Geral Cidade

Esta semana
Sumário
Brasil
Internacional
Geral
O buraco gigantesco na camada de ozônio
Pesquisas apontam vírus entre as causas da obesidade
A clonagem como solução para bichos extintos
Avestruz já é criado em 500 fazendas brasileiras
A inauguração do mega-resort baiano
Joey Skaggs, o impostor criativo
Os cassinos virtuais
Jardins de Santos entram para o Guinness de recordes
Estudo diz que o Viagra não aumenta os riscos cardíacos
GM faz o maior recall da indústria automobilística brasileira
Larry Ellison, da Oracle, anuncia o terremoto pontocom
Exposição mostra trajes infantis da antiga nobreza
Americano invade a alta-costura francesa

Economia e Negócios
Guia
Artes e Espetáculos

Colunas
Diogo Mainardi
Stephen Kanitz
Sérgio Abranches
Roberto Pompeu de Toledo

Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA on-line
Radar
Contexto
Holofote
Veja essa
Arc
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações
Para usar
VEJA Recomenda
Os mais vendidos

Arquivos VEJA
Para pesquisar nos arquivos da revista, digite uma ou mais palavras

Busca detalhada
Arquivo 1997-2000
Busca somente texto 96|97|98|99
Os mais vendidos
 

Babilônia praiana

Jardim da orla de Santos entra no livro
dos recordes como o maior do mundo

Gabriela Carelli

 
Reinaldo Ferrigno
Gramado aparado e mais de 1.700 árvores: jardim nasceu nos anos 30 para arrematar a área da praia

A cidade de Santos, no litoral paulista, terá mais uma virtude para exibir ao Brasil na semana que vem, além de suas praias bem conservadas e de sua fama de município de alta qualidade de vida. Santos vai ganhar uma citação no Guinness, o livro dos recordes mundiais editado na Inglaterra. Depois de nove anos tentando entrar para a posteridade grandezas, a cidade conseguiu emplacar o título de dona do maior jardim frontal de praia do mundo na versão 2001 do livro, disponível na internet no dia 23. Ele tem 5.335 metros de extensão e 218.800 metros quadrados de área. É um jardinzão equivalente a 155 Jardins Botânicos do Rio de Janeiro e uma obra que compete de igual para igual com outras obras nacionais que já constam do livro, como o Estádio do Maracanã e o Eixo Monumental de Brasília, a mais larga avenida do planeta. Para convencer os editores do Guinness de que o jardim realmente merecia a citação, a equipe da Secretaria de Turismo deu duro. Negociou durante um ano, enviou laudos técnicos, dezenas de fotos e e-mails. "A documentação era tão farta e precisa que nem tivemos de vistoriar o local", disse a VEJA o produtor Stuart Claxton, um dos dezesseis pesquisadores que definem o que entra ou não no livro.


Antonio Milena
Parque na orla: 120 espécies de plantas cobrem 218.000 metros quadrados


Tanto trabalho valeu a pena. Em 1991, a cidade tentou sua primeira citação ao cadastrar o que considerava o maior cemitério vertical do mundo, a Necrópole Memorial Ecumênica de Santos, um conjunto de dois prédios de dez andares com capacidade para abrigar os restos mortais de 20.000 pessoas. O título saiu, mas, por engano, a façanha foi atribuída a São Paulo. Os santistas aprenderam a lição e trataram de documentar cuidadosamente a história do jardim, feito na década de 30 para deixar livre de edificações a área próxima à praia. E não há como tirar o mérito de Santos. O jardim, visto de cima, parece um parque à beira-mar. Tem 1.746 árvores, de 20 espécies, cuidadosamente preservadas, grama bem aparada, 100 espécies de flores e até uma réplica de um trem antigo. O Guinness Book, distribuído em setenta países, com edições em 22 línguas, acabou criando uma categoria específica para os jardins de praia a fim de acolher a candidatura.

Na prefeitura da cidade, a vitória já começa a ser faturada como dividendo turístico e deve ser alvo de uma grande campanha publicitária para atrair visitantes. Best-seller da chamada cultura inútil, o Guinness já vendeu, desde sua criação, em 1955, 75 milhões de cópias. Anualmente, os editores recebem 45.000 pedidos de publicação, dos quais apenas 4.000 chegam às páginas do livro. Com seu feito, o jardim de Santos entra para a coleção de mais de uma centena de recordes brasileiros. Além do Maracanã e do Eixo Monumental, o país detém marcas como a aranha mais venenosa, o mais curto casamento já registrado e a maior coleção de garrafas de cachaça. Até mesmo Cid Moreira cravou seu nome na lista como o apresentador que mais comandou um telejornal no planeta. Ele pronunciou seu marcante "boa noite" exatas 7.825 vezes.

 

Copyright 2000
Editora Abril S.A.
  VEJA on-line | Veja São Paulo | Veja Rio | Veja Recife | Guias Regionais
Edições Especiais | Site Olímpico | Especiais on-line
Arquivos | Downloads | Próxima VEJA | Fale conosco