Edição 1 623 -10/11/1999

VEJA esta semana

Brasil
Internacional
Geral
Economia e Negócios
Guia
Artes e Espetáculos
Colunas
Stephen Kanitz
Sérgio Abranches
Diogo Mainardi
Roberto Pompeu de Toledo
Seções
Carta ao leitor
Entrevista
Cartas
Radar
Contexto
Holofote
Veja essa
Hipertexto
Gente
Datas

Banco de Dados 

Para pesquisar digite uma ou mais palavras no campo abaixo. 


 


Cadu Pilotto/ Caras
A atriz Regina Casé e o diretor Estevão Ciavatta: casamento


Casaram-se:
a atriz Regina Casé, de 45 anos, e Estevão Ciavatta, de 31. Juntos há três anos, eles se conheceram nos bastidores do programa Brasil Legal, apresentado pela atriz. Atualmente, Ciavatta é um dos diretores do programa Muvuca. A cerimônia foi assistida por mais de 500 convidados, entre eles Fernanda Montenegro, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Nelson Sargento – todos padrinhos do casamento. Dia 30, no Outeiro da Glória, Rio de Janeiro.

Encerrado: o prazo para a prestação de contas do filme O Guarani, dirigido por Norma Bengell. A atriz não conseguiu explicar ao Ministério da Cultura como foram gastos os 2.998.824 reais do orçamento, captados por meio das leis do Audiovisual e Rouanet. Em reportagem de 30 de junho, VEJA divulgou a irregularidade. Norma será intimada a restituir o valor, corrigido, aos cofres públicos. O caso da diretora não é isolado. O Ministério da Cultura não fala em demitir o secretário do Audiovisual, José Álvaro Moisés. Dia 5, em Brasília.

Comunicada: por Tung Chee hwa, chefe do Executivo de Hong Kong, a construção de um parque temático da Disney na cidade. Segundo o acordo, o governo local investirá 2,8 bilhões de dólares no projeto, enquanto a Walt Disney se compromete com 320 milhões de dólares. Será o terceiro parque fora dos Estados Unidos. Os outros dois estão em Paris e Tóquio. A inauguração está prevista para 2005. Dia 1º, em Hong Kong.

 

Paulo Jares
Paula Thomaz: em liberdade

Libertada: Paula Thomaz, de 26 anos, condenada como co-autora do assassinato da atriz Daniella Perez, em dezembro de 1992. Paula teve direito a iberdade condicional por já ter cumprido um terço da pena, inicialmente determinada em dezoito anos e seis meses e reduzida para quinze anos em dezembro de 1998. Seu ex-marido, o ator Guilherme de Pádua, condenado como autor do crime, recebeu o mesmo benefício no mês passado. Dia 5, no Rio de Janeiro.

Anunciou: que pretende se separar do marido, o prefeito Celso Pitta, a primeira-dama da capital paulista, Nicéa Nascimento.


Alcir N. da Silva/Folha
Nicéa Pitta:
separação


Ela declarou ter vergonha de estar casada com um homem "sem pulso". Seu desabafo foi uma reação às declarações do prefeito de que não pretende demitir três de seus secretários, com os quais estaria insatisfeito. Nicéa, que desde agosto está nos Estados Unidos estudando inglês na Universidade de Columbia, deve voltar ao Brasil no final do ano. Dia 3, em Nova York.

 

 

Declarada: monopolista a Microsoft, fabricante do sistema operacional Windows, pela Justiça federal americana. O preço das ações da empresa de Bill Gates caiu de 91 para 88 dólares depois da declaração, que ainda não é a decisão final do processo movido pelo governo americano contra a Microsoft. Dia 5, em Washington.

Negado: pedido de indenização por danos morais feito pelo presidente de honra do PT, Luís Inácio Lula da Silva, contra o jornal Folha de S.Paulo. A ação foi impetrada devido a reportagens sobre supostas irregularidades na venda de um automóvel, em 1995, publicadas quando ele concorria à Presidência da República, em agosto do ano passado. A notícia foi posteriormente retificada pelo jornal. Lula poderá recorrer da decisão. Dia 3, em São Paulo.

Morreram: o ator japonês Minoru Chiaki, o último protagonista ainda vivo do filme Os Sete Samurais, do cultuado diretor Akira Kurosawa. Chiaki atuou em onze filmes do diretor. Um de seus papéis mais marcantes foi em Fortaleza Escondida, de 1948, como o soldado Tahei, responsável pelo resgate de uma princesa, ao lado do colega Matashichi. Seus personagens inspiraram os robôs C-3PO e R2-D2 de Guerra nas Estrelas. Dia 1º, de infarto, aos 82 anos, em Tóquio.

o produtor musical Mitar Subotic, iugoslavo que morava no Brasil desde 1990. Subotic produziu discos de Daniela Mercury, Arnaldo Antunes, Mestre Ambrósio e Edson Cordeiro. Estava prestes a assinar contrato para lançar no Brasil seu primeiro disco-solo, São Paulo Confessions, que saiu no início do ano na Europa. Dia 2, aos 38 anos, asfixiado em seu apartamento em decorrência de um incêndio, em São Paulo.

a autora de novelas Regina Braga. Entre seus trabalhos mais importantes está a novela A Idade da Loba, na Bandeirantes, de 1995, que escreveu com a dramaturga Alcione Araújo.
Carlão Limeira
Novelista Regina Braga: morte

Na TV Globo, colaborou em roteiros como o da minissérie Tenda dos Milagres, de 1985, e o da novela Pacto de Sangue, de 1989. Segundo amigos, a novelista apresentava sinais de depressão. Regina estava desempregada desde o fim de seu contrato com a Rede Bandeirantes, em dezembro do ano passado. Dia 1º, aos 57 nos, de causas não reveladas, no Rio.

 

Na boca da fera

Jean Ducuing, de 62 anos, diretor do zoológico. O assassino: Komir, de 26, seu hipopótamo de estimação. Durante anos, eles foram a maior atração do parque zoológico de Pessac, uma cidade de 50.000 habitantes próxima a Bordeaux, no sudoeste da França. O diretor treinava o paquiderme desde filhote. A performance mais pedida pelos visitantes consistia em Ducuing colocar a cabeça dentro da boca do animal. Na segunda-feira da semana passada, dia fechado para o público, o treinador passeava de bicicleta pelo zoológico quando foi surpreendido pelo hipopótamo, que havia escapado de seu cercado. Não se sabe por que o animal o atacou. Após a tragédia, o prefeito da cidade, Georges Peyronne, resolveu interditar provisoriamente o zoológico. Quanto a Komir, a direção de serviços veterinários informou que, se não encontrar brevemente outro treinador, será sacrificado.

LUPA

A dama do inconsciente

 
Alexandre Sant'anna
A psiquiatra Nise da Silveira: arte como terapia da demência

"Tímida, sempre a esquivar-se, como a escusar-se de tomar espaço" foi como o escritor alagoano Graciliano Ramos descreveu a psiquiatra Nise da Silveira, sua conterrânea, no livro Memórias do Cárcere. Eles ficaram amigos na prisão, durante o Estado Novo, acusados de ser comunistas. Sob a aparência discreta daquela médica havia um espírito destemido e revolucionário. Nise Magalhães da Silveira dedicou a vida ao cuidado de doentes mentais. A partir dos anos 40, lutou contra os violentos métodos de tratamento utilizados na época em acientes esquizofrênicos, como eletrochoques e medicação pesada. Nise percebeu que a arte poderia ser um meio de expressão para os doentes mentais. Em vez de eletrochoques, ela lhes deu tinta e pincel. Em 1952 transformou seu ateliê no Museu de Imagens do Inconsciente, que hoje abriga 300.000 obras. Seu trabalho pioneiro no Centro Psiquiátrico Pedro II, no bairro carioca de Engenho de Dentro, revolucionou a psiquiatria no Brasil e tornou-a uma referência mundial. Nise da Silveira morreu no sábado 30, aos 94 anos, de insuficiência respiratória.