BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2071

30 de julho de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Claudio de Moura Castro
Millôr
Cartas
Blog
PANORAMA
A semana
Holofote
Contexto
Datas
Radar
Veja essa
 

Guia
Os melhores grãos do mundo

Os especialistas dizem de onde vêm, explicam por
que são tão bons e apontam as diferenças entre eles

País: Costa Rica
Região: Vale Central
O que o torna especial: é plantado num lugar de estações bem definidas, com água e sol em quantidades exatas
Resultado na xícara: é o mais forte de todos

País: Guatemala
Região: Huehuetenango
O que o torna especial: o cultivo se dá numa região vulcânica, onde o solo é rico em minerais
Resultado na xícara: seu sabor é adocicado

País: Etiópia
Região: Yirgacheffe
O que o torna especial: a colheita é feita três vezes ao ano – e não uma só, como é comum. Permite uma seleção mais apurada dos grãos
Resultado na xícara: o café é encorpado e doce

País: Jamaica
Região: Blue Mountain
O que o torna especial: a plantação, encravada no meio de montanhas, é regada pela água rica em nutrientes vinda do topo, onde fica uma reserva natural
Resultado na xícara: o café é suave, sem amargor

 

Cafeteira a preço de carro

Por que a La Marzocco é conhecida como "a Ferrari das cafeteiras"

Divulgação

Vida útil
A estrutura é toda feita de aço inox, o que explica o fato de ela durar trinta anos – e não quinze, como ocorre com a média das outras máquinas

Temperatura certa
É a única que consegue produzir cafés sempre à mesma temperatura: 90 graus. As pequenas variações que ocorrem em outras cafeteiras provocam dois efeitos negativos. Se a água está mais fria, o café perde em aroma. Com ela mais quente, os grãos ficam torrados

Espuma perfeita
Ela é produzida numa caldeira própria, e não no mesmo lugar do café, como se dá com outras máquinas. Isso permite ajustar a pressão da água lançada sobre o leite, de modo a obter uma espuma sem bolhas

Preço: 30 000 reais

 

O manual dos baristas

O que é básico no preparo de um bom café

Grãos de primeira
Investir nos de origem 100% arábica (os mais selecionados de todos) com "procedência controlada", sinal de que o solo, a colheita e a separação dos grãos obedeceram a um bom padrão de qualidade
Máquina para moer
Depois de virar pó, o café começa a sofrer um processo de oxidação que lhe rouba parte do
sabor. Daí a vantagem dos grãos moídos na hora.
A máquina permite ainda escolher o tamanho do grão
Água de primeira
Usar a mineral não é exagero. Enquanto o cloro
típico das águas que passam por filtros comuns
piora o sabor do café, a mineral o enriquece
Vedação absoluta
Os grãos devem ficar em potes hermeticamente fechados, para que não absorvam o cheiro de outros alimentos, e na geladeira, onde há menos risco de oxidação

Fotos Dulla; Fabio Mangabeira; Alfredo Franco e Rafael Quedes



Com reportagem de Marcos Todeschini e Renata Betti



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |