Blogs e Colunistas

16/06/2010

às 8:40 \ Ambiente

Desastres provocados por vazamento de petróleo

Desde o dia 20 de abril, uma enorme mancha de petróleo vem se espalhando pelo Golfo do México, uma reentrância do Atlântico que banha cinco estados americanos, além do país que lhe dá o nome. O borrão tenebroso é resultado da explosão da plataforma petrolífera Deepwater Horizon, fincada a 60 quilômetros da costa da Louisiana. Na segunda-feira, o presidente americano Barack Obama chegou a comparar o desastre aos atentados terroristas de 11 de setembro. O vazamento já é considerado o maior desastre do tipo na história dos EUA. Em todo o mundo, tragédias ambientais provocadas por derramamento de petróleo são um problema frequente.

Até o acidente com a Deepwater Horizon, o pior vazamento já registrado em território americano foi provocado pelo acidente com o petroleiro Exxon Valdez, em 1989. Após se chocar com uma rocha no Alasca, o navio deixou vazar para o mar 42.000 toneladas de petróleo. A empresa chegou a gastar 1 bilhão de dólares para conter a mancha negra que se espalhou por 250 quilômetros quadrados.

Em 2001, um navio derramou 700.000 litros de óleo em santuário ecológico: o arquipélago de Galápagos, lugar que serviu de laboratório para Charles Darwin colher os dados decisivos para colocar de pé a teoria da evolução. A maré viscosa chegou a se estender por 100 quilômetros quadrados, o equivalente à metade da área da cidade do Recife. Antes de se dispersar em manchas menores pelas águas do Pacífico, emporcalhou dezenas de focas, aves e iguanas, num dos mais delicados ecossistemas do planeta.

A brasileira Petrobras também já foi a responsável por acidentes de grande repercussão – mas nem sempre punida de forma exemplar. Em 2000, por exemplo, uma sucessão de erros de funcionários da estatal provocou um acidente que emporcalhou dois rios e despejou 4 milhões de litros de petróleo no Paraná. O óleo vazou de um duto na Refinaria Presidente Getúlio Vargas, no município de Araucária, e espalhou-se pelos rios Barigui e Iguaçu até a cidade de Balsa Nova.

Meses antes, houve um acidente do tipo em instalações da Petrobras na Baía de Guanabara. Dois diretores perderam o cargo de confiança, mas nenhum deles ficou sem o emprego, já que eram concursados. Um operador pegou 29 dias de suspensão, mas teve seu salário pago pelo Sindicato dos Petroleiros.

Entre os anos 2000 e 2001, os dutos da empresa foram responsáveis por quatro vazamentos gigantes, que despejaram 5,5 milhões de litros de óleo por lagoas, rios e baías. A maré de azar da estatal agravou-se com o acidente na então maior plataforma do mundo em capacidade de produção de petróleo – a P-36, instalada na Bacia de Campos. Três explosões no local mataram dez pessoas, deixaram uma ferida gravemente e desativaram a plataforma.

O Brasil, obrigatoriamente, terá de prestar atenção nas lições do desastre no Golfo do México. O país extrai do oceano 90% do petróleo que produz. São 826 poços marítimos, 200 deles em águas profundas. Os desafios tecnológicos e relativos à segurança se tornarão exponencialmente maiores no país quando começar a exploração comercial do petróleo localizado na camada pré-sal do oceano. Nunca se extraiu petróleo de uma profundidade tão grande. A exploração de petróleo em profundidade oceânica superior a 1 000 metros, chamada de prospecção em águas profundas, ocorre em larga escala há apenas duas décadas.

Hoje, 6% do petróleo produzido no mundo provém de poços com essas características e estima-se que essa porcentagem dobre nos próximos vinte anos. Ou, pelo menos, era a essa a previsão até o vazamento no Golfo do México. A falha da válvula de segurança da plataforma e os repetidos fiascos nas tentativas de estancar o petróleo mostram que a prospecção em alto-mar é uma empreitada que envolve riscos elevados demais para quem trabalha na operação e também para o ambiente.

Em 5/4/1989: O preto no branco

Em 27/9/1989: Consciência limpa

Em 26/7/2000: A mancha da impunidade

Em 31/1/2001: Paraíso maculado

Em 21/3/2001: Desastre em alto-mar

Em 12/5/2010: A mancha da devastação

Em 2/6/2010: As lições do abismo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

25 Comentários

  1. eduarda

    -

    19/11/2012 às 10:56

    É UMA VERGONHA AS PESSOAS LEREM ISSO E NÃO SE CHOCAR… APENAS QUERER TIRAR NOTA MÁXIMA NO TRABALHO, SINCERAMENTE. –’

  2. pedro

    -

    20/09/2012 às 20:48

    oaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! é muito grande
    mas vale a pena

  3. Igor Nascimento

    -

    28/08/2012 às 18:07

    Espero que eu tire o ponto máximo no trabaho 2.0pt !

  4. neto

    -

    11/06/2012 às 18:28

    vou tirar dez no trabalho valeu gente

  5. isadora

    -

    29/05/2012 às 14:00

    tenho um trabalho para fazer tomare q tire 10….. Bjssssssss

  6. Rhanna

    -

    23/05/2012 às 16:38

    tenham forças

  7. nicoly

    -

    22/05/2012 às 20:43

    isso não serve para nada sobre o que eu quero …

  8. tainá

    -

    16/05/2012 às 10:32

    meu deus coitado dos animais marinhos!!

  9. flavia cristina pereir santos

    -

    13/05/2012 às 12:36

    Esse pova parece que nao sabe o que e poluiçao nao parese que idiota!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  10. anne caroline marques

    -

    09/05/2012 às 14:24

    muito legal agora vou imprimir para um relatório gente espero que eu tire dez!!!!!!!!!!!

  11. Eu

    -

    26/04/2012 às 12:46

    N tem cuidado com a natureza ‘-’

  12. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:52

    estou brincado não sou filha de traficante não cuz credo;;;;kkkkkkkkkk

  13. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:46

    sabe hoje estou querendo criticar todo mundo. sabia sou filha de traficante quem mexer com migo vai morror e eu mato sem pena e sem dó tá ligada larissa , cassio; etc…

  14. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:40

    Stella é dois mil mesmo nem fiquei surpresa que nem vc sua besta

  15. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:37

    cassio vc e nerde? pra que escrever tudo isso

  16. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:35

    Ei milena e vitoria vcs não sabem escrever animais marinho não é sabem que vcs escreveram animais marino suas burras vai aprender a escrever pra quer que existe colégioburras

  17. maria clara

    -

    03/04/2012 às 10:24

    algem me responde

  18. larissa ximenes

    -

    26/03/2012 às 15:12

    o povo ñ tem conciencia mesmo, pq num lugar do homem de divertir com a familia, e tomar banho nessa água ele faz é isso, ele q msm acabar com a natureza!!!

    obg!!!=)

  19. larissa

    -

    12/03/2012 às 20:19

    caranba

  20. larissa

    -

    12/03/2012 às 20:16

    credo

  21. larissa

    -

    12/03/2012 às 20:10

    hooooo

  22. Stella

    -

    04/07/2011 às 16:21

    dios mio.que es isto?

  23. cassio

    -

    09/07/2010 às 12:08

    hôôôô homem que 82 por cento do oxigenio vem das algas do mar,se elas morrer iria ter uma grande redução de oxigenio(O2)na atmosfera.logo a vida ia acabar gradativamente,os primeiro será os animais mais sensivel aerobicos até chegar nas crianças e idosos.portanto diminuido da expansão demografica nos país,e como consequência aumento da fome no mundo por não ter mãon de obra suficiente para produzir comida para todos,doenção oportunista anaerobicas,etc.

  24. MILLENA E VITORIA

    -

    07/07/2010 às 15:18

    NOSSA EU ACHO ISSO HORIVEL PQ EU QUERIA QUE ISSO ACABACE LOGO TA AMEAÇAODO OS ANIMAIS MARINOS

  25. RONALDO

    -

    17/06/2010 às 21:09

    APESAR DE ESTAR FORMADO E AINDA NAO TRABALHAR NO RAMO , EXISTEM EXPERIENCIAS ANTERIORES QUE SERVEM PARA MOSTRAR AO HOMEMO QUANTO ELE PODE SER NOCIVO AO MEIO AMBIENTE, FAZENDO-O REFLETIR.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados