Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Editorial do Estadão: PT explora a crise penitenciária

A iniciativa dos petistas demonstra o aparelhamento a que o Estado brasileiro foi submetido por Lula para sustentar as políticas partidárias do PT

Em mais de 13 anos no poder, o PT relegou a questão penitenciária a segundo plano, como demonstra o fato de que, nesse período, apenas R$ 687 milhões, 14% da dotação de cerca de R$ 5 bilhões destinados ao Fundo Penitenciário (Funpen), foram efetivamente aplicados. Para os lulopetistas, a questão dos presídios sempre foi um grande incômodo, porque não viam apelo eleitoral na questão.

Revela, portanto, enorme hipocrisia a atitude do grupo de sete petistas integrantes do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) do Ministério da Justiça – todos nomeados por Dilma Rousseff – que se demitiram coletivamente com a alegação de que o atual governo tem atentado contra a “independência” do órgão e também por discordarem do Plano Nacional de Segurança lançado no início do mês, em caráter de emergência, para enfrentar a crise deflagrada com a sucessão de rebeliões em presídios que atingiram até agora oito Estados. De resto, a iniciativa dos petistas demonstra sem disfarces o aparelhamento a que o Estado brasileiro foi submetido por Lula e companhia para sustentar as políticas partidárias do PT e aliados. Os conselheiros demissionários tinham com certeza, no governo anterior, total “independência” para manter em prudente segundo plano a já então grave questão penitenciária no País.

Um dos demissionários, Gabriel Sampaio, ocupava um lugar no Conselho como recompensa pelos bons serviços que prestara ao PT como assessor do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e seu auxiliar na defesa de Dilma no processo de impeachment. Aos jornalistas, Sampaio explicou: “Saímos porque o ministro de Estado interditou o debate. Ciente de que o Conselho tinha uma maioria crítica ao Plano de Segurança, à MP que desvia recursos do Funpen para a Segurança Pública e ao decreto de indulto aos presos (publicado em dezembro), optou por alterar a composição do colegiado”.

A alegação de falta de debate revela-se claramente demagógica quando se examina a folha de serviços dos governos petistas relativa a questão tão relevante quanto a situação carcerária. Os petistas não apenas quase nada fizeram enquanto estavam no poder como, agora, queriam perder tempo precioso num “debate” que, a rigor, já foi feito. Seria ocioso repetir o diagnóstico do problema e suas soluções – e verdadeiramente criminoso protelar medidas para restabelecer a ordem nas cidades conturbadas.

Como se trata de uma questão delicada e complexa, é claro que a solução definitiva do problema só virá a médio ou longo prazos, tempo suficiente para eventual correção de medidas de emergência e também para incorporar sugestões colhidas de quem está interessado em colaborar honestamente e não em fazer demagogia.

Por outro lado, a alteração do colegiado a que o petista órfão do poder se refere diz respeito à criação pelo Ministério da Justiça de novos cargos de suplentes, que eram apenas 5, para igualar-se ao número de 13 titulares. É claro que as vagas que agora se abrem não serão ocupadas por militantes petistas.

Em resposta às acusações dos petistas demissionários, um grupo remanescente de conselheiros subscreveu nota: “O grupo que ora se despede identificava-se com a gestão anterior. O Conselho passará, ao natural, por renovação, o que proporcionará melhor compreensão do dramático cenário herdado. O descalabro penitenciário não é de hoje, não tem oito meses, mas décadas” e foi “acentuado nos últimos 14 anos”.

Esse lamentável episódio em que petistas se valeram da crise penitenciária para fazer política de baixo nível é mais uma demonstração dos motivos pelos quais o PT agoniza. Depois de 13 anos de populismo irresponsável agravado, no governo de Dilma Rousseff, pela desastrada tentativa de cunho ideológico de impor ao País uma “nova matriz econômica”, os brasileiros finalmente despertaram para o engodo de que eram vítimas: deram apoio maciço ao afastamento da presidente e decretaram nas urnas o banimento político do PT.

Mas o mal foi feito. Para qualquer lado da administração pública que se olhe, o que se vê é devastação – que custará tempo e tesouro para consertar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Geraldo Goulart

    Tenho nojo de pt psol pcdob e toda esquerdalha; é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que um deles prestar pra alguma coisa.

    Curtir

  2. Augusto, pergunte-se porque você não publica aqui um Editorial da Folha ou da Carta Capital? Não é porque você é de Direita, Centro ou Esquerda. O compromisso é com a Verdade e a Legalidade, eles vendem mentira e deturpam fatos.

    Curtir

  3. Tem que começar uma varredura pelas administrações das penitenciárias…Diretores coniventes e carcereiros vendidos, são os primeiros a serem investigados…Como pode uma pessoa com a sua Liberdade restrita a quatro paredes, terem privilégios, como celulares em suas celas??..Alguém está errado; e não os presos; e sim, que é responsável pela guarda dos detentos, que são os agentes penitenciários….

    Curtir

  4. Inaldo Fernandes

    esses malditos vermelhos nunca mais.

    Curtir

  5. guido barros

    há cinquenta julgava que estávamos produzindo, em alta escala, uma geração de desvalidos, miseráveis que o futuro nos mostraria os seus herdeiros, hordas de criminosos impiedosos, fruto da ignóbil natureza humana. Eis que se nos apresenta uma partido político, o PT, com a promessa de reverter este quadro desumano. Ñão nos esqueçamos que FHC houvera preparado e ordenado o cenário macro econômico e social para a mudança que logicamente viria acontecer a longo prazo. Mas, foi o PT que apresentou a bandeira da ética e do bem estar social, dando continuidade ao trabalho iniciado pelo FHC. Infelizmente o seu líder maior, filho natural dos sertões sertanejos, descendente direto das fileiras dos desvalidos levou o país a este estado de aberração de aberração econômico social.

    Curtir

  6. VAGNER F BARBOSA

    Demagogia barata é bobagem…
    Agora o “caô” é a volta às origens para a reconstrução do pt… a velha “trincheira” da defesa dos direitos dos trabalhadores e aquele blá-blá-blá nunca antes foram tão necessários… e agora é a causa da subsistência da legenda pois, salvar os trabalhadores implica necessariamente em salvar o partido e, claro a pele do chefão!

    Curtir

  7. Todos os editoriais do Estadão são profundamente realistas. A devastação é total. E ainda temos de agradecer aos demissionários por terem largado o osso.Tiveram direito à quarentena? Alexandre de Moraes está fazendo um bom trabalho.

    Curtir

  8. O sub-desenvolvimento eterno, é constatado pelo cinismo do projeto de poder pelo poder. A história da humanidade revela, sempre, que o mal está no EU da pessoa, e o caos se apresenta quando há um acontecimento de densidade destes EUs do mal no mundo, em um país, em uma cidade, enfim, no poder ou mesmo fora dele.
    Existe uma singularidade que atua neste caos, para restabelecer o equilíbrio e evitar á extinção?
    Até existe, mas precisa ser provocada, catalizada e adotada por EUs da verdade, da razão e coração. Sim resolve, ou, na falta, haverá outra singularidade do existir, que restabelece o equilíbrio, mas, catastrófico.
    A Teoria dos Ratos, também nos dá uma pista.

    Curtir