BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2066

25 de junho de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
Diogo Mainardi
J.R. Guzzo
Lya Luft
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Gente
Datas
Auto-retrato
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

Livros
Três em um

Dos ensaios e narrativas paralelas do novo livro
de J.M. Coetzee, só os primeiros valem a pena


Jerônimo Teixeira

VEJA TAMBÉM
Exclusivo on-line
Trecho do livro

O leitor que der uma espiada em Diário de um Ano Ruim (tradução de José Rubens Siqueira; Companhia das Letras; 241 páginas; 41 reais) ficará com a proverbial pulga atrás da orelha. Sua dúvida não será tanto sobre que tipo de livro ele tem em mãos – mas sobre quantos livros se encontram ali. Dois textos independentes correm pelas páginas iniciais do novo romance do Nobel de Literatura sul-africano J.M. Coetzee, separados por uma linha pontilhada. A partir da página 33, surge um terceiro bloco de palavras, e os três textos correrão em paralelo até o fim. A seção no alto da página é composta de ensaios que um escritor sul-africano residente na Austrália (como o próprio Coetzee) está escrevendo. A parte de baixo narra, em primeira pessoa, o seu dia-a-dia, com foco na fixação erótica por uma vizinha filipina. A terceira seção traz o ponto de vista dessa vizinha, convocada a trabalhar como digitadora dos textos que Señor C. (é como ela chama o escritor) dita para um gravador. O resultado é uma leitura desconfortável – o leitor nunca sabe o que ler primeiro –, que apenas parcialmente compensa o esforço exigido no vai-e-vem das páginas.

Desencantados, pessimistas, os ensaios centram-se, na primeira metade do livro, na política internacional. A crítica pesada concentra-se sobretudo no governo Bush, em sua guerra ao terrorismo e em sua pusilanimidade moral na admissão da tortura. Nos seus momentos mais fracos, a escrita assume um tom vituperativo, com notas paranóides à la Noam Chomsky. Mas há também achados de uma originalidade violenta, que derruba todas as expectativas do leitor. E os ensaios ainda reservam outros prazeres, especialmente na segunda parte, menos política e mais pessoal, com observações sobre Bach, Dostoievski, a fama literária, a educação das crianças.

Então, temos Señor C. e Anya, a secretária. Entre os dois, há um terceiro personagem, Alan, namorado da moça – um vilão esquemático, cujas teorias pragmáticas ensaiam um contraponto débil com as elevadas preocupações morais do escritor. Alan tenta usar Anya para aplicar um golpe no escritor; ela se recusa a colaborar; Alan insulta Señor C. – eis todo o enredo. O exame das dificuldades que o desejo sexual impõe a um homem de idade é tímido, se comparado ao modo como o próprio Coetzee aborda o assunto nos primeiros capítulos do extraordinário Desonra, ainda o seu livro mais poderoso. E Anya, que parece ter sido planejada para ser algo novo na ficção de Coetzee – um personagem vital, ensolarado; uma pincelada de tinta vermelha nos costumeiros tons sombrios do autor –, infelizmente é uma figura superficial e inconsistente. Temos então o livro de um pensador moral à moda antiga, cheio de ardente e contagiante indignação diante do estado em que se encontra o mundo – e pouco mais. Diário de um Ano Ruim é um excelente livro de ensaios, sustentado por um romance fraco.

 

A VERGONHA DA TORTURA

"Um artigo numa edição recente da revista New Yorker deixa claro como o dia que a administração dos Estados Unidos, com a liderança assumida por Richard Cheney, não apenas sanciona a tortura de prisioneiros capturados na chamada guerra ao terror como age sob todos os aspectos para subverter as leis e as convenções que proíbem a tortura. Podemos, então, falar de uma administração que, embora legal no sentido de ter sido legalmente eleita, é ilegal no sentido de operar além dos limites da lei, driblando a lei e resistindo ao domínio da lei. A distinção que seus advogados traçam entre tortura e coerção é patentemente insincera. No novo sistema que criamos, dizem eles, implicitamente, os velhos poderes da vergonha foram abolidos."

J.M. Coetzee, em Diário de um Ano Ruim

 



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |