BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2079

24 de setembro de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Claudio de Moura Castro
Leitor
Millôr
Blogosfera
PANORAMA
Imagem da semana
Holofote
SobeDesce
Conversa
Números
Datas
Radar
Veja Essa
 

Guia
A água mais pura

Para quem vai comprar um filtro, o fato de ele vir
com minerais, carvão ativado ou raios ultravioleta
não parece fazer muita diferença – mas é isso que
define, afinal, o tipo de água que chegará ao copo.


Monica Weinberg
mweinberg@abril.com.br

Fotos Photographer’s Choice/Getty Images e Divulgação

A pedido de VEJA, a química Maria Anita Scorsafava, técnica responsável pela seção de águas do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, avaliou as quatro tecnologias mais usadas nos filtros. A função básica, de reter impurezas, está sempre presente – mas um único aparelho chega a reunir todos os sistemas de filtragem apresentados nestas páginas. A especialista esclarece, no entanto, que nem sempre compensa comprar um filtro tão sofisticado. Ele só se justifica em cidades que ainda não dispõem de água potável – uma minoria, segundo os especialistas – ou em residências sem uma boa manutenção das caixas-d’água e da tubulação. Na maioria dos casos, apenas duas funções são essenciais: filtrar impurezas, que são um risco à saúde, e reduzir a quantidade de cloro, que faz o gosto da água ficar ruim.

 

Sistema de filtragem: COM MINERAIS
Objetivo: reter impurezas, como limo, lodo e ferrugem
Como funciona: o processo é físico. Alguns minerais, como o quartzo e a dolomita, dispostos em camadas, formam uma espécie de peneira. Quando a água passa por eles, as impurezas ficam ali retidas
Comentário dos especialistas: é o sistema mais básico, o dos velhos filtros de barro – porém o único realmente indispensável e presente em todos os modelos. Isso porque, ao eliminar as impurezas, ajuda a evitar doenças e o gosto ruim. Estudos mostram que esse tipo de filtro consegue reter até 99% das partículas
Modelo indicado: São João (Stéfani)
Preço*: 45 reais


Sistema de filtragem: COM CARVÃO ATIVADO
Objetivo: reduzir a concentração de cloro na água, que é adicionado nas estações de tratamento para evitar a contaminação por bactérias
Como funciona: o processo é químico. O carvão tem uma propriedade natural que lhe permite absorver o cloro
Comentário dos especialistas: a quantidade de cloro presente na água que chega às torneiras obedece aos limites estabelecidos pelo Ministério da Saúde. A filtragem, portanto, não se presta a evitar doenças, mas, sim, a melhorar o gosto da água. Com o cloro, ele fica bem pior
Modelo indicado: Avanti (IBBL)
Preço: 180 reais


Sistema de filtragem: COM MEMBRANAS DE FIBRA OCA
Objetivo: reter bactérias e protozoários
Como funciona: esse tipo de fibra possui poros microscópicos, infinitamente menores que o diâmetro de um fio de cabelo. Com isso, consegue impedir a passagem de qualquer bactéria que possa estar presente na água
Comentário dos especialistas: o sistema é eficiente, mas não essencial para alguém que viva numa cidade onde a empresa de tratamento de água siga os padrões de qualidade exigidos (veja quadro abaixo) e num prédio em que a limpeza da caixa-d’água seja feita a cada seis meses. Nesses casos, o risco de as bactérias aparecerem na água em quantidade suficiente para a contaminação é ínfimo
Modelo indicado: WP 3811 (Phillips)
Preço: 200 reais

 

Sistema de filtragem: COM LUZ ULTRAVIOLETA
Objetivo: eliminar bactérias e vírus
Como funciona: a água é exposta a uma lâmpada que emite raios ultravioleta. Esses raios são capazes de quebrar as moléculas das bactérias e a parede protetora dos vírus
Comentário dos especialistas: funciona, mas só se justifica em cidades onde a qualidade da água é ruim ou se a conservação das caixas-d’água e da tubulação das residências não for feita com a regularidade adequada. Em outros casos, não haverá na água vírus nem bactérias em proporção suficiente para provocar doenças
Modelo indicado: Summer Line (Europa)
Preço: 2 100 reais

 

* Preços médios

 

PADRÃO DE QUALIDADE

Em cada cidade, a qualidade da água deve ser aferida por laboratórios de saúde pública. Qualquer um pode pedir às empresas o resultado da avaliação. Algumas já disponibilizam a informação na internet ou na conta de água. O fato de tal aferição não existir significa que o monitoramento é inadequado – e que a água daquela cidade pode estar comprometida.

 



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |