Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A Virada que não está no papel

Bruno Abbud Marcelo Sono acordou antes do meio-dia no último sábado. Trocou a roupa amarfanhada, dirigiu uma Kombi branca pelos seis quilômetros que separam a Vila Mariana da Praça da Sé, no centro da capital paulista, e ali desceu com quatro amigos. Alguns moradores de rua notaram o movimento e ofereceram ajuda quando os jovens […]

Foto: Dió

Foto: Dió

Bruno Abbud

Marcelo Sono acordou antes do meio-dia no último sábado. Trocou a roupa amarfanhada, dirigiu uma Kombi branca pelos seis quilômetros que separam a Vila Mariana da Praça da Sé, no centro da capital paulista, e ali desceu com quatro amigos. Alguns moradores de rua notaram o movimento e ofereceram ajuda quando os jovens começaram a descarregar as três toneladas de equipamentos de som que transbordavam do interior do veículo para a calçada da rua Irmã Simpliciana. Era o dia da Virada Cultural paulistana. Por isso, os guardas civis metropolitanos e os fiscais de trânsito que passavam pelo local relevaram a algazarra armada em frente do boteco de dona Vânia.

Sono, Greg Fernandes, Carlos Pappa Neggo, Luis e Jurássico, todos com menos de 25 anos, pagam até R$ 2 mil pelo disco de vinil que colocam na velha vitrola ligada ao poderoso aparato acústico ─ verdadeiras paredes formadas por caixas de som, inspiradas nos antigos sound systems jamaicanos. Sobre a melodia que sai das caixas, cantam um repertório de reggae clássico. Desde 2008, o “Jurassic Soundsystem” não está na programação da Virada Cultural. Não oficialmente.

Depois de insistentes solicitações, o grupo desistiu de esperar pela resposta da prefeitura e resolveu o problema por conta própria. Fundaram a Virada Ilegal, que neste ano chegou à terceira edição. O evento, divulgado pela internet, acontece graças a um pedaço de calçada livre e uma tomada. Dona Vânia troca a energia elétrica de seu pequeno estabelecimento pela fidelidade do público. Num só dia, vende mais cervejas do que durante o ano todo. A festa se repete todo mês naquele local. Em maio, com a Virada Cultural, a exposição do grupo se amplia notavelmente. No embalo da madrugada organizada pela prefeitura, poucas pessoas percebem que aquela é uma Virada que não está no papel.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Sono

    A foto quem tirou foi o Dió, para conhecer mais o trabalho dele: http://www.flickr.com/photos/0880

    Curtir

  2. Comentado por:

    Felix

    Big up Y&M Crew!
    Big up Jurassic Sound!
    Abraço do parcero Gordão!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Felipe Montesso

    #BOSS, Parabens. Jamboree !!!!

    Curtir