BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2044

23 de janeiro de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
André Petry
Lya Luft
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Gente
Datas
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

Brasil
Cara de mau para Lobão

Pressionado pelo PMDB, Lula confirma Lobão no Ministério de
Minas e Energia e expõe a fragilidade política do governo


Diego Escosteguy

Gustavo Miranda/Ag. O Globo
Lula e Lobão: o presidente confirmou a indicação do senador apesar das denúncias de irregularidades

A metamorfose vivida pelo presidente Lula nos últimos anos é fruto da simbiose entre dois personagens distintos. Um, o político popular, que se encaixa perfeitamente na definição de líder carismático do sociólogo alemão Max Weber. Esse era o Lula candidato, que o Brasil conheceu até a vitória do PT nas eleições de 2002. O segundo Lula revelou-se no exercício da Presidência: um político pragmático, obediente às leis tácitas e nem sempre republicanas de Brasília. No primeiro mandato, essas duas faces do mesmo personagem coexistiram, mas não raro entravam em choque. O primeiro ano do segundo mandato do presidente mostrou que, aos poucos, os dois Lulas começaram a convergir em uma única figura. Na semana passada, essa simbiose ficou nítida com a nomeação do senador Edison Lobão para o Ministério de Minas e Energia. Lula apareceu cumprimentando o futuro ministro olhando para baixo, abatido, sugerindo um tremendo desconforto, como se estivesse sendo obrigado a fazer o que não queria. Parecia constrangido em entregar um dos cargos mais vitais do governo a um senador que, mesmo nunca tendo sido alvo de denúncias ou protagonista de escândalos, chega ao ministério com duas desvantagens flagrantes. A primeira é ser totalmente leigo no assunto energia. A segunda é abrir caminho a uma cadeira no Senado para um suplente, seu próprio filho, sobre cuja conduta ética pairam grandes dúvidas.

Desde que o pensador florentino Nicolau Maquiavel escreveu, no começo do século XVI, que o governante devia privar suas decisões políticas de preceitos morais se quisesse manter-se no exercício do poder, o pragmatismo se transformou num elemento incontornável da vida pública. Ninguém deve esperar que um governante que se conduz por tais princípios tome decisões que venham a lhe criar problemas, por mais nobres que elas pareçam. Mas é ingenuidade achar que fazendo concessões de toda ordem os problemas serão milagrosamente contornados. A confirmação de Lobão no ministério de Lula, que parece um ato de habilidade política, na verdade evidencia a fragilidade do governo, a necessidade de negociar cada metro quadrado de poder em troca de um minuto de tranqüilidade. Lobão surge nesse cenário como mais um dos muitos zumbis que rondam, assombram e assaltam o governo nos últimos tempos. Seu filho, Edison Lobão Filho, vai assumir a vaga do pai, mesmo tendo admitido que usou uma doméstica como laranja em uma de suas empresas. O PMDB, por intermédio do senador José Sarney, exigiu a nomeação de Lobão como condição para permanecer como um aliado oficial no Congresso. Ao negociar migalhas em nome da pacificação da chamada "base aliada", o presidente, mesmo de cara feia, apenas confirma sua tolerância com esse tipo de comportamento e reafirma submissão a esse tipo de chantagem.

Além disso, nomear um político sem experiência técnica num ministério repleto de problemas complexos, como a ameaça de um apagão, é uma temeridade. Pode dar no que deu no Ministério da Justiça, conforme revelou VEJA na semana passada. Lá, as ingerências políticas do secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, causaram a demissão de duas diretoras do Departamento de Recuperação de Ativos, órgão essencial no combate à lavagem de dinheiro e ao crime organizado. Júnior é delegado da Polícia Civil e foi nomeado por exigência do pai, o senador Romeu Tuma, que migrou para a base do governo. A intromissão indevida foi confirmada pelas funcionárias demissionárias. O Ministério da Justiça, porém, além de defender Tuma Júnior, determinou a abertura de sindicância para descobrir os responsáveis pelo vazamento da notícia. "O pragmatismo do governo tem se traduzido no mais desavergonhado fisiologismo", diz o cientista político Octaciano Nogueira, da UnB. "Com isso, a política tem se reduzido à administração dos interesses pessoais."

Tanto Lula como o PT, ao menos no discurso, sempre se opuseram ao fisiologismo descarado e às barganhas políticas de ocasião. No governo, praticam tudo isso com desenvoltura e ao sabor dos interesses da hora. "No fundo, Lula sempre foi um político conciliador, que nunca demonstrou preocupação com orientações ideológicas, preferindo não desagradar a ninguém", afirma o historiador Marco Antonio Villa, da Universidade Federal de São Carlos. A história brasileira mostra que a política costuma ser implacável com os governantes que abusam das armas do pragmatismo. Eles acabam devorados pela própria esperteza. Em 1961, Jânio Quadros renunciou ao mandato com a convicção de que voltaria ao poder triunfalmente nos braços do povo. Três anos depois, o governador Carlos Lacerda apoiou o golpe militar, certo de que seria eleito presidente no ano seguinte. Foi banido da vida pública. Ao nomear Edison Lobão, em nome de interesses menores, Lula aproxima ainda mais o governo de um grupo de nobres representantes do que há de pior quando o assunto é pragmatismo. O episódio revela também quanto o governo tem se transformado em refém de suas próprias escolhas e, principalmente, de suas más companhias.




 

Publicidade
 
Publicidade
 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |