Publicidade
buscas
cidades PROGRAME-SE
Edição 1 727 - 21 de novembro de 2001
Artes e Espetáculos Cinema
 

estasemana
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Sumário
Brasil
Geral
Economia e Negócios
Internacional
Especial
Guia
Artes e Espetáculos
  Aurora, de Arthur Schnitzler
A Casa Pintada, de John Grisham
Harry Potter, o filme
O making of da missa de padre Marcelo
Sala de Emergência
Livro conta as fofocas do mundo da ópera em Nova York

colunas
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Luiz Felipe de Alencastro
Gustavo Franco
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo

seções
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Carta ao leitor
Entrevista

Cartas
Radar
Holofote
Contexto
Veja essa
Arc
VEJA on-line
Hipertexto
Gente
Datas

Para usar
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos

arquivoVEJA
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Digite uma ou mais palavras:

Busca detalhada
Arquivo 1997-2001
Reportagens de capa 2000 | 2001
Entrevistas
2000 | 2001
Busca somente texto 96|97|98|99|00|01


Crie seu grupo




 

Feitiço pela metade

O visual é esplêndido e a vontade de
agradar está lá. Mas, sem a verve de
J.K. Rowling, Harry Potter e a Pedra
Filosofal não fascina

Isabela Boscov

Fotos Peter Montain/Warner Bros.

A ALFORRIA
Uma chuva de cartas: Potter é salvo de seus tios pelo convite para estudar na escola de magia


Veja também
Confira na Estação VEJA um especial sobre o filme Harry Potter e a Pedra Filosofal

Chegou o dia para o qual milhões de crianças contavam as horas. Nesta sexta-feira, estréia em cerca de 450 cinemas do Brasil Harry Potter e a Pedra Filosofal (Harry Potter and the Philosopher's Stone, Estados Unidos/Inglaterra, 2001), a adaptação do primeiro livro da série protagonizada pelo bruxinho. Trata-se de uma produção impecável, que consumiu 125 milhões de dólares e deu muitas dores de cabeça aos seus produtores. Para não contrariar o público cativo do personagem, o estúdio Warner tomou a precaução de ouvir tudo o que a criadora de Potter, a escocesa J.K. Rowling, tivesse a dizer sobre o roteiro (embora, por contrato, não estivesse obrigado a fazê-lo). Escolheu locações fabulosas na Inglaterra, várias delas em prédios que são o orgulho do patrimônio histórico do país, e testou quase 20.000 crianças até achar o protagonista ideal. Chegou-se a ponto de sabatinar os candidatos a diretor, todos do primeiro time. O resultado desse esforço é uma espécie de réplica visual do livro. A vontade de agradar transparece na fidelidade ao enredo, na esplêndida recriação do mundo de Potter e no capricho dedicado aos objetos de desejo da criançada, como as varinhas mágicas e as vassouras voadoras. Nem a fita adesiva que emenda os óculos quebrados de Harry ficou faltando. As notícias sobre Harry Potter e a Pedra Filosofal só não são melhores porque falta algo nessa transposição: justamente a verve de J.K. Rowling, que sabe falar às crianças sem paternalismo e sem adoçar temas sombrios, como rejeição e morte. De seu humor cortante, bem britânico, nem se fala – esse ficou pelo caminho mesmo. Sem esse toque especial, A Pedra Filosofal fascina bem menos do que se esperava.



INSEPARÁVEIS
Rupert Grint, Daniel Radcliffe e Emma Watson, como Ron, Potter e Hermione: melhores amigos na escola de magia Hogwarts

É o caso de perguntar como a marca de J.K. Rowling se perdeu, se a autora esteve sempre tão próxima do projeto. Uma parte da resposta está na escolha do americano Chris Columbus para a direção – e não houve crítico de cinema que não chiasse quando seu nome foi anunciado. Columbus tem experiência com crianças e alguns sucessos no currículo, como Esqueceram de Mim e Uma Babá Quase Perfeita. Sob juras de manter fidelidade absoluta ao livro, ele saiu vitorioso da disputa que, diz-se, envolveu nomes como Tim Burton, de Edward Mãos de Tesoura, Terry Gilliam, de Brazil, e M. Night Shyamalan, de O Sexto Sentido. A distância que separa Columbus desses concorrentes é grande. Ele sabe encenar gagues, mas não tem propriamente senso de humor, e também lhe falta um mínimo de profundidade emocional. Não se trata, enfim, de um cineasta de grande personalidade. Talvez isso tenha parecido um ponto favorável à sua contratação: como não é "autor", ele não meteria sua colher torta na criação de Rowling – o tipo de coisa que não se pode exigir dos outros diretores já citados. Pois essa submissão se revela uma desvantagem. Filmes costumam ter a cara do seu diretor, o que resulta tanto pior quando este calha de não ter feições marcantes.


AULA DE VÔO
Como dominar uma vassoura voadora: uma das cenas mais esperadas do filme

Seria injusto, contudo, jogar todas as falhas do filme na conta de Columbus. Muitas delas nasceram da melhor das intenções: a de incluir no filme todas as passagens do livro e, assim, contentar os fãs do bruxinho. Ainda bebê, Potter escapou de um ataque do terrível Lorde Voldemort, no qual morreram seus pais. Entregue aos seus tios "trouxas" (pessoas sem poderes mágicos, no vocabulário de Rowling), os estúpidos e mesquinhos Dursley, ele agüenta uma década de maus-tratos, até que sua sorte vira quando faz 11 anos: é convidado a se mudar para a escola de magia Hogwarts, onde os alunos aprendem a fazer poções, usar varinhas mágicas, bolar feitiços e cavalgar vassouras voadoras a toda a velocidade nos jogos de quadribol, esporte favorito dos magos. Não há criança que não queira freqüentar uma escola assim. Mas, mesmo lá, a vida de Potter não é perfeita. Sua misteriosa vitória sobre Voldemort fez dele uma celebridade, o que desperta muita admiração e outro tanto de hostilidade.



O GIGANTE
Rúbeo Hagrid (Robbie Coltrane), o anjo da guarda de Harry: duas vezes a altura de um homem normal

É história que não acaba mais, e daria para umas seis horas de filme. Com os 152 minutos que ficou, já é uma façanha manter as crianças menores na poltrona. Por outro lado, o estúdio sabia que ia haver gritaria se trechos importantes do livro ficassem de fora. Para resolver a charada, o roteirista Steve Kloves (de Garotos Incríveis) optou por fazer uma espécie de menu-degustação de A Pedra Filosofal, com pequenas porções de cada uma das aventuras narradas no livro. Há ocasiões em que a tática funciona às mil maravilhas. No romance, Rowling descreve uma meia dúzia de jogos de quadribol. No filme, há uma só partida, mas ela é de tirar o chapéu. Na maior parte das vezes, porém, a sensação é a de que falta algum tecido conjuntivo entre as diversas partes do enredo. Os Dursley viraram meros figurantes, e o filme passa voando por trechos saborosos, como aquele em que Potter compra seu material escolar (caldeirões, varinha, coruja e por aí vai) no Beco Diagonal, em que todas as casas se inclinam em ângulos disparatados. Os atores, claro, se ressentem dessa falta de foco. Os pequenos Daniel Radcliffe, Rupert Grint e Emma Watson, que fazem o inseparável trio formado por Potter, o ruivinho Ron e a sabe-tudo Hermione, convencem mais na base da simpatia e da semelhança física com os personagens que pelo desempenho. Às vezes é possível flagrar até veteranos como Richard Harris, Maggie Smith e Robbie Coltrane exibindo um ar meio perdido. A exceção fica por conta de John Hurt: no papel do senhor Olivaras, que vende uma varinha mágica para Potter, ele deixa entrever por um instante o grande filme que A Pedra Filosofal poderia ter sido.

O INIMIGO
Severo Snape (Alan Rickman), o professor de poções: ódio indisfarçável por Potter
A ALIADA
A professora McGonagall (Maggie Smith): sempre atenta ao bem-estar do aluno famoso

Como tudo o que se refere a Harry Potter, as implicações desse pequeno desapontamento são imensas e dizem muito sobre os rumos desse fenômeno cultural. O fato de o espírito de Rowling ter ficado de fora do filme pode ser um sinal de que, por mais que se esforce, a autora acabará por perder o controle sobre o processo de, digamos, pasteurização a que Potter parece estar destinado. O personagem não nasceu como um golpe de marketing, mas acabou virando aquilo que os americanos chamam de uma cash cow: uma matéria-prima que pode ser retrabalhada em incontáveis produtos destinados a dar lucro por tempo indeterminado. A Coca-Cola, por exemplo, pagou 150 milhões de dólares para ter seu nome associado ao filme, apesar do veto de Rowling – sensatíssimo, aliás – a que os personagens apareçam consumindo o refrigerante. Os quatro livros já publicados da série (há mais três a caminho) venderam 110 milhões de exemplares ao redor do mundo – 800.000 deles no Brasil – e ganharam traduções num número de idiomas inferior apenas àquele alcançado pela Bíblia. Calcula-se que Rowling receba 4 milhões de dólares por mês apenas em direitos autorais, e que o filme venha a render algo como 2 bilhões de dólares em bugigangas. Isso sem contar a bilheteria – e um segundo filme inspirado na série já está em produção. Quando se fala em Harry Potter, o milhão é a unidade mínima. Para quem faz parte dessa roda, o desafio é tirar do personagem tudo o que ele pode dar sem matá-lo. J.K. Rowling, claro, defende sua criação com unhas e dentes. Mas Harry Potter e a Pedra Filosofal mostra que diligência, fidelidade e boas intenções não bastam. Quanto mais completa estiver a metamorfose do bruxinho em "produto", mais insípido ele se tornará. Parece até uma maldição de Lorde Voldemort.



   
canaldecompras
O que é canal de compras
CDs DVDs Vídeos
Saraiva.com.br
 
Livros
Saraiva.com.br
Livraria Nobel
 
Ingressos
Ingresso.com.br
 
   
  voltar
   
   
  NOTÍCIAS DIÁRIAS