Carla Zambelli, líder do Varre Brasil: ‘Ou param com a corrupção ou paramos o país’

Júlia Rodrigues Quem se torna uma figura conhecida por organizar um dos grupos mais ativos no combate à corrupção fica sujeito a mais desconfortos e incômodos do que se imagina. Carla Zambelli, líder do Varre Brasil, conhece alguns – começando pela exposição familiar e pela dupla jornada de atividades. Mas tem suficiente jogo de cintura […]

Carla Zambelli

Carla Zambelli

Júlia Rodrigues

Quem se torna uma figura conhecida por organizar um dos grupos mais ativos no combate à corrupção fica sujeito a mais desconfortos e incômodos do que se imagina. Carla Zambelli, líder do Varre Brasil, conhece alguns – começando pela exposição familiar e pela dupla jornada de atividades. Mas tem suficiente jogo de cintura para administrá-los. “Precisei bloquear fotos e vídeos pessoais no meu Facebook, além de ter de ouvir meu namorado se queixar de que passo mais tempo nas manifestações do que com ele”, conta. “Trabalho pelo menos 44 horas semanais como gerente de projetos e, nas horas vagas, administro o movimento”.

Carla está convencida de que vale a pena. Além do Varre Brasil, ela também ajudou a fundar o NASRUAS. A seu lado, outros 50 voluntários garantem o entrosamento dos dez grupos de manifestantes que decidiram protestar unidos no dia 12 de outubro. São três as bandeiras comuns: fim do voto secreto no Congresso, adoção da lei da Ficha Limpa nas eleições de 2012 e inclusão da corrupção no rol dos crimes hediondos. Carla encara a terceira com ceticismo.  “O Congresso até pode aprovar, mas qual político será condenado?”, duvida.

Os organizadores esperam reunir pelo menos 5 mil pessoas na Avenida Paulista. Carla se anima com o crescimento das mobilizações também em outros pontos do país. “Em São José dos Campos e Vila Velha, tudo indica que será grande”, exemplifica. “Estão produzindo panfletos e camisetas para divulgar o evento. No Maranhão, onde apareceram apenas 12 pessoas no dia 7 de setembro, já são esperadas cem. Estamos crescendo”.

A aversão a partidos e políticos é uma das mais fortes características dessa nova geração de descontentes. Segundo Carla, a possibilidade da fundação de um novo partido foi examinada, mas morreu no berço. “Não queremos que pareça que estamos fazendo autopromoção”, justifica. Os grupos nasceram da indignação de muitos brasileiros com a corrupção institucionalizada. Ela considera prematura a ideia de fechar a lente em determinados casos individuais. “A corrupção está instalada nos três Poderes e atinge todos os níveis de governo: federal, estadual e municipal”, afirma. Para Carla, o mensalão é mais um entre muitos escândalos. Por esses motivos, preferem concentrar-se em unanimidades nacionais. “Não podemos deixar que Paulo Maluf, José Dirceu, Antônio Palocci, José Sarney e Jaqueline Roriz fiquem impunes”, diz.

Ao contrário do ocorrido na década de 60 e no início dos anos 90, a maioria dos grupos não é formada por líderes estudantis, mas por homens e mulheres de 30 a 50 anos. “O que estamos fazendo deveria ser feito pelos estudantes”, registra. Aos 31 anos, mãe de um filho de três, decidiu assumir as rédeas do movimento por não se conformar com a apatia da juventude.

Publicamente, os políticos ignoraram os protestos de 7 de setembro. Mas há sinais evidentes de que eles temem o crescimento da ameaça. Dias depois do ato que reuniu cerca de 4 mil pessoas na Avenida Paulista, internautas com falsa identidade acessaram as páginas no Varre Brasil para espalhar a discórdia entre os militantes. “Descobrimos que os computadores usados para fazer essa picuinha eram do Congresso Nacional”, revela. Para os políticos que tentam enfraquecer o movimento, Carla manda um recado: “Não iremos desistir. Ou param com a corrupção ou paramos o país”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Calegari

    Carla ja tenho um pouco de idade e ja vi muita coisa neste Brasil, quando o Brasileiro foi as ruas na epoca em que o poder foi tirado do povo pelos militares eu ainda jovem apoiei o movimento, acho q ele foi legitimo, o povo reclamava de alguem que não fora ele que os tinha colocado no poder, porem hoje protestar tirando o meu direito de ir e vir, qdo a responsabilidade do que esta acontecendo ai é exatamente daqueles que estão nestas manifestações, ai eu sou contra, pois quero ver quantos desses politicos serão mudados na prox. eleição. Espero que estes movimentos se perpetuem ate outubro do ano vindou, pois só assim o povo não esquecera e talves deixem de trocar seu voto por uma lata de leite, uma bolsa miseria como tantas que temos por ai. obrigado menina pelo espaço.

    Curtir