Collor confirma: o Brasil mudou para pior

Em junho de 1992, quando se soube que um Fiat Elba a serviço da Casa da Dinda fora comprado com um cheque assinado por Paulo Cesar Farias, Fernando Collor começou a deixar de ser presidente. Era dinheiro da quadrilha gerenciada pelo notório PC, tesoureiro das campanhas do chefe de governo. Neste março, soube-se que o […]

Em junho de 1992, quando se soube que um Fiat Elba a serviço da Casa da Dinda fora comprado com um cheque assinado por Paulo Cesar Farias, Fernando Collor começou a deixar de ser presidente. Era dinheiro da quadrilha gerenciada pelo notório PC, tesoureiro das campanhas do chefe de governo. Neste março, soube-se que o senador Fernando Collor poderia ter comprado 11 Fiat Elba-92 com os R$ 69.694,73 que torrou em janeiro e fevereiro (veja reportagem na seção O País Quer Saber).

O dinheiro foi desviado da “verba indenizatória” distribuída mensalmente pelo Senado, sempre sob o patrocínio involuntário dos pagadores de impostos. Para justificar a gastança, Collor apresentou notas fiscais emitidas por um posto de gasolina e um restaurante cuja especialidade é marmita. Os dois estabelecimentos comerciais funcionam em Brasília. Liberado pelo recesso parlamentar, o senador passou os dois meses gastando em outras freguesias.

Passados 20 anos, Fernando Collor continua o mesmo. Diferente ficou o Brasil. No inverno de 1992, o PT reagiu histericamente à deliquência protagonizada pelo inimigo. No verão de 2012, a seita lulopetista estendeu ao parceiro da bancada do cangaço  ─ à vontade na Casa do Espanto desde o discurso de estreia, como registra o post na seção Vale Reprise ─  a rede de proteção que cobre todos os prontuários companheiros. O senador por Alagoas é um dos recentes amigos de infância do chefe. E virou conselheiro da presidente. Os três se merecem.

O mantra recitado pelo rebanho de devotos faz sentido: depois de nove anos de governo Lula-Dilma, o país mudou. Mudou para pior. Com o apoio militante do PT e da base alugada, entre outras práticas repulsivas, foi institucionalizada a corrupção impune. E o Brasil ficou bem mais cafajeste.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    comunizado pelo PT

    Elle foi derrubado da presidência, principalmente, pelo PT seu inimigo na época, hoje, lambe o traseiro de petistas. Como presidente confiscou o dinheiro dos brasileiros comuns…naquela época mandou recolher milhares de automóveis do governo com a intenção de ser austero no uso do dinheiro público. O seu tesoureiro foi acusado de caixa 2 com míseros 5 milhões de dólares no Uruguai. Elle deve pensar o seguinte: os petralhas são muito melhores e merecem ser bajulados, porque desviaram BILHÕES e ainda, não devolveram aos cofres públicos, nada!!!! O seu maior erro na vida foi não ser petista. DEZ ANOS no poder, os petistas colocam propaganda paga com dinheiro público nas TVs sobre a redução de tarifas de energia, se dando ao cruel requinte de afirmar na mesma propaganda que o BRASIL tem uma das maiores tarifas de energia do mundo. Pior, o governador da Cabralândia confederada, ao mesmo tempo da propaganda petista, anuncia aumento de 15% em dezembro/2012. Elle foi um presidente-burro mesmo…

    Curtir