PUBLICIDADE

Home  »  Revistas  »  Edição 2122 / 22 de julho de 2009


Índice    Seções    Panorama    Brasil    Economia    Internacional    Geral    Guia    Artes e Espetáculos    ver capa
J.R. Guzzo

Gente do ramo

"Não quer dizer que jornalistas sejam pessoas
melhores que quaisquer outras... Quer dizer,
apenas, que mentem menos, e isso conta,
quando se considera o trabalho que fazem"

Numa palestra que fez recentemente em São Paulo, o jornalista americano Gay Talese, um homem que sabe sobre o seu ofício praticamente tudo o que é possível saber, ou está muito perto disso, descreveu uma situação imaginária em que vale a pena pensar um pouco. Um cidadão caminha por uma avenida de Nova York, sugere Talese, e no seu trajeto passa, sucessivamente, por diversos edifícios: um que está cheio de advogados, outro que está cheio de homens de negócios, mais adiante um que está cheio de políticos e, no fim, um que está cheio de jornalistas. Em qual desses edifícios, pergunta ele, estariam sendo contadas naquele momento menos mentiras? Na sua opinião, alimentada por mais de cinquenta anos de experiência, não há dúvida: o prédio onde se mente menos é o dos jornalistas, em Nova York ou em qualquer outro lugar do mundo, inclusive aqui. Não há prova científica de que Talese esteja certo – mas, sinceramente, o que ele diz faz todo o sentido.

Longe daqui a menor ideia de ofender quem quer que seja; na verdade, por prudência e para simplificar a história, fiquemos só com dois dos edifícios citados, o dos políticos e o dos jornalistas. Dá para alguém sustentar, a sério, que os políticos – nossos atuais senadores da República, por exemplo – diriam menos mentiras para o público? Isso não quer dizer, é claro, que jornalistas sejam pessoas melhores que quaisquer outras; como todas as demais, infelizmente, terão de suar a camisa, no Dia do Juízo Final, para explicar seus muitos pecados. Quer dizer, apenas, que mentem menos, e isso conta, quando se considera o trabalho que fazem. Causar danos menores pode ser uma vantagem bem modesta, mas na prática sempre faz alguma diferença – e os jornalistas brasileiros andam necessitados de qualquer diferença a favor que possam encontrar, diante de tanta coisa ruim que se joga nas suas costas hoje em dia.

A ouvir o que se diz no governo e nos seus arredores, por exemplo, os jornalistas estariam entre as piores desgraças que este país tem para enfrentar no momento, mais ou menos no mesmo nível ocupado pela elite branca do sul e outros inimigos das causas populares. Murmura-se, sombriamente, que são filiados de carteirinha do PIG, ou "Partido da Imprensa Golpista". Quando publicam notícias sobre a última vigarice de senadores e deputados, revelam que ministros de estado não têm os altos diplomas que constavam em seus currículos oficiais ou informam que empresas-laranja recebem dinheiro público em pagamento de serviços que não executaram, são acusados de "desestabilizar" o Brasil. Brigadas de apoio ao governo, ao PT ou a seitas da base aliada propõem o tempo todo o "controle social dos meios de comunicação". Neste momento, pretendem fazer 1 000 "conferências municipais" e 27 "conferências estaduais" em preparação a uma "Conferência Nacional de Comunicação" que o governo quer realizar em dezembro; ainda não está claro se os "movimentos sociais" vão permitir que o direito à propriedade privada dos órgãos de imprensa, assegurado pela Constituição brasileira, possa ser defendido nesse encontro.

O governo também parece ter criado um padrão para reagir a qualquer informação de safadeza publicada pela imprensa: admite que é preciso "investigar" o que foi noticiado, mas ao mesmo tempo, e todas as vezes, acusa os jornalistas de "demonizar" quem está envolvido na notícia. É engraçado. Nenhum jornalista, por exemplo, jamais chamou o senador José Sarney de "grande ladrão da Nova República"; também não foi registrada uma única mentira ou erro factual em tudo o que os jornalistas publicaram nos últimos três meses sobre os horrores cometidos no Senado Federal. Quem chamou Sarney de "ladrão" anos atrás, além de "grileiro" e outras coisas, foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que hoje não admite a menor restrição ao seu atual aliado. Pelo jeito, então, não há problema em chamar o senador de "ladrão"; o que não pode é dizer que ele empregou as sobrinhas, recebeu pagamentos indevidos em seu contracheque ou preside uma fundação que transaciona com empresas-fantasma. Aí já é "demonizar".

Aos jornalistas, no Brasil de hoje, não basta mentir menos que os políticos, ou não insultar as pessoas. Para receber o selo de aprovação oficial, parece que estão precisando, também, passar por campos de reeducação do governo, talvez com cursos da professora Marilena Chaui, nos quais reconheceriam seus erros, fariam uma autocrítica sincera e perderiam, de uma vez por todas, essa mania de ficar demonizando os outros.

EDIÇÃO DA SEMANA
ACERVO DIGITAL
PUBLICIDADE
OFERTAS



Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados