BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2066

25 de junho de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
Diogo Mainardi
J.R. Guzzo
Lya Luft
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Gente
Datas
Auto-retrato
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

10 notháveis

I Proletários, isto é, trabalhadores de construção, um dia botaram algum limão e um pouco de açúcar na cachaça. Booom! Chamaram, auto-homenagem, de Caipira. Mais tarde alguns grã-finos trocaram a cachaça por vodca e acrescentaram gelo. Melhooor. Em homenagem aos criadores, apelidaram de Caipirinha. Aí vieram as bonecas e adicionaram... lima-da-pérsia! Nascia a Gaypirinha.

Noutro dia misturei na dose um pouco de etanol. Maravilha. O cara toma seis e continua de pé.
Pileque sustentável.

II Avança, Brasil!
Mas arrecua os arfe!

III Mulher que chora muito a morte do marido acaba também sentindo muito.

IV O bom do oásis é a água. O bom do lago é a calma. O bom da vida é a vida.

V A eleição de 2010 não será diferente das outras. Apenas mais um escrotínio.

VI

(Esta frase vai em código. Só para usuários de computador.)

VII E como dizem os portugueses: "A quem te ofende por trás teu traseiro lhe responda".

VIII Foi Churchill quem escreveu a melhor crítica ao sistema tributário brasileiro: "Nunca tantos deveram tanto a tão poucos".

IX E convém não esquecer que bitributação é quando arrancam seis vezes o dinheiro do cidadão. Pois o normal já é tributação.

X Continuo achando ridícula, mais que isso, irritante, essa regra do futebol, irritante e ridícula: o impedimento.

 



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |