BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
ACESSO LIVRE
Conheça as seções e áreas de VEJA.com
com acesso liberado
REVISTAS
VEJA
Edição 2039

19 de dezembro de 2007
ver capa
NESTA EDIÇÃO
Índice
COLUNAS
Lya Luft
Millôr
André Petry
Diogo Mainardi
Maílson da Nobrega
Roberto Pompeu de Toledo
SEÇÕES
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA.com
Holofote
Contexto
Radar
Veja essa
Gente
Datas
Auto-retrato
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos
Publicidade
 

Holofote

Felipe Patury

É MAIS FÁCIL SER GOVERNADOR

Lailson Santos


O novo argumento do grupo do governador José Serra para convencer Geraldo Alckmin a desistir de concorrer à prefeitura de São Paulo é uma pesquisa realizada em todos os municípios do estado. Ela mostra o enorme prestígio de Alckmin no interior e indica que faltam oponentes à sua altura na eleição para governador em 2010. Para se tornar prefeito da capital, no entanto, há uma grande dificuldade: os paulistanos temem que Alckmin siga o exemplo de Serra e use a prefeitura para se eleger governador.

 

SEIS ANOS MAIS TARDE...

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABR


Há seis anos, o Tribunal de Contas da União sustou a extensão de uma linha de trem que ligaria Porto Alegre a Novo Hamburgo. Justificativa: suspeitas de sobrepreço e direcionamento da licitação de 660 milhões de reais. Há dois anos, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, pedia ao tribunal que decidisse o caso, mesmo que fosse para cancelar a concorrência em caráter definitivo. Agora, o tribunal liberou a obra. O ritmo da Justiça brasileira é mesmo o de uma maria-fumaça.

 

A REDE DE TV PELA INTERNET

Divulgação


Será inaugurada nesta semana a primeira rede nacional de TV pela internet. Ela será uma extensão da ALL TV, um canal de notícias pela internet que funciona 24 horas por dia e foi inaugurado há seis anos pelo empresário Alberto Luchetti. Para formar a rede, Luchetti vendeu franquias da ALL TV para sites de notícias que atuam em dezenove estados. No novo formato, a All TV transmitirá simultaneamente nove canais. Luchetti acredita que, com esse modelo de rede, poderá triplicar seu faturamento em 2008.

 

PÁGINA VIRADA

Divulgação


A Câmara Brasileira do Livro está em pé de guerra. A crise começou porque sua presidente, Rosely Boschini, recusou um patrocínio de 1,2 milhão de reais da Volkswagen à Bienal do Livro de São Paulo. Seria o maior valor já oferecido à feira. Rosely justificou que a cota não foi negociada pela empresa de eventos Time 4 For, de Fernando Altério, contratada para fazer as captações. O vice-presidente da Câmara, Marino Lobello, que havia fechado o acordo com a montadora, renunciou.

 

 



Foto David Adame/AP



 

Fotos John Knill/Getty Images

 

Com reportagem de Fábio Portela, Heloisa Joly,
José Edward, Mariana Amaro e Victor De Martino

  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |