BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2066

25 de junho de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
Diogo Mainardi
J.R. Guzzo
Lya Luft
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Gente
Datas
Auto-retrato
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

Cinema
ESQUERDA, ADEUS

VEJA TAMBÉM
Na internet
Trailer do filme

Em décadas de carreira premiada no teatro e no cinema, o dramaturgo e cineasta David Mamet, de 60 anos, se tornou uma das grandes vozes artísticas americanas – na capacidade de ver seus personagens pelo lado mais cruel (ou realista, seria possível dizer), nos diálogos incisivos e repletos de profanidades, e na militância à esquerda. Neste ano, contudo, Mamet protagonizou duas guinadas inesperadas. A primeira, que lançou ondas de choque por todo o meio intelectual americano, veio na forma de um artigo publicado em março no Village Voice. Nesse artigo, que recebeu o título provocador de "Por que não sou mais um liberal em morte cerebral", ele renunciou ao pensamento de esquerda por considerá-lo removido da realidade. O mundo, argumentou Mamet, não é justo e nunca será, como querem os esquerdistas (ou liberais, no vocabulário político dos Estados Unidos), porque os seres humanos são imperfeitos – mas, no mundo real do dia-a-dia, isso não impede que continuem a interagir e progredir. A segunda guinada está em Cinturão Vermelho, desde sexta-feira em cartaz no país, que tem no elenco Rodrigo Santoro e Alice Braga e traz o primeiro herói de fato criado pelo diretor: o lutador de jiu-jítsu (o próprio Mamet é um praticante do esporte) interpretado por Chiwetel Ejiofor, que acha que toda competição é uma forma de corrupção – mas que, a certa altura, terá de "descer da montanha". A seguir, trechos da conversa que Mamet teve com a editora Isabela Boscov sobre política, cinema e jiu-jítsu.

Em seu artigo no Village Voice, o senhor diz que abandonou o ponto de vista da esquerda, que descreveu desta forma: "O mundo está todo errado e precisa ser corrigido a qualquer custo". O que isso significa na sua vida prática? Antes de mais nada, vale dizer que o artigo ficou famoso em parte por causa do título "Por que não sou mais um liberal em morte cerebral" – que o Village Voice inventou. Não agradeço a eles, já que o título deu ao texto um caráter inflamatório que eu não pretendia. Isso posto, a questão não é o que mudou na minha prática, mas como mudou a visão que eu tenho dela.

O senhor pode dar exemplos? Como quase todos os liberais americanos, consumo produtos de corporações e muitas vezes anseio por eles. Então, por que sempre vociferar contra as grandes empresas e dizer que são a encarnação do mal? Percebi que nem tudo está sempre errado à minha volta. Que aceitar uma sociedade de livre mercado é muito mais condizente com a minha experiência de vida do que a visão que eu mantinha antes – a crença de que uma sociedade em que o estado intervém é melhor. E ainda que não posso abominar todos os que são de direita, porque convivo com eles no trabalho, na reunião de pais e mestres, na minha rua, e gosto de muitos deles – só não sei quem são exatamente, porque não ando pela rua exigindo credenciais políticas. E ninguém deveria fazê-lo. Os Estados Unidos foram construídos sobre a idéia de que as diferenças podem e devem conviver. Foi isso que fez o país funcionar.

Em um dos trechos mais polêmicos do artigo, o senhor diz justamente que o presidente que o senhor reverencia, John F. Kennedy, não era tão diferente de George W. Bush. Ambos foram meninos ricos e mimados, assinaram artigos que não escreveram, promoveram guerras discutíveis. Não se chega a ser presidente americano sem uma ambição tremenda e sem fazer um pacto pessoal com o demônio, por assim dizer.

Alguns estudiosos dizem que nunca, desde a guerra civil (1861-1865), o país esteve tão dividido quanto está sob o presente governo. O senhor concorda? De certa forma, sim. Nestes últimos anos os Estados Unidos se tornaram extraordinariamente polarizados. Mas temos muito em comum que nos une. A começar pela Constituição, que deixa grande latitude para as diferenças e a instabilidade. Ela assume que essas são constantes na vida dos indivíduos e de uma nação. Por isso é um documento tão perene: por ser tão humano – ou por conhecer tão bem o que é humano.

A crescente intromissão do pensamento religioso na discussão política americana não contraria esse pensamento fundador? Eu relativizaria essa afirmação: tanto a direita quanto a esquerda baseiam seus argumentos em visões de mundo que não podem ser provadas. A direita se apóia majoritariamente na visão cristã, e a esquerda, na idéia trágica de que o mundo ideal é justo, o real é sumamente injusto e toda injustiça, portanto, deve ser erradicada, a ferro e fogo. Mas o fato é que também a Constituição americana é um documento originado de uma visão religiosa do mundo – na maneira como afirma que todos os homens são criados iguais, ou na referência a verdades "auto-evidentes". A religião está na base da política americana.

Essa não é uma fonte de atrito num país que acomoda cidadãos de tantas origens diferentes? Não necessariamente. As pessoas vêm para cá porque este é um país espetacular. Meus avós vieram da Polônia sem um tostão e mandaram os filhos para a universidade. Veja também o governador da Louisiana, Bobby Jindal: ele é filho de imigrantes indianos que chegaram sem nada. Fez fortuna, fez carreira política e pode vir a ser o vice-presidente americano antes dos 40 anos. Onde mais isso acontece?

Há quanto tempo o senhor está envolvido com o jiu-jítsu? Há seis anos, mais ou menos, desde que vim morar em Los Angeles e comecei a estudar com o brasileiro Renato Magno. O jiu-jítsu desenvolve não só o corpo, mas também a mente e a autoconfiança. Na verdade, acho esse um esporte muito filosófico.

Em Cinturão Vermelho, os campeonatos de jiu-jítsu são retratados como corruptos. foi isso que o senhor observou? Não, não acho que esse seja um mundo corrupto. Trata-se de um retrato ficcional, com um propósito dramático: o de traçar uma trajetória heróica. O protagonista interpretado por Chiwetel Ejiofor acha que a competição é uma corrupção do esporte, mas em algum ponto ele terá de descer da montanha e viver no mundo real. E o mundo real é um lugar bagunçado.

Em seus diálogos, o ritmo e a tônica são tão importantes quanto o que é dito. Isso os torna mais difíceis para atores estrangeiros, como Rodrigo Santoro e Alice Braga? Eles falam inglês melhor do que eu. Se tiveram alguma dificuldade, disfarçaram muito bem, porque eu não a percebi.

Qual é sua expectativa para Cinturão Vermelho? Em Hollywood há pessoas especializadas em sacrificar galinhas para ler o futuro nas entranhas delas. Mas eu não arrisco profecias. Seja qual for o público de um filme, o autor sempre sente que ele poderia ter chegado a mais gente. Tenho certeza de que James Cameron lamenta que haja animais de fazenda por aí que não viram Titanic.



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |