Coceira perigosa

“Eu tenho juízo de valores. Estou com cócega na garganta muito grande para falar coisas que eu penso, que eu imagino que aconteceu. Eu muitas vezes tenho acompanhado o julgamento, tenho ouvido os ministros falarem, você vê que alguns têm preocupação de estudar o caso, outros não têm”. Lula, nesta terça-feira, em conversa com representantes da […]

“Eu tenho juízo de valores. Estou com cócega na garganta muito grande para falar coisas que eu penso, que eu imagino que aconteceu. Eu muitas vezes tenho acompanhado o julgamento, tenho ouvido os ministros falarem, você vê que alguns têm preocupação de estudar o caso, outros não têm”.

Lula, nesta terça-feira, em conversa com representantes da imprensa sindical, induzindo a companheirada a desconfiar que, se a coceira for grande demais, o chefe pode acabar confessando o que fez enquanto durou o esquema do mensalão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    toninho malvadeza

    Sobre a ROSE MEDONHA,ele disse algo ? Não ??? Puxa,já se vão 310 dias…

    Curtir

  2. Comentado por:

    catson aruak

    Quando esse político afirma que tem juízo de valores, vejo a enorme “distança” da sua verdade e me ameaço de rebolar-lhe várias “predas”, principalmente no olho.
    Temos que acabar com essa profissão de “político”, que inventaram no Brasil para roubar, mentir, enganar, viver na farra, não ter culpa e outras benesses de paraíso, num mundo destroçado moralmente.

    Curtir