Blogs e Colunistas

26/07/2009

às 16:39 \ Direto ao Ponto

Nenhum de nós lhes deve nada. Eles nos devem tudo, a começar pela vida

PUBLICADO EM 26 DE JULHO DE 2009

“Ainda bem que a gente não chegou ao poder: se isso acontecesse, teria de devolver no dia seguinte”, disse Vladimir Palmeira, em maio do ano passado, num debate entre veteranos de 1968. “A gente sabia muito pouco, não tinha preparo para governar país nenhum”. Certíssimo. “A gente não tinha nem mesmo um projeto de poder”. Errado. Os comandantes do movimento estudantil (e, sobretudo, seus mentores na clandestinidade) tinham um projeto, sim. Tão claro quanto perverso: substituir a ditadura militar pela ditadura do proletariado.

Quem não tinha projeto de poder era a “massa de manobra”, como se referiam os chefes à multidão de jovens ingênuos, generosos, anônimos, que repetiam palavras-de-ordem cujo real significado ignoravam e cumpriam ordens e instruções vindas de cima. Os soldados rasos lutavam pela liberdade. Os comandantes planejavam suprimi-la. O rebanho sonhava com a ressurreição da democracia. Os pastores queriam muito mais,  confirma Daniel Aarão Reis, ex-militante do MR-8, ex-exilado e hoje professor de História na Universidade Federal Fluminense.

“As esquerdas radicais não queriam restaurar a democracia, considerada um conceito burguês, mas instaurar o socialismo por meio de uma ditadura revolucionária”, fala de cadeira Aarão Reis, principal ideólogo de uma dissidência do PCB que desembocou no MR-8. “Não compartilho da lenda segundo a qual fomos ­ o braço armado de uma resistência democrática. Não existe um só documento dessas organizações que optaram pela luta armada que as apresente como instrumento da resistência democrática”.

Recrutados na massa de manobra, os alunos dos cursinhos intensivos de revolução ainda estavam na terceira vírgula de O Capital e no quinto parágrafo de um palavrório de Engels quando descobriam que desistir da aula semanal era crime sem perdão. “Ele desbundou”, desdenhavam os mestres de qualquer discípulo sumido. Meia dúzia de panfletos de Lenin depois, os aprendizes descobriam que se haviam tornado oficiais do exército mobilizado para sepultar o capitalismo e conduzir o povo ao paraíso comunista.

Muitos se diplomavam sem sequer desconfiar da grande missão. Mas gente como Vladimir Palmeira tinha idade e milhagem suficientes para saber que perseguia um regime ainda mais selvagem, brutal e infame que o imposto ao Brasil. Conviviam com tutores de larga milhagem. O sessentão Carlos Marighela, por exemplo, ensinava aos pupilos da ALN a beleza que há em “matar com naturalidade”, ou por que “ser terrorista é motivo de orgulho”. Deveriam todos orgulhar-se da escolha feita quando confrontados com a bifurcação escavada pelo AI-5.

A rota certa era a esquerda, avisavam os que jamais tinham dúvidas. Passava pela luta armada e levava à luz. A outra era a errada. Passava pela rendição vergonhosa e levava à cumplicidade ostensiva com os donos do poder. Ou, na menos lamentável das hipóteses, aos campos da omissão onde se amontoavam desertores da guerra justa. A falácia foi implodida pelos que se mantiveram lúcidos, recusaram a idiotia maniqueísta e percorreram o caminho da resistência democrática.

Estivemos certos desde sempre. Desarmados, prosseguimos o combate contra quem os derrotara em poucos meses. Enquanto lutávamos pela destruição dos porões da tortura, eles se distraíam em cursinhos de guerrilha ou no parto de manifestos delirantes. Estavam longe quando militares ultradireitistas tentaram trucidar a abertura política. Só se livraram do cárcere e do exílio porque conseguimos a anistia, restabelecemos as eleições diretas e restauramos a democracia. Nós vencemos. Eles perderam todas. Alguns enfim conseguiram tornar-se contemporâneos do mundo ao redor. Quase todos permaneceram com a cabeça estacionada em algum lugar do passado. E voltaram com a pose dos condenados ao triunfo.

Fantasiados de feridos de guerra, os sessentões de 68 se apropriaram de indenizações milionárias, empregos federais, mesadas de filho mimado. Com a velha arrogância, seguem convencidos de que quem está com eles tem razão. Passa a fazer parte da tropa de elite formada por guerreiros a serviço das causas populares. Quem não se junta ao bando é inimigo do povo, lacaio dos patrões, reacionário, elitista, golpista vocacional. O comportamento e a discurseira dos dirceus, franklins, dilmas, genoínos, palmeiras, garcias, tarsos, vannuchis e o resto da turma confirmam: passados tantos anos, estão prontos para errar de novo. Infiltrados no governo de um presidente que não lê, não sabe escrever, merece zero em conhecimentos gerais e faz qualquer negócio para desfrutar do poder, eles aparelharam o Estado e vão forjando alianças com o que há de pior na vizinhança para eternizar-se no controle do país. Se não roubam , associam-se a ladrões. Se não matam, tornam-se comparsas de homicidas.

Sequestradores da liberdade e assassinos da democracia jamais deixam de sonhar com o pesadelo. Não têm cura. Nenhum democrata lhes deve nada. Eles é que nos devem tudo, a começar pela vida.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

202 Comentários

  1. Kitty

    -

    10/07/2012 às 0:46

    Meu querido Augusto,
    Mais um texto para guardar para sempre, falta-me um adjetivo original, algo diferente para defini-lo, para quem já leu muitos de seus textos e sempre pensando que o último era sensacional,mas pelo visto, há outro que supera com louvor o anterior….um texto para ler devagar, sem pressa curtindo cada línea e acompanhando com a emoção in crescendo, todas as verdades ditas com coragem.Caro Augusto, neste texto você consegue passar ao leitor, neste caso a mim, toda a sua emoção fazendo que eu sinta a mesma repulsa pelos personagens que desfilam no texto. Um texto que é uma ode a Liberdade e a Democracia!
    Escrevendo e recordando uma época que, também, na Argentina, país no qual morei por alguns anos, um grupos de jovens idealistas inspirados na revolução cubana lutaram contra a ditadura militar e muitas pessoas ansiosas de ver a democracia restaurada, com uma imprensa livre e a liberdade de escolher os seus representantes legítimos para dirigir o destino do seu país, se iludiram que estes jovens o conseguiriam. Mas, a mascara caiu quando os pseudo- paladinos não estavam nem um pouco interessados na democracia, que no conceito deles a democracia era coisa de burguês, mas queriam impor na Argentina a pátria sindicalista e o comunismo. Como você, querido Augusto, pode apreciar nos dois países só mudaram os nomes dos personagens.
    Com a sua permissão faço minhas as últimas três líneas que achei muito significativas; “ Não tem cura. Nenhum democrata lhes deve nada. Eles é que nos devem tudo, a começar pela vida”. …
    Um belo e emotivo texto que conseguiu me emocionar….emocionar sim, até as lágrimas! Você é um grande democrata e fiel aos seus princípios e convicções que o acompanham desde a tenra juventude, e o tempo não conseguiu lhe fazer mudar…..
    Um abraço, caro Augusto
    Kitty

  2. Virgilio Braga

    -

    08/07/2012 às 9:45

    Escrito há três anos, continua atual e, pior, soando como vaticínio a nos apavorar. Aqui no estado do Rio de Janeiro toda a canalha que se locupleta com os gestores do estado e o empresariado corruptos e corruptores (vide Sérgios, Paes e Cia.) busca se (re)eleger alegando proximidade com o maldito PT. São Paulo ainda é uma incógnita, graças a Deus e a mentores como vocês de Veja.

  3. Arnesto-aquele do brás

    -

    07/07/2012 às 20:49

    Gustao: se derem um purgante forte,mas forte mesmo,ao Lula do tipo de cereja purgativa que os irmaos Maristas,em colégio interno em que eu estudava nos faziam tomar uma vez ao ano, a cabeça de dito cujo apedelta murcharia de dar dó,e seguramente nos deixaria em paz,nunca mais se metendo na política brasileira.

  4. NENNO G.

    -

    07/07/2012 às 8:07

    Uma coisa que sempre me fez pensar, é na tal festejada
    “ditadura do proletariado”. Nunca em lugar nenhum do
    mundo um trabalhador pobre, teve posição de mando.
    Tanto no capitalismo, como no comunismo, pobre não
    tem vez. Por um simples motivo. Se é pobre, é porque
    não é esperto bastante. Se fosse, seria rico.
    Não sendo esperto, jamais vai mandar em alguma
    coisa. Os que se aproveitam da situação e se dizem
    lideres de trabalhadores, de estudantes ou de outras classes qualquer, na verdade so querem o poder e enriquecer, apenas isso, pobre é massa de
    manobra. O lula é o exemplo mais (mau) acabado disto.
    Portanto não ha ditadura do proletariado. O que ha é
    a ditadura dos que se dizem seu lideres.
    Dai, meus colegas de pobreza, vamos é rifar estes
    safados do nosso meio.

  5. http://twitter.com/_kika25

    -

    07/07/2012 às 2:15

    Puxa, até q enfim, né? Qtos anos vc levou p/ conseguir dizer a verdade sobre esse período q, ainda, permanece nebuloso e à espera de uma corajosa matéria de Veja!
    bj!

    Escrevo sobre esse tema com frequência. Tratei disso pela primeira vez em 1987, quando diria a sucursal do JB em São Paulo. Nunca mais parei.

  6. anticorruptos e anticorruptores

    -

    06/07/2012 às 15:06

    Prezado Augusto Nunes, parabéns por este post tão esclarecedor!
    .
    Trecho fantástico:
    “(…) O comportamento e a discurseira dos dirceus, franklins, dilmas, genoínos, palmeiras, garcias, tarsos, vannuchis e o resto da turma confirmam: passados tantos anos, estão prontos para errar de novo. Infiltrados no governo de um presidente que não lê, não sabe escrever, merece zero em conhecimentos gerais e faz qualquer negócio para desfrutar do poder, eles aparelharam o Estado e vão forjando alianças com o que há de pior na vizinhança para eternizar-se no controle do país. Se não roubam , associam-se a ladrões. Se não matam, tornam-se comparsas de homicidas.(…)”
    .
    Abração, amigo.

  7. Victor

    -

    05/07/2012 às 19:10

    “Não passaram, e NÃO PASSARAM NUNCA”

  8. Newton Eduardo Sant´Ana

    -

    05/07/2012 às 18:22

    Lutaram, segundo eles, contra uma ditadura que teve de recrudescer face à necessidade de combater às marionetes de Casto e amigos do louco Guevara.
    Hoje no poder, se aliam ao comandante dos chefes do narcotráfico, tentam fazer revolução armada e desrespeitam a soberania de País vizinho.
    São anjos caídos que estão a caminho de implantar no Brasil a ditadura do proletariado que na verdade é o proletariado se esfalfando, o povo em geral passando fome, os inimigos fuzilados e eles comendo chocolate e champagne importados.
    Quem poderá nos socorrer?
    Newton

  9. DAVY CESTARI VINAUD

    -

    05/07/2012 às 15:46

    Excelente artigo, se tivessem conquistado o poder, seriamos uma Corea do Norte. cuba e com certeza estariamos na ruína.

  10. francisco

    -

    04/07/2012 às 18:55

    Esse texto diz tantas verdades que dá pena dos brasileiros que ainda acreditam nessa caterva que domina o país atualmente.E ainda temos que aguentar o Mante(i)ga(sic) dizer que aplicar 10% do PIB na educação vai quebrar o país.Não existe melhor investimento.E o dinheiro gasto com a roubalheira,com o aparelhamento do estado, empregando milhares de “cumpanheiros” como aspones não faz falta ao país?

  11. catson aruak

    -

    04/07/2012 às 18:09

    Desde quando este texto brilhante foi escrito em 2009, até hoje a situação piorou muito.
    Elles desavergonharam-se totalmente e agora está valendo tudo.
    Só se o povo acordar, coisa que nunca fez e nem quer saber disso: adora novela.

  12. RUBENS JACYZIN

    -

    04/07/2012 às 16:05

    PALMEIRA ESTA CERTO!QUERIAM INSTALAR UMA DITADURA MESMO!FORAM PARA CIMA DOS MILITARES QUE NA VERDADE ERAM DEMOCRATAS!DEU NO QUE DEU.AGORA FICAM PISOTEANDO OS MILITARES!ATÉ QUANDO.NÓS BRASILEIROS APESAR DE DESARMADOS NÃO TEMOS MEDO DO TAL CHAVES NÃO!ACORDEM ANTES QUE SÊJA TARDE! DEPOIS MAIS UMA:A UNE DAQUÊLE TEMPO ERA A UNE.GLORIOSA A SUA MODA!
    HOJE NEM PASSA DE UMA TURMINHA SUBSIDADA PELO GOVERNO!

  13. Artur Souza

    -

    04/07/2012 às 14:10

    O artigo, de fato, merece reprise. O que não merece reprise é o papo caduco desses dinossauros, cuja ideologia foi extinta em todos os países que desistiram do atraso. Esses caras querem revolução coisa nenhuma. Conheceram as delícias de viver como nababos a expensas do dinheiro público burguês. Só querem manter seus cargos no governo, seus altos salários, suas bolsas-ditadura e, se pintar uma propinazinha esperta, a maioria deles embolsa, ou melhor, expropria.

  14. Osvaldo Aires Bade - Comentários Roubados e Socilizados -

    -

    04/07/2012 às 7:42

    Ainda temos muita conta para pagar:

    Governo prorroga o prazo para busca e identificação dos desaparecidos em decorrência da guerrilha do Araguaia:
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/governo-prorroga-o-prazo-para-busca-e-identificacao-dos-desaparecidos-em-decorrencia-da-guerrilha-do-araguaia/

    Abraço a Todos
    Osvaldo Aires

  15. Susie

    -

    04/07/2012 às 0:48

    Simplesmente perfeito!
    E ontem no 2 de julho na Bahia, onde comemoramos a consolidação da Independência, ao forasteiro petista foi demonstrada a força do povo baiano.
    Vamos tirá-lo daqui e vamos tirar-los de Brasília!

  16. ESTUDANTE

    -

    04/07/2012 às 0:08

    A ELITE CUBANA TEM NIVEL DE VIDA DE “ZELITE” CONFORME DOCUMENTADO EM FOTOS RECENTES APARECENDO A FILHA DE CHE GUEVARA E A PROLE DOS CASTROS. FORAM SUPRIMIDAS RAPIDAMENTE. VALE A PENA REPUBLICAR PARA EDUCAR.

  17. ESTUDANTE

    -

    04/07/2012 às 0:04

    FICOU FALTANDO CLASSIFICAR O DELFIM NETO, SARNEY E MALUF. ESSES RODAM, RODAM, LEVAM DESCARGA MAS NAO AFUNDAM.

  18. ferro & ferro

    -

    03/07/2012 às 21:21

    Mas, até quando suportaremos essa gentalha petralha se a massa os quer.
    A propósito, lindo e confortante o texto.

  19. LuizRoberto

    -

    03/07/2012 às 20:33

    Augusto, tenho lido artigos seus tratando de temas tão ou mais sérios, sempre sob a ótica suavizante do trato bem-humorado; um divertido jogo de palavras. Novato na coluna, me acostumei a rir do que seria trágico.
    Por esta mesma razão, caramba, vejo agora que, quando você resolve rasgar o verbo sem anestesia, o tranco é forte. Dá nó na garganta. Arrepia.
    É bonito ver alguém colocar pontos, vírgulas e palavras no exato lugar – precisamente onde jamais imaginaríamos que estivessem – justo para nos surpreender com o estremecedor choque da realidade que, de angustiante, torna-se bela.
    É isso, amigo: acabei de ler um livro de oito parágrafos. Paro por não ter nada mais a dizer.
    Mesmo que tentasse, não conseguiria. A isso chamo emoção.
    Deus o abençoe.

    Obrigado pela mensagem comovente, amigo LuizRoberto. abração

  20. Valentina de Botas

    -

    22/12/2011 às 5:03

    Oi, Augusto!
    Escrevo sob o impacto de um beijo e de um golpe. Talvez por causa dos ‘Canteiros’ de Cecília Meireles, relaciono liberdade a framboesas. Seu texto, meu caro, é um beijo de framboesa. Um beijo de liberdade. Prelúdio para o amoroso enlace, que se realiza no próprio texto, com o puro espírito da mais sublime entre as coisas que um ser humano pode ter – a liberdade. Ela é mais importante que o pão, disse Nelson Rodrigues. É a partir dela que o homem é. Sem ela, o indivíduo não há. Os exterminadores da individualidade, que ainda querem substituir a sociedade pelo partido e a democracia pelo totalitarismo e fortaleceram a imoralidade das respectivas mentalidades e ideologia tiveram, no seu texto, Augusto, o tratamento que a história lhes deu: o desnudamento; e eles desnudos são aterradores. Do outro lado, brilham luminosos, com proverbial lucidez, vocês – que escaparam ao maniqueísmo estúpido e falacioso, e resgataram a democracia do calabouço institucional cavado pelo militarismo e da masmorra ideológica guardada pelos esquerdopatas. Você deveria ser pouco mais do que um garoto quando, segundo comenta Marco Nunes – eis o golpe a que me referi –, foi preso no Rio. Calculo sua idade entre 18 e 20 anos. Só consigo ver, no estudante de direito do interior de S.Paulo, tomado pelo fervor democrático aprendido na família, o pequeninho herói de Taquaritinga apaixonado por sorvete de limão. Se naquela tarde de 1958, o garotinho experimentou a liberdade e seu preço pelas ruas da pequenina cidade em busca daquela paixão; 10 ou 11 nos depois estaria, novamente, buscando sob o mesmo ímpeto, mas agora num tempo muito mais perigoso e por um preço maior, a mesma irresistível e insuperável paixão – a liberdade. Então, um crime. Entre o calabouço institucional e a masmorra ideológica, o coração do democrata e a lucidez do menino (ou o contrário? ou a mesma coisa?) o acompanharam à prisão. Meus Deus, o que fizeram com você? D.Biloca e Dr.Adail devem ter se perguntado pelos dias mais duros que talvez eles, e outras centenas de pais, tenham enfrentado nessa condição. Os filhos estavam refazendo um país, e refizeram-no com tamanha lealdade à democracia que os esquerdopatas restaram livres para continuar existindo e sonhando com o triunfo de sua patologia sobre a paixão de beijos de framboesa. Não conseguirão. O homem Augusto Nunes amadureceu honrado, brilha como jornalista e, sempre na defesa da democracia, torna-se cada vez mais digno daquele pequeninho herói que só se agiganta. Há coisas, meu caro, que nada nem ninguém tira da gente. Para você, uma cesta de framboesas com um beijo. Valentina.

    Fiquei emocionadio, Valentina querida. Um beijo

  21. paolo

    -

    30/05/2011 às 12:33

    fosse o brasil um país sério,toda essa gente acima citada estaria atrás das grades.

  22. Sorete

    -

    30/05/2011 às 11:37

    Concordo com cada virgula escrita, esses aproveitadores baderneiros hoje se dizem vitimas e saqueando os cofres com suas boçalidades esquerda é um nome bacana pra meterem as patas e os fucinhos no dinheiro do povo

  23. fpenin

    -

    29/05/2011 às 20:10

    Augusto,
    Incursionando pelos impressionantes 177 comentários, deparei com a citação que Lula é de esquerda.Onde, quando e como? Trata-se de um arrivista, um aproveitador. Ideologia, naquela cabeça? Tá bom…

  24. fpenin

    -

    29/05/2011 às 19:57

    Augusto,
    Continue a ressuscitar artigos passados,mas que têm uma atualidade impressionante.A memória nacional agradece. Até para que os energúmenos não fiquem a pensar que não estão sendo vistos;os olhos da imprensa são implacáveis.

  25. Angelo

    -

    29/05/2011 às 13:34

    Senhores, Sr.Augusto,seu blog é um alento para que
    possamos externar nossas opiniões,nossos desabafos,
    neste seu belo texto,nos reconfortamos na sua visão
    inteligente de ver os fatos,é um prazer e um obrigado por permitir fazer parte deste seu blog.

  26. s.beredicth

    -

    29/05/2011 às 10:09

    Grande Augusto Nunes. Este é mais um texto seu que vai direto ao Forum do S.Beredicth. Parabéns por todos.
    Contudo, de tão citado aqui o tal Luiz Brasileiro, fui ler o que ele escreveu.
    Fiquei pasmo! É o exemplo de canalha que tenta defender as coisas, ao arrepio do tempo.
    Só para lembrar, os terroristas marxistas não se lançaram a campo para “defender-se da ditadura”. Já estavam nas lides de assaltos, assassinatos, sequestros, etc., quando chegou 1964. Aliás, chegou por causa deles e não eles porque os militares aceitaram o clamor popular para que assumissem as rédeas na nação que caminhava a passos céleres para o comunismo e, pior ainda, para a famigerada “república sindicalista” de que se travestiu o marxismo entre nós.
    Nos meus 73 anos de idade, vivenciei todos esses períodos da nossa história e posso dizer, com tranquilidade, que os militares dessa época (pelo menos eles) não se alinhavam com os movimentos que visavam destruir o regime de liberdade que havia aqui até os finais dos anos 50.
    Acho que esse crápula deveria é estudar história de verdade, ao invés de basear em textos e panfletos escritos pelos participantes da roubalheira, cuja única coragem verdadeira foi se apossar do tempo e manuseá-lo ao bel prazer, como que tendo caminhado por vias tortas, tratassem de endireitar os caminhos pelos quais pisaram e se transformarem em “heróis” que começaram lutando por algo que não existia ainda.
    Desesperos meus: os militares nada estejam fazendo atualmente quanto ao fato desses imbecis estarem corroendo de modo insano a honorabilidade do nosso povo.
    Um abraço, Grande Augusto.
    S.Beredicth

    Abração, amigo.

  27. Fabiano Azevêdo

    -

    28/05/2011 às 20:24

    Fantástico texto que resume tudo o que aconteceu. Vale salientar que Castello Branco foi alçado à condição de presidente pela vontade das elites que anteviram a verdadeira ditadura que estava em gestação desde os anos 30 pelos mesmos que sonhavam com um Brasil nos moldes de Cuba, Albânia e Laos, tanto é que iniciaram em 1966 atentados contra a liberdade que diziam perseguir. Bem antes da repressão que iniciou em 1968, portanto. Se a continuidade dos militares no poder pareceu inicialmente injustificada, aqueles que nos possibilitaram que nosso destino fosse diferente daquele que estava sendo planejado bem antes da repressão iniciar nos são credores, afinal devemos tudo a eles, a começar pela vida. Os habitantes da China, Cuba e Coréia do Norte que o digam, bem como os milhões de mortos em países que aceitaram a ditadura do proletariado. Bom domingo.

  28. terceira via

    -

    28/05/2011 às 16:14

    por isso que eu digo. Graças a DEUS os de CUTURNO enviaram o pê o traseiro daquela RAÇA verdadeiramente INFERIOR. pesquise na internet o que era a “democracia RUSSA” de Stalin, e pesquise verdadeiramente, sem preconceitos de nenhuma parte o que é o “SOCIALISMO CUBANO”. Se os Irmãos tivessem vontade mesmo de melhorar a vida do povo, eles estariam muito melhores, mesmo com os EMBARGOS que lhes são impostos, por culpa deles “os socialistas Cubanos” diga-se de passagem.

  29. Francisco

    -

    28/05/2011 às 13:38

    Nunes, a história que eles insistem em contar NÃO é sequer a história que viveram. Alguns, até chegam a acreditar nas mentiras que construíram. Admitir a verdade os mataria.

  30. abreu

    -

    28/05/2011 às 13:20

    Estou contigo pois estás certissimo,nem teu analise.Parabéns ao leitor Agilmar Machado Filho,comungo com seu comentário.E digo mais:esses miseráveis,quadrilheiros,só sairão do poder pelas armas,podem anotar o que escrevo.Estou dizendo isso e mais:sinto vergonha de dizer que sou gaúcho,pois ao eleger gov.Tarso Genro,lambe botas do lula,dilma e cia.demonstrou que hoje,o gaúcho,o RS, são meros bundas moles.Ficou para traz o conceito de que o RS era terra de democratas,e consciência politica,de td o Br.Hoje não é mais!Sem excessão,o RS e o BR não possuem mais nenhum lider de peso,e com vontade de virar o jogo antidemocratico.Estamos perdidos,pois até os generais, continuam calados a td assistindo,ou estou enganado?

  31. chorei antes de nascer

    -

    28/05/2011 às 13:06

    Minha gente, que matéria incômoda ao prefeito de Barueri Rubens Furlan. cujo irmão era secretário da Educação com funcionária protegida, agraciada com a televisão doada pelo CQC ao município para uso em escolas. Um caviloso sociopata nepotista, que tergiversando sobre o ocorrido, disse a Danilo Gentili (hoje maculado pela piada infeliz sobre judeus moradores de Higienópolis em São Paulo) ter sido possível graças a eles (PMDB/PT), a existência e a matéria do CQC , que flagrou e filmou todas as etapas do desvio criminoso do objeto doado, para uso da protegida. Não bastasse o argumento malandro, porque afinal o assunto era o desvio da televisão, vemos no You Tube uma reunião do crápula porque agora é este seu adjetivo, capciosamente dizendo à equipe de acólitos, que devido ao ocorrido pretendia abandonar a vida pública (coitadinho), emendando sorrateiramente, que o CQC, escracha e tortura políticos no congresso, com citação a Maluf, Genoíno e assemelhados. Eta ferro!

  32. Lalá Délia

    -

    28/05/2011 às 13:06

    Eu, que na época não era “politizada”, mas não era boba, logo percebi o bando de loucos ao redor – puro instinto – e preferia ficar namorando na grama do CRUSP, lendo Fernando Pessoa em voz alta para o meu amor a participar do berreiro daqueles barbudos comunistas. Enquanto “lutavam” pela liberdade, eu já usufruía dela. Vladimir e Dirceu faziam a mulherada suspirar. A mim, me arrepiavam de incerto medo. Puro instinto.

  33. Agilmar Machado Filho

    -

    28/05/2011 às 12:52

    É uma cena raríssima um esquerdista ser honesto intelectualmente e ver que seus sonhos não funcionaram nem funcionam em mais lugar nenhum.
    Somente estúpidos como Fidel Castro, Hugo Chávez, Lula, Chico Buarque, Franklin Martins, José Dirceu e boa parte de quem votou no PT acredita nessa idiotice.

  34. Fernando Antônio Rodrigues

    -

    28/05/2011 às 9:00

    Grande Augusto Nunes, seu texto é de rara lucidez. Dedico-lhe minha admiração.

  35. Anonimo

    -

    28/05/2011 às 8:17

    Ei, João Marcelo…
    Você está falando de Aécio Neves, o novo JK!
    .
    Os paulistas só não o apoiam pelo fato dele não ser paulista…e , pior (no entender dos ressentidos paulistas), ser mineiro…

  36. chorei antes de nascer

    -

    28/05/2011 às 2:11

    Augusto, Luiz Brasileiro não faz parte do timaço…

  37. João Marcelo

    -

    28/05/2011 às 0:01

    Caro Augusto Nunes. Em uma coisa devemos concordar: a “esquerda petista” é coerente. Fora do poder, apontava o dedo no nariz de todos, por se afirmarem paladinos e vestais da Justiça. No poder, apontam o dedo no nariz de todos, ao afirmarem ter um projeto para o País que está sendo boicotado pelo PIG. A esquerda brasileira é ressentida, reacionária, amarga e vingativa. A direita brasileira é retrógada, patrimonialista e elitista. Busquemos, pois, a terceira via: a democracia pura e vital. Utopia? Não. Mas um caminho seguro e honesto que podemos construir para nossos filhos.

  38. chorei antes de nascer

    -

    27/05/2011 às 23:52

    Augusto. Sou da época que você descreve, seu texto atinge o coração. Você vale ouro. Não aderi aos militares, e tampouco aos bandidos. Conte com minha amizade incondiconal. Os comentários estão demais, o timaço está tocado. Que Deus o proteja!

    Obrigado, amigo. A gente toca de ouvido. abração

  39. Eduardo Lima e Silva

    -

    27/05/2011 às 23:31

    Caro Augusto,
    Acabo de ler seu manifesto. Viva ! Poético e contundente.Livre e maravilhosamente verdadeiro. Queria que todos os cidadãos de bem desta pátria abusada e aparelhada lessem. Lindo texto! Acabo de lê-lo em voz alta, para que meus filhos ouçam.

    Fiquei muito feliz com a mensagem, caro Eduardo. Abraços para os filhos e um abração pra você.

  40. Law

    -

    27/05/2011 às 23:17

    Quantos a repressão severa 68/74 torturou, aleijou e matou? Pairam controvérsias sobre o número, sobre a genereralização da tortura e dos danos e sobre ser ela a causa principal de mortes em muitos casos. Talvez nunca saibamos com precisão.

    Sobre o que NÃO paira controvérsia alguma, porém -e esse assunto é curiosamente muito pouco explorado nos meios de comunicação e nos rios de tinta derramados por analistas e “analistas” -é a co-responsabilidade civil e penal da esquerda armada com seu foquismo assassino: a cada crime terrorista, correspondia um apêrto no torniquete da repressão.

    Resumindo: esses terroristas assassinos e seqüestradores -quem dúvida tiver, leia o manifesto redigido por Franklyn Martins, outro orgulhoso do próprio banditismo, disponível em

    http://www.franklinmartins.com.br/estacao_historia_artigo.php?titulo=manifesto-do-sequestro-do-embaixador-americano-rio-1969

    -com seu foquismo homicida, provocavam a repressão e lhe davam legitimidade nas ações para defender civis inocentes desses atos de terrorismo e continuando, em escalada, a repressão!
    A esquerda metralha é co-autora, pois, da tortura e morte de seus próprios “soldados”.
    Sobre isso, repito, não há controvérsia. A esquerda gerrilheira tem as mãos manchadas de sangue dos inocentes que matou com suas próprias armas e manchadas de sangue por ter puxado o gatilho, por assim dizer, das armas da repressão que mataram seus próprios “tovarich(s)”.

  41. EDUARDO

    -

    27/05/2011 às 19:48

    Muito obrigado ! Pensei que apenas eu estivesse vendo essas figuraças se locupletando na mentira e nos tirando fortunas son falsos a amorais argumentos !
    Elles não fizeram NADA !! Realmente. Quem fez tudo fomos NÓS !!!
    .

  42. veiaco

    -

    27/05/2011 às 19:34

    Parabéns pelo texto Mestre Augusto. A quadrilha se aboletou no poder pelo voto que não garante, salvo omissão dos poderes constituídos que permaneçam, como o vergonhoso enriquecimento de todos elles claro no caso Palocci.

  43. Anonimo

    -

    27/05/2011 às 16:32

    AN,
    Fala prá “eles” que foi o pau-de-arara de Guântanamo (persuasão sem mutilação) o único capaz de pegar o Bin Laden
    ;
    Ah, não fala não…”eles” são fãs e viúvas do genocida Bin…genocidas e sociopatas que são

  44. ZULEIKA AMARAL

    -

    27/05/2011 às 14:48

    Sobre a boa vida do assassino:ótima saúde,gordinho,
    hipertensão-no caso dele!-foi só pela surpresa inesperada e chocante.Eu gostaria que ele visse a reportagem sobre os pais de sua vítima:ambos estão
    mortos para a vida,de tão destruídos e envelhecidos
    desde que o assassino matou covardemente sua filha
    SANDRA.Há 11 ANOS eles foram morrendo e o bandido
    em plena liberdade,saúde e DESCARAMENTO…até o dia
    feliz,para o Brasil,em que foi encarcerado!!!

    Zuleika

  45. marina silva

    -

    27/05/2011 às 14:12

    Bem que o presidente Joao Batista Figueiredo AFIRMOU quando saiu do governo:”Voces algum dia ainda vao sentir saudades minhas!”.Que sorte a sua presidente que nao ficou por aqui para ver essa CORJA a destruir e roubar nosso país!Saudades suas presidente,saudades da sua HONESTIDADE em dizer as coisas como que existiam muitos cavalos melhores que o ser humano por exemplo…Como o senhor foi profético porque hoje em dia se estavamos sendo governados por cavalos talvez estivessemos melhores governados…

  46. ZULEIKA AMARAL

    -

    27/05/2011 às 4:02

    “Nenhum de nós lhes deve nada.Eles nos devem tudo!”
    É isso aí,AUGUSTO,redondamente certo:mas o que eles nos devem já estão começando à pagar,não acha?
    Parece que “uma luz no fim do túnel” está começando a iluminar a aparente penumbra geral…
    De repente,tudo vai dar certo para nós,para o
    BRASIL”!!!Carinho ternura e beijo!…

    Zuleika

  47. fernando pawlow

    -

    27/05/2011 às 0:51

    Caro Augusto Nunes,seu colega Tarso de Castro certa vez escreveu (referindo -s eàs patrulhas ideologicas )que Esquerda e Direita no Brasil se merecem,e Millor constatou que para esta gente a participação na luta armafda foi um grande investimento.Ambos acertram na barriga das mosca,essa gente é alem de liberticida,obcecada com ganhos vertiginosos de grana e acumulo de poder.No fundo,ou no raso mesmo,eles estão saudosos da figura de Medici,o algoz que sempre desejaram ,com vistas a um horizonte repleto de vacas paquidermicas,aassa que aplaudiu os generais e aplaude os petistas,merece ser entidade mantenedora de grisalhos espertos,pergunte a um beneficiario de programas assistenciais se ele se enfurece com as indenizações e ele é capaz (ainda mais agora,doutrinado pela novela do Silvio santos)de defende-los com a convicção de um aluno de Chauis e Saderes,Augusto,o Brasil exige muito otimismo para ser amado neste momento,abraços

  48. Ixmael

    -

    13/11/2009 às 21:17

    Isso aí, pimentazen, às 2:39
    De quando em vez a gente
    presta pra alguma coisa.
    Deve ser influência do Sr. Nunes

  49. pimentazen

    -

    13/11/2009 às 2:39

    Li e gostei dos posts abaixo recomendados.
    Bons pra não perdermos de todo a memória.
    Vou passar os links adiante, por que atrás de
    gente, em geral vem gente.

  50. Ixmael

    -

    08/11/2009 às 12:42

    Aproveito e me lembro de complementar
    o comentário aí de baixo : em 05/10
    há outro texto matador – Os vampiros
    aliados comemoram a ampliação do
    banco de sangue. Embora no patamar
    de tres dígitos, é pena que não esteja
    entre os Dez Mais. Recomendo.

  51. Ixmael

    -

    08/11/2009 às 1:56

    Esse é mais um post ao qual é
    necessário retornar de quando em
    quando. O texto é particularmente
    afiado. Ainda bem que é dos mais
    votados. Muito justo.

  52. Nelson

    -

    17/08/2009 às 17:52

    Tenho 63 anos, era estudante na epoca, estudava a noite e trabalhava durante o dia, conforme quase todo o mundo, um dia me chamaram para uma reunião, fui apreserntado ” as esquerdas”. Tinha lido antes “Arquipelago Gulag” do Soljenitsin e perguntei a eles o que achavam das descrições, que o escritor fazia da Siberia e dos coitados dos Russos e eles me falaram que eram “fantasias de um escritor”, nunca mais falei com eles. Aprendi a conhecer a esquerda mentirosa!
    Esta chegando a hora deles acabarem, como tudo nesta vida!
    O grande ideologo desta turma é o LULLA e o dinheiro. Um dia ele morre e com ele esta gentalha, que enoja os brasileiros com as suas alianças asquerosas!
    Vc Augusto e o Reinaldo Azevedo, expressam a verdade sobre estes assaltantes que tomaram o Brasil. Mas em Janeiro de 2011, isto acaba!

  53. léa leite david

    -

    12/08/2009 às 6:39

    Pois é, em 68 eu tinha 16 anos, estudava , morava no interior e acompanhava o que julgava ser a luta da minha geração por um país melhor. Como não me envolvi diretamente nela e fiquei somente com seus ideais, me formei, casei, eduquei 3 filhos como cidadãos produtivos e trabalhadores , dediquei 33 anos à educação pública , paguei ( e pago) meus impostos, trabalhei ( e trabalho) como voluntária na educação cristã e agora, aposentada, sem as benesses financeiras dos revolucionários daquele ano, tenho duas certezas: fiz e ainda estou fazendo a minha parte no compromisso que minha geração assumiu com o país, mas, infelizmente, ele não mudou como queríamos, pois a falta de um verdadeiro ideal democrático impede que as pessoas que chegam ao poder, neste país, coloquem em prática seus belos discursos sobre justiça social, honestidade e serviço, preocupando-se, tão somente, em locupletar-se, mentir e proteger seus antigos “companheiros”.

  54. José Givaldo Lima Mello

    -

    06/08/2009 às 11:43

    Nefanda, maléfica e infame é a opinião de quam não sentiu na pela e na alma o calvário daqueles anos tenebrosos. Sou católico por convicção e tradição de família. Era bancário e estudante na idade de 25 anos. Não havia nenhuma intenção de transformar este país numa democracia cubana. Cuba foi fruto dos interesses da elite americana. Os golpes da América Latina foram engendrados por eles. Malditos mentiroso. Malaventurados sejam todos aqueles que tornaram o século XX e o início do 3º Milêncio no incício do apocalipse.

  55. Vera Ribeiro

    -

    04/08/2009 às 3:19

    Fui aluna do Mackenzie no auge da luta entre os estudante da psicologia da
    USP, na rua Maria Antonia. Todos tinham os seus ideais, ambos os lados se
    consideravam certos. Era idealismo e tentavamos vivê-lo da melhor maneira
    possível, até que começou o radicalismo e estragou tudo. Eram estudantes po-
    litizados, alguns abusaram e meteram os pés pelas mãos. Foi um época real-
    mente difícil, mas havia idealismo, mas ao ler na Veja o perfil do atual presiden-
    te da UNE, fiquei pasma. Faz oito anos que o mesmo entrou na faculdade e
    não se formou até hoje e cinicamente diz:” na universidade, você decide quanto vai
    estudar em cada ano. estou fazendo devagar e que agora estou dedicado à mili-
    tância” Mudei eu, ou mudaram eles? Beleza de representante da UNE!

  56. mario pacheco

    -

    03/08/2009 às 16:58

    Parabens pelo artigo pela lucidez,os mariguelas os vladimer e todos aqueles que hoje são os filhos mimados da democracia so iludiram e os idealistas jovens pegos em cursinhos em cursos de sociologia entraram e ouviram o canto da sereia.Muitos foram mortos mas os verdadeiros chefes hoje estão ai desfrutando do poder dos menssaloes dos dolares na cueca e outras mais.Sua coluna como sempre é imperdivel,leitura obrigatoria.

  57. Manoel Theophilo

    -

    02/08/2009 às 18:19

    Senhor Augusto,

    O senhor é de uma LUCIDEZ que falta a muitos jovens “esquerdistas” atuais. Com camisas de CHE, barbas a la Fidel… esses jovens se reúnem nos seus pútridos congressos para fumar maconha e transar, acreditando piamente na “GLÓRIA” do que foi a luta armada e no “HORROR” que foi um regime político duro para com aqueles que achavam natural matar, roubar, sequestrar, igualando-se aos mais sanguinários torturadores soviéticos.

    A respeito da “bolsa-ditadura”. Onde estão as bolsas-ditadura aos que morreram em decorrência de atentados com carros-bomba contra pessoas de bem? Veio-me agora à memória o evento no aeroporto do Recife, entre tantos outros.

    Parabéns pela sua coluna!

  58. annalygia

    -

    02/08/2009 às 0:38

    Quando você vai escrever um livro filosofando um pouco acerca desses “anos de chumbo”?

  59. Otelo

    -

    01/08/2009 às 15:51

    Finalmente alguém lúcido! O que pensar de alguém que passa anos escondido no interior do país, iludindo uma pobre senhora, constituindo família e vivendo uma vida pacata e inofensiva, longe dos perigos de um enfrentamento com a situação e assim que os primeiros ventos do fim do regime autoritário afagam nossas faces, sai das sombras e se intitula o mais corajoso dos brasileiros? Esse é o espelho dos que hoje, no poder, se intitulam de verdadeiros heróis. Esse é o retrato dessa república de Zé Dirceus da vida e de Dilmas, alías, verdade seja dita, ela é mais macho que muito Lulla da vida. Mas paremos aí, pois dentro dela está o mais puro cerne de arrogância, autoritarismo e tendências ditatoriais, que fariam o Grande Líder da Coreia do Norte, corar de vergonha.

  60. Adan Willians

    -

    01/08/2009 às 13:06

    A luta armada foi um erro. Não se deve enfrentar uma força institucional como
    as forças armadas brasileiras que tem exército, marinha e aeronáutica com meia dúzia de militantes despreparados.
    Mas porque as lideranças da esquerda brasileira entraram nesta fria e conduziram jovens idealistas a morte e a humilhação?
    Esta é uma pergunta que eles ainda não responderam.
    Vale a pena perguntar a algum deles.

  61. Skorpio

    -

    01/08/2009 às 11:42

    Conheço muitos indivíduos como o senhor Luiz Brasileiro, que de brasileiro não tem nada, está mais para bandoleiro de gibi. Tipos como ele, travestidos de revolucionários defensores de ideologias retrógradas, não conseguem esconder sua personalidade pusilânime ao ser confrontado.
    Se o ambiente aqui não anda muito bom para o senhor Luiz Bandoleiro, sugiro que se mude para a Venezuela do covarde Hugo Chavez. Lá, com certeza, poderá vazer parte da massa de manobra do beiçolão, encontrando ambiente proício para destilar seu ódio, sua psicopatia.

  62. ze da silva

    -

    30/07/2009 às 18:51

    Augusto,

    seu texto eh a expressao do que penso sem nenhum reparo. Eh perfeito e deveria ser repetido por todos os democratas em todos os momentos possiveis.

    chega de ditaduras, patrulhas e aproveitadores. Os democratas derrotaram a primeira, mas se enrolaram com a segunda e a terceira.

    chega de transformar candidatos a ditador em autoproclamados herois da democracia.

    Por ultimo, Sr. Luiz Brasileiro, Sao Thomas de Aquino nao merece ser usado dessa forma distorcida por quem apenas queria matar tiranos para substitui-los por outros ainda mais brutais.

  63. Caio Menon

    -

    30/07/2009 às 11:46

    Prezado Augusto,

    Obrigado por nos proporcionar tão brilhante aula de História!!!

    Os seus maravilhosos textos são leitura obrigatória.
    Parabéns. Obrigado!

    Abraços fraternos.
    caio

  64. nani napoli

    -

    29/07/2009 às 17:43

    Augusto Curi!
    Voce é maravilhoso!
    Só nos resta te conferir a nota 1.000!
    Obrigada por fazer de suas palavras a nossa propria expressao de perplexidade.
    Grandissimo abraço.
    Nani – Curitiba

  65. nani napoli

    -

    29/07/2009 às 17:43

    Oooops, desculpa-me Augusto Nunes.
    Troquei as bolas, isto porque Augusto Curi TAMBEM é maravilhoso.
    Nani

  66. Edson Krebs

    -

    28/07/2009 às 21:10

    Parabéns Augusto, pelo brilhante texto!
    Abraços, Edson

  67. Myrian Elizabeth

    -

    28/07/2009 às 18:01

    Mas que texto espetacular! Digno de você, sem nenhuma dúvida.
    Deve ser repassado -e vou repassá-lo- especialmente aos mais jovens, pois desmascara essa gente ordinária que tomou o país de assalto, expõe sua trajetória vergonhosa, joga luz sobre essa escuridão que ameaça o Brasil.

  68. paulo

    -

    28/07/2009 às 17:18

    Um texto limpo, impecável.
    Sinto vergonha de ver o meu país governado por essa quadrilha. Sinto mais vergonha ainda, e repulsa ao constatar que são esses beneficiados por essas indenizações que nos governam, e tinham a pretensão de dar um GOLPE DE ESTADO, isso mesmo GOLPE DE ESTADO; para implantar no Brasil um estado socialista, nos moldes, talvez, do socialismo cubano em tudo o que ele tem de pior, porque eles com certeza, em vista do que vivenciamos, são capazes disso.
    Parabéns e obrigado por esse texto.

  69. Ivone

    -

    28/07/2009 às 12:55

    O blog do Nunes é democrático: o Luiz Brasileiro diz o que pensa e é publicado. Que bom que seja assim. Se não fosse ,onde o sr. Brasileiro poderia externar a sua contrariedade? Na Venezuela ? Não creio . Até a Rússia, que abandonou o comunismo há 20 anos, não garante liberdade de expressão. Haja vista os jornalistas e ativistas que ousaram falar o que pensavam e foram misteriosamente assassinados. Até notícias amenas ,que aqui seriam publicadas na revista Caras, são censuradas, como a de um jornal que publicou o namoro de Putin com uma jovem deputada. O jornal foi enquadrado , teve que publicar uma nota desmentindo e ponto,não se fala mais no assunto. Portanto, sr. Brasileiro, não foi a esquerda que criou aqui um berço esplêndido para o senhor expor as suas idéias.

  70. alvaro

    -

    28/07/2009 às 12:19

    Cáspite, esse Luis Brasileiro está mais para um Fidel Cubano.

  71. Aldo Matias

    -

    28/07/2009 às 12:14

    Meu prezado Augusto,
    Em primeiro lugar, mil perdoes pela ousadia do tratamento informal assim. Eh que seu texto, brilhante, me fez tornar-me intimo desse grande jornalista, lembrando do tempo em que os verdadeiros democratas tentavam fazer desse país uma democracia.
    Muito obrigado! Quem dera tivessemos, pelo menos, mais uma meia duzia de jornalistas desse porte, dessa lucidez, dessa independência. Os Luizes Brasileiros estao por ai, conspirando, pois foram domesticados para isso e alguem precisa usar as tintas corretas para registrar a história verdadeira.

  72. Mané

    -

    28/07/2009 às 11:30

    Para aqueles que defendem a luta armada ocorrida no passado: eles não tinham o direito de implantar uma ditadura no estilo cubano no Brasil. Se a opção for entre duas ditaduras, a dos militares e a cubana, fico com a primeira. Contudo meu regime é a democracia, parlamentarismo de preferência.
    Só quem viveu 1963/1964 pode avaliar quão próximo chegamos da democracia cubana.
    Que direito têm uns moleques de implantar goela abaixo nos brasileiros uma ditadura?

  73. Ingo

    -

    28/07/2009 às 11:29

    É impressionante o que faz a esquerda radical quando “angeliza” Fidel e “sataniza” Pinochet.

    Sem querer defender Pinochet, é preciso reconhecer uma grande, enorme, distância entre os dois ditadores latino-americanos.

    Pinochet foi ditador por 17 anos; Fidel está no poder há mais de 50 anos.

    Pinochet promoveu a abertura econômica e iniciou a redemocratização do país, retirando-se após ser derrotado em plebiscito.

    Fidel Castro considera uma obscenidade a alternância no poder, preferindo submeter a nação cubana à miséria e à fome, para se manter ditador.

    Pinochet deixou a economia chilena numa trajetória de crescimento sustentado de 6,5% ao ano.

    Em termos de violência, o número de mortos e desaparecidos no Chile foi estimado em 3.000, enquanto Fidel fuzilou 17 mil!

    Fidel é o campeão absoluto da “exclusão social”, pois mais de 2,2 milhões de pessoas, equivalentes a 20% da população da ilha, tiveram de fugir. São os “balseros”, milhares dos quais naufragaram, engordando os tubarões do Caribe.

    Em suma, Pinochet submeteu-se à democracia e tem bom senso em economia. Fidel é um PhD em tirania e um analfabeto em economia.

    O “Livro negro do comunismo” nos dá uma idéia da bestialidade de que escapamos se triunfassem, no Brasil, os radicais de esquerda.

    Lembremo-nos que, em 1963, Luiz Carlos Prestes declarava que: “nós, os comunistas, já estamos no governo, mas não ainda no poder”.

    É ingenuidade histórica imaginar que, na ausência da revolução militar de 1964, o Brasil manteria sua normalidade democrática.

    A verdade é que Jango Goulart não planejara sua sucessão, gerando suspeitas de continuísmo.

    E estava exposto a ventos de radicalização de duas origens: a radicalização sindical, que levaria à hiperinflação, e a radicalização ideológica, pregada por Brizola e Arraes, que podia resultar em guerra civil.

    “É sumamente melancólico – porém não irrealista – admitir-se que, nos anos 60, este grande país não tinha senão duas miseráveis opções: “anos de chumbo” ou “rios de sangue”…. (Roberto Campos

  74. Ingo

    -

    28/07/2009 às 11:28

    A esquerdopatia é uma doença onde a moral individual é substituída por uma moral coletiva.

    E problema dessa moral coletiva é que ela é decidida por um Partido e seus ‘‘intelectuais’’, e é a mesma moral que já matou centenas de milhões no século passado.

    O esquerdopata assume que se é para o bem do povo todos os métodos são válidos, mesmo que no caminho sejam atropeladas a democracia e o Estado de Direito.

    Petralhas costumam banalizar uma crítica para, ao desmerecer a banalização, ridicularizar os críticos.

    É uma velha técnica marxista que visa sempre lavar seus pecados e manchar a honra e dignidades dos desafetos políticos.

  75. Adriano Magalhães

    -

    28/07/2009 às 11:27

    O SONETO DO CARDEAL.
    - Sebastião Nery
    Muito boa!

    Aqui:
    http://www.sebastiaonery.com.br/colunas/

  76. Jaime Pimenta

    -

    28/07/2009 às 11:25

    Bravo!

  77. Marco Silva

    -

    28/07/2009 às 10:05

    Não costumo comentar posts de outros leitores porque, como democrata radical que sou, respeito todas as opiniões, mesmo as mais absurdas.

    Contudo, gostaria de saber se o leitor Luis Brasileiro sabe que o jornalista Augusto Nunes foi preso durante a ditadura (ele estudava na Federal de Direito do Rio)

    Ou seja, ele SABE do que está falando porque ESTAVA lá. Sofreu as consequências!

    E, nem por isso, mama nas tetas do governo hoje com a “bolsa exílio” ou “auxílio anistia”, como queiram.

    Saiba a história por inteiro antes de palpitar, nobre Luis Brasileiro…

  78. Ingo

    -

    28/07/2009 às 9:18

    Para o entendimento do que foi o ano de 1963 e 1964 é preciso ler os jornais de então.

    Toda a mídia responsavel condenou o janguiismo, tomado de sindicalistas e oportunistas.
    Nos dias 31/03/04, a imprensa condenava acerbamente io janguismo.

    Como exemplo o grande jornal Correio da Manhã, um dos mais independentes e maiores do país, escrevia um editorial que marcou época, fazendo coro com os demais: Basta!

    E um dos autores do editorial foi o oportunista cony que acabou recebendo milhões pela sua”fidelidade à democracia”.

    Veja:

    BASTA!

    Até que ponto o Presidente da República abusará da paciência da Nação? Até que ponto pretende tomar para si por meio de decretos-leis, a função do Poder Legislativo? Até que ponto contribuirá para preservar o clima de intranquilidade e insegurança que se verifica presentemente na classe produtora? Até quando deseja levar ao desespero, por meio da inflação e do aumento do custo de vida, a classe média e a classe operária? Até que ponto quer desagregar as forças armadas por meio da indisciplina que se torna cada vez mais incontrolável?
    Não é possível continuar neste caos em todos os sentidos e em todos os setores. Tanto no lado administrativo como no lado econômico e financeiro. Basta de farsa. Basta da guerra psicológica que o próprio Governo desencadeou com o objetivo de convulsionar o país e levar avante a sua política continuísta. Basta de demagogia para que, realmente, se possam fazer as reformas de base.
    Quase todas as medidas tomadas pelo Sr. João Goulart, nestes últimos tempos, com grande estardalhaço, mas inexeqüíveis, não têm outra finalidade senão a de enganar a boa-fé do povo, que, aliás, não se enganará. Não é tolerável esta situação calamitosa provocada artificialmente pelo Governo que estabeleceu a desordem generalizada, desordem esta que cresce em ritmo acelerado e ameaça sufocar todas as forças vivas do país. Não contente de intranqüilizar o campo, com o decreto da SUPRA, agitando igualmente os proprietários e os camponeses, de disvirtuar a finalidade dos sindicatos, cuja missão é a das reivindicações de classe, agora estende a sua ação deformadora às forças armadas, destruindo de cima a baixo a hierarquia e a disciplina, o que põe em perigo o regime e a segurança nacional. A opinião pública recusa uma política de natureza equívoca que se volta contra as instituições, cuja guarda deveria caber ao próprio Governo Federal.
    Queremos o respeito à Constituição. Queremos as reformas de base voltadas pelo Congresso. Queremos a intocabilidade das liberdades democráticas. Queremos a realização das eleições em 1965. Se o Sr. João Goulart não tem a capacidade para exercer a Presidência da República e resolver os problemas da Nação dentro da legalidade constitucional não lhe resta outra saída senão entregar o Governo ao seu legítimo sucessor. É admissível que o Sr. João Goulart termine o seu mandato de acordo com a Constituição. Este grande sacrifício de tolerá-lo até 1966 seria compensador para a democracia. Mas para isto, o Sr. João Goulart terá de desistir de sua política atual que está perturbando uma nação em desenvolvimento, e ameaçando de levá-la à guerra civil.
    A Nação não admite nem golpe nem contragolpe. Quer consolidar o processo democrático para a concretização das reformas essenciais de sua estrutura econômica. Mas não admite que seja o próprio Executivo, por interesses inconfessáveis, quem desencadeie a luta contra o Congresso, censure o rádio, ameace a imprensa e, com ela, todos os meios de manifestações do pensamento, abrindo o caminho à ditadura. Os Poderes Legislativo e Judiciário, as Classes Armadas, as forças democráticas devem estar alertas e vigilantes e prontos para combater todos aqueles que atentarem contra o regime.
    O Brasil já sofreu demasiado com o Governo atual. Agora, basta!

  79. Ingo

    -

    28/07/2009 às 8:59

    Quem não viveu ou não estudou o que foram os anos 60 não pode compreender o que ocorreu, sob a égide da Guerra Fria.

    A propósito:

    (…)

    “1964 foi um “annus horribilis”. Não por causa do movimento dos generais, mas porque, com o impasse criado, qualquer que fosse o desfecho, ele seria necessariamente trágico.

    Chegou um momento em que todos, indistintamente, ansiavam por um golpe.
    Brizola, à esquerda, pregava o fechamento do Congresso para que se implantassem as reformas de base. Lacerda, à direita, pregava que o Congresso fosse fechado para viabilizar as reformas modernizantes. A direita venceu.

    Indagação pertinente:
    se as esquerdas tivessem vencido, o regime subseqüente seria menos cruel ou autoritário? Com certeza, não”. João Melão Neto

  80. Hugo Werneck

    -

    28/07/2009 às 8:37

    Meu caro Luiz Brasileiro,

    Acho que temos espaço para discutir educadamente um período sobre o qual, pelo menos aparentemente, temos opiniões divergentes, o que é próprio do pluralismo democrático. Entretanto, devemos nos ater a fatos comprováveis e não à suposições vagas de “heróis” que o futuro se encarregou de desmascarar. Ou o senhor acha que o “consultor e lobista oficial”, além de réu no processo do mensalão, José Dirceu, foi um herói? Que tal entronizar Fernando Gabeira, o ético, aquele mesmo que pagou as passagens da filhinha surfista com dinheiro público? E a ministra Dilma Roussef, que mal disfarça o prazer que os superpoderes lhe conferem?
    A começar pelo famigerado Cabo Anselmo até aquele pateta que voltou recentemente da Suécia, onde ficou “exilado da alcaguetagem” já que ele não acreditava nos “amigos sinceros”, não se tem notícia de nenhum herói inquestionável. Como lhe disse, lembrando Spartacus, os que morreram nos confrontos foram aqueles que não tiveram a oportunidade de fugir. Dizia Pedro Aleixo que o que o preocupava nos regimes totalitários não era a ação dos generais. Na verdade , ele tinha medo do guarda de quarteirão que, em nome de um regime, praticava todo tipo de violência.
    Numa coisa, concordo integralmente com o senhor. Uma das atitudes mais abjetas do ser humano é torturar o seu semelhante. Isso é imperdoável! Mas foi praticado de ambos os lados. Muitos dos que se entregaram foram “justiçados” pelos parceiros. Aparentemente, havia um código “de honra” pautando o comportamento dos que fraquejavam.
    Quanto à abordagem da questão das indenizações concedidas ALEATORIAMENTE, pela comissão instituída para analisar os credores dessa “bolsa pilantragem”, percebo que o senhor reconhece que a justiça seria o caminho mais adequado à análise dos casos em que houve abusos intoleráveis. Creio, da mesma forma, que o Ministro Eros Grau, não vai querer ser relator em um processo em que pode, segundo informa o senhor, ser parte interessada.
    Finalmente, quero lhe dizer que as ações terroristas que o senhor jocosa e mediunicamente atribui ao seu grande herói, Carlos Mariguella, elas seriam inviáveis porque o Satanás chefe não libera os seus demônios para atuarem fora dos seus domínios. E, desconheço esse São Tomás de Aquino, ao qual se refere o senhor. Acho pouco provável que exista, até porque estaria em confronto com as palavras de Cristo que perdoou os seus torturadores: Pai, eles não sabem o que fazem!

    Saudações democráticas,

  81. Luiz Carlos

    -

    28/07/2009 às 8:26

    Infelizmente os militares, num determinado momento, se deslumbraram com o sucesso da economia que, já no final de 1965 dava sinais de recuperação e que, daí em diante, com a inflação JANGUISTA já dominada só fazia crescer. O estrondoso crescimento só foi freado em 1973 quando, por causa da vitória de Israel sobre os Árabes(guerra do Yom Kippur), estes, num lance inédito multiplicaram o preço do petróleo por 10 em um mês. Com a retração da economia e a eleição de Carter nos EUA , os militares começaram a ceder aos demagogos. A inflação voltou com tudo e assim, entramos no mais longo período de anarcoeconomia, trazendo no seu rastro destruidor o que se convencionou chamar de ”décadas perdidas” de 80 e 90.
    O povo pagou caro, muito caro, mas os sindicalistas protegidos de Rosalin Carter e Madame Danielle Miterrand se transformaram nos donos do país no que resultou nisso…Nisso que tá aí!

    As décasa foram perdidas para o povo, mas um achado, um tesouro, uma mina para os barbudinhos de Vila Euclides.

  82. Luiz Carlos

    -

    28/07/2009 às 7:58

    ”…mas por uma fissura dentro do próprio Exército, verificado que alguns militares como Geisel sabiam que a ditadura não poderia durar por um tempo indefinido sem o risco de uma divisão sangrenta”
    Do leitor Luiz Brasileiro.

    Não meu caro, nada disso. Acho que vc não entendeu nada até hoje. A ditadura militar acabou porque tinha data de vencimento estampada no rótulo. Os militares, ao contrário dos comunistas, tinham como ponto pacífico a transitoriedade do regime. O discurso de posse do Gen.Castelo já deixava claro; ”Não combateremos a extrema esquerda com os remédios da extrema direita, mas com democracia. Estaremos atentos e, em janeiro de 1966 entregaremos para os civis o que lhes é de direito; o poder!”
    Entendeu Brasileiro; os militares tinham consciência plena de que a permanência no poder seria insustentável e, é raro uma ditadura de direita com pretensões de perenização, pois é sabido que a continuidade de um grupo ou facção no governo, isto, por si só, é ditadura.
    A permanência por tão longo período dos militares, além de grupos que achavam que ‘era cedo ainda’ se deu mais por reação às tentativas da esquerda radical de reassumirem o regime e, aí sim; entraríamos numa ditadura eterna.

    Os guerrilheiros do Araguia eram do PC.doB, Maoistas portanto. E pretendiam um Khenmer Vermelho. Em 1975 o Khenmert tomu o poder no Camboja, ao ser derrubado em 1979 deixou um rastro de destruição e mais de 3 milhões de mortos.
    Vá de retro Brasileiro…

  83. Rodrigo Souza

    -

    28/07/2009 às 7:14

    Essa turma matava soldadinhos de 18 anos do serviço militar obrigatório. Bando de covardes!

    Eles só olham um lado… Desde sempre! Coitada da Olga… Ela veio aqui para iniciar uma guerra! Quem está na chuva é pra se molhar.

    Se comunismo fosse bom não precisava de MURO pra segurar o pessoal do lado de lá. Tão bom que acabou. Tão bom que o pessoal por pouco não foge nadando de Cuba. A Olimpíada na China foi a primeira em anos sem atletas cubanos pedindo asilo ehehhee…

  84. BRASIL

    -

    28/07/2009 às 5:13

    Augusto Nunes, esse tal luis brasileiro deve ser mais um pau-mandado que está aqui para argumentar as espúrias convicções dele, acorda luis brasileiro e cai na real, teu argumento é frágil e suas críticas muito mais ainda.

  85. f tavares

    -

    28/07/2009 às 4:56

    o prolixo senhor luiz brasileiro mantém o espírito beligerante dos anos sessenta, em nome do que, aliás, apresenta uma queixa magoadíssima… o que está em questão, me parece, é exatamente esse efeito-mola da esquerda lítero-etílico-musical-revolucionária de minha geração, que ainda tem esperança de transformar o brasil em uma nova albânia – nova pela inauguração, não pela modernidade – quer dizer, efeito mola porque retoma o formato original… sua senhoria revela a motivação de seus pares para pegar em armas e sair dando tiros em gente inocente, nada menos que o sentimento de legítima defesa. essa eu nunca tinha ouvido… carlos marighela??? com respeito à família, que nunca teve culpa, tratava-se de outro militar frustrado, mercurial, de temperamento irascível, revoltou-se contra a perspectiva de ter que seguir um regulamento geral para evoluir profissionalmente. tornou-se um guerrilheiro-instrutor porque em seu meio profissional já não era novidade, não recebeu os méritos que se atribuía, ninguém lhe tratava de maneira especial, como seu ego reivindicava. vaidoso, traidor de seus companheiros de tropa, covarde com seus subordinados e com os que assassinou com os tiros precisos que aprendeu à custa do estado. morreu sem dignidade, fugindo, em vez de trocar tiros com seus algozes. e vem o senhor brasileiro falar que “nos sacrificamos corajosamente, abrimos mão de carreira, da própria vida”… abrimos, quem, cara pálida ??? toda forma de tortura é indigna, como toda forma de terrorismo também o é. nenhuma reversão de expectativas, ou humilhação (sic), ou frustração, justifica o que o senhor chama de luta armada, e se pudesse ser menor, muito menos a luta que atira pelas costas, não tem hombridade. após conquistar o governo, iludindo a população com a mentira programática do pt, com quem se juntaram, o olitão, a aln, essa tropa de revolucionários de choperia, os “fantasiados de feridos” voltam a falar em instalar o poder revolucionário em nome do povo, contra o imperialismo e a globalização… compra um lap top e conta uma de papagaio, ô brasileiro…

  86. vanda c.

    -

    28/07/2009 às 2:54

    Augusto, querido, parabéns pelo texto fantático. Coisa de gênio.
    Bjos
    VC

  87. Téia

    -

    28/07/2009 às 0:47

    Augusto , brilhante seu texto , tão claro , só falta um link !
    Por favor !

  88. Antonio Fernades

    -

    28/07/2009 às 0:30

    Se você fosse um lutador de boxe,Você seria um peso pesado,sua mão bate muito forte.Sorte nossa.
    -

  89. Luiz

    -

    28/07/2009 às 0:25

    Texto lúcido e brilhante!
    Todas as belezas atribuídas ao socialismo na União Soviética foram desmascaradas com a queda do regime por lá. O “homem novo” em construção na Yugulávia de Tito mostrou o que era realmente com o banho de sangue nos Balcans. As “a medicina revolucionária” da Romênia, virou pó após a queda do ditador Ceaucescu. O estado de bem estar social da Albânia mostrou-se pior que uma estrebaria para boi de corte. O Khmer Rouge no Camboja assassinou milhões. O monopólio da ética ostentado pelo PT … conhecemos agora o alcance com a chegada do partido ao poder. E, infelizmente para muitos, existem outros relatos semelhantes …
    Precisamos de texto como o teu para educarmos as novas gerações.
    Obrigado.

  90. Iunes

    -

    28/07/2009 às 0:18

    Me desculpe o Luis Brasileiro mas acho que deve ser mais um anistiado mamando nas nossas costas.
    Se for, ele deveria ser mais honesto e explicar qual era o principal objetivo da chamada “revolução Democratica” que na realidade era implantar o socialismo através de uma ditadura REVOLUCIONÁRIA TENDO POR TRÁS CUBA, CHINA URSS. Endeusar o Sr. Marighela faça-me um favor, basta dar uma espiada no
    site Grupo Guararapes e ver a ficha deste cidadão. E de toda corja que hoje se encontra no poder.
    Os militares mataram terroristas, criminosos, ladrão de bancos etc….
    Quantas pessoas inocentes morreram nas mãos desses que voce tanto exalta.Sera que os familiares estão recebendo as mesmas indenizações polpudas ?

  91. Paulo Saboia

    -

    27/07/2009 às 23:49

    Talvez o mais importante neste magnífico texto é saber sublinhar, com maestria, as diferenças, quase sempre propositalmente misturadas numa coisa só. Nós, massa de manobra – vá lá – que lutávamos contra a ditadura e por uma democracia, não somos nem nunca fomos iguais àqueles que queriam nos conduzir para outra ditadura que, historicamente, mostrou-se pior do que aquela que combatíamos. Não éramos, nem somos, iguais aos que se locupletam nos cofres públicos de hoje em dia, à titulo de injustificável indenização ou por que são ladravazes mesmo. Nòs construímos a democracia que eles hoje ainda teimam em desmoralizar ainda que dela se sirvam para os seus mais infames propósitos.

  92. Asmodeu

    -

    27/07/2009 às 23:35

    Esse é pra imprimir e pôr num quadro na parede. Parabéns.

  93. jose

    -

    27/07/2009 às 23:12

    Ao J.BCruz das 0:20.
    Gostaria de endossar de toda a sua análise feita sobre o período militar. Foi muita lúcida.
    Se me permite, só gostaria de acrescentar que foi no Governo Geisel que foi lançado o Pró Álcool, programa que buscava diminuir nossa dependência do petróleo, e que colocou o Brasil de forma pioneira e inédita no mundo dos combustíveis alternativos. Se hoje temos a vanguarda nesse tipo de combustível, o mérito foi do General Geisel.

  94. Argemiro Moreira Nobrega

    -

    27/07/2009 às 23:10

    Prezado Augusto,

    As suas lições sobre a historia recente do pais precisa ser lida por um maior numero de pessoas. Peço que voce inclua um link para que os seus leitores possam repassar os textos para que outras pessoas possam conhecer um pouco da nossa realidade.

    Um abraço,

    Moreira

  95. PAULO BOCCATO

    -

    27/07/2009 às 23:09

    ZUMBI DOS PALMARES ?????????????????/

    NAO ERA AQUELE AFRO SEM DESCENDENTES QUE TBEM ESCRAVIZAVA OUTROS AFROS EM SEU QUILOMBO ?

    NO MAIS…AUGUSTO, VOCE E EU CONHECEMOS ESTE LUIS AÍ !

    ALIAS, TÁ MUITO BEM DE VIDA GRAÇAS AO PAPAI RICO…

  96. Luiz Brasileiro

    -

    27/07/2009 às 23:07

    “Retiro da maldição e do silêncio e aqui escrevo seu nome de baiano: Carlos Marighella”. Jorge Amado.

    Senhor Hugo Werneck,

    o STJ – Superior Tribunal de Justiça -, já julgou repetidas vezes declarando imprescritíveis as ações indenizatórias que objetivem reparar os danos causados pelos crimes da ditadura. Por esta razão eu sempre considerei as indenizações deferidas administrativamente pelo Ministério da Justiça com um grave defeito, são muito pequenas, mas ainda assim eu tive a intuição que iriam atingir os torturadores, os puxa-sacos e as viúvas da ditadura na alma, como de fato estar ocorrendo, basta ver a choradeira na internet.

    Contudo, o melhor ainda está por vir: a ADPF 153 que tramita no STF – Supremo Tribunal Federal -, que declarará a incompatiblilidade da Lei de Anistia de 1979 com a Constituição de 1988 no que pertine com a anistia dos crimes da ditadura tem como relator o único Ministro atualmente no STF que foi torturado pelos criminosos do regime de 1964, o Ministro Eros Grau. Mundo pequeno este, e como dá voltas. Donde, torturadores, homicidas, cúmplices e colaoradores da ditadura, ponham as barbas e os pelos pubianos de molho, pois a Justiça tarda mas não falha.

    No Chile, Pinochet (homicida e ladrão) só não está recolhido ao cárcere porque foi para o inferno; Jorge Videla e Raphael Viola, na Argentina, e mais uma centena de bandidos que usurparam o poder estão com a cara nas grades; Alberto Fujimori no Peru (ladrão e homicida) já está enjaulado; até no Paraguai já estão preparando o julgamento dos criminosos da ditadura de Alfredo Strosner; aqui no Brasil o rumo não será diferente.Tudo será no ritmo brasileiro, devagar, mas não será diferente.

    Senhor Hugo Werneck, por falar em terrorismo, o senhor sabia que foi o espírito de Marighella quem mandou em 1981 a carta-bomba que matou a secretária da OAB no Rio de Janeiro, dona Lídia Monteiro?

    O senhor sabia que foi Marighella quem ordenou que um capitão e um sargento do Exército pertencentes ao DOI-CODI irem explodir bombas no Rio Centro em abril de 1981, e que por acaso explodiram nos órgãos genitais de um deles? O senhor sabia que, de quebra, Marighella ordenou ao então coronel Job Lorena de Santana que acobertasse os autores e mandantes desta tentaviva de crime? Pois foi, e na sessão espírita em que baixou o espírito de Marighella que deu estas ordens terroristas tinha até gente com patente de três estrelas, que se perfilou e prestou contiência ao espírito do bravo baiano. É realmente um terrorista este espírito de Marighella.

    Senhor Hugo Werneck, quando me refiro a pessoas normais não estou incluindo os puxa-sacos. Esta corja, composta de sabujos, oportunistas, semi-analfabetos, que fez o trabalho mais sujo e repugnante da ditadura – dedurar, trair, bajular em troca de migalhas ou por medo. As polícias, civil e militar, é onde mais se abrigava esta escumalha, pois sem delegados, policiais, e o restante da escória social nenhuma ditadura se firma em sua violência e arbitrariedade.

    Senhor Hugo Werneck, no que diz respeito ao uso da violência contra a ditadura, quero apenas lhe lembrar que São Tomaz de Aquino defendeu o tiranicídio, como um mal menor. Se até um santo defendeu a morte de um tirano como algo legítimo, imagine eu que não sou santo.

    No Brasil temos que deixar claro por atos que qualquer um que queira usurpar o poder novamente será objeto de de toda e qualquer espécie de atentado: veneno, dinamite, tiro de bazuca, tiro de revólver, de refle, ou até mesmo uma peixeirada. Contra um tirano vale tudo, e viva São Tomaz de Aquino.

  97. Marcelino

    -

    27/07/2009 às 22:30

    Sr Luiz Brasileiro,

    Era um garoto durante o regime militar, e nâo tenho na minha vida maior exemplo do que o dado pelo meu pai, que era publicamente contra o regime militar. Ele sabia o que estava acontecendo e nos alertava para o que podia acontecer, e o seu modo de protestar era simplesmente votando na oposição, perseguindo a democracia…

  98. Brasileira

    -

    27/07/2009 às 22:13

    Sou licenciada em História e esse artigo só veio reforçar aquilo que estudei ao longo do curso. Mais uma vez convenço-me de que a verdadeira luta pela Democracia´no Brasil, ainda está por vir. Talvez uns poucos tivessem um ideal. Porém, a maioria está ai, mostrando qual era o verdadeiro ideal. Ninguem pode enganar o povo por muito tempo. Obrigada pelo seu artgo. Isso sim é Historia!

  99. Arnaldo Duarte nogueira

    -

    27/07/2009 às 20:58

    nunca li um texto tão verdadeiro. Coloca os pingos nos is. Para mim, um texto definitivo. Parabéns. Augusto.

  100. zé mané do recife

    -

    27/07/2009 às 20:42

    concordo com o protesto do Werneck, quanto ao texto ridículo desse sr.luiz brasileiro (em minúsculas mesmo)…. de tão pobre a sua argumentação, eu diria que poderia ter sido escrito pelo outro luiz, o ignorácio molusco da silva… mas não foi não..ele disse que tem azia ao ler jornais e não consegue sair por aí escrevendo coisas, por mais absurdas que sejam…
    seu luiz, tenha dó… vá comentar no blog do pt, da une, do mercadante, ou do raio que o parta…recolha-se à sua insignificância e agradeça ao Augusto por ter publicado seu comentário, dando-lhe assim dois segundos de glória.. passar bem !

  101. Pedro CN

    -

    27/07/2009 às 20:22

    Augusto
    Perfeito.
    Mais uma vez.
    Grande abraço

  102. Diocleciano

    -

    27/07/2009 às 20:15

    Muitos desses que pegaram em armas contra a Ditadura já reconheceram que tal atitude foi errada. Entre eles: Dilma, Franklin, Dirceu, Jenuíno…
    Eu também acho, embora não possa falar com precisão pois não sou daquela época. Mas foi um erro por eles. Que colocaram suas vidas em risco.
    Aliás, convenhamos, pegar em armas e ir contra um exército armado é um ato em que se precisa, no mímimo, de muita CORAGEM.
    E aquele sequestro do embaixador americano? Aquilo foi um ato digno de homenagens. Cutucaram a onça com vara curta.
    Não conseguiram derrotar o Regime. Mas sem dúvidas contribuíram para o seu ocaso.

  103. Leandro

    -

    27/07/2009 às 20:12

    A esquerda agora calhou a fazer festa. A tirar sarro.
    Chavez entregou pra Obama uma cópia de As Veias Abertas da América Latina. (foto aqui http://www.imil.org.br/artigos/a-foto/ )

    Claudio Mafra ainda comentou a reação do ditador venezuelano, que ria com a cena.

  104. João Garcia

    -

    27/07/2009 às 19:42

    Conheci hj sua coluna e confesso que fiquei impressionado.
    Excelente, lúcido, claro, me lavou a alma.
    Pensava que só eu entendia desta maneira a atuação das esquerdas salvadoras nacionais.
    Ainda bem que existem mais.

    Parabens pelo texto

    Tocantins

  105. Amir R. Diel

    -

    27/07/2009 às 19:36

    Prezado Colunista.

    Concordo sem restrição alguma com este post, bem como com o anterior, “A soma que jamais deu certo”. Acrescento que os pilantras e cretinos não só se apresentam “fantasiados de feridos de guerra”, como ainda se acham heróis por seus atos, em sua maioria covardes e contaminados por idiotia.

    Covardes na sua maior dimensão os atos e seus autores, pois estes últimos, que hoje se beneficiam de “pensões” bancadas com os nossos impostos, se mantiveram com os rabos entre as pernas durante anos, aguardando este “governo de esquerda”, para reivindicarem os “seus direito” como diz o nosso idiota mor. Sessentão também hoje, lamento não ter cruzado com os mincs, genoinos, tarsos, etc. etc., em 1965.

    Contudo penso que, apesar da importância do teu trabalho como jornalista, somado ao dos seus pares, Mainardi e Reinaldo entre outros, somente críticas e denúncias não bastam. Está na hora, até já passando, da IMPRENSA SÉRIA se mobilizar e, com matérias e mais matérias cobrar as mudanças que se fazem necessárias.

    Matérias diárias, constantes, repetitivas, que exijam respostas dos três poderes, que induzam participação das pessoas. Exemplos? Matérias que mostrem o quanto despreparado politicamente é o povo brasileiro em sua maioria. Matérias que mostrem o descaramento da compra de votos -com dinheiro público- que usa de sofisma para batizá-la de “bolsa família” (com a omissão do TSE e da oposição, que pretende usá-la se for eleita). Matérias que indaguem o paradeiro dos “caras-pintadas” que contribuíram para o chute no trazeiro do Collor e sua gangue, mas hoje se omite sobre a roubalheira desenfreada neste “governo do povo” do lula e sua camarilha, que tanto nos enoja.

    Enfim, é só começar. Um primeiro tema? O voto facultativo em vêz do obrigatório, voto este primordial na formação política das pessoas.

    Obrigado. Boa noite.

    Amir Diel – Niterói, RJ.

  106. ROCCO FAYAL

    -

    27/07/2009 às 19:35

    É TRISTE NOSSA REALIDADE, AO OBSERVAR ESSA ESQUERDA PARASITÁRIA: RENDE OS INCAUTOS, QUE DESCONHECEM AS PRETENSÕES DESSA CANALHA OPORTUNISTA. CORRETÍSSIMO VOSSO TEXTO…

  107. Hugo Werneck

    -

    27/07/2009 às 19:30

    Seja bem-vindo senhor Luiz Brasileiro. Apesar de o texto estar nitidamente querendo provocar uma reação do Augusto Nunes e, apesar de não ser seu porta-voz, como o senhor é porta-voz da esquerda odiosa, saúdo o seu “aparecimento”. Afinal, precisamos ampliar um pouco mais os debates. Vivi os mesmos momentos cruciais aos quais se refere e tenho uma visão diametralmente aposta às suas opiniões. O período em que o senhor diz que “Qualquer pessoa normal, que não tenha vocação para escravo de imediato se incompatibiliza com uma ditadura, e daí para o cidadão sair para a luta armada ou para o terrorismo basta amar a liberdade e não aceitar ser espezinhado e tratado como gado pelos usurpadores do poder” é digno de um fiel seguidor de Carlos Marighella, um matador frio e desalmado que destruiu famílias que nada tinham com as suas demências. É absurdo que o senhor fale em “qualquer pessoa normal” para, a seguir imputar-lhe uma terrível “anormalidade”. Perdoe mas acho ridiculamente paradoxal que alguém fale em liberdade dando como receita a violência. E antes que o senhor se lembre do não menos bandido Sérgio Paranhos Fleury e me veja como seu admirador, quero lhe dizer que dispenso a ele o mesmo sentimento que tenho por Marighella. ASCO. Spartacus, senhor Luiz Brasileiro, morreu trucidado, segundo suas palavras, porque como José Dirceu e outros, não teve a oportunidade de fugir. O que sei desses brasileiros que pegaram em armas contra os próprios irmãos, muitas vezes trucidando inocentes que nada tinham com isso, é que eles gostam mesmo é de obter a bolsa terrorismo que anda sendo distribuída até para quem nunca foi torturado, nem física nem mentalmente. Pense nisso!
    Agora, falemos de ditadura que me parece ser um assunto que muito o incomoda, apesar de os seus antigos amigos terem lutado por uma ditadura do proletariado. Ver o seu grande líder, Luiz Inácio Lula da Silva, manietado pela quadrilha do PMDB, sem poder tomar nenhuma decisão que não passe pelo crivo de figuras abjetas como Sarney, Jucá, Renan, Temer não seria, também, uma forma de ditadura? Caro senhor Luiz Brasileiro, a ALN, assim como outros grupos de arruaceiros e terroristas, foram tão maléficos ao país quanto os vagabundos que infestam o Congresso Nacional, exalando aquele odor decorrente da pútrida convivência entre esquerdistas e liberais.
    Não faça como aquele pateta que ficou quarenta anos na Suécia, pensando que poderia ser preso na sua volta. Isso foi uma prova inconteste de que a confiança não foi o forte desses “camaradas”. Ao contrário, delação era a especialidade. Senhor Luiz Brasileiro, abra os seus horizontes e não fique escravo do ódio e desejo de vendeta porque isso não leva à nada.

    Abraço,

  108. Diocleciano

    -

    27/07/2009 às 19:19

    Alvaro, entre a ditadura Vargas e a “democracia” da República Velha, eu fico com a primeira.
    Brizola é o sucessor de Vargas? Você quiz dizer no estilo de fazer política. Que muitos consideram populista.
    Acho que o Brizola foi injustiçado.

  109. Apege

    -

    27/07/2009 às 19:05

    Parabéns! Fiquei até sem palavras!

    Apege

  110. Paulo

    -

    27/07/2009 às 18:55

    Augusto, tudo o que você escreveu neste artigo soou ainda mais forte, porque mais do nunca ele veio do fundo do coração. Lavou a nossa alma, ao denunciar os que se aproveitaram da ingenuidade dos jovens, para se tentarem tomar o poder. Não conseguiram à época, mas hoje estão todos aí, junto aos seus iguais.Continue assim. Quem sabe aquele velho ditado “água mole em pedra dura…” prevaleça. Não custa continuar sonhando.

  111. fabio prada

    -

    27/07/2009 às 18:50

    …nossa….uma obra prima….que bom que ainda ha pessoas pensantes nesse País, enquanto o mesmo é espoliado de sua grandeza por “democratas leninistas” de carteirinha…

  112. alvaro

    -

    27/07/2009 às 18:50

    Dioclesiano, conhecer um pouquinho da história do Brasil é fundamental.
    Leonel Brizola é o digníssimo sucessor do grande democrata Getulio Vargas que impediu a posse de Julio Prestes.

  113. Rial

    -

    27/07/2009 às 18:49

    Texto perfeito.
    Bração

  114. Paulo Panossian

    -

    27/07/2009 às 18:47

    Em mais de seis anos de governo Lula, o País foi aparelhado por uma máfia, travestida de esquerda. Esta gente até os dias de hoje não têm projeto institucional, a não ser totalitário. Prova está, que uma ala do PT quer o fim do Senado Nacional. Esta Casa, chegou aonde chegou, graças ao escambo vil praticado pelo Lula, com os parlamentares da sua base. Isto posto, jamais pediria que o Palácio do Planalto fosse fechado, com o evento do mensalão. Mas justo seria a queda do Lula. Ou acabar com o PT…

  115. Valéria Rodrigues

    -

    27/07/2009 às 18:32

    Perfeito!

  116. FB

    -

    27/07/2009 às 18:02

    Caríssimo Augusto,
    Há tempos estou para lhe escrever sobre o privilégio que é ler e refletir sobre seus textos diariamente. E acho que hoje é um dia especialmente bom para isso, pois como você já percebeu nos inúmeros comentários já postados, faltam adjetivos para descrever esse texto.
    Um grande abraço e obrigado,
    FB

  117. Luiz Brasileiro

    -

    27/07/2009 às 17:47

    Luiz Brasileiro disse:
    Senhor Augusto Nunes,
    seu texto é muito ruim, porque é muito injusto, falta equilíbrio e compreensão da humilhação e da ilicitude em que se constitui uma ditadura para alguns cidadãos, donde falta a compreensão desta faceta do ser humano em seu julgamento dos que fizeram a luta armada, o que o conduziu a um texto ruim, injusto e injurioso. O que é inaceitável em alguém com tantos anos de jornalismo.

    Todos sabem que uma ditadura é um governo fora da lei, porque se cumprisse as leis seria Estado de Direito, donde só é ditadura porque prende, mata, persegue e humilha cidadãos ilegalmente, chamando-os para a briga.
    Qualquer pessoa normal, que não tenha vocação para escravo de imediato se incompatibiliza com uma ditadura, e daí para o cidadão sair para a luta armada ou para o terrorismo basta amar a liberdade e não aceitar ser espezinhado e tratado como gado pelos usurpadores do poder.

    Por ser um governo ilegítimo, em tese, nenhum inimigo de uma ditadura é ilegítimo, bem como nenhum método para combatê-la é condenável. A luta armada é para os cidadãos um direito análogo à legítima defesa, uma defesa dos cidadãos contra os usurpadores do poder.

    Por conseguinte, ninguém precisa de certidão de democrata para combater uma ditadura. No Brasil, não se conhece nenhum democrata que tenha enfrentado a ditadura de arma nas mãos, o que é natural porque a democracia é apenas uma forma de controle dos que detêem o poder, e uma técnica nunca provoca paixões. O que provoca sacrifícios e desperta a paixão política e revolucionária é o que a democracia defende, a liberdade.

    Esta é a razão pela qual, é preciso entender a luta armada contra a ditadura como o que ela é: um épico, um ato de extrema coragem de quem topou pagar um preço elevadíssimo pelo que acreditava. Tratar estas pessoas com injustiça, sem reconhecer o desapego à carreiras (que muitos preservaram sacrificando a cauda), à integridade física e à própria vida, só denota inveja e pequenez.

    O baiano Carlos Marighella, causou a maior ruptura dentro da esquerda brasileira renovando-a de maneira indelével quando rompeu com o PCB e não fundou outro partido leninista, e desta maneira abriu o caminho para que a esquerda se livrasse dos equívocos do partido único, monolítico, a organização sem democracia interna. A ALN era composta de grupos autônomos e coordenados, com total autonomia de ação, não era mais um partido comunista.

    Senhor Augusto Nunes, o senhor só será justo com quem fez a luta armada se entender porque Spartacus preferiu ser trucidado pelas tropas de Roma a ser um bom escravo, se entender porque Zumbi dos Palmares fugiu e preferiu morrer, dispondo da própria vida em um último gesto de liberdade se suicidando, a viver como escravo. Fora disto o senhor só fará juízos equivocados sobre a visível disparidade de armas, e inclusive recairá no velho dilema: as pessoas devem ser julgadas por suas idéias, crenças, ou por seus atos?

    Os fatos são conhecidos: quando muitos correram para debaixo da cama com medo das botas, uns poucos, os heróis da luta armada foram organizar a reação aos desmandos e perseguições dos usurpadores de 1º de abril de 1964.

    O senhor sabe que a ditadura acabou não por obra de nenhum tipo de oposição – dado que a luta armada foi derrotada, e a outra resistência era por palavras, contra tanques, ou seja, inócua contra a força -, mas por uma fissura dentro do próprio Exército, verificado que alguns militares como Geisel sabiam que a ditadura não poderia durar por um tempo indefinido sem o risco de uma divisão sangrenta.

    Esta gente mais lúcida percebeu que nada divide mais as pessoas que o exercício do poder ou a luta para conquistá-lo.
    Foram estes militares que tiraram o Exército da roubada, do equívoco inominável em que tinha entrado quando tomou o poder em 1964 depondo um presidente legítimo, eleito pelo povo.

    A violência cometida contra os que fizeram a luta armada ajudou a aprofundar esta divisão, dado que a ditadura se tornou mais cruel, homicida e covarde, em uma afronta a qualquer homem de bem, militar ou não, bem como a mobilizar contra a ditadura forças como a Igreja Católica. A ditadura caiu de podre, dado que remou, remou, contra a ilegitimidade típica de quem exerce o poder sem mandato, consentimento, até ser vencida pelas suas fissuras internas.

    Muitos colaboraram para o fim da ditadura, mas os que mais se sacrificaram para por fim ao regime criminoso foram os que fizeram a luta armada.
    Seu texto é ruim, porque injusto, julga as pessoas por suas convicções e não por seus atos, porque se o julgamento for pelas obras, o que se verá é que supostos democratas ficaram de braços cruzados, achando muito perigoso defender com atos suas crenças contra a tirania.

    Quem fez a luta armada perdeu no confronto armado, mas ganhou a luta política, pois nenhuma ditadura dura muito, nenhuma vitória é definitiva sobre a liberdade. Mas justiça tem que ser feita: quem fez a luta armada não estava preocupado com a disparidade de forças, como não estavam preocupados com a desigualdade de armas nem Spartacus nem Zumbi dos Palmares.

    O que estava em jogo era um gesto, um ato que mostrasse que existiam cidadãos que não aceitavam sem luta o espezinhamento dos criminosos que ocupavam o poder. Não compreender isto é ser injusto e não compreender porque em Canudos ninguém se rendeu. É preciso que se entenda que às vezes se luta sabendo que vai morrer, mas se luta. Por que? Para não se perder a dignidade nem a liberdade.

  118. BRASIL

    -

    27/07/2009 às 17:41

    AUGUSTO NUNES, parabéns pelo belíssimo comentario, neste texto você está realmente expondo tudo que a esquerda de mentira existente neste país não gosta de ouvir, lê ou falar e, você no momento certo apresenta um excelente texto e comentário. Falam que o lula é o cara, coisa nenhuma o cara é você AUGUSTO NUNES, vai para cima dessa turma firme e forte, que estamos aqui contigo meu camarada.

  119. Paulo Chieco ToledOo

    -

    27/07/2009 às 17:37

    Caro Augusto Nunes:

    É com satisfação que vejo seu barco ancorado na Veja, ao lado desses valentes, Diogo Mainardi e Reinaldo Azevedo.
    Bela contrataçao da revista, formando uma trinca do barulho.
    Já que nossa oposição é fraquinha, fraquinha, não conseguindo atacar o óbvio do governo Lula, o jornalista cumpre bem o seu papel, com o texto claro que Deus lhe deu.
    Fico aqui a pensar como reagiria a população se algum deputado ou senador da oposição levantasse essas questões do seu artigo! Começariam a pensar, não?
    E o PMDB não comecaria a tirar o time de campo, percebendo o jogo que estão fazendo sob suas barbas?
    Será que não teriam um acesso de patriotismo democrático? Não percebem que o PT, Lula e os partidos de esquerda embaralham as cartas, confundindo a sociedade e a oposição?
    O grande trunfo é a economia, e sabem disso, mantendo o embaralhamento.
    As eleições de 2010 serão o grande teste.
    Mas com o Serra, será difícil, pois o homem não encarna mudanças superlativas, ficando na mesmice, quando deveria falar claro e firme à sociedade, mostrando onde isso irá parar (vide o exemplo, entre outros, dessa ópera bufa dos Sarney’s).
    Mas a oposição não consegue, porque está presa à economia como grande vilã da história, deixando de fazer política de p maiúsculo.
    Os personagens desse enredo do atraso que você citou em seu claro texto(dirceus,franklins, dilmas, genoinos e tarsos) – eles não conseguiram fazer a revisão dos anos 60/70 – estão rindo à toa, numa estratégia quase perfeita de permanência no Poder.
    E o País continua sendo de terceiro mundo, inclusive no pensamento latino-americano, seja de qualquer matiz ideológica. Temos complexo de inferioridade,e não sabemos ter orgulho para melhorar a educação, a saúde, a segurança,etc.,seja o governo que for.
    Esses “meninos” que brincam de poder, junto com um vaidoso Lula, ignorante do que seja “avançar um País” embaralharam as cartas, deixando a oposição sem a antiga pauta que ditou as eleições dos últimos 30 anos, ou seja, a Economia.
    Abraço

    Paulo

  120. BOB BRUZA

    -

    27/07/2009 às 17:29

    Augusto Nunes, foi tudo uma tremenda porralouquice. Só que alguns desses porraloucas – Dilma, Zé Dirceu, Genoíno, Carlos Minc, Franklin Martins, etc. – se deram bem.

  121. Altamirando Vieira

    -

    27/07/2009 às 17:01

    Prezado Augusto:

    Este seu texto deveria ser transcrito nas páginas de Veja, O Globo, o Estado de São Paulo, a Folha de São Paulo. Que também fosse lido em “editorial” (citando o excelente autor, claro) no Jornal Nacional, Jornal da Band, Jornal da Record, de forma que todos os brasileiros – letrados e iletrados – tomassem conhecimento do tipo de gente que dá as cartas, e deseja continuar dando,neste nosso (será?) país.

    Altamirando

  122. Jose M

    -

    27/07/2009 às 16:55

    É a primeira vez que escrevo. Você sempre é brilhante, mas,pô, hoje “matou a pau” (desculpe a gíria). Pelo jeito, amanheceu mais inspirado do que nunca.Parabéns.

  123. Rafael

    -

    27/07/2009 às 16:35

    Augusto, parabens pela sua clareza ao escrever esse texto, realmente de ingenuos os “camaradas” nao tinham nada, so os jovens ingenuos e por que nao ignorantes que como rebanhos vão atras de alguma ideologia pra se sentirem gentes eh que eram usados pelos cabeças dessa ideologia. Claro que o interesse deles era unicamente o poder, de preferencia eterno, nao tinha nada haver com querer uma sociedade melhor, etc. E viveriamos numa ditadura pior do que a militar!

  124. Anouk

    -

    27/07/2009 às 16:34

    Caro Augusto,

    Ótimo! Maravilhoso! Sensacionnal!

    Que a garotada leia e entenda de uma vez por todas.

    Muitíssimo obrigada!

    PS: PAULO BOCCATTO é mesmo um AMOR de PESSOA!

  125. rsauer

    -

    27/07/2009 às 16:08

    Caro Augusto,

    Parabéns! Excecelente texto!

    Abraços

  126. rsauer

    -

    27/07/2009 às 16:07

    Caro Augusto,

    Parabéns! Excelente texto!

    Abraços

  127. Leonardo

    -

    27/07/2009 às 16:04

    Ele queriam apenas a substituição de uma ditadura para outra. Ainda bem que não levaram a frente, pelo bem do Brasil.

  128. Mauricio

    -

    27/07/2009 às 15:42

    Nunca fui a favor da ditadura militar. Mas entre nos tornarmos uma ditadura a la Fidel Castro e a que tivemos…sem dúvida, ainda bem que os militares venceram.
    Muita gente conhece a história de Castello Branco e o carro que o irmão ganhou.
    Alguém já imaginou o pt( ex PT) fazendo isso?

  129. Luiz Catossi / Curitiba

    -

    27/07/2009 às 15:41

    Parabéns pela lucidez. Muito didático; que as pessoas mais novas possam ler e entender.

  130. Eduardo

    -

    27/07/2009 às 15:36

    Brilhante!!!. O raciocínio desta corja é moldado pelas famigeradas cartilhas cubanas. Nunca leram nada e se lerram não entenderam. Infelizmente eles não querem so os doispaus. Seria até barato pagar para nos livrar-mos dos vermes.Mas não, eles querem mesmo é aparelhar o pais, enquanto a grande imprensa se acovarda ou belisca migalhas esquecendo-se do seu importante papel qual seja o de ser os olhos e ouvidos da nação. Felizmente ainda temos alguns poucos jornalistas independentes e que podem escrever tais artigos.

  131. Marco Silva

    -

    27/07/2009 às 15:30

    Existe adjetivo maior que primoroso ou brilhante?? Se existir, por favor, coloquem ao lado deste texto como sinônimo!

    Acho que encontrei a palavra – DIVINO.

    Realmente, um dos melhores textos que eu já lí até hoje! Que tapa na cara da companheirada. Que vingança para os honestos e democratas.

    Pena que os “alvos” deste texto, não tenham capacidade intelectual para entender ou mesmo comentar.

    Perfeito, Augusto, perfeito.

    P.S. – por sinal, o blog inteiro está uma pintura. Parabéns nobre e combativo jornalista

  132. jose abelardo

    -

    27/07/2009 às 15:24

    Augusto (Augusto)
    e nao ficara pedra sobre pedra, seu texto simplesmente nao deixa qualquer duvida, ou tao somente traz a luz uma realidade arrassadora sobre nossa historia recente.
    obrigado
    abelardo

  133. tião

    -

    27/07/2009 às 15:12

    Parabens seu texto foi brilhante.

  134. zé mané do recife

    -

    27/07/2009 às 14:19

    FANTÁSTICO TEXTO, caro Augusto!
    Esse é pra gente gravar em letras garrafais, fazer um poster e pendurar na sala de estar, pra ler todo dia…Nunca vi poder de síntese tão extraordinário num analista da nossa recente história política.. Realmente, nota 1000 !
    Muito obrigado por nos lembrar dessas verdades e por abrir os olhos das gerações mais novas, que não viveram esses momentos há 40 anos atrás e ainda se deixam iludir pelo canto de sereias jurássicas que insistem em afogar a liberdade no poço escuro das suas incompetências e ambições tenebrosas ..
    PS.. que venha logo um volume enfeixando textos assim…urgente, por favor.. 2010 está na porta !!!

  135. Antônio Luiz Calmon Teixeira Filho

    -

    27/07/2009 às 14:12

    Parabéns pelo texto brilhante!!!
    Tudo que todos sempre pensamos e queríamos dizer.
    Valeu!!!!!

  136. José Laudir Vefago

    -

    27/07/2009 às 14:06

    Prá começo de conversa, de novo, texto maravilhoso! Não devo um dinar prá essa canalha. Se hoje eu sou livre, devo a quem não pegou em armas; jornalistas, tú, e Ulisses, e vai embora……

  137. nanadaluz

    -

    27/07/2009 às 13:45

    A propósito de escrever tão bem; o que Tony Belloto faz no quadro de articulista da Veja?

  138. nanadaluz

    -

    27/07/2009 às 13:35

    Maravilhoso!

    Brilhante!

    Tenho a impressão que você sofre, dói de fato; escrever cada palavra tão real e verdadeira, de forma tão forte e contudente.

  139. Hugo Werneck

    -

    27/07/2009 às 13:21

    Meu caro Augusto,

    Você sintetizou num pequeno texto o que deveria merecer dos historiadores uma dezena de livros. De qualquer forma, meus mais efusivos parabéns pelo poder de síntese. Na verdade já temos um volumoso acervo tratando do que os falsos revolucionários chamaram de anos de chumbo mas, em sua grande maioria, têm um viés de esquerda idiotizada pelos “abelha rainhas” desses movimentos. “Abelhas rainhas” são os famigerados intelectuais que ficaram malandramente na retaguarda, protegidos por aqueles que foram usados como ferramentas para a hostilizar os detentores do regime. Na minha visão, que carece da grande massa de informações de que você dispõe, o problema de qualquer movimento popular, de qualquer ideologia, começa na “qualidade” dos seus líderes. Aquele indivíduo que tem o dom da oratória e que sabe colocar as exclamações e interrogações no lugar correto, já tem metade do caminho percorrido. Na verdade, para inflamar os ouvintes não será muito difícil se o líder disser o que gostariam de ouvir, em geral mentiras! Está aí o Lula para ratificar essa tese. Claro, os “clientes” preferenciais de Sua Excelência são os dependentes em bolsas família. Apesar de se comparar com JK, ele se parece mesmo é com Getúlio Vargas, o pai dos pobres e “mãe dos ricos”. Mas os empresários da FIESP, apesar da falsa cara de emburrado de Paulo Skaff, também adoram os discursos de Lula, claro, por outras nações que, de meritórias, não têm nada.
    Todos os movimentos revolucionários sempre tiveram por trás os auto-intitulados intelectuais irresignados, utópicos e, na maioria das vezes, mal resolvidos psicologicamente, para não dizer invejosos e medrosos. Esses, não pegam em armas nem que a “vaca tussa” e se limitam a catequizar os despreparados que são apresentados à partes de uma história, nem sempre a mais importante, e dessa colcha de retalhos de informações se jogam de corpo e alma às empreitadas que, não raro resultam em sangue e lágrimas. São os inocentes úteis! No texto você cita alguns deles o que nem vou perder tempo em repetir. O que posso dizer é que me sinto tão agredido como qualquer verdadeiro socialista ao testemunhar a miséria, a falta de segurança, a falta de um sistema de saúde razoável(o Lula disse que está próximo da perfeição, claro ele é atendido no INCOR de São Paulo) e de uma escola pública de qualidade. O que tenho de diferente é que não sou tolerante com as cafaestagens promovidas pela “base comprada pelo governo, com pagamentos em prestações à medida que precisem aprovar alguma matéria de “grande interesse” da nação”.

  140. Julia

    -

    27/07/2009 às 12:51

    Quando militante de movimento estudantil, de anistia e feminista convivi com a destruição de muitas organizações populares quando não se submetiam a lógica dos partidos e do chamado centralismo democrático que de democracia não tinham nada…construir uma democracia é um esforço para muitos, é conviver com a diversidade e reconhecer como um fato. A democracia hoje passa por uma prova de fogo ser manipulada por grupos que desejam se perpetuar no poder e ou se renovar num exercício de mudança para isso precisamos superar os lullas, as dillmas, os Zés, os tarsos, os sarneys, os collors, os pmdbs, os petralhas …Augusto obrigada pelo texto…

  141. Reynaldo

    -

    27/07/2009 às 12:33

    Parabéns! “Revisão histórica” (eles amam isso, embora com as necessárias distorções) também pode ser lida de outra forma, como pro exemplo, para repor a verdade recente. Havia uma ditadura, e fomos NÓS nas ruas que a derrubamos! Resistindo, perseguidos por CRIMES DE OPINIÃO, mobilizando todos os setores que queria (e conseguimos!) a volta da DEMOCRACIA!
    O pagamento do Bolsa-Terrorista é mais uma excrescência que só identifica, claramente, um aparelhamento “repositor” (embora nunca soube porque, o que repor!) que “nunca antes neste país, etc”…
    E espero, que também NUNCA MAIS!
    PS: Enviei o link de sua página a uns 300 mails de amigos… Abraços.

  142. BETHS

    -

    27/07/2009 às 11:55

    Belíssimo texto! Lúcido, verdadeiro e corajoso! Enviei para minha lista de amigos. Acho que deveria ser impresso em cartazes e exposto ao público, nas ruas, nas universidades, sindicatos, escolas, repartições públicas…
    Parabéns!!!

  143. JATV

    -

    27/07/2009 às 11:34

    Parabéns Augusto. O seu texto está perfeito. Disse tudo em pouco espaço.

    Ele ajuda a acabar definitivamente com o mito de que a esquerda de Zé Dirceu, Genoino, Dilma, Franklin Martins e tantos outros lutaram pela democracia. Combateram, é verdade, o regime militar, mas não pelo Estado Democrático de Direito. Pretendiam trocar seis por meia dúzia, substituir uma ditadura por outra, ainda mais tenebrosa.

    Já pensou o que seria do Brasil com um governo deles sob o comando de Marighela? Construiriam o tal socialismo sobre uma montanha de milhões de cadáveres, como fez Stalin.

    Agora, sob o beneplácito do “cara”, posam de paladinos da liberdade, postulam milhões de reais em indenizações a custa do suor do povo brasileiro, ficam indignados com as violações dos direitos humanos na época do regime militar e não dizem uma só palavra contra tais violações no regime castrista de Cuba e, o pior de tudo, ainda acreditam que têm condições de transformar o Brasil e o mundo no paraíso terrestre.

  144. Carlos Roberto Lacerda

    -

    27/07/2009 às 11:30

    É isso aí, jovem.
    C.R.

  145. J A Valente

    -

    27/07/2009 às 11:19

    Parabéns!! Visão perfeita. Venceram os verdadeiros democratas. Eles, querem usar a nossa democracia para construir o inferno.

  146. Claudio

    -

    27/07/2009 às 11:16

    Parabens pelo artigo,achei fantástico.

  147. Ingo

    -

    27/07/2009 às 11:05

    Augusto,

    Meus comentários tem sido disparados sem conclusão ou revisão.
    Para se avaliar melhor o que foram os anos de 1963 e 1964, basta ler os jornais de expressão da época.

    Na minha já longa existência nunca vi um esquerdo-marxista que seja verdadeiramente democrático.
    Democracia para eles era a Alemanha Oriental (Republica Democratica ) Cuba, China, Coreia do Norte,
    Como vc definiu queriam implantar um regime muito mais selvagem, brutal e infame do quer foi a revolução dos milicos que se, adotou o AI-5, foi para conter a reação igualmente violenta dos “democratas” que queriam sequestrar a liberdade e democracia, como sequestraram embaixadores, consules e tantos outros.

    O que dá nojo é ver essa gente fingida e mentirosa usufruir de ricos salários e indenizações, pagos pelo sofrido povo brasileiro.

    Figuras como cony, jaguar, ziraldo sempre se beneficiairam das posições assumidas no passado e foram regiamente premiados.

    Como disse alguèm: eles não trabalharam com ideologia, mas como previdência.

  148. Cláudio Leandro Martins

    -

    27/07/2009 às 11:02

    Parabéns pelo texto. Conseguiste sintetizar o sentimento de todos que amam a democracia e abominam o ranço esquerdista dessa turma que se acha acima do bem e do mal. Texto para ser colocado num quadro, para que sempre esteja à vista e nos faça lembrar que o não estamos sozinhos!

  149. Robert

    -

    27/07/2009 às 11:00

    Eu acho que Lulla foi a candidatura possível desses vermes. Controlaram sindicatos, se infiltraram na imprensa e nas universidades, centraram esforços para promover esse pelego fanfarrão à mito. Tiveram que Insistir mais 20 anos até chegarem lá, mas agora aparelharam as estatais e o serviço público. O bufão não governa coisa alguma. O bufão deslumbrado viaja e fala besteiras. Flerta com ditaduras assassinas. O Brasil se aproxima do que há de pior no mundo. José Dirceus e Dilmas governam. Dilma não é a candidata do Lulla e dos pelegos. Dilma é a candidata daquela esquerda raivosa que deseja o fim da democracia no Brasil e agora pretende exercer o poder sem intermediários.

  150. Ingo

    -

    27/07/2009 às 10:54

    continuando;

    A mídia e as universidades têm fabricado a imagem de que os esquerdistas/leninistas queriam a democracia ao reagirem à Revolução de 1964. E isso tem sido aceito pelas novas gerações, sem a necessária avaliação e conhecimento dioqo .

  151. Luiz Alberto A.Vargas

    -

    27/07/2009 às 10:52

    É de textos assim que necessitamos.Parabéns Augusto.Se apenas um anestesiado brasileiro se converter a verdade,já se terá enfraquecido as hostes dos aproveitadores,que tomam o estado de assalto,usando a falácia de uma história mal contada.Pior que a revolução de 64,é esta tomada do estado pela vigarice.Análises como a sua podem despertar nossos jovens para rediscutirmos”quem é quem e quem quer o que”.Obrigado em nome do Brasil que pensa um país saudavel.E nossa esperança de que os vigaristas nos entreguem de volta nosso país e suas instituições.

  152. Ivan Peluso

    -

    27/07/2009 às 10:18

    Parabens Augusto!!! Ah,O Sarney deveria ser processado por formacao de familia,,,

  153. francisco

    -

    27/07/2009 às 10:17

    prezado augusto,

    fui privilegiado na vida. acompanhei a rua maria antonia e nunca acreditei.
    parabéns pelo artigo.

  154. Antonio

    -

    27/07/2009 às 10:11

    Encontrei os estrupados Ziraldo e Jaquar, num buteco no leblon. De porre as pessoas dizem o que tudo, é melhor que choque na bunda. Estavam bem biritas. Até aí tudo bem. Quando entrei fui logo dizendo que o bar estava contaminado
    por safados bebendo com o MEU. Por serem profissionais da vigarice os dois
    fingiram não entender! Eles como abituê do buteco, tinham a preferência.
    Como eu e meus 5 parceiros ( o menor é maior que o Maguila), fui na mesa dos apalermados e repití. O metido a maluquinho, foi logo dizendo que estava na sua
    hora de sair em que foi acompanhado pela figura ébria do metido a engraçadinho.
    Os demais integrantes da mesa socializaram minhas palavras tinham desaparecido antes de eu repetir. Foi muito engraçado, pois o gordo engraçadinho
    estava tão bebado que saiu todo “mijado”, literalmente.
    Os frgueses que honrados por frequentarem a mesma espelunca que os 2
    ladrões, em 2 minutos desapareceram! alem de vagabundos são COVARDES.
    ISTO ACONTECERÁ TODA VEZ QUE ENCONTRA-LOS.
    AGORA É QUE ELES IRÃO CONHECER O QUE É TORTURA.!!!!!!!!!!!!!!

  155. Vanderlei Simionatto

    -

    27/07/2009 às 10:08

    Augusto, você se superou. Está perfeito o seu artigo. O que êles queriam é apenas trocar o comando. Os militares pelos comunistas, socialistas, anarquistas e outros istas, despreparados, agressivos, violentos, que só pensavam em PAREDÓN. Pra esses vagabundos, a burguesia, ou leia-se, a classe média de então (não a de Lula), deveria pagar o pato. Um bando de idiotas e aos quais não devemos absolutamente nada. O Dr. Ulysses merece crédito. A Dilma, Vilma, Vera, ou Vanda, não sei o codinome dessa cretina, só devemos o endurecimento da ditadura. José Dirceu, esse colosso de valentia, foi trocado por um embaixador americano sequestrado, voltou ao Brasil, fez uma cirurgia para mudar a cara e escondeu-se no Paraná. Nem sua companheira, com quem teve um filho, sabia da verdadeira identidade desse fanfarrão e cretino. Esses são os vagabundos que se querem transformar em heróis. Augusto, mais uma vez; perfeito.

  156. Joelma

    -

    27/07/2009 às 10:07

    Suas análises são fantásticas. Que colocações apropriadas e inteligentes… Você é do time dos jornalistas não vendidos como os queridos Reinaldo Azevedo, Mainardi, Noblat, Alon, Lúcia Hippólito entre outros. VALEU!!!!

  157. Sergio

    -

    27/07/2009 às 9:57

    INDESCRITÍVEL! Obrigado por sua clareza e sensatez .

    Abraço,
    Sergio

  158. jorge

    -

    27/07/2009 às 9:47

    É isso aí Augusto Nunes, essa corja que toma conta do país nunca trabalhou e agora são os comunas ricos. Só mesmo no Brasil. Por que eles não abriram mão das indenizações ? Por que o Lula ( que pouco trabalhou na vida) tem várias aposentadorias e não se envergonha disso, já que tanto fala em pobreza? Éssa turma não tem vergonha e acha que está acima do bem e do mal.
    Enfim, os perdedores agora tem o poder ! Não existe um paradoxo, os derrotados são os vitoriosos ?

  159. José Laudir Vefago

    -

    27/07/2009 às 9:38

    Pô!, o cara acorda e logo cedo já se depara com este texto do Augusto. Me junto ao resto dos leitores e aplaudo de pé. Simplesmente definitivo, merece ser encadernado. Ave Augustus!

  160. Rubens

    -

    27/07/2009 às 9:05

    Caro Augusto,

    Parabéns pelo seu texto. A verdade tem que ser dita e mostrada, não se pode deixar que derrotados e desonestos passem a manipular a história desse País.

  161. Ivone

    -

    27/07/2009 às 8:54

    A. Nunes – Fazendo um link deste texto com o da frase de Raul Castro sobre os 50 anos da tomada do quartel Moncada fico pensando como teria sido a minha vida e a de todos os jovens da época, se o ideal dos guerrilheiros tivesse vingado. A nossa geração teria passado 50 anos ,ou seja, quase toda uma vida amordaçada, sob um regime que a maioria não escolheu, como aconteceu com os cubanos. Parece ingênuo, mas esta é uma verdade profundamente sentida :só temos uma vida para viver.

  162. Gustavo Greco

    -

    27/07/2009 às 8:52

    O que mais me enoja nos filhos de Karl Max (comunistas) é a “Senhora” Divergência que há entre o que eles falam e o que fazem.
    Por exemplo, nosso presidente, se compararmos suas ações com os seus discursos enquanto candidato nas eleições passadas.
    No meu ponto de vista, são todos safados e preguiçosos querendo PODER de uma forma mais fácil.

    Continuo aguardando comentários opostos dos que se escondem. Viva a democracia!

  163. Glauter Medeiros

    -

    27/07/2009 às 8:28

    uau, estou todo arrepiado!
    “Eles é que nos devem tudo, a começar pela vida.”
    Congratulações

  164. Fernando

    -

    27/07/2009 às 7:35

    Bravos! Temos que pregar esta em todos os postes do Brasil!

  165. Ulstraman de Merkamel

    -

    27/07/2009 às 7:32

    O que eu mais admiro em você Augusto Nunes, no Reinaldo Azevedo e também no Mainard, são a autoridade moral de vocês em falarem sobre a ditadura .

    Sds.

    Ulstraman de Merkavel de Marinho

  166. Caíque Mateus

    -

    27/07/2009 às 4:46

    Augusto,

    Eu morei em São Bernardo por 5 anos nos anos 90. Nunca conheci NINGUÉM que votasse no PT ou fosse a favor dos sindicatos. E ouvi histórias escabrosíssimas do “período de ouro” da companheirada na cidade. Sempre me pergunto como é possível que nada daquilo seja divulgado.

    Acho fantásticos os seus textos. Pena que o Lula não lê.

  167. f tavares

    -

    27/07/2009 às 3:26

    caro augusto, fiz matrícula na nacional de direito em 1965, convivi como estudante com muitos desses revolucionários e sei bem do que eles gostam… trabalhava e meu emprego dependia de desempenho. por falta de tempo, não pude contestar a movimentação daqueles boas-vidas, que passavam de ano sem fazer provas, transferiam professores exigentes, faziam greve por nota… fui da turma dos marginalizados na faculdade, por uns quatro anos truncados, porque não convivia com os ideólogos do caco, nem saía na porrada pela turma do amorim, outro estudante profissional de quem se dizia ser assalariado da cia. era o prenúncio do que você chama de bifurcação escavada pelo ai-5… na hora do vamos-ver, os (as) malandros (as) passaram a roubar, sequestrar e até matar, para fugir do confronto que, imaginavam, jamais chegaria… mas chegou e fugiram, por diversos meios: terra, mar, ar e goela solta. e os não-engajados, apartados na vida acadêmica, desprezados pelos colegas em plena juventude, estes acabaram por criar as condições para que o país voltasse à vida democrática, que os revolucionários retomassem a vida cívica sem revanchismo, para que pudessem trabalhar normalmente, devolver as identidades que tomaram emprestadas e com as quais enganaram maridos, mulheres, filhos, amigos e vizinhos. mas não reconhecem isso, têm o vigor de molas de aço: a gente tem que manter o pé em cima, senão eles retomam o formato original. e não esqueço que esses camaradas são profissionais, tiveram a cabeça feita, correram da briga, mas sabem como fazer, usam o presidente lula como boneco de ventríloquo…

  168. Ana

    -

    27/07/2009 às 1:31

    Taí, isso é para mostrar que não pode tapar o Sol com o dedo. Mais uma vez, obrigada.brç.

  169. João de Souza

    -

    27/07/2009 às 0:59

    Parabéns pela lucidez, caro Augusto Nunes.

    São profissionais como você, Reinaldo Azevedo e Diogo Mainardi, quem estão revivendo, na imprensa, o brilhantismo da retórica e a honestidade moral de um Cláudio Abramo (infelizmente, já finado. Não esse aí de agora).

    Deus o Abençoe e Proteja !

  170. inaldo duprat

    -

    27/07/2009 às 0:21

    Prezado Augusto Nunes
    Além de ir ao ponto, vc colocou pingo nos is.
    Infelizmente, no momento, quem os elege, não lê jornal, mas se limpa com ele.
    Um dia isso muda. Nada é para sempre.
    Um abraço

  171. J.B.CRUZ

    -

    27/07/2009 às 0:20

    Prezado:Nunes..Um depoimento de quem viveu aquele tempo….
    Tenho 60 anos e alguns dias atrás um jovem vizinho me falou sobre seus sonhos de um Brasil honesto,trabalhador,gigante,com fronteiras definidas na Amazônia,com um governo sério,em que políticos corruptos fossem cassados e tudo e tudo mais que também nós-com exclusão dos comunistas-sonhamos..Como nosso jovem só tem 18 anos,não vivenciou a Epopéia que começou em março de l964,quando a Igreja Catolica promoveu a ¨marcha da família com Deus pela liberdade¨, reunindo centenas de milhares de adeptos-em todas as capitais e cidades maiores-contra o governo Jango e a ¨comunização¨do Brasil..Com o Brasil ameaçado e esse apoio popular imenso,os militares tomaram o poder,cassaram mandatos de políticos corruptos e de vendidos à União sovietica,Cuba etc…E colocaram ordem na casa..Em pleno êxodo Rural (no mundo todo) deram pleno emprego para os pobres,os salários dispararam e a grande massa da população pôde comprar seu lote e construir seu barracão,se sentindo inseridos na sociedade..O governo militar(ou ditadura,se quiserem),acabou com os bandidos que explodiram uma bomba no Aeroporto Guararapes e vários outros atentados,que assaltavam bancos e lojas,assassinando quem lhes resistia,contrabandeando armas,matando militares e policiais(como os bandidos de hoje fazem)..Como o governo os esmagou,sem opções,começaram a raptar embaixadores-prometendo matá-los cruelmente-para libertar colegas presos,assassinaram friamente ex-colegas que sentiram o vazio que é o comunismo..Vencidos e sem rumo,acabaram indo às T.Vs e se arrependendo publicamente dos seus atos..Depois de derrotar os comunistas, o Brasil que crescia a olhos vistos,o governo militar,magnânimo,os anistiou,pois eram jovens e não sabiam a dimensão dos seus atos criminosos ao tentar entregar o Brasil para as ditaduras de Cuba e união Soviética…Foi criado o MO.BR.AL..Movimento Brasileiro de Alfabetização para Adultos,o ensino avançou demais em todos os níveis:foi criado o funrural para dar aposentadoria a mais de 8 milhões de velhinhos desamparados:o IDH do Brasil foi o que mais cresceu no mundo nesse período:a criminalidade como foi dito,foi esmagada,a segurança e confiança individual e coletiva prevaleceram..Os militares conseguiram fazer a infra-estrutura do Brasil,com mais de 70 mil quilômetros de rodovias asfaltadas e recuperadas, aeroportos, estádios, hospitais,viadutos,pontes,escolas,portos,canais,túneisferrovias,hidroelétricas,telecomunicações e tudo o mais que um governo sério e patriota deve fazer..Sem essa corrupção de esquerda que vemos hoje.. Criou a EMBRAPA que,com suas pesquisas,conseguiu aproveitar o inútil cerrado brasileiro e assim encaminhar o Brasil para ser o maio produtor de alimentos do mundo..Então apesar das duas crises mundiais do petróleo,o Brasil pulou de 42a.economia do mundo para a 8a..Começou a ocupar a Amazônia racionalmente,com as rodovias-Transamazônica(no sentidoLeste-Oeste),a Porto Velho-Manaus-Boa Vista(sentido Norte-Sul)e a perimetral Norte,que definiria a ocupação do Norte do Brasil,perto das fronteiras,pois o lema era Ïntegrar para não Entegrar¨Esse progresso e avanço só pararam com a crise mundial do ¨Setembro Negro de l.982¨,que foi pior que a quebra da bolsa de l.929 e o mundo todo entrou em parafuso.Então vencida a batalha contra os comunistas,os militares entregaram o poder aos civis e se retiraram para a caserna com a sensação do dever cumprido(Obs>Não sou e nunca fui militar). Esse Brasil de progresso,segurança e honestidade existiu,mas agora é execrado por estes,duas vezes criminosos,tanto naquela época como atualmente,por omitir e mudar uma verdade que existiu,para os jovens…Obrigaado Augusto Nunes …

  172. Rodrigo

    -

    26/07/2009 às 23:47

    Com o devido distanciamento histórico, podemos perceber mais claramente os discursos, os movimentos, os desbundes dos anos de chumbo. Havia naquele época lideranças honestas, e outras perversas, mascaradas e manipuladoras. Todas confrontando o mundo de então, com várias ideologias, filosofias etc e etc.
    Muitos perderam a vida para provar que tinham razão. Uns sobreviveram por bravura, outros por evidente canalhice. Os que fazem parte desse último grupo, estão desfrutando das bênçãos do poder sem os devidos agradecimentos para com aqueles que resistiram sem “colaborar”. E ao menos prestar contas ao povo brasileiro. Contra eles devemos levantar nossa cólera.
    Aindo hoje, a democracia é uma palavra de difícil assimilação no seu verdadeiro significado.
    Está longe da classe política brasileira valorar os ensinamentos de Montesquieu, Voltaire, Marx, Rousseau, Aristóteles,Lassalle, Maquiavel, Baccaria entre tantos nomes que construiram a base de sustentação de sociedades melhores.
    E tudo o que foi construido de razoável nesta selva brasileira se perderá novamente com os mesmos imbecis, que, ululantes brincam de donos do poder. Agora eles tem ajuda de um glutão voraz deslumbrado com a carne seca servida.

    Em tempo, não podemos esquecer que o mensalão e outras falcatruas estão sem total esclarecimento, assim como as mortes dos prefeitos do PT no interior de São Paulo. Não falta mais nada para eles!

  173. Titus Petronius

    -

    26/07/2009 às 23:42

    Enquanto isso..
    Para Carlos Heitor Cony, a democracia corre risco devido à “onda moralista que a mídia desencadeou contra o Senado e em especial contra determinado senador “. Isso que está aí foi publicado hoje pela Folha de S.Paulo, o maior (apenas em tiragem, claro) jornal em circulação no país. Seria o caso de cortar a mesada do senhor Cony (aquela de vítima da ditadura) e não renovar a assinatura do jornal, o mesmo que insiste, por meio de seus colunistas que não leram a constituição de Honduras, que o que houve naquele país foi um golpe. É tudo culpa do clima. Se fizesse sol em Sampa, eu não passaria parte do domingão em casa a ler jornais vagabundos…

  174. Marcelo

    -

    26/07/2009 às 23:34

    Ótimo texto, merece uma primeira página de jornal.

  175. Heli Roberto da Silva

    -

    26/07/2009 às 23:00

    Augusto, este seu texto é um daqueles em nunca deveriam sair do topo da página no blog.Assim como aquele em que discorreu sobre os advogados de Suzana Richthofen é um texto primoroso.Sabe qual o único problema?Nós perdemos a vergonha na cara, ou melhor a poucos é dado o direito de, ainda, se envergonhar…uma pena…
    Heli Roberto da Silva
    Formiga -MG

  176. Leninha

    -

    26/07/2009 às 22:19

    Caro Diocleciano das 21:34,

    Não sei a opinião do Augusto Nunes, mas, dos filhotes da ditadura, como vc bem lembrou, não se espera(va) nada.
    O duro é quando o golpe vem de onde não se espera. Vc poderia imaginar que essa turma, ora no poder, fizesse o que faz?! Estão se lixando para os operários, para a fome, para o pessoal da roça, etc,etc. O que vale para eles é o poder, não importando o preço a ser pago.

  177. Memyself

    -

    26/07/2009 às 22:16

    Parabéns, de novo. Mais um texto excelente e lúcido.

  178. Sergio Maia

    -

    26/07/2009 às 22:05

    Comentario lucido e reflete exatamente o que os brasileiros que trabalham para sustentar esses vagabundos que vem saqueando o Brasil, em nome de uma guerra que eles entraram por livre vontade e que perderam, nao aguenta mais sustentar.

  179. Valquíria B.

    -

    26/07/2009 às 22:05

    Augusto,

    parabéns pelo texto. Vc consegue expressar de forma clara o que todos nós pensamos a respeito dessa doença infantil que é o esquerdismo; e, parece que quem é acometido por ela, permanece imaturo em certos aspectos, porém com sérias distorções de caráter. A esperteza safada é uma delas.
    Saudacões democráticas.
    Abraços

  180. jvboas

    -

    26/07/2009 às 21:44

    Análise brilhante. Parabéns.

  181. Felipe Flexa

    -

    26/07/2009 às 21:42

    Um texto exemplar. Um ponto final nesta discussão. É pra recortar e colar na parede.

  182. Augusto Nunes

    -

    26/07/2009 às 21:40

    Caro Ixmael: a casa é sua. não tenha dúvida. Pra mim, é um prazer conviver com gente como você. Vamos lá. Além do “Minha Razão de Viver – Memórias de Samuel Wainer”, escrevi um livro sobre o escândalo do mensalão. O título é “A Esperança Estilhaçada” e foi editado pela Planeta no fim de 2005. Estou escrevendo outro para a mesma editora, sobre Jânio Quadros e sua época. Sai no começo de 2010. Recebi convites interessantes para reunir em livros os textos publicados aqui e em outras seções da coluna (Baú de Presidentes e Sanatório Geral, por exemplo). Ainda estou conversando, mas alguma coisa sai ainda neste ano. Grato pelo interesse.
    abraços,

  183. Leopoldo Dogher

    -

    26/07/2009 às 21:38

    Muito bom, parabéns.
    Só um adendo: já naquela época havia os que lutavam pela “causa” por um único motivo: grana, muita grana. Teve gente ali que saiu ganhando uma nota, nem precisou esperar pela Bolsa Ditadura.

  184. DEMOCRATA

    -

    26/07/2009 às 21:38

    Augusto Nunes
    Parabéns! Leio sempre seus textos lúcidos e inteligentes. Mas neste você se superou!! Colocou tdos os pingos nos “i” e cada macaco no seu galho. Disse o que muita gente sabe, omite e não tem coragem de dizer! Precisamos de jornalista como você, IMPARCIAIS mesmo. Doa a quem doer! É notório que a esquerda queria mesmo era a substituição de uma ditabranda, por uma, esta sim, DITADURA. Até mesmo quem participou, como Flávio Tavares, no seu livro MEMÓRIAS DO ESQUECIMENTO, afirma que os jovens eram simples bucha de canhão ou peças de reposição!! Mas quem diz isto hj é reacionário né? Bom isto é o que a esquerda afirma e os idiotas concordam de cabeça baixa.

  185. Diocleciano

    -

    26/07/2009 às 21:34

    É…Qualquer Regime que não respeite as liberdades individuais é condenável.
    Mas o que dizer de políticos que “nasceram, cresceram e engordaram durante o Regime”, como disse certa vez o Brizola, e que agora “pousam” de Democratas?
    Gente como: Paulo Maluf, Sarney, Agripino Maia, Marco Maciel, Jorge Bonhousen, entre outros, todos “filhotes da Ditadura”. Agora se dizem Democratas. E então Augusto, devemos acreditar que esse pessoal é democrático?

  186. Fabio

    -

    26/07/2009 às 21:34

    Essa mentira fraudulenta de que lutaram pela democracia ainda exigirá muito trabalho para ser desmascarada. Quando José Dirceu chamou Dilma de “Companheira de armas” ele repetiu esta farsa, Quis dizer que ele também lutou de armas na mão. é mentira!!! Dilma agora faz questão de dizer que não pegou em armas coisa nenhuma. São todos uns farsantes.
    Um amigo que participou de uma destas organizações me contou um dia, depois de umas doses a mais, que um dos grandes ideólogos da guerrilha atirava muito mal. Eles nem sabiam atirar direito, eram intelectuais, estudantes mauricinhos e outros aproveitadores que estão aí hoje posando de heróis mas que foram fragorosamente derrotados por quem além de ter armas, sabia como usa-las.
    Quando estes valentes resolveram pegar em armas, acharam que estavam brincando de Sierra Maestra. Eles são uma fraude e hoje a sua luta consiste em manter esta história falsa. Trata-se de uma luta inglória destinada a mais uma derrota.

  187. Ixmael

    -

    26/07/2009 às 21:18

    Mesmo sendo meio que recente por aqui,
    já me sinto mais do que em casa (achei
    o meu lugar sem ter que procurar muito).
    E indago : sua lavra já deu origem a algum
    livro ? Munição para tal está sobrando.
    Se houver, por favor indique-nos. Se não ….
    estou no aguardo da publicação. Obrigado
    e um forte abraço.

  188. Antonio Machado

    -

    26/07/2009 às 20:58

    Prezado Augusto,

    O dicionário Aurélio define gigolô como aquele que vive às custas de outrem. Um outro nome popular para isto é “boquinha”. Boquinha significa arrumar alguma sinecura lastreada nos cofres públicos, o que permite aos beneficiários uma confortável existência sem qualquer trabalho produtivo de contrapartida. É um vício incurável, pois assim pode ser considerada esta prática herdada do patrimonialismo lusitano e que sofre as naturais metamorfoses que os tempos vão permitindo. O sonho clássico de consumo, em termos de “boquinhas”, era conseguir o domínio de um cartório, uma igreja ou um prostíbulo. O único esforço do favorecido seria a posse da caixa registradora, diuturnamente alimentada pelo suor e a fé de outrem, ou pelas inúteis exigências burocráticas de quantas são inventadas no dia a dia. A criatividade dos gigolôs permitiu, agora, a introdução de um outro conceito para a tradicional “boquinha”: o de bolsa-ditadura para a companheirada de índole totalitária. Arraigada nos costumes e no imaginário social, com efeito, a “boquinha” da bolsa-ditadura é a ambição prevalecente nos profissionais da revolução política que habitam entre nós.

    A cansativa polêmica sobre a anistia (e seus vínculos, ou ausência deles, com a tortura do regime militar), talvez, possa ser compreendida como mecanismo de pressão para que sejam abertos os cofres do tesouro. Afinal ainda há muitos para receber o que acham ser seu “direito”. A polêmica é o bode dentro da sala. Em termos lógicos não há como evitar a comparação entre tortura e terrorismo. Ou alguém consegue justificar ameaças de explosão a aviões, seqüestros, assaltos a bancos e a, até, inocentes padarias, como atos revolucionários legítimos, principalmente quando se sabe que seus autores pretendiam, de fato, implantar a ditadura do partido único e, não, lutar pelo restabelecimento de valores democráticos? Veja-se que as posições doutrinárias do próprio PT (muito posteriores aos anos de chumbo e às teses de grupos políticos francamente defensores da guerrilha), já sinalizam para a defesa do voluntarismo, da violência e da ditadura como meios e a escatologia como fim. Basta ler textos da lavra de Tarso Genro e José Genoíno que isto ficará claro para os que querem ver.

    Em função disto, não precisam as autoridades militares, ou judiciárias, ficar preocupadas com eventuais desdobramentos políticos da nova guerrilha capitaneada por Vanuchi e outros. Nada, nenhum revanchismo há nisto. O que eles querem está ao alcance das mãos e só depende do Ministério da Fazenda. Querem, mesmo, só a simples e proverbial pecúnia. Nada mais. Como bem disse Vavá: – “dá dois paus p’ra eu!” A eles, portanto, as batatas, ou os dois paus! Isto é tudo que pretendem.

  189. Robert

    -

    26/07/2009 às 20:36

    O texto é um basta a tudo isso que está aí. É um marco no jornalismo. É o texto da virada.

    Espetacular!

  190. Nelson Santana

    -

    26/07/2009 às 20:26

    Tenho orgulho de ser seu leitor. Aqui me parece ser o unico, ou um dos poucos lugares da Imprensa onde se fala a verdade onde nao se tenta iludir o idiota povo brasileiro. É um alento saber que existam jornalistas assim, como vc e como o Diogo Mainardi. Não vao mudar muita coisa pois a Imprensa no Brasil está a serviço da Quadrilha Petralha, e com isso e por outras Bolsas, o Petelhismo vai continuar no amado país.Mas um dia isso muda, ah se muda! Parabens pela sua coluna.

  191. Ricardo Magalhães

    -

    26/07/2009 às 20:23

    Prezado Augusto, sua coluna a respeito dos esquerdistas realmente superou tudo o que já se falou. Voce traduziu nosso pensamento, colocou-o em palavras claras e objetivas. Parabenizo-o pela argúcia e inteligência.

  192. H. B. J

    -

    26/07/2009 às 20:17

    Augusto:

    Bravo, Bravíssimo,texto impecável.
    Estes burgueses nojentos ,asquerosos,não podem passar pela vida sem serem punidos pela justiça dos homens ou divina
    Estes senhores é que formam a ELITE DA CANALHOCRACIA NACIONAL
    Tem também os de batina ,não podemos esquecer deles,um esta no gabinete do nosso presidente, ele sabe quem matou o Celso Daniel,estes piranhas de batina são os piores,manipulam os MOVIMENTOS SOCIAIS,ai tem uma podridão que até Deus duvida
    Graças aos MOVIMENTOS SOCIAIS e a covardia das oposições não teve o impedimento do sr LuLLa em 2005.
    Algum dia teremos de enfrenta los ou a nação sucumbirá.
    Já passou da hora de reagirmos
    Parabéns pelo cristalino texto.
    Abraço

  193. marcos

    -

    26/07/2009 às 19:58

    Como se nao bastasse a razão, mais um belo texto.

    Arrepiou!

    MAM

  194. LIMA

    -

    26/07/2009 às 19:56

    NUNES.
    PARABENS, A COLUNA É ÓTIMA E REPRODUZ TUDO QUE NÓS QUEREMOS DIZER, MAS NÃO SABEMOS COMO FAZER. UM JORNALISTA DE SUA ESTIRPE COLOCA ESSE VIGARISTAS DA ESQUERDA, QUE ESTÃO MAMANDO NO GOVERNO E NO PAIS, NOS SEUS DEVIDOS LUGARES. MAS, PRECISAMOS FICAR ALERTAS, POIS ESSA GENTE ESTA LOUQUINHA PARA NÃO DEIXAR O PODER, A EXEMPLO DE CHAVES, EVO, CORREA E AGORA O MALANDRO ENXOTADO DE HONDURAS. VOCÊ DISSE TUDO, ELES NOS DEVEM A VIDA, MAS É PRECISO QUE ELES A CONSERVEM, POIS NÃO EXISTE DUAS.

  195. José de Araújo Madeiro

    -

    26/07/2009 às 19:33

    Augusto.

    Viver em sociedade faz parte da civilização humana, há cerca de 15 mil anos.
    Aprendemos que para conviver em sociedade, há necessidade de regras, para conter os vândalos e os libertinos. A perfeição humana é inconcebível. Há regras para escola, para o trabalho, para festas, numa escola de samba, num foro da justiça, etc. Somente os democratas as respeitam, por entenderem o dever de conviver entre os contrários e ajudar os desvalidos.
    Mas a esquerda escocesa querendo fazer toda humanidade de otária, vivem pregando essas peças, não só das libertinagem mas das corrupções. Quem diria, o Lula justificando as safadezas do Sarney, heim?
    Mas como nos disse um amigo, que todo comunista inteligente é um patife; todo comunista honesto é um burro de carga e todo homem inteligente e honesto jamais é um comunista. Este sim sabe respeitar o direito dos seus semelhantes.
    Att. Madeiro

  196. berlatto

    -

    26/07/2009 às 19:27

    Concordo plenamente com o leitor Salomão Cohen, resumiu com perfeição o que é ser esquerdista. Acrecento mais. Alem de serem imaturos psicologicamente são tambem medíocres culturalmente e provavelmente perderam o senso crítico passando por lavagem cerebral de algum ideólogo veterano do PC. Ideologias? são uma porcaria! Independente de ser de esquerda,direira, centro! Mesmo a crença religiosa quando não exercida pela racionalidade se torna fanatismo, e aí, vemos atrávés da história o que foi feito e nome de pseudas ideologias. Portanto meu caro Augusto para mim o que vale é bom senso, racionalidade, democracia e estado de direito, o resto é discurseria ideológica dessa cambada de aproveitadores que se apoderaram do estado brasileiro com empregos e indenizações vergonhosas. Seu texto, deveria ser matéria obrigatoria nas escolas e universidades. Obrigado, pela sua lucidez. Abraços.

  197. Mané

    -

    26/07/2009 às 19:23

    Vivi aqueles anos e tenho a firme convicção de os esquerdistas não lutavam para implantar a democracia conhecida, mas a democracia deles, a da República Democrática da Alemanha, a comunista, p. ex.
    E ainda ganham bolsa ditadura paga pelos nossos impostos.
    A verdade é que teríamos uma ditadura cubana no Brasil. O resto é cinismo puro.
    Sua matéria enfiou o dedo na ferida.

  198. Paulo Henrique

    -

    26/07/2009 às 19:11

    Excelente texto. Destrói o mito de que desejavam a democracia e a liberdade no Brasil. E mostra a hipocrisia daqueles que hoje ocupam o poder administrativo do Estado, posando de heróis da pátria. Um trecho:

    “O comportamento e a discurseira dos dirceus, genoínos, dilmas, palmeiras, garcias, tarsos ou vannuchis confirmam: passados tantos anos, estão prontos para errar de novo. Depois de aparelharem o Estado, tentam a eternização no poder e vão forjando alianças com o que há de pior na vizinhança. Se não roubam , associam-se a ladrões. Se não matam, tornam-se comparsas de homicidas”.

  199. Clausewitz

    -

    26/07/2009 às 19:02

    Estimado Augusto, perfeito seu texto. Sem medo de errar, afirmo ter sido o melhor que eu já li abordando assunto tão sensível. Aproveito para propagandear meu novo blog, que já o tem como leitura recomendada e que muito me honraria tê-lo como visitante. Fraterno abraço.

  200. Augusto Nunes

    -

    26/07/2009 às 18:55

    Paulo, meu parceiro de sempre,
    teu comentário me me fez lembrar que o Franklin Martins não aparecia na relação de nomes do texto. Já incluí. Quanto aos jornalistas do Bolsa-Ditadura, você leu o que escrevi sobre eles. Vou voltar ao tema.
    um abraço.

  201. PAULO BOCCATO

    -

    26/07/2009 às 18:53

    FALE DOS JORNALISTAS MILIONARIOS
    COM A ‘BOLSA DITADURA’ E DE QUANTAS MATERIAS TIPO
    “JOGO DE VOLEY” FORAM ENCOMENDADAS AOS MEDALHOES DO JORNALISMO EM REDAÇÕES MIL, JORNAIS AOS MONTES, FOLHAS A FORA !!!!

    EU ACREDITO NA LIBERDADE DE IMPRENSA NA DEMOCRACIA…EU NÃO ACREDITO É NA IMPRENSA DOS JORNALISTEIROS (COM RARAS E NOBRES EXCEÇÕES) DO BRASIL QUE USAM DESTA PARA DOUTRINAR E DISTORCER FATOS E A OMITIR NOTICIAS EM NOME DA IDEOLOGIA QUE CONTAMINA REDAÇÕES !

    É PRÁ ISTO A LIBERDADE DE IMPRENSA ?

    CADÊ A NOTICIA ISENTA ,IMPARCIAL DOA A QUEM DOER QUE TAVA AQUI, PERGUNTO AOS JORNAIS E JORNALISTAS?

    JÁ SEI !

    O FRANKLIN COMEU, MAS FOI A PETEOBRÁS QUEM PAGOU…QUE NÃO “LANCHOU” É PORQUE, TROUXA, PASSA “FOME” EM NOME DA “CAUSA” !!

    AOS POUCOS JORNALISTAS SERIOS E HONESTOS DESTE MEIO (ENTRE ELE TÚ AUGUSTO) OS MEUS SINCEROS RESPEITOS !

    PAULO BOCCATO

  202. Salomão Cohen

    -

    26/07/2009 às 17:47

    O esquerdista autêntico (autêntico porque há muitos esquerdistas simplesmente aproveitadores) é um imaturo psicologicamente falando.

    Esta falta de planejamento, ou a facilidade com que são manobrados, mostra claramente isso. Converse com um esquerdista convicto que você logo o deixa num “beco sem saída lógico” de sua ideologia.

    Não são realistas. E este é o principal problema deles: são inconseqüentes.

    Um abraço, Augusto. Sua coluna é leitura diária obrigatória!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados