Geral Drogas

Esta semana
Sumário
Brasil
Internacional
Geral
Brasileiros têm 20 milhões de dólares para decifrar o câncer
Brasil é o 9° colocado no ranking mundial da gorjeta
O guru do "yôga"
Mercedes monta no Brasil o Classe C só para exportação
A exploração ilegal de esmeraldas na Rússia
A ayahuasca sai dos rituais
Os limites do corpo
A máquina milionária de Sydney
Nenê Constantino
Ex-siameses se casam em São Paulo
Família americana perde a guarda da filha obesa

Economia e Negócios
Guia
Artes e Espetáculos

Colunas
Diogo Mainardi
Claudio de Moura Castro
Gustavo Franco
Roberto Pompeu de Toledo

Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
VEJA on-line
Radar
Contexto
Holofote
Veja essa
Arc
Notas internacionais
Hipertexto
Gente
Datas
Cotações
Para usar
VEJA Recomenda
Os mais vendidos

Arquivos VEJA
Para pesquisar nos arquivos da revista, digite uma ou mais palavras

Busca detalhada
Arquivo 1997-2000
Busca somente texto 96|97|98|99
Os mais vendidos
 

O barato legal

O chá de ayahuasca é uma droga
como qualquer outra. Mas o governo
faz vista grossa

Ricardo Galhardo

 
Fotos Claudio Rossi
Cerimônia da seita União do Vegetal: quando a religião faz mal à saúde

Existe uma droga legal no país: a ayahuasca, um alucinógeno produzido pela mistura de duas plantas da Amazônia. Servida em forma de chá, ela embala há pelo menos três décadas as "experiências espirituais" dos seguidores das seitas Santo Daime e União do Vegetal. A beberagem é consumida regularmente por cerca de 15.000 pessoas, entre as quais figuraram artistas como o cantor Ney Matogrosso, o compositor Peninha e as atrizes Lucélia Santos e Maitê Proença. Essa gente diz que a ayahuasca, amarga como o diabo, permite que se tenha contato com uma dimensão divina e lorotas do gênero. Seria uma bizarrice sem importância não fosse um indicativo de como as coisas funcionam no Brasil.

Há sinais inequívocos de que a droga começa a ser consumida fora dos rituais do Santo Daime e da União do Vegetal. Em Rio Branco, capital do Acre, qualquer taxista sabe onde consegui-la. A reportagem de VEJA constatou: 1 litro do chá sai por 50 reais. É pedir e meia hora depois o produto está nas mãos do cliente. A ayahuasca também é exportada para São Paulo sob o nome vago de "chá medicinal". Informada sobre esses fatos, a Secretaria Nacional Antidrogas encomendou à Universidade Federal de São Paulo um estudo mais detalhado a respeito dos perigos da ayahuasca. Embora ainda não esteja pronto, o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, responsável pela pesquisa, adianta que a bebida de coloração ocre e cheiro nauseabundo tem efeitos semelhantes aos do ácido lisérgico. Pode deflagrar surtos psicóticos e, se combinada com outras substâncias, é capaz de provocar morte súbita. Entra aqui o dado curioso. Independentemente dos resultados do estudo encomendado pelo seu pessoal, o general Alberto Cardoso, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional e secretário nacional antidrogas, afirma: "Não proibiremos o uso do chá nos rituais. Religião é religião".

 

O cipó mariri e a folha chacrona: a substância produzida pela mistura das duas plantas é alucinógena.
Também está sendo consumida fora dos rituais

Dessa frase é possível tirar duas conclusões: a) o governo tem o hábito de solicitar pesquisas para depois jogá-las no lixo; b) se um brasileiro fundar uma religião que utilize em seu ritual maconha, cocaína, ecstasy, LSD ou crack, terá a aprovação do secretário nacional antidrogas. Afinal de contas, "religião é religião". Mas há uma razão subterrânea para a estranha tolerância em relação à ayahuasca. Trata-se de uma substância "ecologicamente correta", já que nasceu no habitat dos tais "povos da floresta". E o lobby ecoxiita em favor do chá amazônico é barulhento. Em abril passado, dois brasileiros que se diziam representantes do Santo Daime foram presos no aeroporto de Madri com 10 litros do chá. Acusação: tráfico de droga. Depois de 53 dias em cana, a polícia os soltou. Os espanhóis não suportaram a chiadeira. Mobilizaram-se pela libertação da dupla os senadores acreanos Marina Silva e Tião Viana, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, dom Jayme Chemello, o frade dominicano frei Betto e o ex-frei Leonardo Boff. Dai-me, dai-nos, paciência.

 

Copyright 2000
Editora Abril S.A.
  VEJA on-line | Veja São Paulo | Veja Rio | Veja Recife | Guias Regionais
Edições Especiais | Site Olímpico | Especiais on-line
Arquivos | Downloads | Próxima VEJA | Fale conosco