Publicidade
buscas
cidades PROGRAME-SE
Edição 1 769 - 18 de setembro de 2002
Geral Beleza
 

estasemana
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Índice
Seções
Brasil
Internacional
Economia e Negócios
Geral
 

A plástica por videoendoscopia
Lojas de jogos no computador atraem adolescentes
A milionária catedral de Los Angeles
Os caríssimos cremes das estrelas
Dois novos anticoncepcionais na praça
Água vai valer mais que petróleo
Christopher Reeve recupera os movimentos
Suplementos alimentares como remédio
Mogno sob nova ameaça de extinção
O comando de Beira-Mar no Rio de Janeiro

Guia
Artes e Espetáculos

colunas
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Stephen Kanitz
Sérgio Abranches
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo

seções
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Carta ao leitor
Entrevista

Cartas
Radar
Holofote
Contexto
VEJA on-line
Veja essa
Arc
Gente
Datas

Para usar
VEJA Recomenda
Os livros mais vendidos

arquivoVEJA
(conteúdo exclusivo para assinantes VEJA ou UOL)
Arquivo 1997-2002
Reportagens de capa
2000|2001|2002
Entrevistas
2000|2001|2002
Busca somente texto
96|97|98|99|00|01|02


Crie seu grupo




 

Só para pouquíssimas

Creme de luxo de verdade
não tem stand em loja de
departamentos e custa muito,
muuiito caro



AP
Sharon Stone, de 44 anos: a sereia que se trata com algas


Você acha que conhece tudo sobre cremes e loções de beleza, só porque costuma vasculhar de alto a baixo a Bloomingdale's, em Nova York, ou a Printemps, em Paris? Bem, querida, realmente você sabe tudinho – mas apenas do mundo reservado às mortais remediadas. Existe um universo paralelo ao qual pouquíssimas felizardas têm acesso: o dos cosméticos de luxo. Nele, não há stand em loja de departamentos nem cartaz em duty-free de aeroporto. A propaganda desses produtos é, em geral, feita com relativa discrição por mulheres bonitas, famosas e – lógico – muito ricas. Como as atrizes Sharon Stone e Jennifer Lopez. Presenteadas pelos fabricantes, elas soltam numa conversa aqui e numa entrevista ali que usam tal creme ou tal loção. É o que basta para açular as dondocas dos quatro cantos do mundo. Outro chamariz nesse universo é o preço. Quanto mais caro, mais cobiçado será o produto. "No mercado do luxo, o que todo mundo tem ninguém quer. Todo mundo quer o que ninguém tem", resume Marcos Rothenberg, presidente da Associação dos Importadores de Perfumes, Cosméticos e Similares.

 
Nome: Crème de La Mer, da americana La Mer
Do que é feito:
da fermentação de uma alga marinha, abundante na costa da Califórnia, nos Estados Unidos, e que só pode ser colhida duas vezes ao ano
O que promete:
o rejuvenescimento do rosto em sete dias
Preço:
1 000 dólares o pote de 460 gramas

Um pote de um creme desses pode sair por até 1.000 dólares. É preciso reconhecer, no entanto, que eles não custam caro à toa. Suas fórmulas são fruto de um investimento enorme de tempo e dinheiro. Dentro do pote do La Crème, da marca Clé de Peau, pertencente à empresa japonesa Shiseido, está condensada uma pesquisa de oito anos sobre nove enzimas que combatem o envelhecimento da pele. O Crème de La Mer, da marca americana La Mer, demorou trinta anos para chegar às penteadeiras. Desenvolvido por um cientista da Nasa, o produto é feito a partir de uma alga que prolifera na costa da Califórnia e só pode ser colhida duas vezes ao ano. Da colheita ao produto final, levam-se quatro meses de um trabalho quase artesanal. O fabricante garante que os primeiros sinais de rejuvenescimento do rosto podem ser notados em uma semana. Para efeito de comparação, os resultados dos cremes feitos com a substância DMAE, aquela do "efeito Cinderela" e que é a grande novidade da cosmética de massa, só aparecem depois de dois meses.

 
Nome: Skin Caviar Luxe Cream, da suíça La Prairie
Do que é feito: do extrato de caviar do esturjão beluga, originário do Mar Cáspio
O que promete: firmar e revitalizar a pele imediatamente. Seu efeito dura 8 horas
Preço: 400 dólares o pote de 160 gramas

Um dos objetos de desejo das ricaças é o Sisleÿa Global Anti-Age, um creme para o rosto do laboratório francês Sisley. Sua fórmula tem cinqüenta componentes botânicos. A chave do sucesso está num ingrediente exclusivo: o ácido ursólico. Não, não tem nada a ver com urso. Ele é extraído da semente da maçã. A versão para o contorno dos olhos leva ainda Padina pavonica, uma alga marinha encontrada no Mar Mediterrâneo. O tratamento com os dois custa 1.300 reais. A francesa Darphin foi mais longe e mandou seus pesquisadores às profundezas do Oceano Pacífico. Lá prolifera o deepsane, um microrganismo que habita as regiões próximas a vulcões submersos e é capaz de sobreviver a temperaturas de 400 graus Celsius. A mistura desse bicho com extratos de papaia, ananás, ginseng e maracujá originou o Stimulskin Plus Complex. O preço: 1.000 reais o pote. E quem disse que caviar é só para comer? As mais informadas sabem que ele serve também para a pele. A suíça La Prairie criou uma linha à base do caviar beluga, o mais caro que existe.


João Santos
Vera Fischer, de 50 anos: no restrito grupo das brasileiras que usam caviar contra as rugas


Como não poderia deixar de ser, tem sempre um chato que gosta de acabar com a festa. No caso, uma chata. A americana Paula Begoun foi pesquisadora da indústria de cosméticos por vinte anos e hoje é uma inimiga declarada do oba-oba feito em torno das marcas luxuosas. Autora do livro Don't Go to the Cosmetics Counter Without Me (Não Vá à Seção de Cosméticos sem Mim), ela vive realizando pesquisas sobre a relação custo-benefício dos cremes e loções. Num desses levantamentos, Paula comparou um produto da L'Oréal e outro da Lancôme. Descobriu que os dois eram virtualmente idênticos, exceto pelo preço: quase 50 dólares de diferença. A autora também dispara contra o carésimo Crème de La Mer, usando argumentos da psicologia social. Mas psicologia social, todo mundo sabe, é coisa de pobre.


   
 
   
  voltar
   
   
  NOTÍCIAS DIÁRIAS