Edição 1 637 - 23/2/2000

VEJA esta semana

Brasil
Internacional
Geral
Economia e negócios
Guia
Artes e Espetáculos
Colunas
Luiz Felipe de Alencastro
Sérgio Abranches
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo
Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
Radar
Contexto
Holofote 
Veja essa
Notas internacionais
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações
Veja recomenda

Banco de Dados 

Para pesquisar digite uma ou mais palavras no campo abaixo. 


 

Manoel Fernandes

O líder das paradas de sucesso

Anderson Marçal

É a primeira vez que isso acontece na história da internet. A palavra sexo sempre ocupou o primeiro lugar na preferência dos que visitam os sites de busca. Agora, está sendo superada pela sigla MP3, o padrão de gravação de músicas com qualidade de CD. Nos Estados Unidos, já é a expressão mais procurada em todos os sites de busca. No Brasil, a virada está se dando agora. No Yahoo! (www.yahoo.com.br) e no Zeek! (www.zeek.com. br), o MP3 já lidera a preferência. No Cadê? (www.cade.com.br) e no Radix (www.radix.com.br) está em segundo, já bem próximo do líder. No Radar (www.radaruol.com.br), do Universo Online, MP3 aparece em quarto lugar. O crescimento desse padrão provoca uma guerra virtual entre seus defensores e a indústria fonográfica. Sites de MP3 em todo o mundo estão sendo processados por pirataria pelas gravadoras e artistas. Um negócio de bilhões de dólares.

 

Eles serão a maioria na rede

Divulgação
São 9,2 milhões de pessoas conectadas à internet, que, como tudo na China, é controlada pelo Estado. Isso representa apenas 0,71% dos habitantes do país mais populoso do mundo. A seu modo, a China está buscando aumentar sua presença na internet. Um portal (www.yesee.com) destinado às mulheres foi lançado com informações sobre estilo de vida, profissão e passatempo femininos. As mulheres representam 21% dos internautas do país. O problema é que o serviço só pode ser acessado por quem tem familiaridade com os ideogramas do idioma local. Mesmo incipiente, a internet chinesa já produziu seus primeiros hackers. Eles seriam responsáveis por ataques a sites de comércio eletrônico do Japão. Esses hackers exigem que Tóquio reconheça os crimes cometidos por soldados japoneses durante a ocupação da China na II Guerra Mundial. São grupos organizados que provocam dores de cabeça nas autoridades do Japão.

 

Pode ser diferente

O jornal The New York Times (www.nytimes.com) divulgou na semana passada um estudo de pesquisadores da Universidade Stanford (www.stanford.edu) sobre os hábitos dos americanos em relação à internet. Uma das conclusões é que a rede está criando uma legião de solitários. A notícia repercutiu ao redor do mundo e encontrou opiniões contrárias. A do psiquiatra Henrique Del Nero, colaborador da Universidade Nova York (www.nyu.edu) e professor da Universidade de São Paulo (www.usp.br), é uma delas.

Veja – A internet está criando uma geração de solitários?
Del Nero – Pelo contrário. A rede preenche um vazio de milhões de pessoas solitárias em todo o mundo. Ela serve de complemento para quem está sozinho e tem dificuldades de relacionamento. Nesse caso, a internet pode ser o alívio, não a doença.  

Veja – As pessoas perdem a humanidade na rede?
Del Nero – Não é o hábito que faz o monge. Não conheço ninguém que perdeu suas virtudes porque gosta de navegar na rede.  

Veja – A internet vicia?
Del Nero – Depende da dose e do bom senso. Você pode utilizá-la da mesma forma que experimenta uma única dose de um bom vinho durante o jantar. O que seduz na rede é a gigantesca quantidade de informações e as facilidades para encontrá-las.

 

Câmara indiscreta

Antonio Milena
A apresentadora Suzane Alves, a Tiazinha, tem o próprio site (www.tiazinha.com.br) com mais de 100 fotos e trechos de sua breve biografia. O próximo passo é montar em parceria com o provedor Terra (www.terra.com.br) uma página de seu programa de TV. O endereço terá imagens dos bastidores das gravações e trechos em vídeo do material que não for ao ar. A moça promete, ainda, repetir aquelas poses que revelaram todo seu talento no extinto programa H, da Rede Bandeirantes. O objetivo do site é mostrar aos fãs que não é por falta de trabalho que As Aventuras de Tiazinha não decola nos índices de audiência.

 

 

www.afghan-web.com

  Divulgação

O controle da milícia Taliban sobre o Afeganistão não impede o país, que já enfrentou e expulsou os soviéticos de seu território, de tentar se mostrar na internet. O endereço contém dados sobre a geografia, a economia e a política de uma das nações mais atrasadas do mundo. Em pleno ano 2000, as mulheres afegãs só podem sair à rua com todas as partes do corpo cobertas. O site oferece informações sobre o ex-presidente Burhanuddin Rabbani e detalhes desconhecidos do país. Traz até a página oficial dos talibans e suas justificativas para as atrocidades que costumam cometer em nome da fé.

 

 

Reclamações em tempo real

Gladstone Campos
A Jupiter Communications (www.jup.com), uma das mais respeitadas empresas americanas de pesquisas sobre a internet, verificou em sua última avaliação sobre comércio eletrônico que 46% das lojas virtuais não respondem aos e-mails dos clientes após cinco dias do recebimento de uma consulta. Há dois anos, esse porcentual era menor, de 38%. Enquanto algumas lojas ignoram os
e-mails, outras procuram aperfeiçoar seu sistema de atendimento virtual. A LivePerson (www.liveperson.com), HumanClick (www.humanclick.com) e 1-800-Flowers (www.1800flowers.com) adotaram chats para responder às queixas dos compradores. Por esse sistema, a dúvida é encaminhada a um atendente que, diante do computador, procura fornecer na mesma hora todas as respostas solicitadas pelo cliente. É uma tendência no mundo do comércio eletrônico, que deverá render, segundo a Jupiter, 8 bilhões de dólares em vendas e ter 22 milhões de compradores na América Latina no ano 2005.

 

A tentativa é tornar mais agradáveis as viagens de elevador nas cidades de Boston, Nova York e Chicago, nos Estados Unidos. A empresa Captivate Network (www.captivate.com) desenvolveu uma tecnologia que leva as notícias da internet para dentro das cabines. Cada notícia dura no máximo dez segundos, tempo suficiente para o passageiro se informar entre um andar e outro do prédio. São veiculadas informações da cidade onde o sistema está instalado e também notas nacionais e internacionais.

 

Por muito tempo, a Finlândia foi conhecida no mundo apenas como o país dos lagos. Não existia outra qualificação melhor. Uma breve passagem pelo endereço finland.fi revela uma nação emergente sob o estímulo da nova economia. A Finlândia é o berço do Linux, o sistema operacional criado por Linus Torvalds. É lá que funcionam os maiores centros de pesquisa da tecnologia wireless, a comunicação sem fio. Um ponto interessante do site é a explicação, com exemplos didáticos, sobre o que vem a ser uma miragem.

 

e-mail: hipertexto@abril.com.br