Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A visita a Lewandowski confirma que Lula virou achacador de ministros do Supremo

O item 2 da nota do Instituto Lula sobre as revelações feitas pelo ministro Gilmar Mendes garante que “Luiz Inácio Lula da Silva jamais interferiu ou tentou interferir nas decisões do Supremo ou da Procuradoria Geral da República em relação a ação penal do chamado Mensalão, ou a qualquer outro assunto da alçada do Judiciário […]

O item 2 da nota do Instituto Lula sobre as revelações feitas pelo ministro Gilmar Mendes garante que “Luiz Inácio Lula da Silva jamais interferiu ou tentou interferir nas decisões do Supremo ou da Procuradoria Geral da República em relação a ação penal do chamado Mensalão, ou a qualquer outro assunto da alçada do Judiciário ou do Ministério Público, nos oito anos em que foi presidente da República”. Faz de conta que sim.

Faz de conta também que merece crédito a primeira das duas frases que compõem o item 4: “A autonomia e independência do Judiciário e do Ministério Público sempre foram rigorosamente respeitadas nos seus dois mandatos”. É na segunda frase do tópico, suficientemente cínica para deixar ruborizado até devotos da seita lulopetista com mais de cinco neurônios, que se consuma a derrapagem espetacular: “O comportamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o mesmo, agora que não ocupa nenhum cargo público”.

Apaixonado pelo personagem que inventou, embevecido com o som da própria voz, Lula embarca na gabolice em reuniões com companheiros, acertos com aliados, papos de botequim ou conversas com porteiros do prédio onde mora. Graças à loquacidade do falastrão vaidoso, sabe-se agora que o protetor de pecadores assumiu o posto de lobista-chefe da quadrilha do mensalão desde que deixou o Palácio do Planalto. Leia o que escreveu em seu blog, nesta terça-feira, a jornalista Cristiana Lobo:

A preocupação de Lula com o julgamento do caso do Mensalão, conhecida de todos no mundo político, aumentou com a chegada de 2012 – ano do julgamento e, ainda, coincidindo com as eleições municipais nas quais o PT deposita grandes esperanças de crescer, particularmente, em São Paulo, antigo território adversário. Foi a partir daí que ele incluiu o assunto em sua agenda prioritária do ano. Fiel a seu estilo de falar muito e revelar seus passos políticos, mesmo aqueles que exigem maior discrição, Lula contou o desejo de visitar o ministro Ricardo Lewandowiski, ministro-revisor do relatório do Mensalão, um amigo de sua família. E assim fez. No começo do ano, acompanhado do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, ele foi à casa de Lewandowski e, conversa-vai-conversa-vem, chegou ao assunto: quando será julgado o mensalão? Sua preocupação central… Depois dessa conversa Lula passou a explicitar aos amigos políticos grande preocupação com a dificuldade de se deixar o julgamento para o ano que vem. Ele diz abertamente que considera inconveniente o julgamento do caso este ano. Com elogios à casa de Lewandowski, num condomínio chique de São Bernardo, Lula relatou a um aliado a pressão que o ministro vem sofrendo para apresentar logo o seu voto-revisor. E mais: o temor de que essa pressão de opinião pública possa afetar o conjunto do julgamento. Este é Lula. Por bravata ou relatando a realidade, ele conta a amigos os seus passos, até mesmo uns que deveriam ser inconfessáveis, como uma visita a um ministro do Supremo Tribunal Federal no ano do julgamento mais importante para sua história política – o caso que marcou negativamente o seu primeiro mandato. Lewandowski ensaiou negar a conversa com Lula. Mas, diante dos detalhes da conversa – a companhia do prefeito e os elogios à casa – ele sorriu e disse: “ele é amigo da família”. De fato, a mulher de Lula, Marisa Letícia, foi amiga da mãe do ministro, falecida ano passado.

É muita desfaçatez. Além de confirmar a essência da conversa de Lula com Gilmar Mendes, o texto  acima reproduzido prova que um ex-presidente da República exerce pelo menos desde janeiro o ofício de achacador de ministros do Supremo. E explica por que Ricardo Lewandowski foi tão longe nas manobras forjadas para adiar o julgamento do mensalão. Se desse mais importância ao Estado de Direito, se soubesse rechaçar o assédio de pedintes influentes, o revisor do processo teria apresentado o relatório há muito tempo. O atraso deliberado resultou no episódio que começa a transformar-se em crise institucional.

O julgamento dos mensaleiros já demorou demais. Caso não cumpra seu dever nas próximas horas, Lewandowski transformará a toga de ministro do Supremo na fantasia que disfarça um ministro do Lula. A exasperante insistência em algemar o tempo, encarcerar a verdade e obstruir o avanço da Justiça pode ser a gota que fará transbordar o pote até aqui de náusea.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    brasileirinho

    Caro Augusto
    Estamos vivendo uma DEMOCRADURA!
    Não há a menor chance de uma reforma política;
    Ninguém corta na própria carne!
    O voto do analfabeto e do analfabeto funcional, mantém essa corja no poder!
    Políticos criaram essa classe de eleitores, justamente, para perpetuarem-se no poder!
    Não faço apologia de nenhuma ditadura!
    Pergunto ao articulista vivido:
    Onde esta a solução?

    Curtir

  2. Comentado por:

    didi

    Um dos melhores filmes de Woody Allen, “ Você vai conhecer o homem dos seus sonhos” , mostra que a juventude de hoje não consegue se adaptar a realidade. Anthony Hopkins quer se tornar jovem e se envolve como uma vadia. Dá para contar a cena, porque é previsível. Depois que ele se casa com a vadia, o cara coitado, a mulher o trai com todo mundo, num dia ele a pega no flagra, na sua própria casa. Alfie apanha para caramba do aventureiro e depois o casal começa a brigar. A vadia fala que estava grávida. Esse é o ponto. A câmara se volta para o ator e nesse momento, Anthony Hopkins a olha com ódio, o olhar tinha um pouco do personagem Hannibal.
    O jovem metalúrgico que sai de casa para o trabalho. Chega à oficina e seria um dia para o Brasil como outro qualquer, mas não foi. Nesse dia Lula sofre um acidente de trabalho e a máquina decepa seu dedo. Anthony Hopkins interpretou Lula . Tem momentos na vida das pessoas que definem ou estruturam sua personalidade. Imagino o que Lula deve ter sentido, um ódio tão intenso maior que a própria dor que motivou a ser o que foi e é.
    Por que Lula continua a mandar tanto no país, por que as pessoas perante ele vão se degenerando moralmente?
    Acompanhando um pouco as seções do STF durante o ano de 2012, tudo estava muito certo, certo de mais. Um roteiro bem executado. O julgamento dos bebês acéfalos e o voto contrário de Lewandowski, o polonês católico. Depois vieram as votações do regime de cotas e prouni, sem entrar no mérito de cada sentença, que se ouvia era pura demagogia. Depois Lewandowski fala em como agendar o julgamento do mensalão. Ayres Brito disse que até novembro , ele iria participar do julgamento, mas o ministro sai ainda esse ano. O ministro da justiça Cardozo comenta que a CPI e mensalão não seriam convenientes frente ao calendário eleitoral. Como um sismógrafo que assinala os pontos de tremor, as notícias mostravam que era evidente que Lula dominava o STF.
    No Brasil, as pessoas que fomentam ódio, prosperam muito e Lula odeia demais.
    A mesma coisa está acontecendo, em relação as declarações de Lula no programa do Ratinho , o parabenizo Augusto Nunes por ter denunciado o crime eleitoral. As pessoas têm que entender que Lula deve ser freado logo no início senão … O mal se corta pela raiz. A opinião pública e parte da imprensa erraram muito em declarar “nada a ver” e não sabem o quanto.Delfin Netto no ano passado fez uma declaração infeliz, sobre as empregas domésticas, o sindicato se manifestou indignado, não o processaram , nem Bolsonaro chamaria uma emprega de um animal que precisa se extinto. Delfin Netto deu uma desculpa muito esfarrapada citando Keynes. Um ano depois Lula fala a mesma coisa , porém de forma demagógica, sobre a extinção dos empregos domésticos e o sindicato não ficou indignado.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Auri Dantas

    Isso mostra a capacidade nefasta que tem o Lula e seus capachos. Ainda tem gente dizendo que esse indivíduo é um estadista. Isso é uma ofensa a quem um dia foi ou é um estadista. O Lula é na verdade um populsta manipulador de classe desfavorecida de conhecimento sufiente para discerní-lo e julgá-lo. Imaginem o que esse partido faz e que fica acobertado pelo manto da indecência. Atitudede do tipo praticada pelo Lula só mostra do que esse partido é capaz. Atitudes nefastas, asqueroza, sórdida, que só diminui o ser humano e enfraquece a democracia. Acorda Brasil!

    Curtir

  4. Comentado por:

    alexandre

    Agora acho que entendi então a mãe do Lewandowski pediu para a Dona Marisa indicá-lo como ministro do STF também Caramba quase deixei passar essa!

    Curtir