do Moro, prá ver se amançam o “homi juíezeco”. Mais ainda depois do LLuLLa*** dizer que quando voltasse a ser presidente mandaria prender a todos que hora o acusam, sem provas materiais, mas por total convicção dos crimes cometidos, mas com provas dos denunciantes amigos e parceiros.

    Curtir

  4. Francisco Martins

    Esse tá mais para “Zerin”!!!

    Curtir

  5. Sensacional, eles se merecem.

    Curtir

  6. Abraço de afogados.
    Alguém pode colaborar com o País e jogar na direção deles, forjando um salvamento, uma corda com uma pedra amarrada na ponta?

    Curtir

  7. Luis Roberto Ferreira

    Não passa de um almofadinha estridente, além de advogado incompetente.

    Curtir

  8. Resta uma explicaçao…De onde vem o diinheiro dos honorários desse advogado.Já que a malha fina o IR é tao eficiente com a maioria da populaçao de classe média,poderia tb mostrar serviço com esses advogados.

    Curtir

  9. Zanin, está aproveitando seus minutos de fama para ampliar a freguesia. Lulla arrogante como sempre foi, quer alguém com o mesmo perfil. Deixe a dupla agir da forma que estão fazendo. Será bom para o Brasil.

    Curtir

  10. Ivandenir Ribeiro

    Perfeito! O advogado tem a cara do cliente, conclusão maravilhosa, os dois se merecem, um feito pro outro.

    Curtir