Edição 1 625 -24/11/1999

VEJA esta semana

Brasil
Internacional
Geral
Economia e Negócios
Guia
Artes e Espetáculos
Colunas
Luiz Felipe de Alencastro
Sérgio Abranches
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo
Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
Radar
Contexto
Holofote 
Veja essa
Notas internacionais
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações

Banco de Dados 

Para pesquisar digite uma ou mais palavras no campo abaixo. 




"A vantagem de Benedito Ruy Barbosa é que seus personagens não são estúpidos. O telespectador aceita o absurdo, mas não a estupidez."

Ricardo Domingues Pôssas
São Paulo, SP

Benedito Ruy Barbosa

Benedito Ruy Barbosa é daqueles autores que sabem alcançar o público falando de pessoas simples e verdadeiras. O mais cativante nesses seus "causos" é que ele carrega suas personagens de uma brasilidade tão inerente a elas quanto fundamental para sua obra. Foi assim que, quando criança, conheci o mundo de Monteiro Lobato por intermédio da adaptação de Benedito para a TV; na adolescência, chorei quando José Leôncio encontrou o pai e se transformou no velho do rio; quando, mais tarde, identifiquei a história de meu próprio avô com a saga do coronel e do jequitibá rei; depois, foi a emoção de sofrer com o rancor de Geremias Berdinazi; e, agora, assistir à história de um século de Brasil. Como bom leitor de romances, avesso aos folhetins televisivos, novela, para mim, resume-se às do Benedito; as demais servem apenas para ocupar o horário nobre enquanto o nosso autor tira férias ("Outra do Benedito", 17 de novembro).
Tiago Amaral de Carvalho
jamesoak@uol.com.br

 
O sucesso de Terra Nostra se deve em parte à simplicidade dos textos de Benedito Ruy Barbosa, que, assim como Silvio Santos, se utiliza de palavras simples e repetitivas para fazer-se compreender. VEJA errou em dizer que nas novelas de Benedito não há sexo nem outros temas tão comuns à maioria das telenovelas. Quem não se lembra das cenas tórridas entre Silvia Pfeifer e Oscar Magrini em O Rei do Gado? O mesmo Benedito Ruy Barbosa errou a mão quando escreveu Vida Nova, uma telenovela de que ninguém se lembra.
Clodoaldo Moreira
Marília, SP

Menen

De muito mau gosto que a revista VEJA, ao comentar o livro Menem – La Vida Privada, publique um juízo ofensivo sobre a relação do presidente Carlos S. Menem com sua filha ("Menem na intimidade", 17 de novembro).
Jorge Hugo Herrera Vegas
Embaixador da Argentina
Brasília, DF

Carvoarias

Escrevo esta mensagem para cumprimentá-los pela reportagem ("A vida na fornalha", 17 de novembro). Aproveito a ocasião para esclarecer que Os Carvoeiros é uma produção inteiramente nacional, financiada pela Lei do Audiovisual e a Rouanet, sem as quais o filme que produzi e o livro de Marcos Prado não teriam sido realizados. Quero informar ainda que o filme foi dirigido pelo ganhador do Oscar Nigel Noble, e que sua bilheteria foi integralmente doada ao Unicef. Seu lançamento será em circuito nacional dia 3 de dezembro.
José Padilha

Produtor

Igreja Universal

A respeito da reportagem "O milagre do caixa da Universal" (3 de novembro), a The Walt Disney Attractions esclarece não haver ou ter havido nenhum tipo de negociação entre a Igreja Universal do Reino de Deus e a The Walt Disney Company, tanto no que se refere à "construção de um brinquedo temático que mostrará a história do Evangelho", como diz a reportagem, como em outro assunto ou tema que envolvam as partes citadas.
Afonso Carlos Braga
Diretor da The Walt Disney Attractions
São Paulo, SP
 

Caio Fábio

Com respeito à reportagem "A volta do pecador" (17 de novembro), desejo esclarecer que não fui "obrigado pela cúpula presbiteriana a abrir mão do sacerdócio e pedir o divórcio". Três meses antes de circular qualquer notícia sobre o assunto, tomei a iniciativa de pedir afastamento do Ministério Pastoral. Tenho todas as correspondências que provam tal fato. E se alguém da "cúpula" disse a VEJA algo em contrário, está mentindo. E se não houve desmentido, comunicarei meu desligamento incondicional da Igreja Presbiteriana. Nunca "ofereci" nenhum documento ao governo.
Caio Fábio D'Araujo Filho
Rio de Janeiro, RJ

 

Medicina

Na qualidade de coordenador no Brasil do Estudo Hope – que avaliou em dezenove países o efeito do medicamento Ramipril na prevenção de doenças cardiovasculares – recebemos com satisfação a reportagem intitulada "Veneno a favor" (17 de novembro), que com propriedade reconhece o grande avanço representado pela droga em questão. É importante esclarecer, contudo, que as qualidades nele encontradas não podem ainda ser estendidas a outros medicamentos similares (inibidores da enzima conversão da angiotensina). A medicina apóia-se em evidências e, portanto, a conclusão de que conquistas assemelhadas às atribuídas ao Ramipril podem ser obtidas com outros anti-hipertensivos ainda é prematura e só poderá ser considerada quando os estudos semelhantes feitos com outros medicamentos dessa classe forem publicados (alguns em andamento). Até lá, nós cardiologistas devemos ter cautela e seguir as evidências existentes. O Estudo Hope, que avaliou internacionalmente 9.541 pacientes, dos quais 466 no Brasil, em 267 centros investigadores definiu a dosagem de 10 mg/dia como ideal para a prevenção de problemas cardiovasculares. O Ramipril tem um perfil de segurança adequado, sendo que a tosse foi o efeito colateral mais freqüente, ainda assim ocorrendo raramente em menos de 5% da população estudada, e controlada com a redução ou suspensão da medicação.
Leopoldo Soares Piegas
Diretor da Divisão Clínica
Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia
São Paulo, SP

Arc

Arc, em resposta ao questionamento sobre Marte investir ou não no planeta Terra, creio que não vai valer a pena, porque o homem é muito burro e não saberia reconhecer nada que vocês fizessem. Procure outro planeta. Com certeza você não vai se arrepender (Arc, 17 de novembro).
Juliana Esther
Belo Horizonte, MG
 
Arc, não vem não! Com essa violência toda, você corre o risco de não voltar para Marte.
Lucas

bueno15@uol.com.br

CORREÇÕES: Ao contrário do que diz a reportagem "A vida na fornalha" (17 de novembro), as plantas não utilizam gás carbônico na respiração e sim na fotossíntese. A foto que aparece na reportagem ("Veneno a favor", 17 de novembro) é de uma cascavel, e não de uma jararaca. Na foto publicada na reportagem "Show cósmico" (17 de novembro) não são meteoros que aparecem, mas estrelas. Na reportagem "Salvos no último minuto" (17 de novembro) as fotos foram invertidas. O avião que aparece à direita é um Boeing 767. O avião à esquerda é um Boeing 737-200 (visto de baixo).


 

Às Suas Ordens

Para assinar VEJA ou solicitar
os serviços ao assinante, ligue:
Na Grande São Paulo (11) 3990-2112
Outras localidades
0800-552112
Estamos à sua disposição de segunda
a sexta, das 8 às 22 horas
Fax: (11) 3361-5600
Internet:
Para fazer novas assinaturas:
abril.assinaturas@abril.com.br
Serviços ao assinante:
abrilsac@abril.com.br
Para se corresponder com a redação de VEJA:
As cartas para VEJA devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do autor. Enviar para:
Diretor de Redação, VEJA
Caixa Postal 11 079
CEP 05422-970, São Paulo, SP
Fax: (11) 3037-5638

e-mail: veja@abril.com.br

Por motivos de espaço ou de clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente. Só poderão ser publicadas na edição imediatamente seguinte as cartas que chegarem à redação até a quarta-feira de cada semana.

Para comprar números atrasados:
Central de Atendimento
Caixa Postal 14151
São Paulo - SP
CEP 02799-970
Tel: (11) 3990-2200
Fax: (11) 3990-2233
De segunda a sexta, das 8 às 22 horas
e-mail:
abrilea@abril.com.br
Reprints Editoriais
Você pode solicitar cópias das reportagens de VEJA (mínimo de 500) até uma semana depois da publicação.
Ligue para (11) 3037-5138
Para anunciar, ligue 0800-166676
Para informações sobre VEJA NA SALA DE AULA, ligue:
Grande São Paulo: (11) 3990-2112
Demais cidades: 0800-552112
De segunda a sexta, das 8 às 22 horas
Na Internet
http://www.veja.com.br
http://www2.uol.com.br/veja