Blogs e Colunistas

26/07/2009

às 16:39 \ Direto ao Ponto

Nenhum de nós lhes deve nada. Eles nos devem tudo, a começar pela vida

PUBLICADO EM 26 DE JULHO DE 2009

“Ainda bem que a gente não chegou ao poder: se isso acontecesse, teria de devolver no dia seguinte”, disse Vladimir Palmeira, em maio do ano passado, num debate entre veteranos de 1968. “A gente sabia muito pouco, não tinha preparo para governar país nenhum”. Certíssimo. “A gente não tinha nem mesmo um projeto de poder”. Errado. Os comandantes do movimento estudantil (e, sobretudo, seus mentores na clandestinidade) tinham um projeto, sim. Tão claro quanto perverso: substituir a ditadura militar pela ditadura do proletariado.

Quem não tinha projeto de poder era a “massa de manobra”, como se referiam os chefes à multidão de jovens ingênuos, generosos, anônimos, que repetiam palavras-de-ordem cujo real significado ignoravam e cumpriam ordens e instruções vindas de cima. Os soldados rasos lutavam pela liberdade. Os comandantes planejavam suprimi-la. O rebanho sonhava com a ressurreição da democracia. Os pastores queriam muito mais,  confirma Daniel Aarão Reis, ex-militante do MR-8, ex-exilado e hoje professor de História na Universidade Federal Fluminense.

“As esquerdas radicais não queriam restaurar a democracia, considerada um conceito burguês, mas instaurar o socialismo por meio de uma ditadura revolucionária”, fala de cadeira Aarão Reis, principal ideólogo de uma dissidência do PCB que desembocou no MR-8. “Não compartilho da lenda segundo a qual fomos ­ o braço armado de uma resistência democrática. Não existe um só documento dessas organizações que optaram pela luta armada que as apresente como instrumento da resistência democrática”.

Recrutados na massa de manobra, os alunos dos cursinhos intensivos de revolução ainda estavam na terceira vírgula de O Capital e no quinto parágrafo de um palavrório de Engels quando descobriam que desistir da aula semanal era crime sem perdão. “Ele desbundou”, desdenhavam os mestres de qualquer discípulo sumido. Meia dúzia de panfletos de Lenin depois, os aprendizes descobriam que se haviam tornado oficiais do exército mobilizado para sepultar o capitalismo e conduzir o povo ao paraíso comunista.

Muitos se diplomavam sem sequer desconfiar da grande missão. Mas gente como Vladimir Palmeira tinha idade e milhagem suficientes para saber que perseguia um regime ainda mais selvagem, brutal e infame que o imposto ao Brasil. Conviviam com tutores de larga milhagem. O sessentão Carlos Marighela, por exemplo, ensinava aos pupilos da ALN a beleza que há em “matar com naturalidade”, ou por que “ser terrorista é motivo de orgulho”. Deveriam todos orgulhar-se da escolha feita quando confrontados com a bifurcação escavada pelo AI-5.

A rota certa era a esquerda, avisavam os que jamais tinham dúvidas. Passava pela luta armada e levava à luz. A outra era a errada. Passava pela rendição vergonhosa e levava à cumplicidade ostensiva com os donos do poder. Ou, na menos lamentável das hipóteses, aos campos da omissão onde se amontoavam desertores da guerra justa. A falácia foi implodida pelos que se mantiveram lúcidos, recusaram a idiotia maniqueísta e percorreram o caminho da resistência democrática.

Estivemos certos desde sempre. Desarmados, prosseguimos o combate contra quem os derrotara em poucos meses. Enquanto lutávamos pela destruição dos porões da tortura, eles se distraíam em cursinhos de guerrilha ou no parto de manifestos delirantes. Estavam longe quando militares ultradireitistas tentaram trucidar a abertura política. Só se livraram do cárcere e do exílio porque conseguimos a anistia, restabelecemos as eleições diretas e restauramos a democracia. Nós vencemos. Eles perderam todas. Alguns enfim conseguiram tornar-se contemporâneos do mundo ao redor. Quase todos permaneceram com a cabeça estacionada em algum lugar do passado. E voltaram com a pose dos condenados ao triunfo.

Fantasiados de feridos de guerra, os sessentões de 68 se apropriaram de indenizações milionárias, empregos federais, mesadas de filho mimado. Com a velha arrogância, seguem convencidos de que quem está com eles tem razão. Passa a fazer parte da tropa de elite formada por guerreiros a serviço das causas populares. Quem não se junta ao bando é inimigo do povo, lacaio dos patrões, reacionário, elitista, golpista vocacional. O comportamento e a discurseira dos dirceus, franklins, dilmas, genoínos, palmeiras, garcias, tarsos, vannuchis e o resto da turma confirmam: passados tantos anos, estão prontos para errar de novo. Infiltrados no governo de um presidente que não lê, não sabe escrever, merece zero em conhecimentos gerais e faz qualquer negócio para desfrutar do poder, eles aparelharam o Estado e vão forjando alianças com o que há de pior na vizinhança para eternizar-se no controle do país. Se não roubam , associam-se a ladrões. Se não matam, tornam-se comparsas de homicidas.

Sequestradores da liberdade e assassinos da democracia jamais deixam de sonhar com o pesadelo. Não têm cura. Nenhum democrata lhes deve nada. Eles é que nos devem tudo, a começar pela vida.

Share

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

202 Comentários

  • Kitty

    -

    10/7/2012 às 0:46

    Meu querido Augusto,
    Mais um texto para guardar para sempre, falta-me um adjetivo original, algo diferente para defini-lo, para quem já leu muitos de seus textos e sempre pensando que o último era sensacional,mas pelo visto, há outro que supera com louvor o anterior….um texto para ler devagar, sem pressa curtindo cada línea e acompanhando com a emoção in crescendo, todas as verdades ditas com coragem.Caro Augusto, neste texto você consegue passar ao leitor, neste caso a mim, toda a sua emoção fazendo que eu sinta a mesma repulsa pelos personagens que desfilam no texto. Um texto que é uma ode a Liberdade e a Democracia!
    Escrevendo e recordando uma época que, também, na Argentina, país no qual morei por alguns anos, um grupos de jovens idealistas inspirados na revolução cubana lutaram contra a ditadura militar e muitas pessoas ansiosas de ver a democracia restaurada, com uma imprensa livre e a liberdade de escolher os seus representantes legítimos para dirigir o destino do seu país, se iludiram que estes jovens o conseguiriam. Mas, a mascara caiu quando os pseudo- paladinos não estavam nem um pouco interessados na democracia, que no conceito deles a democracia era coisa de burguês, mas queriam impor na Argentina a pátria sindicalista e o comunismo. Como você, querido Augusto, pode apreciar nos dois países só mudaram os nomes dos personagens.
    Com a sua permissão faço minhas as últimas três líneas que achei muito significativas; “ Não tem cura. Nenhum democrata lhes deve nada. Eles é que nos devem tudo, a começar pela vida”. …
    Um belo e emotivo texto que conseguiu me emocionar….emocionar sim, até as lágrimas! Você é um grande democrata e fiel aos seus princípios e convicções que o acompanham desde a tenra juventude, e o tempo não conseguiu lhe fazer mudar…..
    Um abraço, caro Augusto
    Kitty

  • Virgilio Braga

    -

    8/7/2012 às 9:45

    Escrito há três anos, continua atual e, pior, soando como vaticínio a nos apavorar. Aqui no estado do Rio de Janeiro toda a canalha que se locupleta com os gestores do estado e o empresariado corruptos e corruptores (vide Sérgios, Paes e Cia.) busca se (re)eleger alegando proximidade com o maldito PT. São Paulo ainda é uma incógnita, graças a Deus e a mentores como vocês de Veja.

  • Arnesto-aquele do brás

    -

    7/7/2012 às 20:49

    Gustao: se derem um purgante forte,mas forte mesmo,ao Lula do tipo de cereja purgativa que os irmaos Maristas,em colégio interno em que eu estudava nos faziam tomar uma vez ao ano, a cabeça de dito cujo apedelta murcharia de dar dó,e seguramente nos deixaria em paz,nunca mais se metendo na política brasileira.

  • NENNO G.

    -

    7/7/2012 às 8:07

    Uma coisa que sempre me fez pensar, é na tal festejada
    “ditadura do proletariado”. Nunca em lugar nenhum do
    mundo um trabalhador pobre, teve posição de mando.
    Tanto no capitalismo, como no comunismo, pobre não
    tem vez. Por um simples motivo. Se é pobre, é porque
    não é esperto bastante. Se fosse, seria rico.
    Não sendo esperto, jamais vai mandar em alguma
    coisa. Os que se aproveitam da situação e se dizem
    lideres de trabalhadores, de estudantes ou de outras classes qualquer, na verdade so querem o poder e enriquecer, apenas isso, pobre é massa de
    manobra. O lula é o exemplo mais (mau) acabado disto.
    Portanto não ha ditadura do proletariado. O que ha é
    a ditadura dos que se dizem seu lideres.
    Dai, meus colegas de pobreza, vamos é rifar estes
    safados do nosso meio.

  • http://twitter.com/_kika25

    -

    7/7/2012 às 2:15

    Puxa, até q enfim, né? Qtos anos vc levou p/ conseguir dizer a verdade sobre esse período q, ainda, permanece nebuloso e à espera de uma corajosa matéria de Veja!
    bj!

    Escrevo sobre esse tema com frequência. Tratei disso pela primeira vez em 1987, quando diria a sucursal do JB em São Paulo. Nunca mais parei.

  • anticorruptos e anticorruptores

    -

    6/7/2012 às 15:06

    Prezado Augusto Nunes, parabéns por este post tão esclarecedor!
    .
    Trecho fantástico:
    “(…) O comportamento e a discurseira dos dirceus, franklins, dilmas, genoínos, palmeiras, garcias, tarsos, vannuchis e o resto da turma confirmam: passados tantos anos, estão prontos para errar de novo. Infiltrados no governo de um presidente que não lê, não sabe escrever, merece zero em conhecimentos gerais e faz qualquer negócio para desfrutar do poder, eles aparelharam o Estado e vão forjando alianças com o que há de pior na vizinhança para eternizar-se no controle do país. Se não roubam , associam-se a ladrões. Se não matam, tornam-se comparsas de homicidas.(…)”
    .
    Abração, amigo.

  • Victor

    -

    5/7/2012 às 19:10

    “Não passaram, e NÃO PASSARAM NUNCA”

  • Newton Eduardo Sant´Ana

    -

    5/7/2012 às 18:22

    Lutaram, segundo eles, contra uma ditadura que teve de recrudescer face à necessidade de combater às marionetes de Casto e amigos do louco Guevara.
    Hoje no poder, se aliam ao comandante dos chefes do narcotráfico, tentam fazer revolução armada e desrespeitam a soberania de País vizinho.
    São anjos caídos que estão a caminho de implantar no Brasil a ditadura do proletariado que na verdade é o proletariado se esfalfando, o povo em geral passando fome, os inimigos fuzilados e eles comendo chocolate e champagne importados.
    Quem poderá nos socorrer?
    Newton

  • DAVY CESTARI VINAUD

    -

    5/7/2012 às 15:46

    Excelente artigo, se tivessem conquistado o poder, seriamos uma Corea do Norte. cuba e com certeza estariamos na ruína.

  • francisco

    -

    4/7/2012 às 18:55

    Esse texto diz tantas verdades que dá pena dos brasileiros que ainda acreditam nessa caterva que domina o país atualmente.E ainda temos que aguentar o Mante(i)ga(sic) dizer que aplicar 10% do PIB na educação vai quebrar o país.Não existe melhor investimento.E o dinheiro gasto com a roubalheira,com o aparelhamento do estado, empregando milhares de “cumpanheiros” como aspones não faz falta ao país?

  • catson aruak

    -

    4/7/2012 às 18:09

    Desde quando este texto brilhante foi escrito em 2009, até hoje a situação piorou muito.
    Elles desavergonharam-se totalmente e agora está valendo tudo.
    Só se o povo acordar, coisa que nunca fez e nem quer saber disso: adora novela.

  • RUBENS JACYZIN

    -

    4/7/2012 às 16:05

    PALMEIRA ESTA CERTO!QUERIAM INSTALAR UMA DITADURA MESMO!FORAM PARA CIMA DOS MILITARES QUE NA VERDADE ERAM DEMOCRATAS!DEU NO QUE DEU.AGORA FICAM PISOTEANDO OS MILITARES!ATÉ QUANDO.NÓS BRASILEIROS APESAR DE DESARMADOS NÃO TEMOS MEDO DO TAL CHAVES NÃO!ACORDEM ANTES QUE SÊJA TARDE! DEPOIS MAIS UMA:A UNE DAQUÊLE TEMPO ERA A UNE.GLORIOSA A SUA MODA!
    HOJE NEM PASSA DE UMA TURMINHA SUBSIDADA PELO GOVERNO!

  • Artur Souza

    -

    4/7/2012 às 14:10

    O artigo, de fato, merece reprise. O que não merece reprise é o papo caduco desses dinossauros, cuja ideologia foi extinta em todos os países que desistiram do atraso. Esses caras querem revolução coisa nenhuma. Conheceram as delícias de viver como nababos a expensas do dinheiro público burguês. Só querem manter seus cargos no governo, seus altos salários, suas bolsas-ditadura e, se pintar uma propinazinha esperta, a maioria deles embolsa, ou melhor, expropria.

  • Osvaldo Aires Bade - Comentários Roubados e Socilizados -

    -

    4/7/2012 às 7:42

    Ainda temos muita conta para pagar:

    Governo prorroga o prazo para busca e identificação dos desaparecidos em decorrência da guerrilha do Araguaia:
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/governo-prorroga-o-prazo-para-busca-e-identificacao-dos-desaparecidos-em-decorrencia-da-guerrilha-do-araguaia/

    Abraço a Todos
    Osvaldo Aires

  • Susie

    -

    4/7/2012 às 0:48

    Simplesmente perfeito!
    E ontem no 2 de julho na Bahia, onde comemoramos a consolidação da Independência, ao forasteiro petista foi demonstrada a força do povo baiano.
    Vamos tirá-lo daqui e vamos tirar-los de Brasília!

  • ESTUDANTE

    -

    4/7/2012 às 0:08

    A ELITE CUBANA TEM NIVEL DE VIDA DE “ZELITE” CONFORME DOCUMENTADO EM FOTOS RECENTES APARECENDO A FILHA DE CHE GUEVARA E A PROLE DOS CASTROS. FORAM SUPRIMIDAS RAPIDAMENTE. VALE A PENA REPUBLICAR PARA EDUCAR.

  • ESTUDANTE

    -

    4/7/2012 às 0:04

    FICOU FALTANDO CLASSIFICAR O DELFIM NETO, SARNEY E MALUF. ESSES RODAM, RODAM, LEVAM DESCARGA MAS NAO AFUNDAM.

  • ferro & ferro

    -

    3/7/2012 às 21:21

    Mas, até quando suportaremos essa gentalha petralha se a massa os quer.
    A propósito, lindo e confortante o texto.

  • LuizRoberto

    -

    3/7/2012 às 20:33

    Augusto, tenho lido artigos seus tratando de temas tão ou mais sérios, sempre sob a ótica suavizante do trato bem-humorado; um divertido jogo de palavras. Novato na coluna, me acostumei a rir do que seria trágico.
    Por esta mesma razão, caramba, vejo agora que, quando você resolve rasgar o verbo sem anestesia, o tranco é forte. Dá nó na garganta. Arrepia.
    É bonito ver alguém colocar pontos, vírgulas e palavras no exato lugar – precisamente onde jamais imaginaríamos que estivessem – justo para nos surpreender com o estremecedor choque da realidade que, de angustiante, torna-se bela.
    É isso, amigo: acabei de ler um livro de oito parágrafos. Paro por não ter nada mais a dizer.
    Mesmo que tentasse, não conseguiria. A isso chamo emoção.
    Deus o abençoe.

    Obrigado pela mensagem comovente, amigo LuizRoberto. abração

  • Valentina de Botas

    -

    22/12/2011 às 5:03

    Oi, Augusto!
    Escrevo sob o impacto de um beijo e de um golpe. Talvez por causa dos ‘Canteiros’ de Cecília Meireles, relaciono liberdade a framboesas. Seu texto, meu caro, é um beijo de framboesa. Um beijo de liberdade. Prelúdio para o amoroso enlace, que se realiza no próprio texto, com o puro espírito da mais sublime entre as coisas que um ser humano pode ter – a liberdade. Ela é mais importante que o pão, disse Nelson Rodrigues. É a partir dela que o homem é. Sem ela, o indivíduo não há. Os exterminadores da individualidade, que ainda querem substituir a sociedade pelo partido e a democracia pelo totalitarismo e fortaleceram a imoralidade das respectivas mentalidades e ideologia tiveram, no seu texto, Augusto, o tratamento que a história lhes deu: o desnudamento; e eles desnudos são aterradores. Do outro lado, brilham luminosos, com proverbial lucidez, vocês – que escaparam ao maniqueísmo estúpido e falacioso, e resgataram a democracia do calabouço institucional cavado pelo militarismo e da masmorra ideológica guardada pelos esquerdopatas. Você deveria ser pouco mais do que um garoto quando, segundo comenta Marco Nunes – eis o golpe a que me referi –, foi preso no Rio. Calculo sua idade entre 18 e 20 anos. Só consigo ver, no estudante de direito do interior de S.Paulo, tomado pelo fervor democrático aprendido na família, o pequeninho herói de Taquaritinga apaixonado por sorvete de limão. Se naquela tarde de 1958, o garotinho experimentou a liberdade e seu preço pelas ruas da pequenina cidade em busca daquela paixão; 10 ou 11 nos depois estaria, novamente, buscando sob o mesmo ímpeto, mas agora num tempo muito mais perigoso e por um preço maior, a mesma irresistível e insuperável paixão – a liberdade. Então, um crime. Entre o calabouço institucional e a masmorra ideológica, o coração do democrata e a lucidez do menino (ou o contrário? ou a mesma coisa?) o acompanharam à prisão. Meus Deus, o que fizeram com você? D.Biloca e Dr.Adail devem ter se perguntado pelos dias mais duros que talvez eles, e outras centenas de pais, tenham enfrentado nessa condição. Os filhos estavam refazendo um país, e refizeram-no com tamanha lealdade à democracia que os esquerdopatas restaram livres para continuar existindo e sonhando com o triunfo de sua patologia sobre a paixão de beijos de framboesa. Não conseguirão. O homem Augusto Nunes amadureceu honrado, brilha como jornalista e, sempre na defesa da democracia, torna-se cada vez mais digno daquele pequeninho herói que só se agiganta. Há coisas, meu caro, que nada nem ninguém tira da gente. Para você, uma cesta de framboesas com um beijo. Valentina.

    Fiquei emocionadio, Valentina querida. Um beijo

  • paolo

    -

    30/5/2011 às 12:33

    fosse o brasil um país sério,toda essa gente acima citada estaria atrás das grades.

  • Sorete

    -

    30/5/2011 às 11:37

    Concordo com cada virgula escrita, esses aproveitadores baderneiros hoje se dizem vitimas e saqueando os cofres com suas boçalidades esquerda é um nome bacana pra meterem as patas e os fucinhos no dinheiro do povo

  • fpenin

    -

    29/5/2011 às 20:10

    Augusto,
    Incursionando pelos impressionantes 177 comentários, deparei com a citação que Lula é de esquerda.Onde, quando e como? Trata-se de um arrivista, um aproveitador. Ideologia, naquela cabeça? Tá bom…

  • fpenin

    -

    29/5/2011 às 19:57

    Augusto,
    Continue a ressuscitar artigos passados,mas que têm uma atualidade impressionante.A memória nacional agradece. Até para que os energúmenos não fiquem a pensar que não estão sendo vistos;os olhos da imprensa são implacáveis.

  • Angelo

    -

    29/5/2011 às 13:34

    Senhores, Sr.Augusto,seu blog é um alento para que
    possamos externar nossas opiniões,nossos desabafos,
    neste seu belo texto,nos reconfortamos na sua visão
    inteligente de ver os fatos,é um prazer e um obrigado por permitir fazer parte deste seu blog.

  • s.beredicth

    -

    29/5/2011 às 10:09

    Grande Augusto Nunes. Este é mais um texto seu que vai direto ao Forum do S.Beredicth. Parabéns por todos.
    Contudo, de tão citado aqui o tal Luiz Brasileiro, fui ler o que ele escreveu.
    Fiquei pasmo! É o exemplo de canalha que tenta defender as coisas, ao arrepio do tempo.
    Só para lembrar, os terroristas marxistas não se lançaram a campo para “defender-se da ditadura”. Já estavam nas lides de assaltos, assassinatos, sequestros, etc., quando chegou 1964. Aliás, chegou por causa deles e não eles porque os militares aceitaram o clamor popular para que assumissem as rédeas na nação que caminhava a passos céleres para o comunismo e, pior ainda, para a famigerada “república sindicalista” de que se travestiu o marxismo entre nós.
    Nos meus 73 anos de idade, vivenciei todos esses períodos da nossa história e posso dizer, com tranquilidade, que os militares dessa época (pelo menos eles) não se alinhavam com os movimentos que visavam destruir o regime de liberdade que havia aqui até os finais dos anos 50.
    Acho que esse crápula deveria é estudar história de verdade, ao invés de basear em textos e panfletos escritos pelos participantes da roubalheira, cuja única coragem verdadeira foi se apossar do tempo e manuseá-lo ao bel prazer, como que tendo caminhado por vias tortas, tratassem de endireitar os caminhos pelos quais pisaram e se transformarem em “heróis” que começaram lutando por algo que não existia ainda.
    Desesperos meus: os militares nada estejam fazendo atualmente quanto ao fato desses imbecis estarem corroendo de modo insano a honorabilidade do nosso povo.
    Um abraço, Grande Augusto.
    S.Beredicth

    Abração, amigo.

  • Fabiano Azevêdo

    -

    28/5/2011 às 20:24

    Fantástico texto que resume tudo o que aconteceu. Vale salientar que Castello Branco foi alçado à condição de presidente pela vontade das elites que anteviram a verdadeira ditadura que estava em gestação desde os anos 30 pelos mesmos que sonhavam com um Brasil nos moldes de Cuba, Albânia e Laos, tanto é que iniciaram em 1966 atentados contra a liberdade que diziam perseguir. Bem antes da repressão que iniciou em 1968, portanto. Se a continuidade dos militares no poder pareceu inicialmente injustificada, aqueles que nos possibilitaram que nosso destino fosse diferente daquele que estava sendo planejado bem antes da repressão iniciar nos são credores, afinal devemos tudo a eles, a começar pela vida. Os habitantes da China, Cuba e Coréia do Norte que o digam, bem como os milhões de mortos em países que aceitaram a ditadura do proletariado. Bom domingo.

  • terceira via

    -

    28/5/2011 às 16:14

    por isso que eu digo. Graças a DEUS os de CUTURNO enviaram o pê o traseiro daquela RAÇA verdadeiramente INFERIOR. pesquise na internet o que era a “democracia RUSSA” de Stalin, e pesquise verdadeiramente, sem preconceitos de nenhuma parte o que é o “SOCIALISMO CUBANO”. Se os Irmãos tivessem vontade mesmo de melhorar a vida do povo, eles estariam muito melhores, mesmo com os EMBARGOS que lhes são impostos, por culpa deles “os socialistas Cubanos” diga-se de passagem.

  • Francisco

    -

    28/5/2011 às 13:38

    Nunes, a história que eles insistem em contar NÃO é sequer a história que viveram. Alguns, até chegam a acreditar nas mentiras que construíram. Admitir a verdade os mataria.

  • abreu

    -

    28/5/2011 às 13:20

    Estou contigo pois estás certissimo,nem teu analise.Parabéns ao leitor Agilmar Machado Filho,comungo com seu comentário.E digo mais:esses miseráveis,quadrilheiros,só sairão do poder pelas armas,podem anotar o que escrevo.Estou dizendo isso e mais:sinto vergonha de dizer que sou gaúcho,pois ao eleger gov.Tarso Genro,lambe botas do lula,dilma e cia.demonstrou que hoje,o gaúcho,o RS, são meros bundas moles.Ficou para traz o conceito de que o RS era terra de democratas,e consciência politica,de td o Br.Hoje não é mais!Sem excessão,o RS e o BR não possuem mais nenhum lider de peso,e com vontade de virar o jogo antidemocratico.Estamos perdidos,pois até os generais, continuam calados a td assistindo,ou estou enganado?

  • chorei antes de nascer

    -

    28/5/2011 às 13:06

    Minha gente, que matéria incômoda ao prefeito de Barueri Rubens Furlan. cujo irmão era secretário da Educação com funcionária protegida, agraciada com a televisão doada pelo CQC ao município para uso em escolas. Um caviloso sociopata nepotista, que tergiversando sobre o ocorrido, disse a Danilo Gentili (hoje maculado pela piada infeliz sobre judeus moradores de Higienópolis em São Paulo) ter sido possível graças a eles (PMDB/PT), a existência e a matéria do CQC , que flagrou e filmou todas as etapas do desvio criminoso do objeto doado, para uso da protegida. Não bastasse o argumento malandro, porque afinal o assunto era o desvio da televisão, vemos no You Tube uma reunião do crápula porque agora é este seu adjetivo, capciosamente dizendo à equipe de acólitos, que devido ao ocorrido pretendia abandonar a vida pública (coitadinho), emendando sorrateiramente, que o CQC, escracha e tortura políticos no congresso, com citação a Maluf, Genoíno e assemelhados. Eta ferro!

  • Lalá Délia

    -

    28/5/2011 às 13:06

    Eu, que na época não era “politizada”, mas não era boba, logo percebi o bando de loucos ao redor – puro instinto – e preferia ficar namorando na grama do CRUSP, lendo Fernando Pessoa em voz alta para o meu amor a participar do berreiro daqueles barbudos comunistas. Enquanto “lutavam” pela liberdade, eu já usufruía dela. Vladimir e Dirceu faziam a mulherada suspirar. A mim, me arrepiavam de incerto medo. Puro instinto.

  • Agilmar Machado Filho

    -

    28/5/2011 às 12:52

    É uma cena raríssima um esquerdista ser honesto intelectualmente e ver que seus sonhos não funcionaram nem funcionam em mais lugar nenhum.
    Somente estúpidos como Fidel Castro, Hugo Chávez, Lula, Chico Buarque, Franklin Martins, José Dirceu e boa parte de quem votou no PT acredita nessa idiotice.

  • Fernando Antônio Rodrigues

    -

    28/5/2011 às 9:00

    Grande Augusto Nunes, seu texto é de rara lucidez. Dedico-lhe minha admiração.

  • Anonimo

    -

    28/5/2011 às 8:17

    Ei, João Marcelo…
    Você está falando de Aécio Neves, o novo JK!
    .
    Os paulistas só não o apoiam pelo fato dele não ser paulista…e , pior (no entender dos ressentidos paulistas), ser mineiro…

  • chorei antes de nascer

    -

    28/5/2011 às 2:11

    Augusto, Luiz Brasileiro não faz parte do timaço…

  • João Marcelo

    -

    28/5/2011 às 0:01

    Caro Augusto Nunes. Em uma coisa devemos concordar: a “esquerda petista” é coerente. Fora do poder, apontava o dedo no nariz de todos, por se afirmarem paladinos e vestais da Justiça. No poder, apontam o dedo no nariz de todos, ao afirmarem ter um projeto para o País que está sendo boicotado pelo PIG. A esquerda brasileira é ressentida, reacionária, amarga e vingativa. A direita brasileira é retrógada, patrimonialista e elitista. Busquemos, pois, a terceira via: a democracia pura e vital. Utopia? Não. Mas um caminho seguro e honesto que podemos construir para nossos filhos.

  • chorei antes de nascer

    -

    27/5/2011 às 23:52

    Augusto. Sou da época que você descreve, seu texto atinge o coração. Você vale ouro. Não aderi aos militares, e tampouco aos bandidos. Conte com minha amizade incondiconal. Os comentários estão demais, o timaço está tocado. Que Deus o proteja!

    Obrigado, amigo. A gente toca de ouvido. abração

  • Eduardo Lima e Silva

    -

    27/5/2011 às 23:31

    Caro Augusto,
    Acabo de ler seu manifesto. Viva ! Poético e contundente.Livre e maravilhosamente verdadeiro. Queria que todos os cidadãos de bem desta pátria abusada e aparelhada lessem. Lindo texto! Acabo de lê-lo em voz alta, para que meus filhos ouçam.

    Fiquei muito feliz com a mensagem, caro Eduardo. Abraços para os filhos e um abração pra você.

  • Law

    -

    27/5/2011 às 23:17

    Quantos a repressão severa 68/74 torturou, aleijou e matou? Pairam controvérsias sobre o número, sobre a genereralização da tortura e dos danos e sobre ser ela a causa principal de mortes em muitos casos. Talvez nunca saibamos com precisão.

    Sobre o que NÃO paira controvérsia alguma, porém -e esse assunto é curiosamente muito pouco explorado nos meios de comunicação e nos rios de tinta derramados por analistas e “analistas” -é a co-responsabilidade civil e penal da esquerda armada com seu foquismo assassino: a cada crime terrorista, correspondia um apêrto no torniquete da repressão.

    Resumindo: esses terroristas assassinos e seqüestradores -quem dúvida tiver, leia o manifesto redigido por Franklyn Martins, outro orgulhoso do próprio banditismo, disponível em

    http://www.franklinmartins.com.br/estacao_historia_artigo.php?titulo=manifesto-do-sequestro-do-embaixador-americano-rio-1969

    -com seu foquismo homicida, provocavam a repressão e lhe davam legitimidade nas ações para defender civis inocentes desses atos de terrorismo e continuando, em escalada, a repressão!
    A esquerda metralha é co-autora, pois, da tortura e morte de seus próprios “soldados”.
    Sobre isso, repito, não há controvérsia. A esquerda gerrilheira tem as mãos manchadas de sangue dos inocentes que matou com suas próprias armas e manchadas de sangue por ter puxado o gatilho, por assim dizer, das armas da repressão que mataram seus próprios “tovarich(s)”.

  • EDUARDO

    -

    27/5/2011 às 19:48

    Muito obrigado ! Pensei que apenas eu estivesse vendo essas figuraças se locupletando na mentira e nos tirando fortunas son falsos a amorais argumentos !
    Elles não fizeram NADA !! Realmente. Quem fez tudo fomos NÓS !!!
    .

  • veiaco

    -

    27/5/2011 às 19:34

    Parabéns pelo texto Mestre Augusto. A quadrilha se aboletou no poder pelo voto que não garante, salvo omissão dos poderes constituídos que permaneçam, como o vergonhoso enriquecimento de todos elles claro no caso Palocci.

  • Anonimo

    -

    27/5/2011 às 16:32

    AN,
    Fala prá “eles” que foi o pau-de-arara de Guântanamo (persuasão sem mutilação) o único capaz de pegar o Bin Laden
    ;
    Ah, não fala não…”eles” são fãs e viúvas do genocida Bin…genocidas e sociopatas que são

  • ZULEIKA AMARAL

    -

    27/5/2011 às 14:48

    Sobre a boa vida do assassino:ótima saúde,gordinho,
    hipertensão-no caso dele!-foi só pela surpresa inesperada e chocante.Eu gostaria que ele visse a reportagem sobre os pais de sua vítima:ambos estão
    mortos para a vida,de tão destruídos e envelhecidos
    desde que o assassino matou covardemente sua filha
    SANDRA.Há 11 ANOS eles foram morrendo e o bandido
    em plena liberdade,saúde e DESCARAMENTO…até o dia
    feliz,para o Brasil,em que foi encarcerado!!!

    Zuleika

  • marina silva

    -

    27/5/2011 às 14:12

    Bem que o presidente Joao Batista Figueiredo AFIRMOU quando saiu do governo:”Voces algum dia ainda vao sentir saudades minhas!”.Que sorte a sua presidente que nao ficou por aqui para ver essa CORJA a destruir e roubar nosso país!Saudades suas presidente,saudades da sua HONESTIDADE em dizer as coisas como que existiam muitos cavalos melhores que o ser humano por exemplo…Como o senhor foi profético porque hoje em dia se estavamos sendo governados por cavalos talvez estivessemos melhores governados…

  • ZULEIKA AMARAL

    -

    27/5/2011 às 4:02

    “Nenhum de nós lhes deve nada.Eles nos devem tudo!”
    É isso aí,AUGUSTO,redondamente certo:mas o que eles nos devem já estão começando à pagar,não acha?
    Parece que “uma luz no fim do túnel” está começando a iluminar a aparente penumbra geral…
    De repente,tudo vai dar certo para nós,para o
    BRASIL”!!!Carinho ternura e beijo!…

    Zuleika

  • fernando pawlow

    -

    27/5/2011 às 0:51

    Caro Augusto Nunes,seu colega Tarso de Castro certa vez escreveu (referindo -s eàs patrulhas ideologicas )que Esquerda e Direita no Brasil se merecem,e Millor constatou que para esta gente a participação na luta armafda foi um grande investimento.Ambos acertram na barriga das mosca,essa gente é alem de liberticida,obcecada com ganhos vertiginosos de grana e acumulo de poder.No fundo,ou no raso mesmo,eles estão saudosos da figura de Medici,o algoz que sempre desejaram ,com vistas a um horizonte repleto de vacas paquidermicas,aassa que aplaudiu os generais e aplaude os petistas,merece ser entidade mantenedora de grisalhos espertos,pergunte a um beneficiario de programas assistenciais se ele se enfurece com as indenizações e ele é capaz (ainda mais agora,doutrinado pela novela do Silvio santos)de defende-los com a convicção de um aluno de Chauis e Saderes,Augusto,o Brasil exige muito otimismo para ser amado neste momento,abraços

  • Ixmael

    -

    13/11/2009 às 21:17

    Isso aí, pimentazen, às 2:39
    De quando em vez a gente
    presta pra alguma coisa.
    Deve ser influência do Sr. Nunes

  • pimentazen

    -

    13/11/2009 às 2:39

    Li e gostei dos posts abaixo recomendados.
    Bons pra não perdermos de todo a memória.
    Vou passar os links adiante, por que atrás de
    gente, em geral vem gente.

  • Ixmael

    -

    8/11/2009 às 12:42

    Aproveito e me lembro de complementar
    o comentário aí de baixo : em 05/10
    há outro texto matador – Os vampiros
    aliados comemoram a ampliação do
    banco de sangue. Embora no patamar
    de tres dígitos, é pena que não esteja
    entre os Dez Mais. Recomendo.

  • Destaques

  • Enquete

    Qual destes candidatos merece o título de Homem sem Visão de Julho?

    Ver resultado

    Loading ... Loading ...
  • Direto ao Ponto

    ‘A Operação Lava Jato vai ficar’

  • Opinião

    Merval Pereira: Sem punição?

  • Direto ao Ponto

    ‘O Brasil precisa de técnicos estrangeiros’

  • Opinião

    José Nêumanne: O escândalo é único

  • Homem sem Visão

    Chegou a hora de eleger o HSV de Julho

  • Feira Livre

    A restauração de Júlio I

  • Entrevista

    O Roda Viva com Arthur Chioro, ministro da Saúde

  • Baú de Presidentes

    Tancredo encerra a aula com a lição n° 6: “A conciliação só pode ser feita em torno de princípios”

  • Mais recentes

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados