BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
Publicidade
REVISTAS
VEJA
Edição 2061

21 de maio de 2008
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
André Petry
Diogo Mainardi
Stephen Kanitz
Millôr
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Auto retrato
Gente
Datas
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
 

Guia
Harvard ficou mais perto

Jovens como os que aparecem nas fotos destas páginas
estão na mira das melhores universidades americanas
por dois motivos: são ótimos alunos e vêm do Brasil.


Monica Weinberg

Não há nada de novo no fato de tais universidades aprovarem estudantes de desempenho exemplar. O que mudou foi o foco nos estrangeiros, cujo aumento tem uma motivação objetiva: quanto mais deles houver na sala de aula, maior é a chance de uma universidade surgir no topo dos novos rankings de ensino. De uma dezena de indicadores, esse está entre os que mais ganharam peso nos últimos anos. O cenário é melhor ainda para os brasileiros, segundo informa Thais Pires, do Centro de Orientação para Estudos nos Estados Unidos, um escritório no Brasil reconhecido oficialmente pelo governo americano: "Já existe uma grande concentração de asiáticos nas universidades americanas. É o momento de atrair mais gente da América Latina". Ela se juntou a outros especialistas e a um grupo de sete brasileiros que estudam em universidades como Yale, Harvard e Stanford para destrinchar o passo-a-passo do processo de admissão dessas escolas. O resultado é um valioso conjunto de dicas para quem planeja se candidatar.

 

Exames de admissão

Ilustrações Gisele Libutti


O que dizem os manuais:
é preciso alcançar pontuação alta naquelas provas que aparecem como pré-requisito, entre elas o SAT, feito para aferir o nível dos estudantes em matemática, leitura e escrita (em inglês), e o Toefl – esse, aplicado com o objetivo de medir o domínio que os candidatos estrangeiros têm do idioma

Como funciona na prática: embora as boas universidades não definam uma nota de corte, a experiência mostra que, num exame como o SAT, é raro um estrangeiro ser aprovado com menos de 2 100 pontos, de um total de 2 400. No Toefl, é realista sonhar com uma vaga a partir de 90 pontos, de 120 possíveis. Para quem não conseguir chegar a tais patamares, é indicado tentar de novo – e não perder tempo submetendo às universidades um mau resultado

Dica: comprar livros que contenham simulados das provas e repeti-los à exaustão

Gabriel Benarros, 19 anos, de Manaus, hoje em Stanford: oito horas de estudo por dia, durante seis meses, para os exames de admissão

 

Histórico escolar

O que dizem os manuais: só os bons alunos entram

Como funciona na prática: as universidades miram aqueles estudantes cujo boletim ao longo de todo o ensino médio revele médias em torno de 9 em todas as disciplinas – numa escala de zero a 10

Dica: a única chance para quem quer entrar em uma dessas universidades é começar a estudar muito desde cedo – não apenas no último ano

 

Cartas de recomendação

O que dizem os manuais: são exigidas três cartas, duas escritas por professores e uma pelo diretor do último colégio em que o aluno estudou

Como funciona na prática: essas cartas devem incluir não apenas observações acadêmicas como também apreciações sobre a personalidade e o caráter do aluno, todas devidamente ilustradas com exemplos concretos. Os avaliadores costumam desprezar adjetivos sem fundamento e duvidar de candidatos cuja descrição se aproxime da perfeição

Dica: quase 60 000 cartas como essas chegam às boas universidades por ano, portanto a concisão é bem-vista. Cartas em inglês elementar também podem espantar os avaliadores. Vale a pena contratar um tradutor

 

Gilberto Tadday
A cearense Larissa de Lima, 22 anos, aluna de ciência da computação, em Harvard. "Estudo com professores que revolucionaram a minha área"

 

Formulário de aplicação

O que dizem os manuais: o candidato deve preencher um formulário com informações pessoais e experiências acadêmicas

Como funciona na prática: com base em tal formulário, os avaliadores saberão, por exemplo, se o candidato participa de atividades voluntárias ou se ocupou lugar de liderança na escola, dois dos itens mais valorizados pelas instituições

Dica: nas questões sobre o porquê da escolha daquela universidade, seja o mais específico possível e demonstre conhecer bem a escola. Os avaliadores odeiam generalidades

 

O baiano Sheide Chammas, 20 anos, chegou a Yale: atividades voluntárias e liderança no grêmio estudantil contaram pontos a favor

 

Tudo por uma boa redação

Nenhuma outra fase da seleção permite ao aluno se diferenciar tanto quanto a redação, em que as universidades pedem de dois a três textos sempre de teor pessoal. Durante essa etapa, o trabalho de gente como a especialista Patrícia Monteiro passa a ser mais requisitado, ainda que custe caro: sua consultoria para orientar os alunos e revisar seus textos sai por 7 000 reais. Ela dá dicas para uma boa redação:

1 O tom não deve ser informal demais, a ponto de conter gírias, nem rebuscado, sob o risco de ficar pedante

2 É fundamental que as informações incluídas no texto sejam coerentes com o restante do material enviado à universidade. Não dá para se revelar sedentário no formulário e mostrar admiração por esportes na redação

3 Não se defina como alguém próximo da perfeição. A autocrítica é entendida como um sinal de maturidade

4 Se participou de uma ONG ou foi capitão de uma equipe de futebol, esse é um bom espaço para enfatizar tais experiências – elas agradam aos avaliadores

 

 



Publicidade
 
Publicidade

 
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |