Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A entrada em campo de Okamoto avisa que o caso Rose é de altíssima periculosidade

No cartão de visitas, Paulo Okamoto é apenas presidente do Instituto Lula. As anotações no prontuário informam que é muito mais que isso. É o mais íntimo parceiro e o tesoureiro particular do chefe supremo da seita, o pagador de contas da família Lula e, fora o resto, o embaixador plenipotenciário incumbido de blindar o […]

No cartão de visitas, Paulo Okamoto é apenas presidente do Instituto Lula. As anotações no prontuário informam que é muito mais que isso. É o mais íntimo parceiro e o tesoureiro particular do chefe supremo da seita, o pagador de contas da família Lula e, fora o resto, o embaixador plenipotenciário incumbido de blindar o amigo ─ a qualquer preço ─ quando as coisas se tornam especialmente perturbadoras.

Foi Okamoto, por exemplo, quem colocou (ou tentou colocar) um ponto final na história muito mal contada do dinheiro que o PT emprestou a Lula (veja o post no Vale Reprise). Foi ele quem garantiu (ou tentou garantir) o silêncio de Marcos Valério. Foi ele quem entrou em campo quando a mulher do operador do mensalão ameaçou revelar alguns dos segredos sobre o mensalão que o marido continua guardando.

Foi Okamoto o escalado para negociar a mudez de Rosemary Noronha. Se faltava a prova definitiva de que o caso é de altíssima periculosidade, agora não falta mais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Roberto Fernandez

    Gente, cuidado com esse Okamoto,ou diria melhor com esse Kamikase, quando ele entra em cena tudo pode acontecer para proteger “CHEFÃO”.

    Curtir

  2. Comentado por:

    sonia

    100 m 5 e 2 por 4 . Dessa vez o governador não chorou. Alguma coisa mudou e tudo igual.
    A constituição do Egito tem o mesmo estilo , um modelo para a jurisdição de ditadores em regimes. Artigo x permite a liberdade de opinião, mas o artigo x.1 não se pode falar mal dos profetas. A jurisdição do islã, o alcorão não é o livro do profeta ? Artigo y, permite a reunião de pessoas, artigo y.1, desde que aprovadas pelo regime.
    O govenador não olha para câmara, olha para a esquerda com cara de tristinho . O mesmo principio na jurisdição por paradoxos no slogan “Os contratos vão se respeitados”. E os aditivos ?
    Contratos com todo o angu da AGU. O poder de um presidente se manifesta por determinadas burocracias protocoladas pelo direito administrativo. A comunicação entre o STF e o poder executivo, muitas vezes se manifesta por intermédio do AGU .
    A solução um soneto desafiando cheio de bossa nova. Burocracia de papéis e tudo será resolvido por alguma Erenice, que é agora Rosemary que era jovem guarda.
    O reality e o canditado R. Obama tem Oprah e essa mulher entende de televisão. Enquanto R mostrava atitude, Obama demonstrava o cotidiano, o tal senhor presidente aprendeu muito bem a olhar para a câmara. No que permite a segurança, um reality show na Casa Branda
    Duas fotos decisivas depois de Sandy. Obama tem um iphone.
    R o político fez tudo certo na certeza do marketing político. Mostra atitude. R sentado no saguão de algum lugar, talvez um aeroporto. Não é R que tem o ultrabook , sentado ao seu lado, o filho com o computador descreve alguma coisa… R olha para o filho e solta uma sonora risada. O filho contou alguma besteira da campanha de Obama.
    Obama nos bastidores de um teatro , o pessoal do staff conversando ao lado e numa sala reservada, o presidente sentado numa mesa, que deveria pertencer ao zelador, ou segurança do teatro, um office de um blue collar . Come um sanduiche, meio que envergonhado, meio que sem tempo. Não é assim o almoço da classe operária, um improviso , um lanche.
    R com a família, uma equipe. Obama volta de um culto de domingo , andando com as filhas, uma família.
    O primeiro mandato de Dilma terminou e a tal reforma ministerial não aconteceu.

    Curtir