BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2079

24 de setembro de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Claudio de Moura Castro
Leitor
Millôr
Blogosfera
PANORAMA
Imagem da semana
Holofote
SobeDesce
Conversa
Números
Datas
Radar
Veja Essa
 

Ciência
A formiga dinossauro

Descoberta na Amazônia uma espécie desse
inseto que pouco mudou em 100 milhões de anos


Paula Neiva

Reuters

MARTIALIS HEUREKA
Foto tirada após a remoção de pata para análises de DNA

Um estudo publicado na semana passada alterou uma parte do que se sabia sobre a história das formigas. O trabalho relata a descoberta de uma formiga de coloração clara e apenas 3 milímetros de comprimento que vive no subsolo da Amazônia brasileira. Segundo os cálculos dos cientistas, a Martialis heureka (o nome de batismo brinca com a aparência incomum do inseto, sugerindo que ele teria vindo de Marte) pertence a uma linhagem que já existia pelo menos 100 milhões de anos atrás, o que tornaria suas tataravós contemporâneas dos dinossauros. Como vive no subsolo, ela foi preservada das mudanças drásticas no clima e da competição com outras formigas. Possivelmente, ao longo destes milhões de anos de existência, a Martialis passou por mudanças evolutivas. De acordo com os autores da pesquisa, características como a ausência de olhos, a cor clara e mandíbulas longas são indícios de alterações devidas à vida subterrânea e aos hábitos predatórios. A descoberta ajuda a entender períodos até hoje obscuros no surgimento e na evolução das formigas. "Acreditava-se que as formigas basais, ou seja, pertencentes às linhagens mais antigas, deveriam ser semelhantes às vespas, já que partiram de um ancestral comum", disse a VEJA o biólogo alemão Christian Rabeling, da Universidade do Texas, autor do estudo.

As formigas surgiram no período cretáceo, que durou de 144 milhões de anos a 65 milhões de anos atrás, e estão entre os animais que mais se disseminaram e se adaptaram às diferentes regiões do planeta. Existem nada menos de 12461 espécies de formiga já catalogadas, e o número não pára de crescer. No século XVIII, quando o naturalista sueco Carlos Lineu publicou o clássico Systema Naturae, em que pela primeira vez se classificaram os seres vivos de forma sistemática, ele registrou apenas dezesseis espécies de formiga. Não surpreende que a Martialis heureka tenha sido descoberta na Amazônia, onde há a maior biodiversidade do mundo. Estima-se que um quinto de todas as espécies de plantas e animais habite a região. "Cheguei a encontrar 72 espécies de formiga numa única copa de árvore da Amazônia", disse a VEJA o entomologista Terry Erwin, do Museu Nacional de História Natural, dos Estados Unidos. O interesse dos pesquisadores pelo universo das formigas está relacionado à onipresença do inseto no planeta. Poucos anos atrás, pesquisadores encontraram um formigueiro que se espalhava por quatro países europeus. O curioso é que essas formigas eram originárias da Argentina e proliferaram de maneira desenfreada porque, fora do habitat, não encontraram predadores. A descoberta da Martialis heureka fornece mais um capítulo na história dessas criaturas que, um dia, foram pisoteadas pelos dinossauros.

 

 
Publicidade


Foto iStock Photo/RF

Publicidade

 

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |