Celso Arnaldo: fantasia espacial do ministro Patriota relança o astronauta brasileiro

Celso Arnaldo Araújo O Brasil, potência espacial, gastou no mínimo 10 milhões de dólares para o coronel Marcos Pontes se tornar, em 2006, o “primeiro astronauta brasileiro”. Sua principal missão a bordo da Soyus TMA-7 ─ como ele próprio descreveria na volta, com entusiasmo colegial ─ foi fazer uma experiência com brotinhos de feijão (matéria […]

Celso Arnaldo Araújo

O Brasil, potência espacial, gastou no mínimo 10 milhões de dólares para o coronel Marcos Pontes se tornar, em 2006, o “primeiro astronauta brasileiro”. Sua principal missão a bordo da Soyus TMA-7 ─ como ele próprio descreveria na volta, com entusiasmo colegial ─ foi fazer uma experiência com brotinhos de feijão (matéria Ciências 1 do sexto ano do primeiro grau) e levar ao espaço um lenço para ademanes que pertenceu a Santos Dumont.

Semanas depois de seu retorno à terra firme, pediu baixa da FAB e, nesses cinco anos, o “astronauta brasileiro” oferece-se em várias frentes siderais. Por só ter existido um, trata-se de produto exclusivo ─ sempre vestidinho de astronauta de festa infantil temática, desdobrando-se em palestrante motivacional (deixe-me adivinhar: a ida ao espaço como metáfora para “você também pode chegar no topo do mundo”?), escritor e garoto-propaganda do… travesseiro com tecnologia NASA, “aprovado e recomendado pelo astronauta brasileiro”.

Quando o ministro Patriota mencionou nossa “cooperação especial na área espacial” referia-se por certo a esse travesseiro fabricado pela “Marcbrayn” ─ cuja propaganda (http://www.marcbrayn.com.br) tem a vistosa foto do “astronauta brasileiro”, com os dizeres “o único viscoelástico original do Astronauta Marcos Pontes”, seja lá o que isso signifique no idioma dos trekkies.

A tecnologia é mesmo da NASA, a agência espacial americana? Não, NASA, nesse caso, significa Nobre e Autêntico Suporte Anatômico.

Alguém teria a coragem de encostar a cabeça nesse travesseiro e garantir que o astronauta Marcos Ponte é nobre e autêntico?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Gustavo

    E sobre os livros: façamos a conexão – endereço do escritório do astronauta Marcos Pontes (no site oficial) tem o mesmo endereço da Editora Chris Mchilliard, responsável pela publicação dos 2 livros do astronauta. O nome da assessora do astronauta? Christiane Gonçalves Correa, coincidentemente editora executiva do livro.
    Um luxo ter uma editora para publicar seus próprios livros…… será uma editora de um único autor?
    Podem conferir…
    Escritório em São Paulo:
    Rua Mandiçununga, 195
    CEP 05619-010, São Paulo, SP
    Tel: 11.3773.8679
    Fax: 11.3772.4282
    Chris Mchilliard Editora LTDA
    Rua Mandissununga 195 cj 05 –
    05619-010 São Paulo / SP
    (11) 3744-6141 / (11) 3772-4282

    Curtir

  2. Comentado por:

    Mario Chagas

    Esse pseudo Astronauta é um picareta de marca maior, que foi apenas passageiro, a passagem quem pagou foi paga pelos contribuintes idiotas.
    Agora vamos combinar Augusto, o Patriota está anos-luz a frente do palhaço do Celso Amorim, o cara tem uma postura discreta e competente, pelo menos por enquanto tá muito bem.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Nakamura Duran

    ““você também pode chegar lá!”.É tão idiota esta venda de ilusões, maior propaganda enganosa , é pena que muitos jovens acreditam e muitos marmanjos. Até o SESC abre as portas para esse palestrante .Já que se aposentou ,pelo menos tenha vergonha na cara e saia de fininha é vai viver como ermitão que vc ganha mais.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Maita

    É impressionante a ignorância da maioria dos opinantes e principlamente do autor. O fato de a contribuição brasileira ser pequena, não tem ligação com Marcos Pontes. Atrasada em anos, por não entregar simples peças, a AEB é a maior vilã disso tudo. Agora qualquer analogia com brinquedos e pseudo-viagens apenas ilustra a ignorância dos intelectualóides brasileiros. Os experimentos foram simples, mas era o permitido. Nada muito extravagante poderia ser feito. Marcos Pontes era responsável pela amior parte da manutenção da aeronave. Vocês deveriam apenas observar um pouco mais o “insignificante” curriculo e o percurso para a issão espacial.
    Lembrem-se que os americanos são os reis de “grandes” experientos, como entrar ao vivo no dia-de-ação de graças, super bowl, etc… Esse é o Brasil multi-cultural, sempre agressivo com aquilo que desconhece.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Dedé Sanfona

    Os americanos isto e os americanos aquilo, mas muitos se esquecem de que se não fossem pelos alemães não teriamos nada do que temos hoje dos inventos deles, como a TV, Automóveis, geladeira, lâmpada fluorecente, foguete, tecnologia nuclear e muitos outros, como diz o ditado, o alemão inventa, o japonês aperfeiçoa e o americano negocia.

    Curtir